Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "CLAYTON"

Despedida de Clayton tira o brilho do Figueira

23 de fevereiro de 2016 4

O Figueirense já revelou jogadores do nível de Felipe Luiz, André Santos e Roberto Fermino, que vestiram ou vestem a camisa da seleção brasileira, nenhum deles , porém , quando estavam no clube e tinham 20 anos ou menos, jogaram a bola que Clayton jogou no time profissional.

A escolha pelo Atlético-MG é uma decisão do jogador e seus assessores. Saída esperada e inevitável pelo dinheiro envolvido. Como quase todos os seus direitos econômicos foram vendidos antes de se projetar no mercado, ao clube, restam migalhas.

O Figueirense tem uma redução técnica difícil de repor e o torcedor não vai contar mais com aquele menino que poderia decidir uma partida a qualquer momento. Perde também futebol de SC.

Sucesso ao Clayton, que honrou a camisa como poucos, em 8 anos no Orlando Scarpelli.

Figueira tropeça em Palhoça

11 de fevereiro de 2016 15

O Figueirense jogou de forma ousada e com marcação agressiva na saída de bola do Guarani desde o início do jogo e, manteve de forma correta a atitude , até mesmo quando ficou com um jogador a menos .

Aguerrido , o Guarani nunca desistiu , por isso, conseguiu empatar quando parecia que a vitória seria do Figueira.

O jogo não teve brilho técnico , mas a movimentação foi intensa e surgiram vários lances de gol , principalmente do Figueira. O goleiro Thiago Rodrigues foi dos melhores jogadores em campo, evitando o pior.

O melhor momento dele foi logo depois do segundo gol do Figueira, quando salvou duas vezes em cima da linha os chutes de Guilherme Queiroz e Éverton Santos.

Clayton, outra vez foi destaque, marcando um gol e dando passe para outro.

Alex Maranhão também foi destaque. Cobrou falta para o primeiro gol e empatou a partida com belo chute.

Um empate que no final foi melhor para o Guarani, apesar de atuar boa parte do segundo tempo com um jogador a mais.

Assoprador

Mais uma vez a arbitragem prejudica o jogo por falta de critério.

Rodrigo D’alonso expulsou o zagueiro Bruno Alves em lance que ele foi ofendido e apenas passou a mão no rosto de Hélio Paraíba.

A simulação do jogador do Guarani não poderia passar impune e Bruno Alves merecia , no máximo , um cartão amarelo.

O lance foi na frente da assistente , Nadine Bastos, que não teve clareza para entender o que aconteceu.

Se continuar assim , a arbitragem vai esculhambar o campeonato antes do fim.

Figueira domina, Clayton dá show, mas faltou a vitória

03 de fevereiro de 2016 9

Joinville e Figueirense foram muito além do que se poderia esperar, considerando as atuações anteriores, e fizeram um jogo muito bom na Arena Joinville. Parece que os times “destravaram” a parte física.

Se o Joinville foi um pouco melhor em alguns momentos, o Figueirense foi superior quase toda a partida. Se o Joinville jogou bem, o Figueira foi muito bem . O Joinville criou alguns lances de gol , o Figueira muitos.

O trio ofensivo do Figueira, formado por Éverton Santos, Dudu e Clayton, bagunçou a defesa do JEC e finalizou mais de 12 vezes. Eles souberam fazer a recomposição de meio, equilibrando a equipe. Mérito para o técnico Hudson Coutinho.

O cara

Destaque para a atuação espetacular de Clayton, que fez um golaço, deu passes, dribles, cabeceou e quase fez um gol antológico do meio-campo, evitado pelo goleiro Agenor.

Susto

O goleiro Junior Oliveira cometeu uma falha tosca no gol do Joinville, comprometendo sua atuação. Nem a defesa do segundo tempo, no chute de Trípodi, devolveu a confiança.

Goleiro

Agenor foi o melhor do Joinville e suas defesas garantiram o empate. Pelas circunstâncias um bom resultado.

Apito

O árbitro Célio Amorim expulsou Pop e Dudu, em lances que poderia deixar passar. Quase estragou o jogo.

Brusque complica, mas o Figueira vence na estreia

31 de janeiro de 2016 8

O Figueirense foi dominado pelo Brusque grande parte do jogo é só ganhou a partida em cima de lances individuais de Clayton e um erro do árbitro Evandro Thiago Bender, que marcou pênalti que não existiu em Bruno Dybal.

O gramado molhado atrapalhou a qualidade do jogo e a melhor condição física do Brusque pesou. O time comandado por Mauro Ovelha trabalhou melhor a bola e só não empatou a partida por causa de boas defesas do goleiro Junior Oliveira, no segundo tempo.

Na primeira etapa Clayton fez ótimo lance individual e sofreu pênalti. Ele mesmo abriu o placar. O Brusque empatou com Giancarlo no final do primeiro tempo, depois de excelente trama. Clayton de pênalti, no início do segundo tempo, fez o gol da vitória.

Para o Figueira valeu pela vitória, mas o time precisa de grande evolução imediata em todos os setores.

Vitória passou por entre os dedos do Figueira no Morumbi

28 de novembro de 2015 12

O Figueirense quase venceu o São Paulo pela primeira vez no Morumbi, quase garantiu a permanência na Série A 2016, quase ….

Tudo foi perfeito até os 46 min do segundo tempo, quando o São Paulo empatou e virou o jogo.

O Figueirense parou em seus erros de finalizações, qualidade do São Paulo e falta de precaução do técnico Hudson Coutinho na substituição de Clayton por Thiago Santana, quando vencia o jogo e poderia ter optado por Marquinhos Pedroso na lateral e Juninho no meio.

Antes , porém, o técnico foi ousado e fez o time melhorar com a entrada de Rafa Bastos no lugar de Yago.

O grande problema , entretanto , foi mesmo a falta de qualidade nas finalizações . Carlos Alberto desequilibrou o jogo no segundo tempo , serviu os companheiros, mas eles não aproveitaram. Grande atuação também de Clayton, mas não foi suficiente.

Agora resta secar.

Figueira faz a ponte para a Série A do ano que vem

19 de novembro de 2015 3

O jogo teve pouca qualidade no Moisés Lucarelli por que o Figueirense apostou tudo na defesa e a Ponte Preta não teve competência para furar o bloqueio.

O gol de pênalti , feito por Clayton no início da partida, reforçou a proposta de jogar na defesa e o Figueirense terminou o jogo sem criar outra chance de gol. Apesar da impressão que a bola tocou na mão de Ferron , ela pegou apenas na cabeça. O assistente , Márcio Santiago, indicou o pênalti e errou.

A Ponte esteve perto do empate com Alexandro e Borges , mas a bola passou perto. Na terceira chance da Ponte , Alex Muralha salvou o chute de Biro Biro.

No final, uma vitória heroica do Figueira, que fica a três pontos de se garantir na Série A.

O que Avai e Figueirense precisam fazer parar evitar a queda

02 de novembro de 2015 5

A Chapecoense está com a permanência quase garantida e o Joinville muito perto da queda. Avai e Figueirense travam uma dura batalha com Goiás e Coritiba para se manter. A vantagem da dupla da capital é que está com mais pontos, tabela um pouco menos complicada e sem problemas sérios fora de campo.

Figueirense

A situação melhorou depois do empate com o Coritiba e a combinação de resultados na rodada. Além de parar um adversário direito, viu Avai e Vasco tropeçarem. Agora tem três jogos em casa dos cinco que faltam e , na próxima rodada, enfrenta o Atlético-MG abatido pela virtual perda do título para o Corinthians. Joga depois com a Ponte Preta fora, Chapecoense em casa, São Paulo no Morumbi e Fluminense no O. Scarpelli. Duas vitórias evitam o rebaixamento.

Inteligência

O Figueirense continua oscilando entre um time que tenta jogar com toques curtos e rápidos – quando joga o melhor futebol – e uma equipe instável que se apóia apenas em chutões e bolas aéreas – quando se complica. A permanência na Série A muito vai depender do equilíbrio das atuações e bom desempenho de Clayton e Carlos Alberto, os dois jogadores com melhores recursos técnicos.

Avai

A situação já esteve mais favorável , mas ainda depende só de seus resultados. Com duas vitórias e um empate deve garantir a permanência.

Dos cinco jogos que faltam tem dois em casa. Sábado enfrenta o Atlético -PR em Curitiba, depois joga em casa com o Joinville, fora com o Fluminense , na Ressacada com a Ponte Preta e termina diante do Corinthians em São Paulo.

Atenção

A permanência do Avai muito depende da diminuição dos erros individuais e melhora da produção de Marquinhos. Gilson Kleina conseguiu equilibrar o time nos últimos jogos, porém, erros como o de Romário diante do Cruzeiro, impediram os três pontos.

A presença de Marquinhos, produzindo o que sabe, pode ser decisiva na reta final.

Times catarinenses têm mais uma rodada decisiva na Série A

24 de outubro de 2015 0

Bola redonda

O Figueirense encara o time que joga o futebol mais bonito do campeonato desde a chegada do técnico, Dorival Júnior.

O Santos tem um variado repertório de jogadas no ataque, muito pela organização e assistências do meia Lucas Lima, mas deixa o adversário jogar e, aí , quem sabe, esteja a maior possibilidade do Figueirense: usar as saídas rápidas de Carlos Alberto e Dudu ou alguém chegando de surpresa no ataque.

O Santos vem com fome total de bola ou estará pensando também na decisão com o São Paulo pela Copa do Brasil? É outro fator importante do jogo.

A ausência de Clayton no ataque é um problema difícil de solucionar. Resta superar as ausências e fazer um jogo “perfeito” para aliviar a situação na tabela.

A promoção de ingresso deve levar grande público ao Scarpelli.

Marcelinho Paraíba

O Jogo com o Inter no Beira Rio é uma boa oportunidade para o Joinville fazer a primeira vitória fora de Santa Catarina na Série A.

O time comando por Argel Fuks tem atuações irregulares e está longe das disputas mais importantes do campeonato.

Se não entrar na correria do Inter e ficar atento às jogadas aéreas, o Joinville abre o caminho para um grande resultado.

Este jogo pode ser decisivo para a luta do Joinville contra o rebaixamento e o retorno de Marcelinho Paraíba é fundamental para o time.

Caldeirão Verde

A boa fase da Chapecoense e a promoção de ingresso deve levar grande público á Arena Condá. Fácil prever que será um jogo disputado intensamente em todos os detalhes.

A Chape tem a chance de quase garantir a permanência na Série A e o Avai a oportunidade de vencer fora de casa, em um clássico estadual onde prevalece o equilíbrio.

Sem Cléber Santana a Chapecoense perde o principal organizador do time, porém há boas opções como Gil, Neném e Hyoran. O maior problema pode ser o desgaste físico dos jogos e viagens seguidas. Vai depender do andamento do jogo.

Gilson Kleina busca melhorar a defesa com a dupla Antônio Carlos e Jubal, tentativa válida pelo fraco desempenho de Émerson e Jeci. Sem Marquinhos , Camacho deve entrar no meio-campo e agilizar o setor que caiu de produção nos jogos recentes.

Ingredientes não faltam para uma grande disputa.

Joinville leva a melhor diante do Figueira em noite de pouco futebol

17 de outubro de 2015 16

Os passes errados e o alto número de faltas predominaram na Arena Jinville determinando um jogo sem brilho técnico e com poucas oportunidades.

O Joinville apostou nas bolas longas no ataque e marcação implacável em Carlos Alberto e Clayton, atingindo o objetivo. O Figueirense esqueceu de trabalhar a bola e entrou na correria. Melhor para o Joinville.

Embora as duas chances mais claras surgiram para o Figueirense e foram desperdiçadas por João Victor e Juninho, quem abriu o placar foi Kempes, aproveitando belo cruzamento de Diego. Kempes, que só não foi expulso, por que o árbitro não viu a cotovelada que deu em Saimon.

O Joinville mantém o sonho de permanecer na Série A, o Figueira segue pressionado e sem Clayton para o jogo com o Santos. Ele recebeu o terceiro cartão amarelo por reclamação.

Figueira aplica três no Flamengo e sai do Z-4

14 de outubro de 2015 5

O Figueirense usou a objetividade e a qualidade de Clayton nas finalizações para fazer 3 a 0 no Flamengo, em noite com mais de 13 mil torcedores no Orlando Scarpelli.

O Flamengo tentou, desde o inicio, jogar ofensivamente, porém não conseguiu envolver a defesa alvinegra e deu espaços para os contra-ataques.

Yago comandou a organização do meio-campo, bem assessorado por Rafa Bastos, a defesa neutralizou as principais jogadas do Flamengo e Clayton se encarregou de liquidar a partida com dois gols, um em cada tempo. Dudu fez o terceiro.

O técnico Hudson Coutinho acertou o time ao apostar em um meio-campo com mais toque de bola e dois jogadores de velocidade no ataque.

A situação ainda não é confortável , mas o Figueirense se fortalece para lutar pela permanência na Série A.