Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Trípodi reencontra o caminho do gol e Metrô vence a primeira no Campeonato Catarinense

12 de fevereiro de 2015 7

Sob o comando de Trípodi, o Metropolitano refez as pazes com a vitória nesta quarta-feira ao bater o Criciúma por 2 a 1, de virada, no Estádio Heriberto Hülse. Mas não foi fácil. O Metrô começou o jogo com pinta de que ia fazer tudo errado, de novo. Com erros de passes e marcação, o time levou alguns sustos do jovem time do Criciúma nos minutos iniciais. Piorou aos 12 minutos, quando Roger Guedes abriu o placar.

Novamente o Metrô tomou gol em uma falha na cobertura dos lados do campo. Diego e Altino bateram cabeça na marcação de Ezequiel, que aproveitou o erro da marcação e invadiu a área para criar o lance que terminou no gol de Roger Guedes.

Crédito: Fernando Ribeiro/Divulgação

Crédito: Fernando Ribeiro/Divulgação

O gol parece ter acordado o Verdão. Mesmo atrás, o time conseguiu manter os nervos no lugar, teve o controle do jogo e criou chances de marcar. Na base da pressão, o time de Blumenau conseguiu desequilibrar a defesa do Tigre, a ponto de o zagueiro Iago Maidana marcar um gol contra.

Com o placar igual, o Metrô seguiu melhor. Tocando a bola e pressionando a saída de bola do adversário, o time de Blumenau levou perigo à meta do jovem David. Faltou precisão para marcar. No segundo tempo ela entrou. Com a mesma aplicação na marcação, o Metropolitano dominou o Tigre. E em uma boa descida do lateral Maicon, Trípodi mostrou porque é considerado como um dos maiores artilheiros das categorias de base do Boca Juniors.

Oportunista, apareceu na área para empurrar a bola para o fundo das redes e decretar a vitória por 2 a 1, de virada.
É com esse espírito e aplicação demonstrados diante do Tigre que o Metropolitano terá condições de brigar por uma vaga no hexagonal semifinal. E essa briga passará pelo desempenho contra os grandes. Semana que vem é a vez de enfrentar o Avaí, que assim como o Criciúma desperta a desconfiança da torcida, na Ressacada.

Os erros diminuíram, mas persistem. Em especial na marcação dos laterais. Pingo e o grupo terão uma semana para trabalhar e corrigir esse erro crônico. Não é porque venceu que o Metrô é o melhor time do campeonato. Mas em uma competição tão equilibrada como tem se desenhado este Estadual, errar o mínimo possível e aproveitar as oportunidades é o caminho para vencer. E assim, mesmo com um time modesto, alçar voos maiores.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (7)

  • Eduardo diz: 13 de fevereiro de 2015

    Aguardando aqui a cornetada mau intencionada do Sr. Luiz Cérebro do Tamanho de Uma Ervilha pautada pela conivência do nobre “blogueiro/jornalista”. Isso, claro, se o meu comentário não for censurado pela “enésima” vez pelo ditador responsável pelo blog.

  • Gustavo diz: 13 de fevereiro de 2015

    O nosso amigo Eduardo fala tanto de ditadura, mesmo sendo comunista, ou seja, não é favorável a democracia. Até hoje nunca vi um comunista democrático.

    Falando do Metrô, penso que agora esta começando a encaixar o trabalho realizado pelo pingo, em manter a posse de bola. Mas convenhamos, não dá pra manter José lucas nesse time.

  • Eduardo diz: 13 de fevereiro de 2015

    1) Isso aqui é um blog que fala de esportes. Quer discutir politica vai lá no blog do Moacir Pereira.

    2) Não sou comunista m…nenhuma.

    3) Eu nem sei quem tu é e com certeza tu também não me conhece. Então fica na tua rapaz

  • Luiz diz: 16 de fevereiro de 2015

    O Eduardo é mesmo um torcedor de organizada mesmo, olha o linguajar sem modos, sem educação e extremamente agressivo. Depois ainda diz que leva filho pra ver jogo, baita exemplo, devo já ensinar o rebento a ser assim como ele, mau educado e que não sabe receber criticas

  • Eduardo diz: 16 de fevereiro de 2015

    Torcedor de organizada é a senhora sua irmã Luiz. Sou muito educado com que merece e se dá o respeito, o que não é o seu caso.

  • Gustavo diz: 17 de fevereiro de 2015

    O Sr. Educação, você trabalha com o que? Fala desta forma no seu local de trabalho? O que as pessoas que trabalham contigo acham deste seu linguajar?
    Você chama o seu chefe de “ditador” ou “Opressor”?

  • Eduardo diz: 17 de fevereiro de 2015

    Vai te catar Gustavo, não lhe devo satisfação alguma. Com certeza as pessoas que trabalham comigo são muito bem tratadas pois não são inuteis igual a sua pessoa. Cada um recebe o tratamento que merece.

Envie seu Comentário