Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

A banalização do discurso

25 de abril de 2008 5

O médico e cirurgião transplantador José J. Camargo estará lançando em seguida um livro de crônicas, entre as quais figura esta que escolhi para oferecer a meus leitores:

%22A prefeitura de Vacaria fica numa esquina, no canto da praça, em diagonal com a linda catedral de pedra. Numa noite de primavera, uma multidão se acotovelava pelo privilégio de ficar defronte à sacada onde desfilariam os oradores daquele comício. Ainda menino, fui levado pela mão do meu avô para minha primeira experiência de assistir a um discurso em público. Os alto-falantes vibraram, as pessoas aplaudiam e eu assistia a tudo maravilhado com a vista que meu avô me proporcionava, colocando-me sobre seu ombros.

De repente, um frisson tomou conta de todos, quando se anunciou o discurso de um grande orador que encerraria o comício. Ele entrou na sacada da prefeitura, tirou o chapéu, acenou para todos os que o aplaudiam, e a seguir fez um silêncio estratégico como a dizer que depois disso nenhum ruído seria permitido. Todos entenderam e todos se calaram. Quando ele começou a falar, os pernilongos emudeceram. Não lembro uma palavra do que ele disse, mas nunca vou esquecer da irreprimível euforia e do doce encantamento que tomou conta de todos, e dos apertos de mão, e dos abraços afetuosos que foram trocados por alguns quase desconhecidos, que precisavam extravasar a incontida exultação.

Quando fui colocado outra vez no chão, percebi com espanto que meu avô chorava. Lembro que fiquei em pânico, porque naquela idade eu ainda não sabia que se podia, sim, chorar por outra coisa que não fosse dor ou perda. Quando perguntei o que tinha acontecido, ele me respondeu, já meio rindo: Foi pura emoção, meu filho. Vamos embora!.

Devo a Paulo Brossard de Souza Pinto a ventura de ter descoberto, ainda criança, que é possível chorar de emoção. Sempre vou ser grato a ele por esta lição prematura e impagável.

Uma noite dessas, zapeando na TV, parei, como faço muitas vezes, na TV Senado. Que tristeza! A discussão sobre a utilização de células-tronco deveria eletrizar o ambiente, mas ninguém ouvia ninguém. Pequenos grupelhos mantinham discussões paralelas, alguns caminhavam pelo plenário como a alongar as pernas, outros falavam ao celular de costas para o orador, que, aparentemente conformado com o descrédito, se dirigia exclusiva e insistentemente ao senhor presidente. Cada vez que o coitado alteava a voz para dizer: E por isso, Sr. Presidente…!, era como se estivesse reforçando o compromisso tácito de que pelo menos ele se mantivesse acordado, ainda que as sacudidas da cabeça parecessem em franco descompasso com o que estava sendo dito pelo resignado orador de causa nenhuma.

Que alguém continue falando sem se importar que ninguém esteja ouvindo sempre me pareceu uma aberração.

Historicamente, os grandes oradores se caracterizaram pela capacidade de calar as multidões, que, silenciosas e constritas, aguardavam cada palavra como uma revelação definitiva.

Os tempo mudaram, tem mais gente falando do que idéias a serem defendidas, mais falastrões do que doutrinas, mais lobistas do que empreendedores.

E enquanto a palavra for disponibilizada aos oradores sem causa, e enquanto os lugares-comuns substituírem a emoção, estaremos em vigília pela dolorosa agonia do discurso.

Mais triste do que calar é seguir falando, sem ter o que dizer!%22

*Texto publicado hoje em Zero Hora.

Postado por Sant`Ana

Comentários (5)

  • antonio zorio mendes diz: 25 de abril de 2008

    SANTANA, voce foi bem claro quando em seu comentário na RBS, mostrou os lances do pênalti e da falta feita pelo jogador do parana e que foi expulso, mas acho que tu fostes traido, não mostraram a falta violenta do magrão e que nada aconteceu.

  • ACACIO BATISTA RAMOS diz: 26 de abril de 2008

    OLÁ SANTANA. COMO SEMPRE O SEUS COMENTÁRIO SÃO MUITO INTELIGENTE.GOSTARIA DE SUGERIR-LHE QUE CONTINUES MAIS VEZES COMENTANDO SOBRE A NECESSIDADE DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA OBTEREM OS REAJUSTES SALARIAIS QUE NÃO OBTEÊM POR MAIS DE TREZE ANOS.JÁ VI E OUVI ESTES COMENTÁRIOS DE SUA PARTE NO PROGRAMA DO MACEDO E ATÉ MESMO TER VISTO VOCÊ CORAJOSAMENTE PERGUNTAR A SENHORA GOVERNADORA NO PROGRAMA JORNAL DO ALMOÇO. NÃO DESISTA!MESMO QUE SUA VOZ CLAME NO DESERTO.SE NÃO, CAI NO ESQUECIMENTO.SAÚDE E PAZ.

  • Joseph diz: 25 de abril de 2008

    Santana, a reflexão nos permiti corrigir nossos excessos qdo desesperados.O desespero é mais grave que a tristeza ou a dor. O desespero é perda da esperança, é solidão. O teu discurso de ontem no JA e sala excedeu tudo. Foi BANAL. Era apenas futebol; as coisas têm suas reais medidas. Amanhã o Inter pode perder. Restará uma oratória reveladora do desespero desmedido de um ser humano. Tu não merece isso, te cuida mais. Abraço Zé.

  • OGNEI SANTOS VIEIRA diz: 1 de maio de 2008

    Paulo ,esse Senado é uma vergonha nacional, eu sou talmente contra a forma que o Lula governa,mas pelo amor de DEus este senado é totalmente desmoralizado,tirando um ou outro senador ainda temos um pouco de esperança,mas no global, é uma vergonha

  • Francisco Alves diz: 1 de maio de 2008

    Pulo- Monstruosidades os dois casos que mais repercutiram recentemente em todo o mpaís. O da mulher de clase média que torturva uma criança e um casal de classe média, pai e madrasta acusados de matar uma menina. Em Uruguaiana, num casebre, ndesta vez no sentido contrário, um filho acusado de menter opai em carcere privado, mata-lo e esquarteja-lo.Apenas as pernas foram encontradas por crianças num bueiro. Ele nega.O caso ganhou poiucas linhas na imprensa gaúcha.Qual seria a razão?

Envie seu Comentário