Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Noite de viradas emocionantes e mais uma derrota do Figueira no Catarinense

23 de março de 2017 1

Os times que disputam a liderança venceram nesta quarta-feira – hoje tem Joinville e Criciúma que também buscam a ponta – mantendo o equilibrio na disputa pelo primeiro lugar do segundo turno. Mas não foi fácil.

Brusque

O Brusque teve de virar o jogo diante do Metropolitano para manter o bom aproveitamento. Venceu por 3 a 2 mostrando que está firme e correndo por fora na disputa.

Ressacada

O Avai passou sufoco, mas virou o jogo diante do Tubarão, depois de sofrer dois gols no inicio da partida. O gol no final impediu o tropeço e manteve a esperança de ganhar o campeonato sem uma final.

Chape

Não foi diferente a situação da Chapecoense em Itjai. O time comandado por Wagner Mancini perdia por dois gols no segundo tempo e, mesmo assim conseguiu virar para 3 a 2, placar que mantém a Chape em posição favorável no segundo turno.

Lages

Na luta contra o rebaixamento o Inter conseguiu o melhor resultado ao vencer o Figueira por 1 a 0, gol de Enercino, o destaque da partida. O Figueira fez a décima quinta partida da temporada e , em vez de melhorar, piora a cada rodada. O Figueira atual envergonha o gorcedor e, disparado, é o pior time do Figueirense desde 1999, quando começou um período vitorioso, que agora dá sinais de esgotamento com a gestão instável de Wilfredo Brilinguer.

Os grupos estão bem divididos na tabela. Cinco buscam a liderança, cinco lutam contra o rebaixamento, e o Figueirense é um deles.

Avai "passeia" em Blumenau

19 de março de 2017 0

O Avai acabou logo com qualquer risco de se complicar em Blumenau, impedindo o crescimento do Metrô- que poderia superar a limitação técnica na base da empolgação- com dois gols de Junior Dutra em menos de 10 min.

No segundo tempo, Marquinhos e Vinicius Pacheco completaram a goleada e , nem a falha de Kozlinski no gol do Metrô, causou problemas ao Leão.

Junior Dutra comandou a vitória, com boa movimentação e dois gols. Nem deu para perceber a ausência de cinco titulares pela fragilidade da defesa do Metropoitano.

Resultado que apenas confirma a superioridade do Leão na comparação com o time de Blumenau.

As mudanças no futebol do Figueira

18 de março de 2017 5

A bandeja carregou as cabeças de Léo Franco e Branco, ainda no calor da derrota para o Joinville e, em pleno camarote da diretoria, no Orlando Scarpelli.

Foi a resposta do presidente, Wilfredo Brilinguer, á pressão da torcida por melhores resultados no momento que o clube atravessa uma das piores fases desde o ano 2000.

A dupla do futebol acertou pouco na montagem do time, não conseguiu fazer ajustes e ainda deu o azar de perder Marquinhos, João Paulo e Zé Love, jogadores que muito ajudariam para superar a turbulência técnica. Então, era uma mudança esperada.

O cargo de superintendente de futebol é fundamental na montagem da equipe e administração da área técnica, mas tem funcionado precariamente na gestão Brilinguer. Não há sequência de trabalho e de profissionais. Na média, muda tudo a cada trimestre.

Desde o final de 2012, quando Brilinguer assumiu a presidência, o período de maior sequência foi sob o comando de Argel, que iniciou em 2014 e terminou em 2015. Mesmo assim não foi um trabalho sustentado por conceitos de longo prazo, mas apenas conduzido pela energia e empolgação do treinador.

Agora , Carlos Arini, foi contratado para a função que já exerceu no clube. Os conceitos continuam os mesmos. Mais uma vez a preocupação não é com a formação de um time identificado com a torcida, mas sim com a colocação imediata de jogadores no mercado.

Joinville envolve o Figueira e vence no Scarpelli

18 de março de 2017 2

O Figueirense teve , mais uma vez, uma atuação constrangedora na derrota para o Joinville em casa, repetindo as atuações anteriores no campeonato.

O time, apesar das limitações, tentava equilibrar o jogo no primeiro tempo quando o atacante Bill- que ainda não fez gol no campeonato e mesmo assim recebeu a tarja de capitão – deu uma cotovelada em Junior Sutíl e acabou expulso.

O Joinville já vencia por 1 a 0 , gol de Renan Teixeira, então aproveitou para tomar conta da partida. Em alguns momentos colocou o Figueirense na roda e ampliou com gol de Marlyson no segundo tempo.

Grande resultado e boa atuação do Joinville, líder do segundo turno, que contou com boas atuações de Renan Teixeira, Bruno Rodrigues, Alex Ruan e Breno.

O Figueirense é um time sem nada. Até Dudu, revelação da temporada, não repetiu o desempenho de jogos anteriores.

Apito

Apesar da displicência em alguns momentos, Sandro Meira Ricci teve ótima atuação.

Derrota para o Criciúma complica chance de antecipação do título pelo Leão

13 de março de 2017 0

O Avai perdeu a invencibilidade para o Criciúma, sofrendo três gols em casa, único lugar onde a defesa foi vazada até agora.

Além da atuação instável, o Avai sofreu por encontrar o Criciúma inspirado na finalização, caso do golaço de Alex Maranhão e, com a contribuição do goleiro Kozlinski em dois gols.

O fato é que a ausência de Diego Jardel, Leandro Silva, Luan, Judson e Romulo, que saiu machucado, pesaram no desempenho do Leão.

É difícil prever as consequências desta derrota para o Avai, mas é certo que a folga do primeiro turno não se repetirá. A derrota em casa já está computada, diferente do início quando venceu no Heriberto Hülse e , além disso, vai jogar nos estádios da Chapecoense e Brusque, os dois adversários mais fortes do momento. O clássico com o Figueirense, quando o fator local pesa menos, também não será na Ressacada.

O segundo turno promete ser um bom teste para o Leão, já garantido na final, se ela existir.

Brusque "engole" o Figueira no Augusto Bauer

12 de março de 2017 2

O Figueirense frustrou cruelmente a expectativa da torcida, que esperava um pouco de futebol na abertura do segundo turno, mas viu o time ser dominado pelo Brusque no Augusto Bauer e perder o jogo por 2 a 0.

A limitação técnica individual, a falta de organização, a apatia e a presença de vários jogadores sem experiência, além dos experientes que nada produzem, transformaram o Figueirense em um time qualquer.

O Brusque não tomou conhecimento. Dominou , envolveu , criou chances e obrigou o goleiro Thiago Rodrigues a boas defesas para evitar a goleada.

O Brusque engoliu o Figueira sob o comentado de Mineiro, Boquita, Eliomar e Jonatas Belusso. A expulsão de Josa no segundo tempo desmontou o time que tentava a reação, mas perdia chances.

No Figueira , as atuações de Dirceu, Josa, Hélder , Patrick e Bill entraram na lista do volume morto.

Boa arbitragem de Ramon Abatti Abel.

Figueira, Tubarão e Chape reagem no final do turno

05 de março de 2017 2

Antes da rodada deste domingo o Avai já era o primeiro colocado do turno, além de ser o time que apresentou o futebol mais eficiente na arrancada da competição, por isso, o empate com o Inter não causa problemas significativos, embora a diferença na pontuação geral para a Chape, segunda colocada, tenha caído para 4 pontos. O jogo valeu mais para receber a taça do turno.

A última rodada , porém, mudou algumas situações que pareciam consolidadas em rodadas anteriores.

Cresceu

A Chapecoense, por exemplo, jogou bom futebol diante do Criciúma e garantiu o segundo lugar, apesar de ter ficado abaixo da projeção inicial. Tendência é entrar forte no returno, emovora o desgaste dos jogos da Libertadores que começa esta semana.

Resultado

O Figueirense, que venceu a primeira fora de casa, novamente não fez grande jogo em Blumenau, mas subiu na tabela e termina o turno longe da zona de rebaixamento. O primeiro lugar do segundo turno é um sonho distante.

Consolidou

O Brusque, apesar da oscilação da segunda e terceira rodadas, confirmou a tendência e fez um turno seguro, praticamente eliminando os riscos de rebaixamento.

Reagiu

O Tubarão, apesar do início sem vitórias, sempre apresentou desempenho de qualidade. A reação nas rodadas finais afasta o time do rebaixamento e indica um segundo turno menos dramático.

Patinou

O Criciúma ficou no meio do caminho. A equipe tinha condições de disputar a ponta do turno, mas o sistema defensivo desequilibrado fez o time perder muitos pontos nos momentos crusciais, como na estreia em casa diante do Avai.

Decepção

O Joinville não está na lista de favoritos e se comportou assim durante o turno. O time não deslanchou e ainda foi prejudicado por lesões de jogadores importantes. Também não se esperava que ficasse na zona de renaixamento, situação que pode ficar dramática no segundo turno.

Para não cair

O Barroso ficou em situação difícil e o Inter ainda não se afastou do risco de cair, além de precisar melhorar o desempenho.

Alguns destaques individuais

Rossi da Chape.

Diego Jardel, Junior Dutra, Romulo e Denilson do Avai.

Dudu do Figueirense.

Roberto do Joinville.

Enrcino do Inter.

Assis do Brusque.

Dódi do Criciúma.

Jandrei e Daniel Costa do Tubarão.

Sabiå do Metropolitano.

Vanbasty do Barroso.

Pênaltis tiram Avai da Copa do Brasil

01 de março de 2017 3

O Avai, além de perder tecnicamente, deixa escapar um faturamento acima de um milhão de reais com a eliminação da Copa do Brasil.

o jogo único nesta fase aumentou a incerteza da Copa do Brasil e o Avai não soube enfrentar a situação de forma adequada. A atitude não foi a esperada para um jogo decisivo.

Desligado

O Leão demorou para entender o jogo no primeiro tempo e só criou lances claros de gol depois dos 40 min. Antes restou a reclamação de um gol não confirmado pelo árbitro. Romulo finalizou, mas apesar da discussão, Alemão fez carga no zagueiro que protegia a bola.

O Luverdense dominou a partida porque ganhou o meio-campo com boa presença dos volantes Ricardo e Diogo Sodré que comandaram as ações. Em um chute de fora da área, Diogo Sodré abriu o placar.

Junior Dutra

As alterações do técnico Claudinei Oliveira no intervalo mudaram a configuração da partida. Caio César entrou na vaga de Renato e Junior Dutra substituiu Diogo Jardel. O Avai acelerou o jogo, abriu espaços nos lados do campo e criou boas chances para empatar. O gol de empate saiu de um rebote do goleiro aproveitado por Junior Dutra. A partir do gol a pressão diminuiu e os dois times evitaram correr riscos, arrastando o jogo para os pênaltis.

Sem pontaria

Mais uma vez o Avai não teve a atitude esperada no início da decisão. Marquinhos Santos bateu fraco e o goleiro Diogo Silva, o cara da partida, defendeu. Depois Romulo também não aproveitou e, para fechar a sucessão de mancadas, Leandro Silva bateu por cima, jogando fora a vaga e a esperança de seguir na competição.

O Avai sobrou na conquista do primeiro turno

25 de fevereiro de 2017 2

O Avai ganhou o primeiro turno do estadual com sobras e pode conquistar o título se vencer também o segundo turno, sem precisar de final. O primeiro lugar foi alcançado com uma rodada de antecedência.

No jogo com o Almirante Barroso, em Itajai, apesar da ausência do meio-campo titular, o Avai controlou o adversário com eficiência e liquidou a partida com a participação decisiva do zagueiro Alemão, autor de dois gols de cabeça, na vitória por 3 a 0.

O Avai aproveitou o entrosamento do time, base do ano passado, e foi empilhando pontos enquanto os adversários buscavam arrumação. A Chapecoense, adversário mais forte, ficou logo pelo caminho com a derrota na Ressacada.

Mantendo a forma simples de jogar – primeiro muita marcação e depois saídas rápidas ao ataque – o técnico Claudinei Oliveira conseguiu fazer o time subir de nível.

Capa e Leandro Silva tomaram conta das laterais. Kozlinski surprendeu no gol. Marquinhos, quando jogou, deu qualidade ao meio-campo. O ataque se beneficiou do equilíbrio do time. Diego Jardel, Romulo, Denilson e Junior Dutra, mesmo não sendo titular, foram decisivos. Cada um do seu jeito e em jogos diferentes.

Tudo está muito ajustado , dentro e fora de campo no Avai. Vai ser difícil alguém tirar o título do Leão.

Figueira continua atravessando o samba

25 de fevereiro de 2017 1

O Figueirense confirmou diante do Tubarão que a boa atuação no clássico foi apenas um momento diferente da temporada, não a mudança para melhor.

A lentidão, a organização precária e qualidade limitada em alguns setores, marca do ano, foram aspectos constantes o tempo inteiro.

O Tubarão dominou o primeiro tempo, envolveu com bom toque de bola, mas saiu atrás com um gol contra. Não demorou para Rafael Ratão empatar.

O Figueirense melhorou depois do intervalo, muito por que o Tubarão não suportou a parte física, mas deixou de aproveitar as chances que criou. A melhor delas parou na trave em cabeceio de Índio. O Tubarão teve o lance para vencer no final, mas Josa tirou de cabeça em cima da linha.

Marcio Goiano vai precisar de muito tempo e mais jogadores de qualidade para fazer um time adequado para o desafio do ano.