Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

A final do Catarinense em Chapecó

08 de abril de 2018 0

Domingo de decisão inédita do campeonato Catarinense. É a primeira vez que Figueirense e Chapecoense fazem a final. Um confronto do mais vezes campeão com o time do momento no estado, que está na Série A e busca o tri-campeonato. Será em um dia de sol e temperatura agradável na Arena Condá. Assim amanheceu o dia por aqui.

Vantagem

Leve favoritismo para a Chape, que joga em casa e tem uma equipe mais ajustada pelo tempo de trabalho de Gilson Kleina com os mesmos jogadores.

Novidade

O uso, pela primeira vez no estado, da arbitragem de vídeo tira muito da pressão que costuma pesar sobre os árbitros na decisão. Braulio da Silva Machado terá apoio fundamental em lances de gol, impedimento , pênalti , confusão e cartões vermelhos. Só não pode se atrapalhar com a tecnologia.

A estratégia

Tendência de muita cautela dos dois times, ao menos , até alguém abrir o placar. Se ficar empatado a decisão vai para os pênaltis, fato que aconteceu apenas em 1948 no campeonato Catarinense.

O que mais ouvimos em Chapecó, desde ontem, é a palavra respeito, vindo dos profissionais envolvidos e torcedores dos dois times.

Os times

A defesa é o ponto forte do time da Chape. Protegido por três volantes, o sistema defensivo montado por Gilson Kleina , poucas vezes foi vazado. A jogada de bola aérea também é ponto forte do time. O toque de bola e a criação de meio-campo, ponto fraco ao longo do estadual, melhoraram com a entrada de Canteros, que estava machucado, e o retorno ao clube de Luís Antônio. Wellington Paulista é o destaque entre os atacantes e Apodi ainda é a melhor opção para transição ao ataque.

O Figueirense não tem a força de conjunto da Chape e é um time mais leve e rápido. Betinho, Jorge Henrique e João Paulo – que deve começar o jogo – além de Lazaroni e Diego Renan, que serão os laterais, determinam a característica do Figueira. A circulação rápida da bola entre eles, se ocorrer, pode dar grande vantagem ao time de Milton Cruz. André Luis, com forte presença na área, é sempre uma preocupação ao adversário.

O que vai decidir , porém, é difícil prever, porque, em uma decisão, o fator emocional pesa mais do que em qualquer outro jogo e pode ser motivo de superação ou levar a erros além do normal.

De qualquer maneira, será mais um grande momento do futebol Catarinense, marcado por muita emoção.

Envie seu Comentário