Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de setembro 2007

Cuia gigante

28 de setembro de 2007 6

Arquivo pessoal
O Alegrete é a Itu do tradicionalismo gaúcho! É ou não é uma legítima barbaridade a cuia que ostento na fotografia ao lado, durante o Desfile Farroupilha na cidade?

O dono da pequeninha é o alegretense João Floriano.

A foto chegou a mim por meio da Simone Paz, que me enviou o carinhoso e-mail que reproduzo abaixo. Certamente guardarei a foto, Simone. E com orgulho.


Querido Paulo Sant`Ana,

Em sua recente visita por Alegrete, deixaste de recordação esta foto tirada com este amigo e sua %22pequena%22 cuia. Estou te enviando a foto para que guardes de recordação desta terra.

Abraços,
Simone Paz

Postado por Sant`Ana

O risco da morte

28 de setembro de 2007 3

Como as pessoas se dispõem a fazer rachas dentro da cidade? O risco que se corre. Os acidentes no trânsito estão aumentando a cada dia na Capital.

Ontem, a PM e a EPTC apreenderam e autuaram dezenas de motoristas para prevenir que mais mortes ocorram.

Enquanto isso, estou pedindo para que a população gaúcha doe seus órgãos. É comovente como cresce a fila de espera para o transplante. Milhares e milhares de pessoas aguardam.

Comunique sua família que você quer ser doador. Doe seus órgãos. Salve vidas.

Para finalizar, uma poesia de Lupicínio Rodrigues. Confira o trecho no vídeo da minha participação no Jornal do Almoço de hoje.

 

Postado por Sant`Ana

O milagre da vida

28 de setembro de 2007 4

Os gêmeos Antônio Bento e Vitor Gabriel /Rodrigo Lobo, AE
Estou achando espetacular este caso de Pernambuco, no Recife. Uma senhora de 51 anos deu a luz aos netos. Dois meninos gestados por ela para a filha que não pode ter filhos.

Que coisa impressionante.

O conselho de medicina permite esses casos apenas quando as mulheres envolvidas são parentes. A mãe original não tinha irmãs, nem primas. Então a mãe a socorreu.

A felicidade é dupla para ambas: a sensação única de ser avó e mãe. E da filha que hoje é mãe e irmã.

É uma lenda uma mulher não ficar grávida depois dos 40 anos. Alguns dizem que só depois dos 15 anos que a mulher pode engravidar. Outros dizem que é depois dos 10.

Fico espantado que uma mulher de 51 anos tenha pego para si a responsabilidade de gerar os filhos gêmeos de sua filha. Em matéria de maternidade, eu acho que nunca houve uma mãe mais orgulhosa do que essa avó.

Ouça o meu comentário no Gaúcha Hoje sobre os gêmeos

Postado por Sant`Ana

E depois falam do Sala de Redação...

28 de setembro de 2007 3

Assistimos ontem no Jornal Nacional a um lamentável bate-boca ofensivo e histérico entre os ministros Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa, o relator do mensalão, na sessão do Supremo Tribunal Federal. Ouça o áudio no blog da Rosane.

Depois desta, os incidentes periódicos do Sala de Redação são considerados debates de cursilhos.

Postado por Sant`Ana

Augusto dos Anjos - Contrastes

27 de setembro de 2007 1

SANT%27ANA EM VERSOS

O que o homem ama e o que o homem abomina,
Tudo convém para o homem ser completo!

Mestre Augusto dos Anjos. Assista, aqui embaixo.


Postado por Sant`Ana

Magia negra

27 de setembro de 2007 3


Desde que a Marta Gleich, diretora de Jornais Online da RBS, me presenteou com uma pomposa poltrona preta, minha sala tornou-se ponto turístico aqui na Redação. Muito bem freqüentado, por sinal.

Com olhos em brilho, seduzidos pelo conforto, célebres figuras da empresa disputam uma espreguiçada, uma esticada aqui no móvel, já famoso por abraçar minhas cochiladas no início da tarde.


Marcelo Rech, diretor editorial da Unidade Jornal
Fotos: Nilson Souza


Célia Ribeiro, colunista


Jaime Sirotsky, presidente do Conselho de Administração do Grupo RBS

Postado por Sant`Ana

"Sou brasileira e já desisti"

27 de setembro de 2007 18

Raimundo Paccó, Folha Imagem, BD - 18/07/2007
FALA, CIDADÃO 

A frase acima é de Viviane de Biagio, 23 anos. Uma frase forte para uma moça tão jovem.

No próximo sábado, dia 29, o acidente com o vôo 1907 da Gol completa um ano. A catástrofe deixou 154 mortos. No dia 17 de julho deste ano, o país parou com o acidente da TAM, o qual vitimou 199 pessoas. Entre elas, Nelly Priebe, avó do namorado de Viviane.

Dois meses já se passaram e muitos parecem ter esquecido esse fato que deixou o Estado de luto. Em memória às vítimas deste trágico acidente, reproduzo aqui o texto da leitora.

%22Sou brasileira e já desisti

Minha mãe sempre dizia: Minha filha temos trabalhar e assim lutar pelo nosso país. Eu sempre concordei com essa luta. Até que no dia 17 de Julho de 2007 a pessoa que era uma inspiração na minha vida morreu lutando, mas para mim ela foi assassinada pelo Brasil.

Nelly Elly Priebe era a vó do meu namorado, como moramos eu e ele sozinhos e ela era nossa vizinha de porta, essa velhinha de 83 anos fazia o papel de nossa mãe, nosso pai, nossa avó mas principalmente de uma amiga e parceira de conversas intermináveis sobre política.


Nelly Priebe
Foto: Reprodução

Ela trabalhava todos os dias no SINDICATO DOS PENSIONISTAS DO RIO GRANDE DO SUL, era a última fundadora do sindicato viva. No dia 17de Julho estava indo para São Paulo, em uma de várias viagens que ela fazia buscando apoio para sua luta, estava no vôo 3054 da TAM.

Agora não quero mais lutar por este país, onde a corrupção mata e o mais triste é que não existe punição. Os cargos públicos são ocupados por amigos dos amigos que não entendem nada sobre sua função, mas estão lá, ganhando seus altos salários.

Não quero lutar por um país onde a corrupção está encrostada em cada cidadão, em cada secretaria do governo. Onde o brasileiro pode tirar uma graninha extra, ele tira, afinal se os cara lá de Brasília roubam milhões por que eu não posso roubar um pouquinho, ninguém é punido mesmo.

Não vejo mais esperança para este país, sou brasileira e já desisti…%22

Postado por Sant`Ana

Palavra de honra

27 de setembro de 2007 13

Ricardo Duarte, Banco de Dados - 20/07/2007
Ontem foi a vez de os três senadores gaúchos responderem para esta coluna sobre a minha suposição de que dois deles votaram pela absolvição de Renan Calheiros.

Inicialmente me telefonou o senador Pedro Simon (PMDB), garantindo-me que desde a reforma da Previdência os três têm combinado os mesmos votos. Simon deu-me sua palavra de que Paulo Paim (PT) e Sérgio Zambiasi (PTB) votaram pela cassação de Calheiros, estava junto deles em toda a sessão e sentiu epidermicamente a voltagem da vontade e intenção de ambos.


Foto: AP, Banco de Dados – 26/04/2004

A seguir, o senador petista enviou-me uma mensagem de Brasília:

%22Prezado Paulo SantAna. Permita-me, contristado, discordar de sua coluna de hoje. A imprensa gaúcha, inclusive Zero Hora, concedeu-me espaço para expressar a minha posição, onde tive a oportunidade de abrir o meu voto muito antes da sessão do dia 12 de setembro.

Deixei claro para o Rio Grande saber que votaria pela perda de mandato do senador Renan. Posição que também foi registrada, com clareza, pelos veículos sediados em Brasília e no centro do país. Na reunião da bancada de senadores petistas, fui o único que abriu o voto.

A minha decisão de votar pela perda de mandato do presidente do Senado teve o apoio irrestrito do PT gaúcho. Gostaria de lembrar que sou o autor da PEC 50/06 que acaba com o voto secreto no Congresso Nacional. Essa proposta já foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, neste momento, está pronta para ser votada no plenário.

O fim do voto secreto vai dar transparência a esta casa e às ações dos parlamentares e, com total certeza, vai ser um importante instrumento da verdade para que fatos como o sugerido na sua coluna não se repitam mais. Um abraço, (ass.) senador Paulo Paim%22.


Foto: Fernando Bizarra, BG Pres, BD – 24/12/2003

Finalmente, o e-mail do senador petebista:

%22Prezado Paulo SantAna. Sou daqueles leitores viciados na tua coluna e concordo com o Kadão: é difícil fazer crônica como o SantAna. Mas o importante mesmo é que o teu espaço, acima de tudo, prima pela democracia.

Ontem fomos surpreendidos por tuas intuições e deduções a respeito de nossos votos no processo contra Renan Calheiros, e no nosso caso só nos restam duas coisas: a nossa palavra, reproduzida por todos os veículos de comunicação do RS e o inestimável testemunho de nosso colega Pedro Simon, pois no momento de nosso voto pela cassação de Calheiros estávamos juntos.

Mesmo respeitando teus dons intuitivos, basta lembrar como votamos em 2003 na primeira PEC do voto aberto. Nós, os três senadores gaúchos, votamos sim, infelizmente fomos derrotados por muitos dos que hoje exigem, e têm nosso apoio, o fim imediato do voto secreto.

Portanto, imagino que, por dedução de quem nos lê e por coerência de nossa parte, agora não poderia ser diferente. O atual projeto do voto aberto foi apresentado em 2006 pelo senador Paulo Paim e o pedido de votação urgente do fim das sessões secretas foi de minha iniciativa ao recolher as assinaturas de todos os líderes partidários com assento no Senado.

Em relação à CPMF, mantenho o que disse à coluna da Rosane Oliveira. Defendo a destinação de um percentual para os programas de saúde da família, cujo custo mensal é de R$ 18 mil por equipe e para o qual o governo federal repassa apenas um terço do valor, e para os agentes comunitários de saúde, cujo custo mensal por equipe é de R$ 5 mil, enquanto o governo paga apenas R$ 2 mil.

Nos dois casos, a responsabilidade pelo custo final é das prefeituras. Entendo que sua aprovação passa por um compromisso do governo de apressar a reforma tributária, o que necessariamente implicará o fim da CPMF. Um afetuoso abraço de seu admirador, (ass.) senador Sérgio Zambiasi%22.

Leia a coluna de hoje em ZH

Postado por Sant`Ana

Transplantes ocorrem só quando há morte cerebral?

27 de setembro de 2007 5


Essa e outras perguntas a doutora Clotilde Garcia me respondeu agora há pouco no programa Gaúcha Atualidade.

Ela explica que pessoas de 18 a 55 anos podem ser doadores, em vida, de medula óssea. Os doadores são registrados em um cadastro para que se alguém no Brasil precisar da nossa medula, essa pessoa possa utilizar.

Incrível.

Ouça abaixo as orientações da especialista.

As pessoas podem doar medula óssea em vida

Morte cerebral

Pessoas na terceira idade podem doar?

Postado por Sant`Ana

O cigarro e o amor

26 de setembro de 2007 1

SANT%27ANA EM VERSOS 

Gevaldino Ferreira, espetáculo de poeta. Saboreie a resposta, no vídeo, que ele tascou quando perguntado:
— Que mistério existe neste cigarro que tragas com vontade? Sempre que o pões à boca ficas triste, e triste fazes versos cheios de saudade…



Postado por Sant`Ana

O elixir da juventude

26 de setembro de 2007 5

Reprodução
Nenhuma outra coluna que escrevi em Zero Hora, ao longo desses 37 anos, teve a repercussão da coluna publicada em 31 de maio de 1998. Nela eu relatava a minha primeira experiência com o pequeno comprimido azul em forma de losango.

O Viagra era a grande sensação do campo da medicina. Prometia, a pílula, realizar o milagre de tornar potentes os impotentes e mais potentes ainda os já potentes.

Naquele 31 de maio de 1998, jornais do país inteiro telefonaram para a Redação de Zero Hora, uns querendo publicar a reprodução da coluna, outros procurando saber detalhes sobre mim, inclusive minha idade, se era casado etc, afora os outros contatos pessoais que fizeram comigo.

O Correio Braziliense publicou no dia seguinte matéria dividida entre o Viagra e a experiência que contei ontem neste espaço, dando destaque ao meu relato. Vinte e três emissoras de rádio gaúchas e de outros Estados e seis de televisão me procuraram para entrevistar-me.

Hoje há concorrência para o Viagra. Mas, para mim, a pílula azul sagrou-se como o elixir da juventude e da felicidade. Abaixo, a trepidante coluna.

 
Foto: Sílvio Avila, Banco de Dados – 04/12/1999

Usei o Viagra
(Publicado em 31/05/1998)

Usei o Viagra. Na sexta-feira. Consegui dois comprimidos com um amigo recém-chegado dos EUA, que me obrigou à promessa de que eu só usaria o estimulante sob controle médico.

Fui ao médico, que me interrogou por 60 minutos. Fixou-se principalmente no meu status circulatório. Como não tenho e nunca tive qualquer cardiopatia, porque é meu médico, indagou-me de como anda minha glicemia. Disse-lhe dos meus últimos índices medidos de açúcar no sangue e ele decidiu, após ler a extensa e cansativa bula (ver foto): %22Usa o máximo de dois comprimidos e não me incomoda mais. Telefona-me somente no caso de sentires algo anormal. E passa aqui depois para eu ouvir o relato da experiência%22.

E ainda brincou o meu médico: %22Não consegues dois comprimidos para mim?%22 Calculei o momento do encontro amoroso e ingeri o comprimido uma hora antes, como manda a bula. Por demora circunstancial, o encontro ocorreu 80 minutos após a ingestão do comprimido.

Nada de não-costumeiro, palpável (ou sensível), verificou-se em mim até o primeiro roçar dos corpos nus. Nem durante o sexo, a potência não é problema meu. O surpreendente, o novo, o que eu classificaria de incrível, se desenrolou após o meu orgasmo: como já não me acontecia há 20 anos, permaneceu intacta minha função erétil. Desapareceu o habitual e relativo fenecimento pós-orgasmo, estado a que eu já me habituara nas duas últimas décadas.

Estava intocável a minha capacidade para prosseguir no sexo. Como notei receptividade na parceira, depois de fumar um cigarro, fato inédito em minha vida, excetuado o período da minha juventude, voltei à carga amorosa com ímpeto e decisão.

Foi com surpresa e indisfarçável contentamento dela, que já me conhece há tanto tempo, que voltamos à prática carnal. Minha atividade era incessante, prazerosa, orgulhosa acima de tudo da euforia sensorial que estava provocando na parceira pela minha insistência e disposição inquebrantável.

E o mais fantástico: após o segundo intercurso, presumivelmente interrompido por um clímax dela, o terceiro ou quarto, ouviu-se um apelo, colocado num balbucio dela: %22Vamos descansar um pouco…%22

Saboreei naquele instante o que a literatura chama de glória. Estava totalmente rendida a outrora dama insaciável.

Agora a impressão da cobaia aqui sobre os aspectos sociológicos do Viagra, associada ao que sentiu o meu amigo que me cedeu os comprimidos e que já os experimentara, diferenciando-se sua experiência da minha em mínimos detalhes e ambas identificando-se profundamente nos ângulos principais.

O Viagra é a terceira grande transformação do final de milênio nos hábitos sexuais e na tendência demográfica sobre o planeta, junto com os anticoncepcionais farmacêuticos e a camisinha.

Este comprimido vai modificar o mundo e as gentes. Se a camisinha ora desestimulava o sexo, ora colaborava decisivamente no controle da natalidade, o Viagra impele ao sexo insopitavelmente e o que é mais significativo: soará como uma bomba arrasa-quarteirão na tentativa até agora bem-sucedida da humanidade de diminuir os nascimentos e conter a fertilidade.

Outra constatação da minha memorável experiência: o Viagra não deverá aumentar consideravelmente o número de orgasmos masculinos num só encontro. Mas multiplicará o número de orgasmos femininos geometricamente, levando o macho à realização mais completa, que é, psicanaliticamente, antes que satisfazer-se, satisfazer por inteiro a sua fêmea.

E agora, depois desta notícia espetacular para os homens e bombástica para as mulheres, a grande revolução na relação sexual e existencial que esta pílula estupenda irá provocar em todo o milênio seguinte: o homem se igualará à mulher em uma das suas grandes desvantagens, desde Adão e Eva, que era a aptidão da mulher para fingir no sexo.

Até ontem, a mulher era apenas receptáculo, isto é, podia fazer sexo sem amor. Em suma, pertencia só à mulher a faculdade do fingimento. Ao contrário, ao homem não era concedido este recurso: só podia fazer sexo se tivesse vontade, a não-ereção o denunciaria como sem libido, só a ereção era documento hábil para atestar sua sinceridade.

Pelo que senti e pude depreender, deixou de ser privativo da mulher o fingimento no sexo, abre-se ao homem com o Viagra a possibilidade de ocultar também o seu impulso volitivo, a sua voltagem de vontade. Porque, se é verdade que a libido continua indispensável à ação do Viagra, isto só se verifica antes do primeiro orgasmo. Logo em seguida a ele, a ereção permanece firme, apesar da ausência da libido. Ou seja, a função primacial do Viagra é prolongar milagrosamente a ereção.

Finalmente, a minha observação jornalística sobre estes boatos de mortes causadas pelo Viagra. São inconsistentes, em suma. Há que se olhar, como todos os medicamentos que mexem com o metabolismo, quais são as contra-indicações, isso é muito importante.

Mas, caso não haja contra-indicações, sendo aconselhável o meu procedimento de consultar um médico antes, há que se tomar o Viagra. Repito: há que se tomar o Viagra, que será colocado à venda no Brasil esta semana. Não importa o preço caro que ele custará.

O encontro com a felicidade não tem preço. E o Viagra é o elixir da juventude e da felicidade.

Postado por Sant`Ana

O desafio do pão

26 de setembro de 2007 8

Divulgação
Entre os vários colegas que me substituíram nesta coluna no fim de semana passado, esteve o Ricardo Chaves, que foi interino neste espaço na segunda-feira.

Em mensagem enviada para o Ricardo Stefanelli, editor-chefe de ZH, ele diz:

%22Quero te agradecer por ter aberto espaço a este fotógrafo que ousa, vez por outra, perpetrar algumas linhas e dado abrigo (e voz) a essa minha velha bronca. Como já disse alguém (só que sobre os gols de Pelé): Difícil não é fazer mil crônicas como o SantAna… Difícil é fazer uma crônica como o SantAna. Certamente não consegui. Certamente não consegui, mas estou muito honrado e feliz. (ass) Kadão%22.

Honrado e feliz fico eu, Kadão, vindo de ti isso.

E para os amigos leitores do blog, reproduzo abaixo o belissímo texto do fotógrafo de ZH.

%22O desafio do pão

Chega ao fim a Semana Farroupilha. Depois de tanta demonstração de orgulho, tanta bravura para enfrentar… a chuva e a lama, quando se faz de tudo para preservar as nossas mais caras tradições, eu, comovido, tento fazer esforço para manter o senso crítico e, num acesso de lucidez, sou obrigado a ouvir minha consciência. Ela me diz: – Cultura é algo mais que um acampamento à beira de um rio.

Cultura vem de looonge, como dizia o %22velho%22, que, infelizmente, já morreu. Ela se manifesta em hábitos simples do cotidiano. Como, por exemplo: fazer e comer pão. Taí um quesito de índice civilizatório que aqui é um problema.

Em Porto Alegre, o pão é péssimo. Tudo bem. Alguém vai saltar e dizer: conheço uma padaria que vende um pão ótimo! Pode ser. Mas o fato de existir um bom restaurante numa cidade (e tem, pelo menos um, em quase todas) não significa que se possa dizer que, nessa cidade, se come bem. As virtudes devem estar disseminadas para que determinado ponto se destaque. Aprender e fazer direito alguma coisa pode levar tempo.

Talvez seja apenas neurastenia própria da idade (já fiz 56 anos), ou ainda pode ser que eu ande meio sem paciência, mas levando em conta que o pão surgiu na Mesopotâmia há 12 mil anos, e os egípcios já os levavam ao forno 7 mil anos atrás, acho que já dava para termos aprendido.

Porto-alegrense, morei no Rio, em São Paulo (duas vezes) e em Brasília em função de minha atividade profissional. Comparando, a cidade onde nasci oferece aos seus cidadãos o pior pão do Brasil. Nem vamos falar do resto do mundo. Ou vamos. Para citar pelo menos o Vietnã, país pobre que, não sei se por influência francesa, tem um pão ótimo que é vendido primitivamente, uns sobre os outros, empilhados nas calçadas.

Aqui na minha terra, apesar da forte presença da imigração italiana, a arte de fazer pão italiano não veio junto. Não é só o formato redondo que caracteriza esse tipo de pão. A casca é mais dura, a massa mais pesada e muito saborosa.

Tenho pena de quem acha que faz ou come pão italiano por aqui. Se pensam que estou exagerando, procurem experimentar o pão italiano das padarias São Domingos ou Basilicata, ambas em São Paulo. Agora, se eu quisesse complicar, ou fosse muito exigente, estaria em busca do croissant perfeito ou, quem sabe, de saborosos brioches, mas não.

Estou falando de pão. Aquele comum, que antigamente chamávamos de pão dágua. Meio quilo. Quarto de quilo. Aquele que se fazia na praia e que chegava a nosso chalé de Capão da Canoa já sem o bico, que era consumido enquanto caminhávamos sobre as calçadas de grama da Avenida Paraguassu.

Evocações? Nada comparável às madeleines de Proust, a quem mal conheço. Apenas memórias, relativamente recentes, que nos advertem que, se sabíamos, desaprendemos. Pior. Tudo indica que perdemos as referências. Mas tem os que se acham espertos. Para driblar a lenda (ou a prática) segundo a qual os pães mais tostadinhos assim estão porque são sobras que fizeram uma segunda visita ao forno, pedem, sem a menor cerimônia – os mais clarinhos…

A massa quase crua. Consolidam uma versão, e um paladar, tão exclusivamente local quanto equivocado: o carboidrato mal passado. Ora, pão é assado, vai ao forno, portanto, tem de ser dourado por fora, casca crocante, massa porosa e leve. Bem diferente de isopor ou de picanha.

Não quero que ninguém se sinta ofendido, mas, como gaúcho orgulhoso que sou, também prezo determinados valores. Como a franqueza, por exemplo. E sendo assim: pão, pão, queijo, queijo.%22

Postado por Sant`Ana

Como eles vão votar?

26 de setembro de 2007 7

Zambiasi, Yeda, Paim e Simon. Como eles vão votar?/Jefferson Bernardes, Banco de Dados - 23/03/2007
Está muito difícil para os eleitores saber como votam os três senadores gaúchos.

No caso da votação sobre Renan Calheiros, como era secreta, intui-se apenas que Pedro Simon (PMDB) votou pela cassação, pois tradicionalmente faz oposição ao governo Lula – e o que estava em jogo essencialmente era o interesse transparente do governo pela absolvição.

Já com Paulo Paim (PT) e Sérgio Zambiasi (PTB), o raciocínio dedutivo leva à conclusão contrária: como pertencem à base governista e votam obviamente com o governo nas votações abertas, não seria na votação secreta que iriam contrariar o governo.

A suposição lógica é que votaram os dois mais uma vez com o governo, pela absolvição de Renan Calheiros. É que, como os senadores se dão o direito de impor votação secreta, os eleitores têm pelo menos o direito de supor como eles votaram. Supor diante dos antecedentes de conduta política.

Este colunista considerou decisivos para a absolvição de Renan Calheiros os votos dos senadores gaúchos.

Aí bateu a curiosidade de como votarão os três senadores gaúchos na decisão sobre a prorrogação da CPMF.

Tanto que a colunista Rosane de Oliveira indagou de Simon, Paim e Zambiasi como eles votarão a CPMF. Os três arrazoaram e não deixaram claro como vão votar.

Mas como? Com vários anos de vigência da CPMF ainda não sabem como vão votar?

Não podia ser assim tão enigmática para os eleitores a posição de seus senadores diante de votações importantes. Tinha de ser mais clara e precisa essa relação de representatividade.

 

Clique aqui e leia a minha coluna de hoje em ZH

Postado por Sant`Ana

O enterro da quimera

25 de setembro de 2007 6

SANT%27ANA EM VERSOS

É de uma sensibilidade inacreditável o poema que recito no vídeo abaixo.


VERSOS ÍNTIMOS
(Augusto dos Anjos)

Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão — esta pantera —
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo.  Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!


Postado por Sant`Ana

E mais pitbull

25 de setembro de 2007 18

FALA, CIDADÃO

Incrível! Leia abaixo o relato da leitora Roberta Gouveia Cholet. O caso é revoltante.

%22Querido Paulo Sant%27Ana!

Estou muito indignada, meu sogro, Otomar, que é morador da cidade de Igrejinha, foi ontem (dia 24) até o guincho da cidade para retirar sua moto que foi apreendida em junho se não estou enganada por alguns problemas com a documentação, e foi mordido por dois pitbulls dentro do pátio do próprio guincho da cidade.

Ele havia ido até lá acompanhado pelo seu sogro e por um amigo, que ficaram do lado de fora sem poder fazer nada (já que quando chegaram lá, o proprietário do guincho trancou o portão permitindo que somente meu sogro entrasse), quando ele (meu sogro) se dirigia até sua moto, um dos cães atacou sua perna e o derrubou, nesse momento o outro pitbull que estava sendo segurado por um dos funcionários se soltou e o atacou também, demorou um pouco até que conseguiram segurar os animais.

Meu sogro teve ferimentos nos braços e pernas, e sua roupa foi toda rasgada. Quando o hospital ligou pra ele para saber que animais eram para poder dar a vacina no meu sogro, o proprietário do guincho fez tão pouco caso, que respondeu grosseiramente com ironia:

— Não se preocupem, meus cães estão bem e não precisam de vacina.

Sant%27Ana, é terrível ver a que ponto chegamos, meu sogro é um homem simples, trabalhador, certamente vai ficar um bom tempo sem poder trabalhar, o proprietário do guincho não mostrou o mínimo de interesse em relação a saúde dele e o que é pior, é revoltante ouvir, como foi dito a ele, que procure seus direitos na justiça.

Eu lhe pergunto, como é permitido que pitbulls (que são manchetes todos os dias pelas mortes que causam) ficam soltos em locais como um guincho, onde várias pessoas entram e saem todos os dias?

Nesse caso não houve morte para virar manchete de jornal, mas será que para sermos escutados e ser tomada alguma providência sobre a situação dos pitbulls temos que esperar o índice de morte aumentar ainda mais?

Seria um pouco menos revoltante se o proprietario pelo menos se desculpasse, mas agir com tanta ironia e descaso realmente é muito triste, pois essas atitudes nos faz desanimar, faz com que tenhamos cada vez mais descrença no ser humano.

Algumas pessoas que se acham melhores do que as outras porque têm dinheiro é que deveriam ser amarradas em canis para que tivessem a oportunidade de ver a vida de uma forma diferente.

Saudações gremistas Um grande abraço, com toda minha admiração,

Roberta Gouveia Cholet%22

Postado por Sant`Ana