Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Goiás domina, vence e complica o Figueira

17 de agosto de 2018 0

O Figueirense volta a jogar mal, perde em casa novamente e tem jogador expulso em noite de estreia de Lucas Marques e Elton. O Goiás dominou a partida o tempo inteiro e virou o placar para 2 a 1 no segundo tempo.

Perdido

Prevaleceu o jogo corrido, com toques rápidos e bons lances no primeiro tempo. O Goiás veio disposto á atacar e já criou chance aos cinco minutos. A reposta do Figueirense saiu na sequência. Matheus Salles recebeu de Renan Motta e tocou na saída do goleiro. A bola tocou na trave e entrou. A vantagem virou ilusão.

O Figueira recuou e apenas esperou o Goiás. Conseguiu somente mais uma jogada perigosa antes do intervalo. O goleiro Marcos quase tomou um franco em chute fraco de Henan.

O Goiás teve mais de 60 por cento de posse de bola e várias finalizações, até conseguir o empate no último lance do primeiro tempo. Felipe Garcia empatou em jogada regular, apesar da dúvida da própria arbitragem antes de confirmar.

Sem reação

Elton entrou na vaga de Henan e fez a sua estreia, mas foi o Goiás quem continuou com mais posse de bola e finalizações, depois do intervalo.

Sem acetar os passes o Figueira não conseguia chegar ao ataque, mesmo assim o técnico Milton Cruz não mudava o time.

A virada estava desenhada e saiu em cobrança de escanteio que nem no primeiro gol. O zagueiro David subiu sem dificuldade e cabeceou forte. O goleiro Denis colaborou e caiu para dentro da baliza com a bola.

Perdendo, o técnico do Figueira tirou dois volantes e colocou em campo dois atacantes. Saíram Lucas Marques e Matheus Salles , entraram Juninho e Maikon Leite.

Na base do desespero nada produziu no ataque e ainda viu Zé Antônio chutar o adversário e receber cartão vermelho.

Aparece que o repertório do técnico Milton Cruz está acabando.

Uma derrota comprometedora e que deixa o Figueirense para trás, no momento, entre os times que lutam por G-4.

Avaí deixa escapar a vitória em Pelotas

15 de agosto de 2018 0

Trazer um ponto de Pelotas não é um resultado tão ruím, mas deixar escapar a vitória como o Avaí deixou diante do Brasil passa a sensação de frustração intensa, considerando que teve muitas possibilidades de fazer uma vitória folgada.

O técnico Geninho surpreendeu e escalou Luan ao lado de Judson no meio-campo, assim manteve praticamente a forma de jogar como se tivesse três zagueiros.

A defesa estava sólida e os contra-ataques foram constantes, principalmente com Renato pela direita e participação produtiva de Rodrigão no centro do ataque.

Antes de abrir o placar, Renato já havia perdido boa chance. O Leão teve outras chegadas fortes, mas finalizou errado.

Em sua única chance antes do intervalo, o Brasil acertou a trave em cabeceio de Leandro Leite. Antes , a expulsão de Pereira deixou o Avaí com um jogador a mais em campo.

No segundo tempo o Brasil lutou bastante, tentando a superação , mas só levava perigo em cobranças de faltas e escanteios.

O Avaí teve o contra-ataque aberto para liquidar o jogo, porém foi perdendo chances e deixando o tempo passar. Guga não aproveitou duas vezes e Lourenço perdeu na frente do goleiro.

A famosa frase, “ a bola pune” , entrou em ação ao 42 min. Leandro Camilo desvio de cabeça a cobrança de falta e empatou a partida.

O Leão volta com um ponto, quando teve tudo para faturar os três.

Figueira escapa de perder em Caxias

11 de agosto de 2018 0

O frio em Caxias não impediu um jogo movimentado e com muitos lances de gol no Alfredo Jaconi. O empate sem gols foi melhor para o Figueira porque o Juventude teve mais chances para vencer.

Incrível

O Figueirense optou por tentar controlar as ações ofensivas do Juventude no primeiro tempo e sair com toques rápidos para o setor ofensivo. Acabou ficando mais na defesa, permitiu mais posse de bola e finalizações, porém o Juventude não criou lances claros para fazer o gol.

A melhor chance foi do Figueira. Matheus Sales começou a jogada e tocou para Jorge Henrique, ele rolou para Henan. O centroavante dominou livre e de frente para o goleiro fez o mais difícil. Tocou para fora. Lance inacreditável. Outra chance também surgiu para Henan, novamente com passe de Jorge Henrique. Ele bateu cruzado e o goleiro defendeu.

Pênalti

O Juventude voltou melhor para o segundo tempo e aproveitou momentos de desatenção da defesa do Figueirense para criar lances de perigo. Antes dos 10 min o goleiro Denis salvou uma e Elias perdeu outra chance clara para o Juventude.

Milton Cruz tentou colocar o Figueira mais no ataque com duas alterações. Saíram Renan Motta e Henan e entraram Juninho e André Luis. Juninho entrou bem, chegou a acertar a trave de fora da área, mas acabou sentindo lesão e foi substituído por Maikon Leite.

Sem compactação o Figueira concluiu pouco e deu muito espaço. O Juventude continuou criando mais chances. Leandro Lima perdeu uma e Maikon outra boa possibilidade de fazer.

No último lance do jogo, já aos 50 min, Nogueira fez pênalti, o árbitro marcou fora da área. Fred bateu e a trave salvou.

Apesar de não voltar ao G-4, o Figueira pode comemorar o ponto. Jogou menos e foi beneficiado pelo erro do Árbitro Marcelo de Souza.

Rodrigão decide e Avai acaba com série sem vencer em casa

07 de agosto de 2018 0

O Avai interrompeu a sequência de quatro jogos sem vencer em casa, mas teve de lutar muito para furar o bloqueio defensivo do Vila Nova.

Destaque para a mudança promovida pelo técnico Geninho. Ele tirou o terceiro zagueiro, escalou Marquinhos e André Moritz juntos no meio-campo e foi assim até quase o final do jogo.

O Leão fez um jogo menos intenso, diminuiu a velocidade, mas trabalhou bem a bola e criou bons lances para fazer o gol. O Vila, apostando no contra-ataque, também criou algumas jogadas perigosas, principalmente no primeiro tempo.

Marquinhos armou as principais jogadas no primeiro tempo e até quase fez um gol de cabeça. Luan Pereira, que entrou na vaga de Romulo, machucado , também ajudou a construir algumas jogadas e finalizou bonito duas vezes. Uma em cada tempo.

A qualidade diminuiu no segundo tempo, mas a emoção aumentou. O Avai teve grande volume de jogo, criou menos, mas pouco permitiu ao ataque do Vila e, acima de tudo, fez o gol.

Depois de várias tentativas, Guga bateu escanteio da direita e Rodrigão garantiu a vitória com cabeceio perfeito. Pela luta no meio dos zagueiros e o gol, fundamental como sempre, Rodrigão o cara do jogo.

O time mostrou que pode jogar de outra maneira, mas ainda não passou a confiança de que pode repetir a escalação contra qualquer adversário, principalmente fora de casa.

Vitória importantíssima contra um adversário direto.

Avaí fecha o turno com empate

04 de agosto de 2018 0

O jogo em Araraquara foi daqueles em que o Avaí sai com sentimento de que poderia ter conseguido a vitória, mas, também, esteve perto de perder. Empatar, então, não foi tão ruím.

O Avaí teve o jogo controlado em todos os momentos antes do intervalo. Foi eficiente na defesa e teve boas chances no ataque.

Na primeira chance da partida, Rodrigão bateu de voleio e fez um golaço. A Ponte criou apenas uma chance e empatou com André Luiz, mas o Avaí continuou melhor e deixou de ampliar quando Renato e Rodrigão perderam ótimas oportunidades.

No segundo tempo a Ponte pressionou mais e foi perigosa em vários momentos. André Luiz acertou um chutaço e virou a partida.

O Avaí encontrava dificuldades, mas teve chance de empatar. Porém , Getúlio e Renato perderam. Geninho fez alterações e colocou o time no ataque.

A derrota se encaminhava, quando o árbitro viu pênalti em Capa. Bruno Santos tirou a bola com pé, depois ocorreu o choque com Capa que se agachou para cabecear. Não pareceu pênalti.

Guga bate e empatou. A Ponte ainda acertou o travessão com Yuri, mas o placar não mudou.

Por tudo que aconteceu no jogo e pela posição na tabela, um bom resultado para o Leão.

Figueira fecha o turno com mais um tropeço em casa

31 de julho de 2018 0

O Figueirense terminou o primeiro turno da Serie B sem vitória no Orlando Scarpelli e com um empate frustrante diante do CRB.

A timidez ofensiva do primeiro tempo fez o Figueirense parar nos toques laterais e algumas finalizações sem muito perigo. Jorge Henrique voltou, mas sentiu o tempo parado e participou pouco. O lateral-direito, Matheus Ribeiro, que fez boa estreia, participou de bons lances no ataque.

A melhor chance antes do intervalo foi do CRB. A defesa inteira vacilou e Felipe Menezes perdeu na pequena área.

A melhor chance do Figueira não se concretizou por erro do árbitro paraense, Andrei Silva e Silva. Henan estava em posição duvidosa quando lançado, mas o zagueiro tocou a bola para trás e tirou um possível impedimento. Henan ficaria sozinho na frente do goleiro, mas o assistente marcou e o árbitro não considerou o toque do zagueiro Anderson Conceição.

O segundo tempo foi dominado pelo Figueirense, que jogou o tempo inteiro no campo de ataque, principalmente depois da expulsão do zagueiro Anderson Conceição, que deu uma pancada em Juninho. Faltou , porém, criar o lance decisivo. Embora a pressão, muita posse de bola e vários escanteios, as poucas chances que surgiram foram tocadas para fora.

O aproveitamento em casa continua baixo e para buscar o acesso é necessário melhorar bastante.

Desempenho e cartões complicam o Figueira em Belém

27 de julho de 2018 0

O Figueirense planejou um jogo de marcaçãoo e contra-ataques na Curuzu, mas pouco do que propôs deu certo e ficou pior ainda com a fraca arbitragem de Francisco Carlos do Nascimento.

A escalação com três volantes, que funcionou diante do Guarani, não rendeu em Belém. Deu alguma segurança defensiva até os 30 min do primeiro tempo, mas o time não atacou e ainda permitiu vários lances antes do intervalo e até acontecer o gol, já aos 5 min do segundo tempo. Pedro Carmona fez de cabeça.

Para buscar o empate o técnico Milton Cruz colocou Juninho e André Luís, tirando Patrick e Diego Renan. O Figueirense melhorou, criou três chances para empatar, mostrava melhor condição física, quando começou lambança do árbitro. O atacante Jonhatan, que já tinha amarelo, deu cotovelada em Ferrareis. O lance passou sem cartão. Logo depois , Ferrareis subiu usando o braço contra Matheus Silva. Acabou expulso. André Luís deu um chega pra lá no apitador e também recebeu vermelho.

A sequência de cartões dados ou deixados de aplicar, acabaram com a reação do Figueirense. O Payssandu, com dois a mais em campo, ainda teve um pênalti cometido por Matheus Salles. Jonathan bateu e liquidou o jogo.

Agora resta mobilizar o time para o jogo em casa com o CRB e terminar o turno no G-4.

Marquinhos e Rodrigão reclamam em mais um empate do Avai na Ressacada.

27 de julho de 2018 0

O Avai continua tropeçando em casa, perde chances no primeiro tempo, cai de produção no segundo e chega a quatro jogos sem vencer na Ressacada.

O Avai foi mais produtivo no ataque durante todo o primeiro tempo, mas faltou acertar a finalização. Rodrigão, André Moritz, Romulo e Renato poderiam ter marcado, mas finalizaram para fora.

O CSA preferiu tocar a bola e pouco chegou no setor de finalização. Na melhor chance, a bola parou no travessão, mas foi tocada para trás pelo zagueiro Betão. Apesar da ausência de gol foi um tempo de bom futebol.

Mas depois do intervalo a qualidade do jogo caiu bastante. O CSA continuou na defesa e tocando bola sem objetividade. Terminou a partida sem finalização que merecesse destaque. O Avai, apesar da insistência, criou uma chance clara apenas aos 37 min. Guga cruzou e Beltran bateu firme, mas o goleiro salvou.

O técnico Geninho não arriscou e manteve os três zagueiros até o final e surpreendeu quando tirou Rodrigão. O atacante não escondeu o descontentamento e saiu disparando palavrões. Marquinhos, que entrou apenas nos minutos finais também reclamou . Disse que acha que ” estão fazendo de sacanagem mesmo”.

Um ponto ficou melhor para o CSA, que jogou fora de casa, teve desempenho inferior ao Avai e mantém a vaga no G-4.

Avai: um ponto nas mãos de Aranha

24 de julho de 2018 0

O Avai não repetiu diante do líder o bom desempenho de outros jogos fora de casa, mas, mesmo assim, conseguiu o empate e comemorou o ponto na Arena Castelão.

O gol do Fortaleza aos 4 min, feito por Dodo de pênalti, mudou o posicionamento esperado para o primeiro tempo. Rogério Ceni orientou o time para ficar mais cauteloso e foi assim que levou perigo em mais três lances, sempre no contra-ataque. A Linha de três zagueiros, Marquinhos, Airton e Betão, estava insegura. O Avai errou o toque de bola, esbarrou na marcação e terminou o primeiro tempo sem criar chance clara de gol.

O segundo tempo foi ainda mais complicado para o Avai. O técnico Geninho tentou melhorar a equipe com Luan Pereira, Getúlio e André Moritz, sacando o zagueiro Marquinhos, porém, até os 30 min, quem mais criou foi o Fortaleza. O goleiro Aranha salvou bicicleta de Dodo e cabeceio de Marcinho. O próprio Marcinho perdeu outro lance depois de driblar toda a defesa.

O Avai escapou vivo do pior momento e achou a sua jogada para empatar. Em lance que parecia perdido, Adalberto empurrou Getúlio e fez pênalti. Guga bateu firme e empatou.

O Fortaleza ficou abalado e o Avai administrou o empate.

Ótima atuação de Dodo e Marcinho, mas o nome do jogo foi Aranha, que com desempenho excelente evitou a derrota.

Um ponto precioso para o Avai, que não jogou bem e se mantém no G-4 com o empate.

Defesa segura e Figueira voltar a vencer em casa

24 de julho de 2018 0

O Figueirense fez um jogo atípico diante do Vila Nova no Orlando Scarpelli, mas conseguiu vencer em casa depois de três partidas e voltar ao G-4 depois de quatro rodadas.

O gol de Cléberson, aproveitando cobrança de escanteio feita por Diego Renan aos 4 min, mudou o posionamento esperado dos times. O Figueira foi para a defesa e o Vila ao ataque. O Vila ficou com a posse de bola e o Figueira tentava surpreender em jogadas rápidas, principalmente com Maikon Leite.

Foi assim o jogo inteiro porque aos 29 min Maikon Leite puxou o contra-ataque e cruzou para Patric – o melhor em campo e que havia começado a jogada – fazer o segundo gol. O Figueira aproveitou as duas chances que teve antes do intervalo e o goleiro Denis, com boas defesas, evitou o gol do Vila.

A configuração não mudou no segundo tempo. O Figueira não saia da defesa e sofria pressão. Quando Juninho entrou no lugar de Maikon Leite surgiram as duas melhoras chances. Juninho bateu de longe e quase fez um golaço e na sequência Ferrareis acertou a trave.

O Vila descontou com Maguinho aos 26 min e restou ao Figueira segurar o placar. As chances de empate apareceram, porém, Elias e Anderson Cavalo não aproveitaram.

Uma atuação apenas razoável, mas a vitória é importantíssima nesta fase da Série B.