Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Sete jogos, sete escalações diferentes... a metamorfose que vive o Metrô

23 de fevereiro de 2016 0

Mudar é um dos verbos mais conjugados por Valdir Espinosa (foto) no comando do Metropolitano. O treinador mandará ao campo nesta quarta-feira a sétima formação diferente da equipe neste Campeonato Catarinense. O Verdão passa por uma fase de metamorfose, seja por questões técnicas, táticas ou de lesão, como é o caso agora. Novamente.

Léo Moura e Rafinha, as duas principais contratações do clube, estão fora da partida contra a Chapecoense. O volante Bruno Medeiros, que poderia dar maior equilíbrio à equipe, voltou a sentir dores e também não vai jogar. Quem também pode desfalcar a equipe é o zagueiro Elton. Ele e Espinosa conversaram por alguns minutos antes do treino na terça-feira pela manhã sobre a condição física do defensor, mas o atleta trabalhou normalmente.

Crédito: Sidnei Batista, Divulgação

Crédito: Sidnei Batista, Divulgação

Com sete escalações diferentes em sete partidas (veja no gráfico abaixo, com destaque para as novidades de cada escalação em relação à partida anterior) fica mais difícil o time ter atuações consistentes. O treinador já utilizou 19 jogadores diferentes (dois goleiros, um lateral-direito, dois laterais-esquerdo, três zagueiros, quatro volantes, cinco meias e dois atacantes) entre as 11 vagas que tem para iniciar cada partida nas seis rodadas que passaram. Tiaguinho, que deve ser titular nesta quarta-feira, em Chapecó, será o 20º jogador desta lista.

Crédito: Arte Santa

Crédito: Arte Santa

Esse número ajuda a entender o fato de a equipe oscilar tanto de rendimento, como ocorreu diante de Guarani de Palhoça e Inter de Lages, quando o desempenho dos atletas mudou da água para o vinho entre um tempo e outro. Certo é que diante da Chapecoense o Metrô não poderá se dar esse luxo.

Apesar dos desfalques e as mudanças obrigatórias que o Espinosa terá que fazer, o time precisará se superar, encaixar a marcação e valorizar a posse de bola no ataque – como fez o Bugre quando empatou em 1 a 1, com a Chapecoense, na Arena Condá, pela 3ª rodada – para não deixar o Oeste do Estado com mais uma derrota. Afinal de contas, um novo revés combinado com uma vitória do Brusque tira o Metrô da zona de classificação (veja como está a tabela) para a Série D do Brasileiro.

Comente e compartilhe

comentários

Envie seu Comentário