Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

A cruz dos pessimistas

28 de janeiro de 2008 3

Eu não sei se já me confessei pessimista aqui nesta coluna. Se ainda não o fiz, faço-o agora: eu sou um incorrigível pessimista.

Sei lá qual é a origem desta face do meu caráter, até desconfio de que possa ser uma infância áspera, malsucedida. Tem tudo para ser pessimista um adulto que foi uma criança para quem a vida foi apresentada como uma companheira mal-encarada, mal-humorada e adversa, além de inseparável.

O que sei é que nós, os pessimistas, temos muito menores chances de sermos felizes que os otimistas. Por exemplo, peguemos dois jovens, um pessimista, outro otimista. Ambos se inscrevem no vestibular. Nos seis meses que antecedem o vestibular, o jovem pessimista sofre esses 180 dias de forma dilacerante: simplesmente porque ele crê que não vai passar no vestibular.

O pessimista é assim: ele antecipa a tristeza e a tragédia. Então ele fica demolido durante 180 dias porque vai ser reprovado no vestibular. Bota tristeza e depressão nisso.

Voltemos nossa atenção agora para o jovem otimista. Ele crê convictamente que vai ser aprovado no vestibular. E durante os 180 dias o nosso jovem otimista goza intensamente a alegria que vai ser sua aprovação. Ele se mostra contente, faz planos, sua vida se torna leve, ele se mostra bem-humorado com os outros, a existência lhe sorri promissoramente.

Enquanto isso, o nosso jovem pessimista carrega a cruz da reprovação antecipada no vestibular, todos seus dias decorrem sob a sombra da catástrofe, sobrevém-lhe até a vontade de desaparecer da face da Terra, não lhe dá vontade nem de conversar com ninguém. E com o jovem otimista é festa e festa, ele já está até gastando por conta da sua aprovação.

Até que chega o dia do vestibular e logo em seguida o dia da divulgação do resultado do vestibular. Para a legitimidade da minha tese, o resultado do vestibular tem de ser igual para os dois.

Pois o resultado é o seguinte: os dois jovens, o pessimista e o otimista, são reprovados no vestibular. Qual é então o balanço na vida dos dois jovens? Evidentemente que os dois ficam arrasados com a reprovação.

Só que o pessimista resta triste, infeliz, desolado, depois do vestibular, mas antes do vestibular ele já era um farrapo humano, um homem destroçado.

Enquanto que o otimista só resta infeliz, triste e desolado após o vestibular, antes ele foi um ser alegre, realizado e festivo.

Visivelmente, quem sofreu mais foi o pessimista. O otimista só sofreu a metade do que sofreu o pessimista.

Mesmo que os dois tivessem passado no vestibular, a conta seria a mesma: alegres os dois seriam depois do vestibular.

Mas é preciso levar em conta a tristeza, a desolação, o arrasamento do pessimista antes do vestibular, nos longos e massacrantes 180 dias que ele passou massacrado pela certeza da desaprovação.

Este é o malsinado destino nosso, os pessimistas: nós vivenciamos catástrofes que não nos acontecerão, nós nos adiantamos aos fatos, julgando que eles, quando sobrevierem, nos serão desfavoráveis.

E mesmo quando somos brindados pela vida ou pelo destino com fartas e estupendas benesses existenciais, logo imaginamos que em seguida elas cessarão os seus efeitos e darão lugar a largas e extensas amarguras. Já os otimistas, pelo contrário, podem ser atingidos pelos maiores desastres, a seguir põem na cabeça que se safarão dessa dificuldade e o sol da vida lhes nascerá fértil e esplendoroso.

Pode até não existir a felicidade, mas se ela existir, os otimistas serão aqueles que a abraçarão.

(Crônica publicada em 8/07/2001)

Postado por Sant`Ana

Comentários (3)

  • Andreia Sparremberger Witt diz: 15 de fevereiro de 2008

    Poxa Paulo Santana suas colunas são simplismente perfeitas ou melhor PODEROSAS!!!
    Admiro muito seu geito sincero de mostrar a realidade para nos seus fãs,e ate mesmo p/ os seus criticos;Pois nao teria graça a vida se tudo fosse perfeito, e todos aceitasem as nossas opinioes.Continue sempre assin, e por favor cuide de sua saúde pois não aguentaria a tristeza de um dia não poder ter mais as sua colunas maravilhosas.Um super beijo se sua fã mais do q gremista; Andreia Witt

  • Tiago diz: 28 de janeiro de 2008

    Nessa coluna descreveste perfeitamente como é para nós, pessimistas, ter que encarar a vida.
    Texto perfeito, para variar.

  • Ronilson Mendes diz: 25 de março de 2010

    Realmente o texto: ” A cruz dos pessimistas ” é digno de grande admiração… um exemplo simples que deu para entender… realmente o otimista sofre menos. Em minha vida sempre mantenho a postura de ser sempre um “jovemotimista”.
    Um grande abraço à todos!

Envie seu Comentário