clicRBS
Nova busca - outros

Agricultura

17 jan00:03

Assembleia com cerca de 700 integrados da Doux discutirá mobilização


Cerca de 700 produtores integrados da Doux-Frangosul realizarão na manhã desta terça-feira uma assembleia para definir novas ações em relação às  condições de pagamento da empresa, que seguem inalteradas nas últimas semanas.

Reunião será a partir das 9h, no auditório da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no RS. Conforme o presidente da Fetag Elton Weber os produtores podem decidir realizar uma mobilização, na Capital ou em Montenegro, ainda amanhã, após a assembleia.

Desde a reunião da Comissão de Integrados da Fetag, no dia 4 de janeiro, os produtores esperam o cumprimento do calendário de pagamentos programado pela Doux e muitos manifestaram a intenção de não alojar mais enquanto não receberem o correspondente aos lotes atrasados.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Fetag

Comente aqui
16 jan17:44

Mais da metade dos municípios gaúchos já decretou situação de emergência


A lista de municípios gaúchos em situação de emergência não para de crescer. Segundo balanço da Defesa Civil divulgado nesta segunda-feira 282, do total de 496 municípios gaúchos, já encaminharam seus decretos, e pelo menos mais uma prefeitura — a de Giruá — deve encaminhar em breve o documento.

Giruá está na lista de outras 16 cidades que encaminharam Notificação Preliminar de Desastre (Nopred) à Defesa Civil, mas o prefeito Fabiam Thomas anunciou o decreto ainda na semana passada, bem como um plano local de enfrentamento da situação.

A prefeitura prometeu disponibilizar recursos e organizar, a partir desta semana, um programa de mutirão para construir redes de água para atender cerca de 300 pessoas. O plano também prevê o repasse de sementes para a formação de novas lavouras de milho e pastagem, além de assistência social para as famílias mais vulneráveis, entre outras ações.

Conforme os números da Defesa Civil, a seca já afeta diretamente 1.622.530 pessoas, o equivalente a cerca de 15% da população do Estado.

Municípios em situação de emergência, segundo a Defesa Civil:

Agudo, Ajuricaba, Alecrim, Alegria, Almirante Tamandaré do Sul, Alpestre, Alto Alegre, Amaral Ferrador, Ametista do Sul, André da Rocha, Anta Gorda, Aratiba, Arroio do Meio, Arroio do Tigre, Arvorezinha, Augusto Pestana, Aurea, Barra Funda, Barra do Guarita, Barra do Rio Azul, Barros Cassal, Barão do Cotegipe, Benjamin Constant do Sul, Bento Gonçalves, Boa Vista das Missões, Boa Vista do Buricá, Boa Vista do Cadeado, Boa Vista do Incra, Bom Princípio, Bom Progresso, Bom Retiro do Sul, Boqueirão do Leão, Bossoroca, Bozano, Braga, Cachoeira do Sul, Caibaté, Caiçara, Camargo, Campinas das Missões, Campinas do Sul, Campo Novo, Campos Borges, Candelária, Candiota, Canguçu, Canguçu, Canudos do Vale, Capitão, Capão do Cipó, Casca, Catuípe, Caçapava do Sul, Centenário, Cerrito, Cerro Branco, Cerro Grande, Cerro Largo, Chapada, Chiapetta, Ciríaco, Colinas, Colorado, Condor, Constantina, Coqueiro Baixo, Coqueiros do Sul, Coronel Barros, Coronel Bicaco, Cotiporã, Crissiumal, Cristal do Sul, Cruz Alta, Cruzaltense, Cruzeiro do Sul, David Canabarro, Derrubadas, Dezesseis de Novembro, Dilermando de Aguiar, Dois Irmãos das Missões, Dois Lajeados, Dom Pedrito, Dona Francisca, Doutor Maurício Cardoso, Doutor Ricardo, Encantado, Encruzilhada do Sul, Engenho Velho, Entre Ijuís,Entre Rios do Sul, Ernestina, Erval Grande, Erval Seco, Esperança do Sul, Espumoso, Estação, Estrela Velha, Eugênio de Castro, Fagundes Varela, Faxinal do Soturno, Faxinalzinho, Fazenda Vilanova, Floriano Peixoto, Fontoura Xavier, Formigueiro, Forquetinha, Fortaleza dos Valos, Frederico Westphalen, Garruchos, General Câmara, Getulio Vargas, Gramado Xavier, Gramado dos Loureiros, Guabiju, Guaporé, Guarani das Missões, Herveiras, Humaitá, Ibarama, Ibirapuitã, Ibirubá, Ijuí, Ilópolis, Imigrante, Independência, Inhacorá, Ipiranga do Sul, Irai, Itaara, Itacurubi, Itapuca, Ivorá, Jaboticaba, Jacuizinho, Jacutinga, Jaguari, Jari, Jóia, Júlio de Castilhos, Lagoa Bonita do Sul, Lagoa dos Três Cantos, Lagoão, Lajeado do Bugre, Liberato Salzano, Marau, Marcelino Ramos, Mariano Moro, Marques de Souza, Mata, Mato Leitão, Mato Queimado, Miraguaí, Montauri, Mormaço, Nicolau Vergueira, Nova Alvorada, Nova Boa Vista, Nova Bréscia, Nova Candelária, Nova Esperança do Sul, Nova Palma, Nova Ramada, Novo Barreiro, Novo Cabrais, Novo Tiradentes, Novo Xingu, Não-Me-Toque, Paim Filho, Palmeira das Missões, Palmitinho, Panambi, Pantano Grande, Parai, Paraíso do Sul, Pareci Novo, Passa Sete, Passo do Sobrado, Paulo Bento, Pejuçara, Pinhal, Pinhal Grande, Pinheirinho do Vale, Piratini, Planalto, Ponte Preta, Pontão, Porto Lucena, Porto Mauá, Porto Vera Cruz, Pouso Novo, Progresso, Protásio Alves, Putinga, Quatro Irmãos, Quevedos, Quinze de Novembro, Redentora, Relvado, Restinga Seca, Rio dos Índios, Roca Sales, Rodeio Bonito, Rolador, Ronda Alta, Rondinha, Sagrada Família, Saldanha Marinho, Salto do Jacuí, Salvador das Missões, Santa Bárbara do Sul, Santa Clara do Sul, Santa Cruz do Sul, Santa Margarida do Sul, Santa Maria, Santa Rosa, Santiago, Santo Antônio da Missões, Santo Augusto, Santo Cristo, Santo Ângelo, Sarandi, Seberi, Sede Nova, Segredo, Selbach, Senador Salgado Filho, Sertão, Silveira Martins, Sinimbu, Sobradinho, Soledade, São Domingos do Sul, São Gabriel, São Jerônimo, São José das Missões, São José do Herval, São José do Inhacorá, São João do Polêsine, São Leopoldo, São Luiz Gonzaga, São Martinho, São Martinho da Serra, São Miguel da Missões, São Nicolau, São Paulo das Missões, São Pedro das Missões, São Pedro do Butiá, São Pedro do Sul, São Sepé, São Valentim, São Valentim do Sul, São Valério do Sul, Tapera, Taquari, Taquaruçu do Sul, Tenente Portela, Tio Hugo, Tiradentes do Sul, Toropi, Travesseiro, Trindade do Sul, Três Palmeiras, Três Passos, Três de Maio, Tunas, Tupanci do Sul, Tupanciretã, Ubiretama, Unistalda, União da Serra, Vale Verde, Vale do Sol, Venâncio Aires, Vera Cruz, Vespasiano Correa, Vicente Dutra, Victor Graeff, Vila Maria, Vista Alegre, Vista Alegre do Prata, Vista Gaúcha e Vitória das Missões.

Municípios que encaminharam Notificação Preliminar de Desastre (Nopred):

Aceguá, Carazinho, Coxilha, Erebango, Gentil, Giruá, Maçambará, Pedro Osório, Rio Pardo, Roque Gonzáles, Santo Antônio do Planalto, São Borja, Teutônia, Três Arroios, Tuparendi e Westfália.

ZEROHORA.COM

Comente aqui
16 jan10:16

Chuva melhora nível dos rios e leva alívio a produtores da região

Caio Cigana e Marcelo Gonzatto
caio.cigana@zerohora.com.br | marcelo.gonzatto@zerohora.com.br


Com volume superior a 50mm na maior parte do Estado, a chuva registrada nos últimos dias trouxe alívio aos produtores rurais gaúchos na maior parte do Rio Grande do Sul. Na região de Passo Fundo, a chuva diminuiu a preocupação dos municípios com o abastecimento de água, porém as perdas na agricultura e na produção de leite e milho são irreversíveis.

Em Passo Fundo, que decretou situação de emergência na zona rural, choveu 76,4mm entre a madrugada de sexta-feira e às 10h de domingo, o que representa 53% da média do mês, de acordo com a Estação Meteorológica da Embrapa Trigo. Desde outubro, o município não registrava chuva tão significativa e uniforme.

A precipitação serviu para amenizar a situação dos açudes da região, mas não foi suficiente para reverter o quadro da seca na agricultura. Culturas como a do milho tiveram perdas irreversíveis, de 60 a 80% dependendo do município. A produção de soja já contabiliza 20% de quebra e a chuva trouxe esperanças de recuperação da safra.

— Algumas plantas estavam murchando ou até amareladas. Com a chuva o soja retomará o crescimento na época da floração, mas ainda precisaremos de mais chuvas, já que o período crítico da cultura será em fevereiro na região — explica  Cláudio Dóro, engenheiro agrônomo da Emater.

>> Confira a situação nas outras regiões do Estado na ZEROHORA.COM

Comente aqui
15 jan11:13

Pacote contra a seca deve chegar a R$ 59 milhões, anunciam Tarso e ministros

Carlos Wagner | carlos.wagner@zehora.com.br


Um reforço extra de R$ 18,7 milhões foi a carta que o governo do Estado guardou na manga para anunciar no sábado, em Joia, no noroeste do Estado.

Esse valor se soma aos R$ 28 milhões já anunciados pelo governo federal durante a semana, aos R$ 6 milhões de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para irrigação antecipados na sexta-feira e aos R$ 6,7 milhões que a Secretaria Estadual de Obras Públicas já vem investindo nos últimos 10 dias, totalizando R$ 59,4 milhões em auxílio imediato aos produtores afetados pela seca.

O recurso extra é destinado aos municípios que decretaram situação de emergência e será investido em perfuração de poços artesianos, compra de combustível para caminhões, construção de caixas d’água, doação de cestas básicas e locação de maquinário para fazer açudes e canais.

Ao anunciar os recursos, na Câmara de Vereadores de Joia, o governador Tarso Genro tranquilizou produtores:

– O Estado não vive uma situação de catástrofe e, sim, um problema que se repete de tempos em tempos.

Os ministros da Integração Nacional, Fernando Bezerra, da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, e do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence, acompanharam o governador na visita a Joia e também trouxeram novidades ao Estado.

Bezerra anunciou que o Rio Grande do Sul será incluído no programa Água para Todos, criado para auxiliar o semiárido do nordeste do país. Florence avisou que os agricultores que não contrataram seguro agrícola receberão milho comprado em outros Estados e trigo do Rio Grande do Sul para alimentar os animais. Para quem tem seguro, as vistorias serão aceleradas. Haverá ainda fornecimento de água para consumo humano e de animais e prorrogação das prestações dos financiamentos.

Os dois aviões com a comitiva oficial partiram de Porto Alegre às 8h40min de sábado, com destino ao aeroporto de Ijuí, onde chegaram às 9h30min. Uma das aeronaves era ocupada pelo governador e pelos ministros, e a outra conduzia secretários. Ao desembarcar, Tarso antecipou:

– Estamos aqui para mostrar ações objetivas contra a seca. O fato de três ministros estarem aqui é uma demonstração de ação conjunta entre o governo do Estado e o governo federal.

Confira o detalhamento do uso dos recursos:

R$ 18,7 milhões extras e R$ 3 milhões para locação de máquinas

- R$ 4 milhões da Corsan para redes de água e poços

- R$ 5 milhões remanejados do orçamento da Secretaria da Habitação em municípios onde a Corsan não atende

- O chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, confirmou R$ 6,7 milhões da Secretaria de Desenvolvimento Rural para convênios com municípios e assentamentos
R$ 18 milhões para socorro

- O valor, da União, está no caixa do Estado desde 2011 e pode ser repassado imediatamente aos municípios para, por exemplo, compra de cestas básicas. Autorizado dia 9
R$ 10 milhões para prevenção

- Valor da União deve ser repassado ao Estado até o fim do mês para perfuração de poços artesianos, construção de redes de água e recuperação de barragens. Anunciados na quinta
R$ 6 milhões para irrigação

- Linha de financiamento do BNDES será colocada à disposição dos produtores para investimento na tecnologia. Anunciados sexta-feira
R$ 6,7 milhões para obras

- R$ 3,7 milhões para recuperação de poços e redes de água e R$ 3 milhões para recuperação de açudes. Já tinham sido destinados
SEGURO AGRÍCOLA

- Produtores que contrataram o seguro: quem teve perdas acima de 30% nas lavouras de milho, soja ou feijão deve comunicar imediatamente à agência do Banco do Brasil responsável

- Produtores que não contrataram o seguro: as dívidas das lavouras de milho, soja e feijão serão prorrogadas até 31 de julho
ABASTECIMENTO

- Crédito nas cooperativas: criação de linha de R$ 200 milhões no
BNDES para as cooperativas refinanciarem as dívidas

- Ração animal: o governo federal transportará 200 mil toneladas de milho outros Estado para alimentar animais

Comente aqui
15 jan10:58

Seca atual já supera a de 2005 no Rio Grande do Sul

Caio Cigana | caio.cigana@zerohora.com.br


A seca que se iniciou em novembro, atravessou dezembro e entra em janeiro é até agora mais severa em comparação com a que arrasou as lavouras de soja e milho na safra 2004/2005.

Nem a precipitação dos últimos dias foi capaz de emparelhar o confronto com os índices de sete anos atrás, quando o efeito em cadeia da devastação no meio rural fez o PIB gaúcho amargar um tombo histórico de 2,8%. Cotejando os números dos dois períodos de 10 cidades espalhadas pelo Rio Grande do Sul entre 1º de novembro e 10 de janeiro, o coordenador do 8° Distrito de Meteorologia do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Solismar Prestes, mostrou o drama dos gaúchos.

– Neste mesmo intervalo de 2004/2005, nestes 10 locais choveu o equivalente a 78,8% no normal. Agora, baixa para 50,42%. Mesmo com estas chuvas dos últimos dias não chega a 60% – diz Prestes.

Um levantamento semelhante transformado em um mapa da chuva – ou da seca – pelo Centro Estadual de Meteorologia (Cemet) com as precipitações até as 10h de sexta-feira atesta a constatação do Inmet.

Apesar da comparação macabra com a seca que causou os maiores prejuízos econômicos contabilizados até hoje no Estado, os meteorologistas se apressam em avisar que não há motivo para pânico. Se os prognósticos estiverem certos, o horizonte das próximas semanas é de melhores chances de chuva ante o mesmo período de 2005. Lá atrás, o mês mais abrasador, com chuvas equivalentes a apenas 42% da média, foi fevereiro, justamente o período mais crítico para a lavoura de soja. O resultado foi que a safra do grão que puxa o agronegócio gaúcho minguou para apenas 2,44 milhões de toneladas – quase cinco vezes menor do que ano anterior.

O meteorologista Flávio Varone, do Cemet, vinculado à Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro), avisa que há boas chances de a chuva voltar até o final do mês, pelo menos às principais regiões produtoras de grãos.

Fevereiro apresenta perspectivas um pouco melhores. No norte gaúcho, as chuvas tendem a ser normais. Em uma faixa próxima ao centro do Estado, um pouco abaixo da média. E no Sul, a previsão mais otimista é de precipitações iguais à metade do normal.

Comente aqui
14 jan12:06

Distrito Sede Independência recebe novo equipamento agrícola


O distrito Sede Independência recebeu um novo equipamento agrícola na sexta-feira. O subprefeito Ivo Balbinot recebeu uma plaina hidráulica niveladora reversível. Com a contrapartida do município, a compra dos equipamentos agrícolas está sendo destinada aos distritos do interior.

Na última terça-feira, foi entregue ao Distrito de Bom Recreio uma colhedora de forragem, uma plataforma recolhedora de pasto e um perfurador de solo. Na quarta-feira, no Distrito de Bella Vista, foram entregues uma plaina hidráulica niveladora reversível e um perfurador de solo.

Com informações da Assessoria de Imprensa do vereador Rui Lorenzato

Comente aqui
14 jan11:32

União e Estado farão parceria para implantar projeto de irrigação

Carolina Bahia | carolina.bahia@gruporbs.com.br


Depois da crise provocada pela seca deste ano, um projeto para estimular a irrigação agrícola no Estado será anunciado neste sábado em Joia. Uma linha de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no valor de R$ 6 milhões será colocada à disposição dos produtores para investimento na tecnologia.

O convênio será assinado entre o governo do Estado e o Ministério da Agricultura. O ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, assegura que a verba estará à disposição para quem apresentar projetos para culturas como milho, soja e feijão. O plano será feito em parceria com a Secretaria de Obras Públicas, Irrigação e Desenvolvimento Urbano.

Mendes Ribeiro e o secretário de Obras, Luiz Carlos Busato, conversaram sobre o projeto durante reunião nesta semana em Brasília. Em um trabalho conjunto, o Estado se responsabiliza pelos açudes e a União oferece aos agricultores a linha de financiamento para a implantação da irrigação na lavoura.

Por produtor, o limite máximo de financiamento será de até R$ 1,3 milhão, com juros de 6,25% ao ano, três anos de carência e 12 para pagar.

Esse programa faz parte do Plano Safra lançado no ano passado, que agora será disponibilizado ao Rio Grande do Sul. Os produtores interessados deverão encaminhar projetos às instituições financeiras que vão operar a linha, como o BRDE e Banco do Brasil.

A verba se soma a um montante de R$ 6,7 milhões já destinados pela administração estadual à Secretaria de Obras Públicas.

— São recursos que já estamos aplicando, que ficaram definidos há uns 10 dias. Para a minha secretaria, o governo do Estado liberou R$ 3,7 milhões para a recuperação de poços artesianos e redes de água e R$ 3 milhões para recuperação de açudes. Estamos providenciando a documentação para encaminhar os contratos emergenciais — acrescentou Busato.

Comente aqui
12 jan18:30

Passo Fundo decreta situação de emergência na zona rural

Leandro Becker | leandro.becker@zerohora.com.br


Diante da seca que se espalha em Passo Fundo, o prefeito Airton Dipp assinou na tarde de quinta-feira o decreto de situação de emergência na zona rural do município.

Ele observou que a seca já provoca perdas de 60% na cultura do milho e 20% na área de soja. Também foi verificado dano em 60% da área de pastagem, o que afeta diretamente a produção leiteira.

O decreto de emergência foi baseado em levantamento da Defesa Civil e estudo técnico da Emater. Segundo a avaliação, as perdas na agricultura e pecuária já somam R$ 21 milhões.

Comente aqui
12 jan13:44

Além da seca, pragas preocupam produtores do norte do Estado

BLOG REDE DA SECA
Por Ruy de Araújo Pinto Jr.
Engenheiro Agrônomo da Cotrijal


Os produtores de soja de Almirante Tamandaré do Sul, no norte do Estado, estão com suas lavouras  comprometidas pela seca, principalmente aquelas que foram semeadas antes de 20 de outubro.  Aquelas localizadas nas áreas com “pisoteio” de gado – em que a capacidade de reter água é inferior – também estão muito prejudicadas.

Em ambos os casos, pode-se afirmar que, hoje, a perda de potencial (quebra) é superior a 50%. Por outro lado, algumas lavouras ainda não foram afetadas pela estiagem de forma significativa. De modo geral, a perda, até o momento, é superior a 30%.

O que preocupa é o fato de haver pragas oportunistas como Tripes e Ácaros que, em anos normais, causam poucos problemas. Já em anos de seca, são de extrema gravidade.

>> Leia a matéria completa no Blog Rede da Seca

Comente aqui
11 jan11:10

Seca no RS deve provocar aumento de até 15% no preço de alimentos

Caio Cigana | caio.cigana@zerohora.com.br


O consumidor sentirá no bolso os efeitos da seca no campo. Como a falta de chuva reduz a oferta de alimento aos animais e gera perdas nas lavouras, frango e ovos devem subir cerca de 15% a partir de segunda-feira, enquanto o leite tende a ficar até 10% mais caro até fevereiro.

No caso da avicultura, a principal causa é a quebra na lavoura de milho no Estado. Com a disparada do preço do grão, que responde por cerca de 30% do custo de produção das empresas, a indústria sustenta que será necessário repasse de preços.

— O milho estava em torno de R$ 26 a R$ 27 o saco no fim de novembro, início de dezembro, e agora chega a R$ 34 pelo alarme sobre a queda da safra. Não tem jeito. Frangos e ovos vão subir — diz o diretor executivo da Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), Eduardo Santos, revelando que o problema foi discutido na tarde de terça-feira pela entidade, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e pela Comissão de Agricultura da Assembleia.

O Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos informa que, por enquanto, não há previsão de aumento da carne de porco por ser um período de baixo consumo, mas se os custos continuarem altos, o repasse seria inevitável.

No caso do leite, a situação só não é mais grave agora porque as lavouras de milho perdidas são usadas como alternativa para alimentar os animais em forma de silagem devido ao mau estado das pastagens.

Mesmo assim, um levantamento realizado na terça-feira pelo Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado (Sindilat-RS) mostra que a captação é hoje de 8,5 milhões de litros por dia, um milhão a menos do que o normal para o período.

O problema, lembra o secretário executivo da entidade, Darlan Palharini, é que esta reserva de alimento acabará nos próximos meses. O aumento dos preços, previsto até fevereiro, também ocorrerá pela impossibilidade de outros centros estabilizarem a oferta. Palharini explica:

— Em Minas Gerais, a dificuldade é pelo excesso de chuvas. E a Argentina também está sofrendo com a seca.

O presidente da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), Antônio Cesa Longo, diz que já esperava um aumento do leite, mas entende que o no caso da carne de frango pode não chegar aos 15% previstos pela Asgav.

— Esses 15% até podem ser a necessidade, mas o consumidor pode optar por outra carne e também pode vir o produto de fora do Estado — entende.

Longo não descarta que o aumento atinja o óleo de soja pela previsão de safra menor na América do Sul.

Comente aqui