Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "drogas"

A real do pedreiro

15 de julho de 2011 0

Esta semana, inventei de fazer uma reportagem onde um usuário de crack seria nosso repórter por um dia no Jornal do Almoço. Para que a história desse certo, precisaria encontrar alguém que estivesse disposto a se mostrar como usuário na televisão. Pode parecer viagem minha, mas a intenção era fazer o cara mostrar o rosto e se assumir. Assim, as pessoas entenderiam que o usuário de crack não é necessariamente um bandido, ainda que tenha atitudes de bandido às vezes.

Muitos manos e minas que eram responsa se perderam. E precisam se achar. Cada vez que escondemos o rosto de um usuário, para protegê-lo, estamos dando a ele o anonimato de pessoas em situação de delito. Mas usuários de drogas são doentes que precisam de ajuda como qualquer outro. Esse equívoco faz com que o problema seja passado para a polícia ao invés de médicos.

Na minha busca, constatei que poucos usuários querem se livrar do vício. A maioria não têm condições de tomar essa decisão. As nossas leis não permitem que uma pessoa seja internada contra sua vontade por um longo tempo. Isto porque, há algumas décadas, muitos absurdos aconteceram por conta de internações compulsórias indevidas. Hoje, a lei precisa mudar, ou vai morrer muita gente. O crack retira por completo a capacidade de um ser decidir sobre si. Se os médicos, juristas e políticos não entenderem isso, mais famílias serão estraçalhadas pela pedra.

Sobre nosso repórter, depois de muita luta encontrei um usuários disposto e com coragem de dar o papo reto. Ele mostrou o vício pelo lado de dentro. Semana que vem, poderemos conferir esta história no Jornal do Almoço. Espero que assistam.

Viagem de macaco velho

04 de fevereiro de 2011 0

Depois de viver por mais de três anos a campanha Crack, Nem Pensar, me assustei com a  aproximação natural de milhares de ovens com as drogas. Muitos nem sequer sabem que estão
enfiados num mar de horrores. Outros, encontram a solução para a dor no falso prazer oferecido pelas drogas.

Nestes rolês pelo Litoral me dei conta de algo que passou a me preocupar mais ainda: a drogadição dos adultos. Fiquei abismado com a quantidade de homens e mulheres pais de família que usam droga, como cocaína e crack. Conversando com um desses casos, ele me afirmou que dava uns
“tecos” só nos fins de  semana, mas que tinha controle, pois há mais de 12 anos estava nessa. Caramba, se ele tem controle, por que não conseguiu parar em todos esses anos? Ele ficou sem resposta.

Uma outra mulher não deixa a filha usar sequer saia curta, mas ela, depois que todos dormem, vai andar no calçadão para fumar um “baseado”. Essa incoerência não funciona, pois os filhos  aprendem mais com as ações do que com as palavras.

Realmente, não sei como entrar na mente desses “macacos velhos” para fazê-los entender que precisam de ajuda especializada. Quem acredita que vive bem, mesmo usando droga, não sabe o que é viver bem. Os mais jovens são controlados pelos seus pais. E os pais, quem controla? A coisa é tão absurda que alguns colocam o dinheiro do pó nas contas do mês. É como se a droga comesse na mesa junto com a família.

Não vivemos em uma sociedade capaz de discutir discriminalização ou legalização do comércio e uso de drogas. Fica essa hipocrisia que uns fingem não usar e outros fingem acreditar no que é dito. Pais viciados são fruto da incapacidade das gerações passadas em lidar com o problema. Nunca acreditei que os governantes e as leis são os responsáveis, pois a justiça só precisa bater martelo quando a consciência falha.

Cada um sabe o que faz da sua vida e deve estar ciente dos riscos. Mas acredito que, quando os atos de um pai colocamm em risco a vida do filho é hora de cair em si e pensar se essa viagem vale tanto assim.