Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Monstruosidade sem tamanho

28 de abril de 2008 6

Logo após a reconstituição do crime da menina Isabella Nardoni, ficaram mais evidentes as provas que a polícia tem contra o casal: o pai e a madrasta.

Provas amassantes. Por exemplo, sangue no carro. Diversas manchas de sangue no carro, que foram alastradas para o corredor, para a entrada da porta e para o apartamento. A rede de proteção da janela, que foi rasgada para que fosse atirado o corpo da menina, deixou na camisa do pai, Alexandre Nardoni, marcas nítidas. Certamente por causa da sujeita da rede. Ele não teve como explicar as marcas da fuligem.

Além disso, outra prova: o GPS informou o horário em que o carro foi desligado na garagem. O momento em que Alexandre, a mulher e os filhos saíram do carro. E, onze minutos depois, pela cronometragem dos vizinhos, o corpo era atirado do sexto andar. O que significa que não daria tempo para um terceiro personagem entrar e ser o assassino.

Então, as evidencias são muito fortes contra o casal e dificilmente escaparão de uma condenação. Uma quarta prova é a da mancha do chinelo do pai da menina no lençol da cama. Marca nítida. Onde ele subiu para jogar o corpo da menina.

Parece-me claro que as evidencias depõem contra o casal e que eles estão apenas exercendo a sua defesa por uma mera formalidade.

A polícia reuniu provas muito bem discernidas, competentemente colhidas, destruindo qualquer argumento da defesa. É impossível a defesa ter êxito diante dessas evidências.

Ouça o meu comentário sobre o assunto no Gaúcha Hoje

Postado por Sant`Ana

Comentários (6)

  • Desiree diz: 28 de abril de 2008

    O estranho é que eles continuam em liberdade.

  • Lu diz: 28 de abril de 2008

    Monstruosidade sem tamanho.
    Sant`Ana,usaste as palavras mais do que corretas para qualificares o assassinato da garota Isabella.E me pergunto:- Como um pai pode ser tão monstruoso assim? E como podem ser tão frios os avós,a tia e todos os demais das famílias Nardoni e Jatobá ao se mostrarem cúmplices na verdade oculta sobre o assassinato de Isabella? Quanta monstruosidade!

  • Celso Silveira diz: 28 de abril de 2008

    Caro amigo Sant`Ana
    Não consigo mais assistir o caso Isabela, como nós conseguiremos explicar aos nossos próprios filhos aquilo?Não deixo minha Manu de 8 anos assistir ou ouvir os comentários,é um filme de terror real, ela passou a dormir em nosso quarto com medo.Já chorei por Isabela,rezamos para aparecer uma 3ª pessoa por não acreditar que um pai pudesse fazer essa loucura.Em resumo Sant`Ana,são dois mortos caminhando e cada criança que lhes olharem aparecerá Isabela.Mais um anjinho no céu!

  • renato diz: 28 de abril de 2008

    Existem muitas duvidas ainda: 1)Ficou evidente q.o buraco feito na tela não dava pra jogar a menina daquela janela, 2)Não da pra esganar uma criança por 3 m e ainda estar viva, 3)Não tem laudo sobre o sangue no carro, 4)Não tem toalha com sangue, 5)E se o buraco era pra jogar roubo para o Porteiro??? 6)O porteiro faz questão de não mostrar a cara…7)Se o assassino já estava no apto? já tinha cortado a tela? foi surpreendido pela menina que gritou..Se ele sufocou-a e foi até andar abaixo e jogou

  • PC, O PC diz: 28 de abril de 2008

    Quando eu vejo as imagens, as animações, tudo, é como se fosse eu que tivesse jogado a menina la de cima. Pitz! Vamos condenar os culpados à vida. Nunca à morte. A sociedade precisa fazer o matador lembrar todos os dias o que ele interrompeu. Não esqueçam, só os humanos fazem isso com os seus semelhantes.
    Tchus.

  • LUIZ CARLOS diz: 28 de abril de 2008

    Para certas pessoas, mesmo que o casal confesse o crime, não acreditarão que o cometeram. Vão achar que estão mentindo ou que foram obrigados a confessar. Acho que não se discute mais a autoria, obviamente, foi o casal Nardoni quem matou aquela criança. Entretanto, deve-se descobrir qual foi o motivo. Afinal, se era uma família normal e aconteceu tamanha tragédia, todos devem ficar sabendo o motivo, inclusive, para a própria segurança.

Envie seu Comentário