Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Figueira faz boa entreia e vence o Criciúma

17 de janeiro de 2018 0

O Figueirense, além de vencer, teve bom desempenho diante do Criciúma no Orlando Scarpelli, estreia no Campeonato Catarinense.

Milton Cruz, técnico do Figueira, posicionou o time com boa organização defensiva e ações rápidas no ataque, pouco permitindo ao Criciúma, que só teve uma chance clara para empatar. Foi em Cobrança de falta de Carlos Eduardo, que acertou o travessão já nos acréscimos do segundo tempo.

André Luiz ficou entre os zagueiros e quase não participou do jogo, mas Maikon Leite pela direita, João Paulo na esquerda, além de Betinho e Felipe Amorim por dentro, criaram vários lances e exigiram ótimas defesas do goleiro Luiz, o melhor do Criciúma.

Felipe Amorim, com três passes precisos, até mesmo no gol de Maikon Leite, colocando companheiros na frente do goleiro, foi o cara do jogo.

O Figueirense deixa boa impressão na primeira rodada e mostra grande potencial de crescimento. O Criciúma muito precisa melhorar.

O que esperar dos times catarinenses em 2018. Chape salvou 2017.

31 de dezembro de 2017 0

Na frente

A Chapecoense salvou o ano do futebol Catarinense em competições nacionais. Demostrando grande capacidade de reestruturação depois da tragédia de Medellin, remontou toda a diretoria e fez um time forte, que, mesmo vendendo dois destaques durante a Série A, – Rossi e Girotto- acabou conquistando vaga na pré-libertadores. Antes havia levantado a taça de campeã estadual e impressionado na Libertadores, só não avançando para a fase eliminatória, por um erro administrativo.

Pode melhorar

A Chape reúne as condições ideais para fazer mais uma grande temporada, embora a imprevisibilidade dos resultados. Fora de campo mantém os profissionais do futebol e conta com uma gestão sem dívidas e com dinheiro em caixa para investir. Dentro de campo manteve a maioria dos jogadores e vai reforçar com alguns nomes expressivos.

Sonho limitado

O Avai teve um ano de muita luta, mas faltou um pouco de ousadia para evitar o fracasso dos resultados. Jogando sempre no limite, acabou em segundo no estadual e rebaixado na Série A. Um pouco mais de qualidade no time poderia ter mudado a história, sem comprometer as finanças, que, aliás , terminam o ano desalinhadas, apesar da promessa do presidente, Francisco Battistotti, de pagar tudo em dia. O salário de novembro e o décimo terceiro não estavam depositados até o dia 29 de dezembro.

Mudanças

O ano de 2018 promete ser de mais aperto financeiro para o Avai, que perde a cota de Série A, R$ 24 milhões, e terá que se virar com R$ 6 milhões da Série B. O time perdeu o goleiro Douglas e o atacante Junior Dutra, destaques da temporada, mas vai ter sequência de trabalho com o treinador Claudinei Oliveira e já confirmou André Moritz e Martinuccio, bons jogadores para o meio-campo. O goleiro Rubinho também é boa escolha.

Trágico

O Figueirense teve um ano trágico, consequênca de uma gestão marcada por trapalhadas desde o final de 2012, que endividou o clube e solapou os bons conceitos de fazer futebol. Restou se contentar em evitar o rebaixamento no estadual e Série B. Rebaixamento para a Série C, aliás, evitado depois da entrada dos novos parceiros, que, por enquanto, não mostraram totalmente a cara e chegaram fazendo lambança, muito evidente no caso Alex Bourgeois, além de vender revelações como Robinho, Dudu e Luis Gustavo, sem o proporcional investimento no time.

Promessas

As promessas são muitas para 2018, mas é bom ter cautela, porque o contrato com os investidores ainda não foi assinado. Ao menos um bom sinal na área de futebol com a manutenção de Milton Cruz como técnico, Fernandes na gerência e Felipe Faro como diretor.

Sofrimento

O ano foi de muito sofrimento para o torcedor do Joinville, ainda abalado com as pancadas de 2016. E o time não conseguiu se recuperar, passando com participação discreta no estadual e não avançando para fase decisiva da Série C. Até o presidente caiu, mas se mantém no cargo graças a um acordo com a oposição que vai até abril.

Esperança

Mas 2018 pode ser o ano da recuperação e há bons sinais. A diretoria vai mudar, o técnico escolhido, Rogério Zimermann, tem prestígio e o time mescla revelações como o goleiro Matheus, volante Roberto e atacante Marlyson, com jogadores experientes, casos de Renan Teixeira, Evaldo e Grampola. Para quem vai disputar a Série C é um bom começo.

Sem rumo

O Criciuma seguiu em 2017 o roteiro dos últimos anos, muitos negócios de jogadores, troca de técnico e diretores de futebol e menos time. Ficou no meio do caminho no estadual e Série B.

Nada indica que vai ser muito diferente em 2018. o treinador escolhido tem perfil de quem trabalha no curto prazo. Agitado, lembrando Argel, Lisca não costuma ter vida longa, principalmente começando um trabalho. As primeiras contrações também não empolgam. Eltinho, Sandro e Siloé, por exemplo.

Rebaixado na Vila

03 de dezembro de 2017 0

A tensão e a emoção prenderam o torcedor até o último instante, mas o Avai não fez a sua parte. O empate com o Santos não bastou e o Avai volta para Série B, novamente, e reafirma a condição de clube que não consegue fazer sequência na Série A.

O time lutou, acreditou, até comoveu a torcida pela disposição em campo, mas as limitações técnicas foram maiores.

Desde o início o Leão era forte candidato ao rebaixamento, porque enfrentou a principal competição do país com quase todos os jogadores da Série B, que, mesmo com o acesso, já era um time com limitações para uma segunda divisão, imagina a primeira. Neste caso, a menor reponsabilidade é do técnico Claudinei Oliveira, que fez bom trabalho.

O orçamento baixo é o argumento para menos investimento, fato que deve ser respeitado porque não aumenta o endividamento, mas o número baixo de acerto nas contratações também pesou, sem contar que havia possibilidade financeira de contratar mais dois jogadores antes do fechamento das inscrições e a diretoria não viabilizou.

O goleiro Douglas foi a única contratação da temporada que fez a diferença. Junior Dutra, embora o bom desempenho, ficou devendo gols em jogos na Ressacada, quando poderia ter decidido.

Outros contratados foram titulares, mas ficaram abaixo da necessidade. São os casos de Pedro Castro, Simião , Joel, Juan, Maurinho e Leandro Silva. O lateral Maicon, a principal contratação, entrou poucas vezes em campo. Muito por problemas dele, muito, também , por escolha inadequada do treinador.

O jogador com mais qualidade técnica também não teve aproveitamento completo. Marquinhos ficou várias rodadas fora de combate por lesão e muitas no banco por opção do técnico.

Entre os jogadores que deram sustentação e liderança, o zagueiro Betão foi o mais regular.

Os garotos Lourenço e Luanzinho mostraram potencial, mas não é deles que se deve cobrar soluções.

Resumindo, sobrou disposição, mas faltou qualidade para o Avai ficar na Série A.

É o terceiro rebaixamento em 9 anos, impedindo o clube de fazer sequência longa na Série A, mostrando que é fundamental acreditar mais em profissionalismo e times fortes e, menos em “sobre natural de Almeida” , reforçado sempre pelo bordão, ” esse Avai faz coisa”.

Maicon decide e Leão fica vivo para a última rodada

26 de novembro de 2017 0

O Avai soube encarar o jogo com o Atlético-PR, aplicando desde o início uma atitude de quem estava diante de uma decisão. O torcedor entendeu, não desistiu e
apoiou o tempo inteiro.

As movimentações iniciais mostraram o Avai determinado e procurando o ataque em velocidade, principalmente com Maurinho.

O gol, que deu mais confiança e começou a encaminhar a vitória, saiu de um toque de Pedro Castro para Maicon. Lembrando lances memoráveis de sua carreira, o lateral bateu bonito no ângulo e comemorou que nem um menino.

A partir da vantagem no placar o Avai travou um batalha incansável para garantir os três pontos e conseguiu, não sem muito sofrimento, característica do time atual , que é acostumado a sofrer, segundo o técnico , Claudinei Oliveira.

Quando Alemão perdeu o freio e o fez o pênalti, foi preciso contar com o chute errado de Fabricio para afastar o risco e ficar vivo.

Um jogo vencido com o coração na ponta da chuteira e que, combinado com outros resultados, deixa a porta aberta para a permanência na Série A.

Avai mantém a esperança em noite de sonho dos garotos da base

20 de novembro de 2017 0

O Avai voltou a vencer em casa e não precisou mudar radicalmente a estratégia de jogo, embora usando uma formação com mais atacantes, porque o Palmeiras adiantou a linha de defesa e permitiu sempre o contra-ataque.

O Palmeiras, embora tentando atacar, não teve muitas chances claras no primeiro tempo. No lance mais perigoso, Tchê Tchê acertou o travessão da entrada da área. Pedro Castro teve o lance mais claro do Avai antes do intervalo. Mas foi um tempo de bom futebol e muitas ações ofensivas do dois times.

O árbitro, Ricardo Marques Ribeiro, colaborou para ausência de gols ao deixar de marcar um pênalti para cada time.

A lesão de Junior Dutra , aos 35 min , influenciou no roteiro final do jogo. Luanzinho, que o substitui, deu passes perfeitos no segundo tempo e teve participação decisiva. Ele colocou Maurinho em condições para finalizar. O atacante foi derrubado pelo goleiro . Pênalti que Marquinhos bateu e abriu o placar.

Pedro Castro recuperou a bola, tocou para Maurinho, que deu toque perfeito para Lourenço , o garoto que acabara de entrar não vacilou e encaminhou vitória com belo chute no canto.

O Avai recuou mais ainda para segurar o placar, estratégia que funcionou com boas defesas do goleiro Koslinski, depois de o Palmeiras ter descontado com gol de Keno.

Foi um bom jogo e uma atuação equilibrado do Avai, que soube lutar contra a pressão da vitória para não cair antecipadamente. Luanzinho e Lourenço tiveram participação importante, já Maurinho foi decisivo e Marquinhos o comandante das ações ofensivas, além do gol de pênalti.

O Leão está vivo. Agora faltam duas vitórias para evitar o rebaixamento.

Livre do rebaixamento , Figueira precisa de clareza para reconstrução

17 de novembro de 2017 1

O Figueirense antecipou em dois jogos a permanência na Série B, – quando entrou em campo diante do Juventude já sabia que não cairia mais porque o Luverdense empatou com o Guarani-, e afastou o risco de fechar tragicamente um ano sem honra no Orlando Scarpelli.

O desfecho de uma gestão marcada por trapalhadas, desde o início, em 2012, sob o comando de Wilfredo Brilinger, foi quase colocar o time na Série C e lutar contra o rebaixamento , também, no estadual.

Há motivo para sentimento de alívio, nada a comemorar. O clube que foi modelo de gestão e referência nacional do futebol Catarinense em anos recentes encolheu, endividou-se, distanciou-se do torcedor, entrou em relações obscuras e envergonha as pessoas que clamam por transparência.

O ano mais triste da história recente do Figueirense culminou com uma parceria ainda cercada de mistérios e dúvidas. Quem são os investidores ? Como se aproximaram do Figueirense ? O que pretendem com o clube ? Quem vai falar com o torcedor ? Quem tem credibilidade para apresentar os projetos para 2018 ?

Os resultados de campo são incontroláveis no futebol, mas quando a derrota chega acompanhada de lambanças e dúvidas , fere de morte o sentimento de quem ajudou a construir uma história de quase cem anos.

A retomada do caminho das vitórias em 2018 vai exigir a presença forte dos dirigentes históricos do clube e da manifestação, sem rodeios, dos novos parceiros sobre o que vieram fazer em Florianópolis.

Avai empata em Minas e agora precisa de cem por cento para não cair

15 de novembro de 2017 0

O Avai passou a impressão de que poderia vencer, mas as falhas da zaga comprometeram a atuação diante do Cruzeiro no Mineirão. A arbitragem também inferferiu, mas errou para os dois lados, embora o lance contra o Avai foi muito claro.

No primeiro tempo as principais ações do Avai passaram por Maicon na lateral. Ele fez o passe para o pênalti em Romulo, que Junior Dutra bateu e abriu o placar, também evitou o gol de Rafinha – apesar de ter feito o pênalti – e, entre outras participações, colocou Marquinhos de frente para o goleiro, mas o chute do galego passou por cima.

Douglas também voltou a brilhar , fazendo boas intervenções e uma grande defesa, parando o chute de Thiago Neves de dentro da área.

O Avai, porém, mostrou que tinha resistência, novamente, apenas para meio tempo. O Cruzeiro voltou do intervalo mais ofensivo e não saiu do campo de ataque até virar a partida, muito por ajuda do árbitro Leandro Pedro Wuaden, que deu pênalti de Douglas em Robinho, depois de lance infantil de Alemão. O goleiro tocou claramente a bola.

Antes, o Cruzeiro havia empatado com Thiago Neves, aproveitando vacilo dos zagueiros quase na pequena área.

Tudo se encaminhava para a derrota, quando Caio Cēsar cruzou da esquerda e Junior Dutra acertou o cabeceio e empatou nos acréscimos. Um ponto é pouco, mas mantém a esperança nas rodadas finais.

Empate com o Vila Nova foi pouco para o Figueira

14 de novembro de 2017 0

O Figueirense deixou escapar mais uma chance para garantir a permanência na Série B, ao empatar por um gol com o Vila Nova no Serra Dourada.

O gol de Luidy aos 5min parecia indicar uma noite da primeira vitória fora de casa com o técnico Milton Cruz , mas o time diminuiu o ritmo, abandonou o ataque e foi castigado com o gol de Claudinei aos 44min.

O técnico Hemerson Maria abriu o time no segundo tempo, mas pouco criou e ainda deu muito espaço para o contra-ataque.

O Figueirense cresceu depois da entrada de Joãozinho e Ferrugem, saiu ao ataque em vantagem em vários momentos, mas não aproveitou porque errou o toque final.

Destaque para a atuação de Dudu Vieira, que marcou forte e puxou vários contra-ataques, até mesmo o que acabou em gol no início da partida.

A agonia se mantém , mas de ponto em ponto o rebaixamento vai ficando distante.

O Avai foi impotente para surpreender o Corinthians

12 de novembro de 2017 0

O roteiro não fugiu da tendência indicada antes do jogo e o Avai perdeu para o líder Corinthians, empurrando o “timão” para o título e o Leão para o rebaixamento, na Arena de Itaquera.

O Avai, como sempre, apostou tudo na defesa. Tentou marcar forte e, até conseguiu no primeiro tempo, não permitindo muitas chances, mas pouco chegou ao ataque.

No início do segundo tempo a estratégia ruiu. Novamente no setor de Alemão o adversário acha o espaço e faz o gol. Kazim só deixou a bola bater em seu peito e abriu o placar.

O técnico, Claudinei Oliveira, tentou adiantar o time , fez alterações como as estradas de Maurinho e Caio César, mas faltou qualidade para chegar ao gol.

O Avai fica uma derrota mais perto da Série B, situação que vai ficando irreversível.

América-MG sobe e adia permanência do Figueira na Série B

11 de novembro de 2017 0

O América-MG interrompeu a sequência de vitórias do Figueirense no Orlando Scarpelli, garantiu o acesso á Série A e adiou a permanência do Figueirs na Série B.

O jogo teve boa disputa tática, possibilidades de gol semelhantes, mas os erros defensivos do Figueirense foram decisivos.

O América abriu o placar no primeiro minuto, gol de Rafael Lima, e fez o segundo no último minuto do primeiro tempo com Giovani. Lances que exploraram a fragilidade dos zagueiros e goleiro do Figueirense.

O Figueirense chegou a empatar a partida, gol de Jorge Henrique – que fez a melhor atuação com a camisa do Figueira – terminou pressionando, teve mais posse de bola , mas parou na forte organização do América.

A situação do Figueira ainda é boa, mas não está resolvida.