Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Ambígua inviolabilidade

28 de abril de 2008 8

Marlene Bergamo, Folha Imagem
Uma intrigante e horripilante notícia chegou ontem da terra onde nasceram Hitler e Freud, a Áustria: um homem manteve presa num porão de sua casa sua filha durante 24 anos. Dos 18 anos de idade aos 42.

E segundo a polícia suspeitava ontem, no cativeiro, ele produziu sete filhos incestuosos com sua filha.

É um dos fatos mais horrendos acerca da maldade humana de que se tem conhecimento. E talvez não haja notícia em toda a história da humanidade, afora os genocídios de guerra ou políticos, de que a maldade de um só homem tenha durado tanto tempo, longos 24 anos passados na Áustria, um país de ótima civilização e excelente polícia.

As perguntas que logo emergem do caso são instigantes: 1) como pode ter esse homem escondido da vizinhança, dos parentes e das autoridades a sua filha, mesmo tendo declarado 24 anos atrás que ela havia desaparecido?; 2) como pode esse homem ter tido sete filhos incestuosos com sua filha, se obviamente a cada um dos sete nascimentos os bebês tinham de ser declarados pelos hospitais ou por parteiras, havendo a obrigação, além de registrá-los, de nomear o pai e mãe das crianças?; 3)incrivelmente, surge nos despachos que vinham ontem da Áustria a figura da esposa do pai incestuoso, que presumivelmente é mãe da seqüestrada, tornando-se assim sogra de seu próprio marido; e como essa esposa do seqüestrador tolerou esse cárcere privado a que foi submetida sua pretensa filha, aceitando assim que seu marido fosse ao mesmo tempo seu genro?; e se presumivelmente a jovem seqüestrada, que declarou ontem ter sido abusada sexualmente por seu pai desde os 11 anos, tendo sido presa na masmorra do porão da casa da família aos 18 anos, permaneceu sendo abusada pelo pai durante os 24 anos em que esteve presa ou era estuprada pelo pai?; será verdade o que diz a esposa do seqüestrador, que desconhecia o que estava se passando, ou aceitou registrar em seu nome os sete filhos obtidos entre o incesto de pai e filha?

Raciocinando sobre este gigantesco crime na Áustria, fico a cismar nos milhões de crimes que são cometidos no ermo domiciliar.

A lei protege o domicílio, declarando-o inviolável, mas o quanto são numerosos os criminosos que se valem deste salvo-conduto que lhes concede a lei para constranger filhos, esposas, parentes, para torturá-los e matá-los dentro do ambiente domiciliar!

Quantas são as crianças espancadas dentro dos lares por anos inteiros a fio, sob o domínio criminoso de seus pais!

Quantas esposas são maltratadas e ofendidas por seus maridos, são agredidas por seus maridos, são massacradas por seus maridos no recôndito indevassável do lar?

Agora mesmo a menina Isabella Nardoni, em São Paulo, foi massacrada no recinto do seu lar.

E o recinto do seu lar, embora os vizinhos tivessem ouvido forte discussão entre o pai e a madrasta de Isabella, presumivelmente sobre o que fariam com o suposto cadáver da menina, serviu de refúgio para os assassinos, ninguém entre os vizinhos ousou ir até a porta do apartamento, apertar na campainha e perguntar o que estava havendo. Pela simples razão do respeito reverencial que todas as pessoas nutrem pelo domicílio.

Quanto deve ser sagrado e é aconselhável que o seja o recinto do domicílio.

Mas a quantas barbaridades e monstruosidades ele serve e esconde.

Porque a lei também diz que qualquer pessoa pode invadir um domicílio se lá dentro estiver sendo cometido um crime.

Só que os domicílios se constituem em cidadelas fortificadas e é muito difícil para os que estão de fora, como aconteceu no caso Isabella, perceber se é crime ou não o que está acontecendo lá dentro.

Os domicílios são elogiável e condenavelmente invioláveis.

*Texto publicado hoje em Zero Hora.

Postado por Sant`Ana

Comentários (8)

  • marilda sortica kelling diz: 3 de maio de 2008

    amigo,já ouvi defenderes a pena de morte,e concordo plenamente.será que haveria outra foma justa de punir este pai e esta madrasta que abdicam da sua obrigação de cuidadores para se tornarem algozes?e os irmãos de isabela não estarão correndo risco?ja vi conselho tutelar encaminhar crianças para o min.publico só por serem filhos de pobres.onde estão estes orgãos agora?será que ter um belo apartamento e o dinheiro do avô os torna pais diferentes dos demais?gostaria de interagir com você abraços

  • JOÃO LUIS GRYZER diz: 28 de abril de 2008

    Jardel ! Nossa direção atras tantos jogadores fazendo apostas altas, desconhecidos, então porque não apostar num que tem historia no Grêmio. Assim como fizeram com Rodrigo Mendes.

  • Diego Velho dos Santos diz: 28 de abril de 2008

    É meu caro Santa`Ana parece que o mundo tá de cabeça pra baixo é paí jogando filha indefesa de prédio,paí abusando de filha
    isso entristese realmente depois desses fatos acabo percebendo que nós é que somos os animais irracionais..temos que punir de forma seca e fria esses animais
    como no caso de Isabella e da moça na Austria isso tem que ter fim….

  • Diego Velho dos Santos diz: 28 de abril de 2008

    por favor Sant`Ana fala no jornal do almoço pra direção do grêmio trazer o jardel…………….
    ele é o cara imagina Roger e JUlio do Santos cruzando bola e o jardel guardando
    de cabeça………….
    VOLTA jARDEL…………………..

  • Valdir diz: 28 de abril de 2008

    Olá Santana.
    Muito pertinentes tuas colocações hoje ao meio dia. O povo precisa se dar conta, especialmente a justiça, de que a maldade não escolhe pessoas, ela ataca em todos os setores da sociedade. Nos resta tentar atacá-los pela raiz, isso significa investir na educação e na saúde.
    A propósito. Comenta no teu bloco do JA sobre a entrevista do Jardel. Acho que o Grêmio tem uma certa responsabilidade para com ele que tanto alegrou a nós gremistas. Abraço

  • Almiro Pimentel dos Passos diz: 28 de abril de 2008

    Amigo Paulo Santana.
    Quem dera outras vozes iguais a sua se levantassem com a mesma coragem que tens.
    Este comentário deveria ser manchete de primeira página de Zero Hora.Parabens pela clareza e grandeza deste´assunto e como o abordas-te.

  • Rita diz: 28 de abril de 2008

    Sant`Ana,que palavras posso usar para expressar sobre o quanto teus comentários são coerentes,lúcidos e perfeitos? Mas acredite que tuas colocações são completas.Quanto a esse teu comentário de hoje, digo que foste,mais uma vez, um “baita” profissional.Muito bom!E que Deus nos proteja das loucuras atuais dos nossos semelhantes.

  • REGIS S diz: 28 de abril de 2008

    NO CASO ISABELA, É NÍTIDO A CUMPLICIDADE DA FAMILIA,OU SEJA ” A FAMILHA EM PRIMEIRO LUGAR”. A CRIANÇA ESTÁ MORTA,MESMO.NÃO PODE SE DEFENDER MAIS.

Envie seu Comentário