Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Rodada de tropeços dos catarinenses na Série B

26 de junho de 2016 0

Os três catarinenses da Série B tropeçaram na décima segunda rodada e muito deixaram a desejar no futebol apresentado, mas a situação do Criciúma é boa, diferente de Avai e Joinville.

SALVOU NO FINAL

O Tigre apenas empatou em casa com o Bragantino, depois de perder chances no primeiro tempo e escapar da derrota no segundo, quando Jheime mais uma vez entrou e fez o gol de empate quase no final, repetindo o jogo com o Tupi. O time continua no G-4 , porém o próximo jogo é com o Atlético-GO fora de casa , amanhã.

SEM CHANCE

O Joinville seque na zona de rebaixamento depois de perder mais uma fora de casa. Diante do Paraná o time comando por Hemerson Maria pouco chegou ao ataque , quase não finalizou e não resistiu na defesa. O placar de 1 a 0 foi pouco. Situação do treinador sob avaliação.

Renan Salva

O Avai segue longe das vitórias e do bom futebol, embora as mudanças que o técnico Silas promoveu na equipe com reforço na marcação.

Em Juiz de Fora o Leão foi pressionado , sofreu o gol e construiu apenas uma jogada de ataque no primeiro tempo. Willian perdeu na pequena área em belo passe de Romulo, que aproveitou a leve melhora em alguns momentos do segundo tempo para empatar a partida. Não passou disso. O Tupi continuou pressionando e no último lance o goleiro Renan fez milagre para evitar o gol, desviando a bola que ainda bateu na trave.

Com um ponto acima da zona de rebaixamento, a situação do técnico Silas pode se complicar caso o Leão não vencer o Vila Nova, terça-feira.

Depois de 12 jogos , a projeção anterior ao inicio se confirma, o Criciúma mostra potencial para buscar o acesso já Avai e Joinville fazem campeonato de manutenção, ao menos se continuarem assim.

A saída de Guto e a chegada de Caio Júnior á Chape

25 de junho de 2016 0

A saída de Guto Ferreira interrompe um trabalho que deu bons resultados desde o ano passado na Chapecoense e representa risco de baixa no desempenho, mas também uma oportunidade para melhorar ainda mais.

Não cabe julgar a escolha do treinador, somente ele sabe o que mais pesou na decisão e somente ele poderia decidir. O que vai acontecer no futuro ninguém sabe.

Contratado

Caio Júnior foi a escolha da Chape para comandar o time a partir de agora. Diferente de Guto Ferreira ele gosta de times mais ousados, jogadores mais técnicos e futebol mais vistoso, porém , deve se adaptar às características do grupo.

É uma boa escolha. Caio Júnior tem larga experiência nos principais clubes do Brasil, conhece o futebol Catarinense, está precisando reconquistar espaço na Série A e pode elevar o padrão da equipe.

Tudo isso, porém , não garante o sucesso. O trabalho no dia a dia em Chapecó é que vai mostrar se vai dar certo.

Pontaria falha e Figueira empata sem gols com o Botafogo

22 de junho de 2016 4

O Figueirense voltou a jogar bem apenas meio tempo e assim ficou mais difícil de fazer a primeira vitória fora de casa, por isso o empate com o Botafogo foi um bom resultado em Juíz de Fora.

Gols perdidos

Defendendo bem e explorando os amplos espaços deixados pelo Botafogo, além de recuperar várias bolas no campo de ataque, o Figueirense teve muitas possibilidades de finalizar e perdeu três chances claras para abrir o placar antes do intervalo. Dudu perdeu duas vezes e Ermel uma.

Domínio

O segundo tempo apresentou outra configuração. O Botafogo fez alterações, colocou jogadores mais habilidosos e dominou as ações, mas errou muitas finalizações ou parou nas defesas do goleiro Gatito Fernandes.

Vinicius Eutrópio demorou para mexer no time e quando mudou trocou atacante por atacante e volante por volante. Éverton Santos e Guilherme Queiroz entraram nas vagas de Ermel e Lins, Jocinei substituiu Ferrugem. Alterações que não mudaram a situação. Reforçar a marcação no meio e liberar dois atacantes apenas para atacar- sem precisar acompanhar os laterais – era a substituição mais adequada.

Ainda assim a chance mais clara do segundo tempo e única foi do Figueirense. Airton bateu a falta, o goleiro soltou a bola e Éverton Santos perdeu o gol com baliza aberta.

A campanha não é ruím, mas só passará a ser boa quando vencer fora de casa.

Avai demora para reagir e fica no empate com o Atlético-GO

21 de junho de 2016 3

O Avai fez um jogo de muitos erros até a metade do segundo tempo, reagiu a partir de algumas alterações, empatou e quase virou a partida, porém acabou ficando no empate por um gol com o Atlético-GO.

Reclamação

O Avai começou o jogo mostrando segurança defensiva com Alemão e Célio Santos fechando as laterais e Braga e João Paulo combatendo no meio-campo. A presença ofensiva era limitada. A partir da lesão de Célio o Avai começou a dar espaços porque João Paulo demorou para se reposicionar na lateral e Diego Jardel entrou desligado no meio.

O Atlético aproveitou, abriu o placar com Matheus e poderia ter ampliado com Junior Viçosa, mas ficou nisso.

O Avai reclamou de dois pênaltis, mas a decisão do árbitro foi correta. O time saiu de campo vaiado.

Troca no apito e golaço

O árbitro Rodrigo do Amaral sentiu uma lesão muscular logo depois do intervalo e foi substituído por Eduardo Cordeiro Guimarães. Os dois apitaram bem.

Até a metade do segundo tempo o Avai mais errava do que acertava, mesmo assim teve três chances de empate, mas escapou duas vezes de sofrer o segundo gol.

A partir da entrada de Lucas Fernandes e Menezes o Avai cresceu, pressionou e envolveu a defesa, com destaque para Diego Jardel que organizou o time e Romulo que deu passes e fez um golaço, empatando o jogo.

Logo depois Willian recebeu de Romulo e perdeu a chance da virada na frente do goleiro. A pressão continuou até o fim, mas o Atlético segurou o empate.

Figueira derruba o líder em seu melhor jogo até agora

19 de junho de 2016 4

O Figueirense manteve a invencibilidade no Orlando Scarplli com mais uma vitória diante de um adversário da parte de cima da tabela. O placar de 3 a 2 é a amostra mais evidente das emoções que dominaram a partida.

O Alvinegro realizou a partida mais regular do campeonato até agora, mantendo a intensidade o tempo inteiro e a vantagem no placar também.

Desde o início o Figueira partiu para cima e o Inter tentou o contra-ataque. Mais envolvente o Figueira criou mais chances o jogo inteiro e poderia ter vencido por uma placar mais folgado.

Desta vez o time não precisou dos gols de Rafael Moura, que preferiu nem bater o pênalti, para fazer três na defesa menos vazada do campeonato. Bady fez dois e Ferrugem o outro.

A atuação foi tão consistente que todos os jogadores tiveram bom desempenho, porém, Ferrugem, Lins e Bady brilharam no time do Figueira.

Méritos para o técnico Vinicius Eutrópio, que ganhando mais tempo para trabalhar vai arrumando o time, sempre com muita simplicidade e servindo de exemplo para o jogo limpo.

Chape acorda no segundo tempo e vence no Barradão

19 de junho de 2016 0

A Chapecoense não fez uma grande partida, mas soube explorar a ansiedade do Vitória , que se abriu empurrado pelo torcedor no Barradão , e conseguiu um excelente resultado.

Sono

Os times demoraram para acordar. A Chapecoense ficou muito recuada no primeiro tempo e o Vitória pouco finalizou. Ainda assim a chance mais clara foi do time catarinense, mas Silvinho perdeu.

Acordando

A Chapecoense continuou muito na defesa no retorno do intervalo e foi evolvida em vários momentos. O Vitória finalizou bastante e até a trave acertou, mas o jogo começou a mudar com duas alterações no meio-campo da Chapecoense. Moisés sentiu lesão e Cléber Santana cansou. Os substitutos, Rafael Bastos e Artur Maia, acrescentaram mobilidade e chegadas ao ataque, ações que estavam faltando.

O jogo ficou bom mesmo a partir da metade do segundo tempo. Aos 26 minutos Sérgio Manoel abriu o placar, Marinho empatou um minuto depois, porém, Thiego de cabeça fez o segundo da Chape aos 30.

O Vitória partiu para cima, pressionou e criou duas chances para empatar, mas a Chape também perdeu dois lances na frente do goleiro com Lucas Gomes e Bruno Rangel e garantiu mais três pontos.

Grande resultado, que empurra a Chapecoense para o grupo de cima na tabela.

Figueira recebe o Inter e Chape vai a Salvador

18 de junho de 2016 0

A derrota para o Santa Cruz deixa o Figueirense mais uma vez desconfortável para um jogo em casa e agora sem Carlos Alberto , que teve participação fundamental na vitória Contra o Flamengo.

A chance de manter a invencibilidade no Orlando Scarpelli aumenta com o retorno de Marquinhos, Ayrton e Rafael Moura , que não jogaram em Recife, mas não resolve todos os problemas.

Para não tropeçar, vai ser necessário o controle das jogadas aéreas e contra-ataques, pontos fortes do Inter , além de paciência para enfrentar muitas faltas , artimanha usada de forma exagerada pelo time gaúcho.

Rafael Moura vai ter motivação extra para enfrentar o Inter e Argel como vê o Figueirense ?
O comportamento dos dois merece ser observado com atenção.

Derrubar o time de Argel pode representar o ponto de afirmação do Figueirense no campeonato. Vencendo tem chance de abrir quatro pontos da zona de rebaixamento depois de nove rodadas, situação que daria mais confiança e tranquilidade ao time.

Salvador

O calor da capital bahiana é um dos obstáculos que a Chapecoense tem de superar para buscar mais uma vitória fora de casa, em jogo que começa ás 11h no Barradão.

Ainda sem Dener e Gil, o desafio da Chape é manter o desempenho das primeiras rodadas, quando ficou distante do Z-4, situação que já não é confortável como antes, depois da derrota para a Ponte Preta e dois empates em casa.

O Vitória está dois pontos abaixo da Chape na tabela e vai forçar o jogo para tirar a diferença. Resta ao time catarinense manter a segurança defensiva de outros jogos e atacar com frequência também , assim teria chance de fazer os três pontos.

Contra adversário direto fora de casa, não perder já é razoável.

Criciúma tropeça em casa diante do lanterna

18 de junho de 2016 0

O Criciúma perdeu o aproveitamento de 100 % em casa , mas pode ficar satisfeito por que conseguiu o empate no último lance , gol de Jheimy , que voltou ao time depois de 4 meses se recuperando de lesão.

O Tupi, lanterna da Série B, apertou a marcação e complicou as ações costumeiras do Criciúma pelos lados do campo e surprendeu ao virar o jogo.

O Tigre abriu o placar com Hélio Paraíba e parecia que venceria com facilidade, mas o jogo mudou e depois de um primeiro tempo fraco, precisou lutar muito no segundo tempo para evitar a derrota.

O resultado só não foi pior para o Criciúma por que Náutico, Bahia e Atlético , adversários diretos, também tropeçaram em casa.

Avai chega á quarta derrota seguida

17 de junho de 2016 3

O Avai repetiu diante do Goiás os mesmos erros de outros jogos, embora o reforço na marcação, e acabou perdendo a quarta partida seguida e despencando na tabela de classificação.

No primeiro tempo o Avai não atacou e a defesa estava desarrumada, só não sofrendo o gol por que o goleiro Renan até pênalti defendeu.

Melhorou no segundo tempo quando ajustou a marcação em cima dos laterais do Goiás, mas no momento decisivo da partida sofreu o gol. Fábio Sanches fez o pênalti e Anderson Sales cobrou.

Romarinho saiu machucado no primeiro tempo e Lucas de Sá na segunda etapa. Luan perdeu o equilíbrio emocional e acabou expulso e , assim, Cassiano não teve trabalho para fazer o segundo gol e liquidar a partida aos 42 min

Mais um jogo de péssimo futebol e sem conquistar pontos desestabilizam o Avai, que terça-feira joga em casa com o Atlético, a surpresa do campeonato até agora.

Joinville empata novamente em casa

17 de junho de 2016 4

O Joinville esbarrou novamente em sua falta de criatividade e deixou passar mais uma oportunidade para vencer em casa ao empatar por um gol com o Ceará.

O jogo foi truncado, com muitos cartões e poucos lances de gol. O Joinville ainda foi obrigado a fazer duas alterações no primeiro tempo por lesão.

Bastou uma pequena melhora na segunda etapa para abrir o placar com Fernando Viana, mas a defesa não resistiu e Richardson empatou de cabeça.

O que o Joinville faz longe da Arena desperdiça quando joga em casa, por isso continua perto da zona de rebaixamento.