Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "JOINVILLE"

Avai bate o Joinville e encurta a distância da Chape na tabela

04 de março de 2018 0

O Avai mostrou força na Arena e , com uma atuação superior no segundo tempo, venceu o Joinville por 2 a 0, resultado que encurta a diferença para 4 pontos abaixo da Chapecoense, faltando ainda sete rodadas.

Fortalecido na defesa com a presença segura do goleiro Aranha e a dupla de zagueiros, Ayrton e Betão, o Avai dominou também o meio-campo com destaque para o toque de bola de André Moritz. No ataque, Maurinho teve boa participação e Romulo, novamente, foi decisivo.

O promeiro tempo teve muita pegada e entradas ríspidas, principalmente do Joinville. Foram poucos os lances que acabaram em finalização.

O gol do Avai, feito por Romulo, logo no início do segundo tempo, deu emoção ao jogo. O Joinville partiu para cima e criou duas chances para empatar, mas Aranha garantiu.

Os espaços para contra-atacar foram aumentado e novas chances surgiram para o Avai. Marquinhos entrou na vaga de André Moritz e foi direto para cobrança de uma falta lateral. Ele tocou no ângulo e encaminhou a vitória.

No final, o Avai estava inteiro e poderia ter goleado. Romulo e Lovat perderam na frente do goleiro. O chute de Marquinhos parou na trave.

Vitória sem contestação , porque o Avai teve mais chances, estava melhor organizado, mostrou mais qualidade individual e superioridade física.

Jorge Henrique decide e Figueira agora é líder

04 de fevereiro de 2018 0

O Figueirense demorou para fazer o gol, 39 min do segundo tempo, considerando que jogava bem, mas garantiu a invencibilidade na temporada e, agora, a liderança do Estadual com a vitória diante do Joinville no Orlando Scarpelli.

Defesa

O Joinville exigiu muito do Figueierense, mantendo bom posicionamento na defesa o tempo inteiro e , também, com chegadas perigosas ao ataque. A defesa foi mais eficiente do que o ataque e garantiu o empate sem gols no primeiro tempo.

Henan teve as duas melhores chances do Figueira e não aproveitou. O Joinville chegou com Elias e Thiago Alagoano, mas eles também erraram a trave.

Jorge Henrique

O Figueirense manteve o desempenho no segundo tempo e cresceu mais ainda quando Jorge Henrique entrou na vaga de João Paulo. O Joinville continuou forte na defesa, porém não teve mais jogadas perigosas no ataque.

Henan, novamente, perdeu a melhor chance antes do Figueira abrir o placar, lance que nasceu de falta cobrada por Maikon Leite e contou com cabeceio indefensável de Jorge Henrique.

Destaques

No Figueirense, Raul, Cleberson e Maikon Leite foram bem, mas quem mudou a história da partida foi Jorge Henrique, não só pelo gol, mas, também, por ótimos passes assim que entrou. Ele foi o cara do jogo.

O goleiro Matheus e o meia/atacante Thiago Alagoano foram os melhores do Joinville.

Apito

Apesar de demorar para tomar algumas decisões, Héber Roberto Lopes fez boa arbitragem e controlou bem algumas reclamações, principalmente, no segundo tempo.

O que esperar dos times catarinenses em 2018. Chape salvou 2017.

31 de dezembro de 2017 0

Na frente

A Chapecoense salvou o ano do futebol Catarinense em competições nacionais. Demostrando grande capacidade de reestruturação depois da tragédia de Medellin, remontou toda a diretoria e fez um time forte, que, mesmo vendendo dois destaques durante a Série A, – Rossi e Girotto- acabou conquistando vaga na pré-libertadores. Antes havia levantado a taça de campeã estadual e impressionado na Libertadores, só não avançando para a fase eliminatória, por um erro administrativo.

Pode melhorar

A Chape reúne as condições ideais para fazer mais uma grande temporada, embora a imprevisibilidade dos resultados. Fora de campo mantém os profissionais do futebol e conta com uma gestão sem dívidas e com dinheiro em caixa para investir. Dentro de campo manteve a maioria dos jogadores e vai reforçar com alguns nomes expressivos.

Sonho limitado

O Avai teve um ano de muita luta, mas faltou um pouco de ousadia para evitar o fracasso dos resultados. Jogando sempre no limite, acabou em segundo no estadual e rebaixado na Série A. Um pouco mais de qualidade no time poderia ter mudado a história, sem comprometer as finanças, que, aliás , terminam o ano desalinhadas, apesar da promessa do presidente, Francisco Battistotti, de pagar tudo em dia. O salário de novembro e o décimo terceiro não estavam depositados até o dia 29 de dezembro.

Mudanças

O ano de 2018 promete ser de mais aperto financeiro para o Avai, que perde a cota de Série A, R$ 24 milhões, e terá que se virar com R$ 6 milhões da Série B. O time perdeu o goleiro Douglas e o atacante Junior Dutra, destaques da temporada, mas vai ter sequência de trabalho com o treinador Claudinei Oliveira e já confirmou André Moritz e Martinuccio, bons jogadores para o meio-campo. O goleiro Rubinho também é boa escolha.

Trágico

O Figueirense teve um ano trágico, consequênca de uma gestão marcada por trapalhadas desde o final de 2012, que endividou o clube e solapou os bons conceitos de fazer futebol. Restou se contentar em evitar o rebaixamento no estadual e Série B. Rebaixamento para a Série C, aliás, evitado depois da entrada dos novos parceiros, que, por enquanto, não mostraram totalmente a cara e chegaram fazendo lambança, muito evidente no caso Alex Bourgeois, além de vender revelações como Robinho, Dudu e Luis Gustavo, sem o proporcional investimento no time.

Promessas

As promessas são muitas para 2018, mas é bom ter cautela, porque o contrato com os investidores ainda não foi assinado. Ao menos um bom sinal na área de futebol com a manutenção de Milton Cruz como técnico, Fernandes na gerência e Felipe Faro como diretor.

Sofrimento

O ano foi de muito sofrimento para o torcedor do Joinville, ainda abalado com as pancadas de 2016. E o time não conseguiu se recuperar, passando com participação discreta no estadual e não avançando para fase decisiva da Série C. Até o presidente caiu, mas se mantém no cargo graças a um acordo com a oposição que vai até abril.

Esperança

Mas 2018 pode ser o ano da recuperação e há bons sinais. A diretoria vai mudar, o técnico escolhido, Rogério Zimermann, tem prestígio e o time mescla revelações como o goleiro Matheus, volante Roberto e atacante Marlyson, com jogadores experientes, casos de Renan Teixeira, Evaldo e Grampola. Para quem vai disputar a Série C é um bom começo.

Sem rumo

O Criciuma seguiu em 2017 o roteiro dos últimos anos, muitos negócios de jogadores, troca de técnico e diretores de futebol e menos time. Ficou no meio do caminho no estadual e Série B.

Nada indica que vai ser muito diferente em 2018. o treinador escolhido tem perfil de quem trabalha no curto prazo. Agitado, lembrando Argel, Lisca não costuma ter vida longa, principalmente começando um trabalho. As primeiras contrações também não empolgam. Eltinho, Sandro e Siloé, por exemplo.

Os Catarinenses no Brasileiro

13 de maio de 2017 0

O estadual é importante, mas chegou o momento da grande competição do ano para os times Catarinenses. Buscar o acesso de divisão ou se manter na Série A é a grande meta do ano para os principais times do estado.

Série C

O Joinville parece um “corpo estranho ” na terceira divisão, depois de acessos seguidos até a Série A em 2015 e demonstração de solidez financeira da gestão.

O jovem técnico Fabinho Santos fez bom trabalho no estadual e terminou a competição com o time organizado. A base está pronta pra o brasileiro. A mescla de jovens com jogadores mais experientes deu certo e o Joinville entra para ser protagonista na Série C.

Os garotos Matheus, Roberto, Kadu e Marlyson têm a companhia de atletas rodados como Lúcio Flávio, Bruno Rodrigues, Renan Teixiera e Max. As principais novidades são Éverton Junior do Tubarão, Eliomar do Brusque e Grampola do Bragantino.

A estreia é com o Ipiranga em Erechim. Mesmo fora de casa, fazer ponto é fundamental.

A chance de acesso é boa, mas a fase eliminatória é perigosa. Nem sempre o melhor vence nos confrontos diretos.

Série B

Tigre

A manutenção da base do time é o aspecto mais forte do Criciúma , considerando que não fez contrações expressivas para o campeonato brasileiro.

Mas o time do momento está no bolo dos dez com mais chances de acesso. O técnico David ainda precisa melhorar o trabalho, principalmente defensivo, para equilibrar a equipe.

O goleiro Luiz e os atacantes Fabinho Alves, Caio Rangel e Pitbull, além do meia Alex Maranhão, devem dar a sustenção ao grupo. Os jovens Marlon, Barreto e Douglas Moreira têm qualidade e vitalidade.

A estreia diante do Santa Cruz é jogo que vai exigir bastante, mas jogando em casa , precisa vencer para ganhar confiança.

O Tigre não é favorito, mas está na briga.

Figueirense

Também não começa como favorito, mas está entre os dez times com mais chances de acesso. Fez 15 contratações para o brasileiro e , assim, terá praticamente um novo time em campo.

O técnico Márcio Goiano – que há sete anos não faz um bom trabalho na Série B , o último foi com o próprio Figueirense em 2010- precisa queimar etapas para não sofrer com a falta de entrosamento. Apenas Thiago Rodrigues, Dudu e Bruno Alves, titulares do estadual, foram mantidos na equipe.

São muitas caras novas, mas o perfil da equipe mudou. É um time mais leve, rápido e veloz, considerando as características dos principais jogadores.

A sustenção do time deve ser garantida por Bruno Alves, Dudu Vieira, Jorge Henrique, Luidy e Zé Love , que ainda está se recuperando de lesão.

O Goiás, adversário na estreia, é dos mais fortes da Série B.

O Figueira é um time que ainda precisa conquistar a torcida.

Série A

Avai

O Avai começa a Série A com limitações técnicas evidentes, principalmente na defesa e meio-campo. Também são limitadas as opções no banco de reservas. As novidades, até o momento, são o lateral Diego Tavares, volante Welington Simião e o zagueiro Airton.

A força está na determinação e entrosamento, porque mantém a base da Série B. Os atacantes Denilson, Romulo e Junior Dutra são a maior esperança de soluções para o time. Na defesa, Betão é a grande segurança e, no meio, a experiência de Marquinhos ainda é fundamental.

Se não acrescentar qualidade, vai ser “dureza” para o Leão se manter.

Jogar com o Vitória desfalcado de cinco titulares e na Ressacada, é uma boa oportunidade para vencer.

Chapecense

A Chape, apesar da reconstrução, ainda é a melhor equipe do estado, mas ainda falta muito para atingir o equilíbrio exigido para disputar a Série A sem sofrimento, como foi ano passado.

Os espaços que permite entre as linhas de marcação é o principal problema do sistema de jogo escolhido pelo técnico Wagner Mancini. Ele tentou fazer correções em alguns jogos com mais volantes e em outros com mais zagueiros, mas não deu certo.

A entrada de Jandrei no gol e as contratações do zagueiro Victor Ramos e do meio Seijas ajustam posições carentes e deixam a Chape mais forte para o brasileiro.

Tendência é de luta contra o rebaixamento, mas com boas chances de se manter.

A estreia diante do Corinthians é dos jogos mais dificieis do campeonato.

Avaí mantém as chances no segundo turno

30 de março de 2017 0

A necessidade de Vitória fez Avaí e Joinville buscarem sempre o ataque e, com isso , o jogo ficou aberto e bem jogado na Ressacada.

O Joinville teve 20min de domínio no primeiro tempo, mas quem comandou o restante da partida foi o Avaí. A emoção maior ficou para o final quando saiu o gol da vitória do Leão.

Capa, o cara do jogo, fez as principais jogadas do Avaí no primeiro tempo. Júnior Dutra participou de todas as jogadas de ataque e fez o passe para o gol de Denilson.

O goleiro Kozlonski fez boa defesa antes do intervalo e, outra defesa que salvou o time aos 35 min do segundo tempo, em chute de Marlyson quase na pequena área.

A volta de jogadores importantes mostra que o Leão continua forte.

A rodada foi boa para a Chapecoense que abriu três pontos do segundo colocado, mas a vitória mantém o Avaí na disputa do título do segundo turno.

Apito

Célio Amorim, mais uma vez, estragou a arbitragem ao não marcar pênalti de Alex Ruan,
que levou a bola com o braço ao errar um cabeceio.

Joinville envolve o Figueira e vence no Scarpelli

18 de março de 2017 2

O Figueirense teve , mais uma vez, uma atuação constrangedora na derrota para o Joinville em casa, repetindo as atuações anteriores no campeonato.

O time, apesar das limitações, tentava equilibrar o jogo no primeiro tempo quando o atacante Bill- que ainda não fez gol no campeonato e mesmo assim recebeu a tarja de capitão – deu uma cotovelada em Junior Sutíl e acabou expulso.

O Joinville já vencia por 1 a 0 , gol de Renan Teixeira, então aproveitou para tomar conta da partida. Em alguns momentos colocou o Figueirense na roda e ampliou com gol de Marlyson no segundo tempo.

Grande resultado e boa atuação do Joinville, líder do segundo turno, que contou com boas atuações de Renan Teixeira, Bruno Rodrigues, Alex Ruan e Breno.

O Figueirense é um time sem nada. Até Dudu, revelação da temporada, não repetiu o desempenho de jogos anteriores.

Apito

Apesar da displicência em alguns momentos, Sandro Meira Ricci teve ótima atuação.

Figueira, Tubarão e Chape reagem no final do turno

05 de março de 2017 2

Antes da rodada deste domingo o Avai já era o primeiro colocado do turno, além de ser o time que apresentou o futebol mais eficiente na arrancada da competição, por isso, o empate com o Inter não causa problemas significativos, embora a diferença na pontuação geral para a Chape, segunda colocada, tenha caído para 4 pontos. O jogo valeu mais para receber a taça do turno.

A última rodada , porém, mudou algumas situações que pareciam consolidadas em rodadas anteriores.

Cresceu

A Chapecoense, por exemplo, jogou bom futebol diante do Criciúma e garantiu o segundo lugar, apesar de ter ficado abaixo da projeção inicial. Tendência é entrar forte no returno, emovora o desgaste dos jogos da Libertadores que começa esta semana.

Resultado

O Figueirense, que venceu a primeira fora de casa, novamente não fez grande jogo em Blumenau, mas subiu na tabela e termina o turno longe da zona de rebaixamento. O primeiro lugar do segundo turno é um sonho distante.

Consolidou

O Brusque, apesar da oscilação da segunda e terceira rodadas, confirmou a tendência e fez um turno seguro, praticamente eliminando os riscos de rebaixamento.

Reagiu

O Tubarão, apesar do início sem vitórias, sempre apresentou desempenho de qualidade. A reação nas rodadas finais afasta o time do rebaixamento e indica um segundo turno menos dramático.

Patinou

O Criciúma ficou no meio do caminho. A equipe tinha condições de disputar a ponta do turno, mas o sistema defensivo desequilibrado fez o time perder muitos pontos nos momentos crusciais, como na estreia em casa diante do Avai.

Decepção

O Joinville não está na lista de favoritos e se comportou assim durante o turno. O time não deslanchou e ainda foi prejudicado por lesões de jogadores importantes. Também não se esperava que ficasse na zona de renaixamento, situação que pode ficar dramática no segundo turno.

Para não cair

O Barroso ficou em situação difícil e o Inter ainda não se afastou do risco de cair, além de precisar melhorar o desempenho.

Alguns destaques individuais

Rossi da Chape.

Diego Jardel, Junior Dutra, Romulo e Denilson do Avai.

Dudu do Figueirense.

Roberto do Joinville.

Enrcino do Inter.

Assis do Brusque.

Dódi do Criciúma.

Jandrei e Daniel Costa do Tubarão.

Sabiå do Metropolitano.

Vanbasty do Barroso.

Avai interrompe sequência de vitórias perdendo pênalti em Joinville

12 de fevereiro de 2017 1

O Avai mais uma vez dominou a partida e criou as melhores chances, mas desta vez faltou a finalização precisa para manter os 100% de aproveitamento no primeiro turno do campeonato Catarinense.

O Leão nada mudou em sua estratégia de esperar o adversário e buscar as saídas rápidas ao ataque quando recuperava a bola. Assim permitiu poucas finalizações ao Joinville e chegou várias vezes na área adversária.

Embora o empate não é resultado ruim, O Avai lamenta por que teve o principal lance da partida para abrir o placar. Sandro Meira Ricci acertou ao marcar pênalti, mas Marquinhos bateu fraco e o goleiro defendeu. Na sequência Leandro Silva chutou para fora com o gol aberto.

Agora o jogo com o Brusque , domingo, na Ressacda, pode encaminhar o campeão do turno.

Destaque

O goleiro Jonhatan do Joinville brilhou ao defender o pênalti e fazer , ao menos , mais três defesas difíceis.

Apito

Arbitragem tranquila de Sandro Meira Ricci .

Figueira e Joinville ficam devendo gol na Arena

01 de fevereiro de 2017 2

O gramado molhado foi mais um obstáculo que Joinville e Figueirense tiveram de superar, além do desentrosamento, na Arena, pela segunda rodada do Catarinense.

Considerando as circunstâncias, apesar do placar sem gol, o jogo não foi ruim, porém sem brilho.

As chances de gol foram poucas e em número semelhante, embora mais posse de bola do Joinville.

No Figueirense o maior problema é a lentidão nas transições de meio-campo e ausência de velocidade dos atacantes que começaram a partida.

No final, o empate que ficou melhor para o Figueira, por jogar fora de casa.

Individual

Destaque para as atuações de Dudu e Ferrugem. No Joinville Caique e Fabinho Alves participaram das principais jogadas.

Zé Love estreou tendo fraco desempenho. Leandro Almeida foi bem na zaga.

Apito

Boa arbitragem de Hebert Roberto Lopes.

Montagem dos principais times Catarinenses para 2017 ainda longe do esperado

20 de dezembro de 2016 2

O Natal está chegando e a organização dos principais times do estado para a temporada 2017 continua em ritmo lento.

A tragédia com a Chapecoense, os rebaixamentos de Joinville e Figueirense , os atrasos de salários do Avai, além da crise econômica do país , travam as negociações nesta época do ano.

O que fica evidente é que este será o mais modesto início de temporada dos anos recentes no Estado.

O Avai perdeu dois destaques do acesso, Fábio Sanches e o goleiro Renan, e confirmou apenas o zagueiro Gustavo. Falta muito para ter um time de Série A. Além de goleiro, há carências de laterais, volantes e atacantes.

O Figueirense ficou sem os principais jogadores da campanha que levou ao rebaixamento e vai montando um time de Atletas rodados na Série B. Hélder, Juliano, Elias, Bill e Éverton são as principais contratações. Longe de ser um time que empolga o torcedor.

O Joinville, rebaixado para a Série C, tem a pior situação de todos. Apostou em Fabinnho Santos para iniciar a carreira de treinador e em Lúcio Flávio para liderar a garotada dentro de campo. Difícil acreditar que seja uma grande surpresa no campeonato Catarinense.

O Criciúma apostou no jovem treinador Deivid, não tem problemas financeiros, mas também não apresenta nenhum destaque nas contratações até agora. Alguns bons jogadores que ficaram deste ano, casos do goleiro Luiz e dos volantes Barreto e Dódi, minimizam a situação do Tigre.

A Chapecoense, apesar da tragédia, é quem tem mais condições de investimentos pelas competições que vai disputar. A exigência aumenta, porém, considerando a quantidade de jogadores que precisa contratar e o nível da Libertadores e Série A.

Há tempo ainda até a primeira semana de janeiro para contratações de impacto, mas não parece ser a tendência do momento.