Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Figueira deixa escapar a vitória no último lance em Fortaleza

20 de outubro de 2017 0

O Figueirense contrariou a lógica, mudou novamente o sistema tático, jogou como time entrosado, apesar de várias mudanças , e fez bom jogo em Fortaleza. Volta , porém, lamentando o gol no último lance, com a colaboração do goleiro Saulo.

Equilíbrio

Milton Cruz surprendeu ao escolher o time que começou o jogo. Marco Antônio ficou no banco, João Paulo entrou no meio-campo e compôs uma formação de vários jogadores rápidos que melhoraram o toque de bola. Com Dudu, Dudu Vieira, Renan Motta e Jorge Henrique, além de João Paulo, contando com Zé Antônio na proteção e André Luiz no ataque, o time ficou equilibrado.

Dudu Vieira abriu o placar no primeiro lance do jogo, o Ceará empatou na sequência com lima, depois de uma lambança da defesa, setor que mostrou insegurança no primeiro tempo. Na sequência o jogo esfriou um pouco, mas o Figueirense seguiu bem, chegou com perigo em dois lances e não permitiu chances claras ao Ceará.

Dudu Vieira

O Ceará tentou pressionar mais no segundo tempo, mas o Figueirense melhorou a marcação e barrou as ações ofensivas, muitas vezes com faltas táticas. Até os 30 min apenas duas jogadas levaram perigo. Dudu recebeu de Dudu Vieira e perdeu boa chance. O Ceará chegou com bom chute de Leandro Carvalho, que Saulo mandou para escanteio.

Ferrugem e Joãnzinho entraram no time do Figueirense, que continuou melhor em campo. Aos 37 min o Figueirense trabalhou a bola no ataque, Joãnzinho rolou para Dudu Vieira, que , da entrada da área, acertou um chutaço no canto, dando a impressão que encaminhava a vitória.

Uma noite de glória para Dudu Vieira, titular por muito tempo , reserva ou fora da lista outro tanto, e, agora, responsável por um ponto ao menos , conquistado fora de casa.

Foi um jogo de bom futebol do Figueira, que calou o Castelão quase lotado, mas de lamentação pela ausência da vitória, roubada no chute de Pio no último lance do jogo.

Marquinhos brilha , mas Botafogo empata no último lance

18 de outubro de 2017 1

O Avai fez o melhor segundo tempo do campeonato e, comandado por Marquinhos, estava encaminhando a vitória, mas deixou escapar no último lance do jogo.

Sem lances

Os dois treinadores escolheram jogadores com características para atacar bastante, porém a preocupação defensiva foi maior.

Assim o primeiro tempo transcorreu sem criatividade e nenhuma chance clara de gol.

Show de Marquinhos

A transformação do Avai encantou o torcedor depois do intervalo. Foi o melhor desempenho do time em um tempo de jogo até agora na Série A.

A transformação chama-se Marquinhos. Ele entrou na vaga de Joel, mas ficou no meio-campo para Romulo atuar centralizado.

Em 20 min o Avai desmontou o Botafogo, criou seis chances claras, um lance mais bonito que o outro e abriu o placar.

Marquinhos estava em todos os lances, deu toque de calcanhar, passe de primeira, bateu faltas e escanteios com perfeição e fez o gol de pênalti. Agora, junto com Décio Antônio, é o maior artilheiro da Ressacada.

Uma atuação para ser chamado de Sr. Marquinhos, o craque do jogo. Mas o Avai não liquidou o jogo quando podia.

A grande atuação do MS10, porém, não foi suficiente para garantir a vitória. Depois de acertar a trave aos 38min, o Botafogo fez o gol de empate no último lance do jogo. Marcus Vinicius aproveitou o vacilo da defesa aos 50min.

Um empate amargo e complicador para o Leão.

Figueira é envolvido em Londrina

17 de outubro de 2017 0

O Figueirense apostou em um time com três zagueiros para encarar o Londrina, mas continuou sem estabilidade defensiva e perdeu, como tem perdido quase todos os jogos fora de casa: sem assustar o adversário.

Três zagueiros

Recuado e sem saídas para o contra-ataque o Figueirense não atacou e também não soube defender. A estratégia de Milton Cruz ruiu cedo.

O Londrina não precisou acelerar o jogo para atingir o objetivo. Carlos Henrique abriu o placar aos 27 min e avisava que a derrota era questão de tempo.

Três atacantes

Apesar de arriscar mais no segundo tempo e terminar o jogo com três atacantes- André Luiz, Zé Love e Ty Sandows- o Figueirense nada criou depois do intervalo.

Restou a esperança de tentar um lance isolado para empatar nos últimos minutos, mas foi pouco. A verdade é que o Figueirense escapou de uma goleada, considerando as chances criadas pelo Londrina que acertou a trave duas vezes, além de outras jogadas.

Ao menos restou ao Figueira comemorar a posição fora do Z-4, beneficiado pelo tropeço do Guarani.

Fluminense não deu chance ao Avai no Maracanã

15 de outubro de 2017 0

O Avai não soube parar o Fluminense no início do jogo e , depois, faltou força e qualidade para reagir.

Dourado

O Avai finalizou apenas uma vez e de longe com Luanzinho. Isso não deixa dúvida da incapacidade ofensiva do time no primeiro tempo. Mas não foi por ter ficado muito recuado. O time tentou sair para o ataque com vários jogadores, principalmente depois de sofrer o gol, mas errou muitos passes próximo da área do Flumiense e sofreu com os contra-ataques.

O Fluminense teve mais de 60 por cento de posse de bola, criou três chances claras e aplicou forte pressão no início, conseguindo, assim, abrir o placar antes dos 15 min com Henrique Dourado.

O Fluminense mandou no primeiro tempo, sem fazer uma grande apresentação.

Equilibrio

O Avai melhorou o toque de bola, errou menos passes e equilibrou o segundo tempo, principalmente depois dos 20 min, com a entrada de Romulo e Marquinhos. Também conseguiu bloquear os contra-ataques do Flumiense que não teve chance clara de gol.

A melhora, porém, não foi suficiente para evitar a derrota por que o Avai chegou pouco na área e finalizou menos ainda. Tirando um cabeceio de Leandro Silva – gol não confirmado pelo árbitro porque Alemão fez falta no goleiro e estava impedido – e desvio de cabeça de Joel, quase no final, nada mais criou de perigo.

O Fluminense sempre esteve mais perto da vitória , por isso, o Avai nada pode lamentar, a não ser o fato de continuar no Z-4.

Figueira vence o Santa e sai novamente do Z-4

14 de outubro de 2017 0

O Figueirense saiu novamente do Z-4, mas sofreu no final por não liquidar logo o jogo que parecia decidido.

Zé Love e Renan Motta

O Figueirense fez bom primeiro tempo por marcar bem e aproveitar as chances que criou.

Zé Love perdeu uma chance incrível aos 30 segundos, mas aproveitou a sobra na área aos 28 min e abriu o placar. Renan Motta ampliou antes do intervalo e confirmou o desempenho equilibrado da equipe.

Não só por fazer os gols, mas os dois foram os destaques do primeiro tempo. Na zaga, mais uma vez, Henrique Trevisan deu segurança ao sistema defensivo.

Susto

O segundo tempo passou sem lances expressivos até os 35 min. O Figueirense administrava a vantagem e o Santa Cruz nada construía.

Mas o gol de Anderson Sales colocou drama no últimos 15 min. Foi um gol acidental, porém , tirou a tranquilidade do Figueira.

O Santa pressionou e deu sustos toda vez que chegou na área. Para complicar ainda mais , Trevisan sentiu uma lesão e deixou o Figueira com dez, porque Milton Cruz tinha feito três substituições.

Apesar da fraca atuação do segundo tempo, o Figueira conquistou três pontos, sai do Z-4 e fica a três vitórias da permanência na Série B, faltando nove jogos.

Avai perde para o Vasco e complica situação na tabela

12 de outubro de 2017 0

O gol do Vasco no início do jogo forçou o Avai a mudar a forma de jogar, mas, embora, o crescimento no segundo tempo e , com a vantagem de um jogar, o empate, ao menos, não aconteceu.

Dois lances

O golaço de Wagner aos dois minutos colocou mais pressão no time do Avai que, apesar da insistência, criou poucos lances de perigo e viu o Vasco fazer a segunda chance. Andrez Rios aproveitou o vacilo de Alemão e ampliou.

Luazinho, a novidade do Avai, ficou encaixado na marcação pela esquerda e pouco produziu, os demais jogadores do Avai também não repetiam atuações anteriores.

O Vasco, com a vantagem, tirou a velocidade do jogo e retardou o reinício do jogo sempre que teve oportunidade.

Marquinhos

O técnico, Claudinei Oliveirs, fez mudanças radicais para o segundo tempo. Marquinhos e Romulo entraram já no reinício e, mais tarde , Lourenço substituiu Judson.

O time ficou com mais toque de bola e conseguiu pressionar até provocar a expulsão de Andrez Rios, que atingiu o rosto de Pedro Castro com a mão. Na sequência o zagueiro Betão descontou.

O Avai não deixou o Vasco atacar e aumentou a posse de bola, porém criou pouco. Embora a pressão, apenas Romulo e Lourenço tiveram chance de empatar. Romulo tocou por cima e Lourenço chutou fraco em cima do goleiro.

O Vasco administrou o final do jogo e garantiu os três pontos, resultado que o afasta do risco de cair.

O Avai deixou escapar a chance de se afastar do rebaixamento com os três jogos em casa em quatro rodadas, segue no Z-4 e agora joga com Flumiense no Rio. A situação fica cada vez mais apertada.

Figueira perde no Mato Grosso e volta ao Z-4

07 de outubro de 2017 0

O Figueirense não soube usar a estratégia adequada para enfrentar o Luverdense e o calor de Lucas do Rio Verde. Pagou preço alto , perdendo por três e escapando de um resultado ainda pior.

O Luverdense dominou a partida todo o tempo, criou dez chances claras de gol, aproveitou três e provocou gritos de olé da torcida no final.

O principal problema do Figueirense foi deixar as linhas muito distantes, principalmente nas laterais, setores que não contaram com a ajuda de Ty Sandows e Joãozinho.

Assim, Dudu e João Lucas, ficaram expostos e foram envolvidos o tempo inteiro, sem a esperada correção do técnico, Milton Cruz.

Uma péssima atuação e com a dolorida consequência de empurrar o time novamente para o abismo do Z-4.

Avai tropeça em casa e volta ao Z-4

01 de outubro de 2017 2

A dificuldade de enfrentar times fechados mais uma vez travou o Avai e provocou a derrota depois de sete jogos.

Sem coragem

O Avai não conseguiu envolver o Atlético em nenhum momento antes do intervalo, porque ficou no meio do caminho entre pressionar a defesa adversária e proteger o próprio sistema defensivo.

O Atlético aproveitou a indecisão avaiana e levou perigo em alguns lances. No melhor deles, Andrigo acertou a trave.

O primeiro tempo sem gols não era bom, mas foi o melhor que o Leão conseguiu no jogo.

Gordinho

O Avai não mudou a atitude para o segundo tempo e pagou preço alto. Capa fez pênalti e Luís Fernando abriu o placar.

Claudinei Oliveira mexeu no time, mas, curiosamente, não optou por Marquinhos. Preferiu a entrada de Luan Pereira e Willians nas vagas de Joel e Juan.

Walter acertou um chutaço da entrada da area e fez o segundo gol em poucos minutos.

O Leão ficou abalado e partiu para uma reação desesperada agora já com Marquinhos em campo.

Willians perdeu duas chances na pequena área. O time seguiu insistindo com o apoio do torcedor. O Atlético ficou só na defesa. O final se encaminhou assim.

O Avai ainda reclamou pênalti quando o jogador do Atlético escorregou e tocou a mão na bola involuntariamente. O árbitro acertou ao mandar seguir.

Escapou uma grande chance do Leão acumular pontos, mas o pior é o retorno para a zona de rebaixamento.

Pênalti salva o Figueira diante do Paraná

29 de setembro de 2017 2

O jogo foi disputado o tempo inteiro sob chuva no Orlando Scarpelli, mas o gramado manteve condições adequadas e permitiu uma boa disputa. O equilibrio prevaleceu quase todo o tempo e um pênalti decidiu o jogo.

Pênalti

A movimentação foi intensa no primeiro tempo, etapa com poucos lances de gol, mas com o Figueirense um pouco melhor pela presença forte de Dudu, Patrick e Pereira no setor direito e Henrique Trevisan na zaga.

Gabriel Dias teve boa oportunidade para o Paraná e Henan de cabeça para o Figueira, mas o gol saiu de um pênalti que não existiu. Patrick caiu sozinho na hora do chute e o árbitro, Wagner Nascimento Magalhães, marcou. Henan bateu com frieza e assumiu a artilharia da Série B com 12 gols.

Resistência

A qualidade da partida diminuiu no segundo tempo e restou ao Figueirense, que atacou pouco, resistir a tentativa de empate do Paraná.

O técnico Mateus Costa abriu o time colocando atacantes em campo , Milton Cruz, técnico do Figueira, reforçou a marcação tirando Ty Sandows e colocando Dudu Vieira. Henan, machucado, foi substituído por Nicolas Careca.

O grande lance foi do Paraná. Renatinho acertou o travessão em cobrança de falta. Ao Figueirense, sem capacidade para trabalhar a bola ou contra-atacar, restou se defender e garantir o placar.

Uma vitória fundamental, que ao final da rodada deve tirar o Figueira do Z-4, depois de 102 dias.

Empate foi melhor para o Figueira no Heriberto Hülse

26 de setembro de 2017 0

O Jogo teve equilibrio somente depois do intervalo, mas quem esteve mais perto da vitória foi o Tigre.

Só deu Tigre

O Criciúma teve amplo domínio no primeiro tempo, mantendo muita posse de bola e criando boas chances de finalização.

Alex Maranhão e Silvinho, apoiados por Diego Giaretta, envolveram a defesa do Figueirense e criaram as principais jogadas no lado esquerdo.

Foi daquele setor a cobrança de escanteio para o gol de cabeça de Giaretta. O Criciúma poderia ter ampliado, mas não aproveitou o melhor momento.

O Figueirense, recuado e sem ligação com o ataque, não levou perigo antes do intervalo.

Reação

O segundo tempo foi muito diferente. O Figueirense adiantou o time, marcou no campo do Criciúma em vários momentos e ficou mais próximo da área do Tigre.

Foi assim que Henan recuperou a bola aos 14 min , tocou para Luydi, ele bateu cruzado e encontrou Dudu sozinho para empatar.

O jogo seguiu equilibrado até os minutos finais e com os trinadores usando as três substituições.

Nos lances finais o Criciúma teve duas chances, mas Lucão perdeu uma e o goleiro Saulo salvou a outra. Patrick teve a chance da virada no último lance, mas não soube o que fazer com a bola.

O resultado foi melhor para o Figueira, que jogou menos e fez ponto fora de casa. O Tigre lamenta por que se distancia do G-4.