Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts do dia 17 junho 2008

Furto à cadelinha

17 de junho de 2008 9

Paulo Franken, Banco de Dados - 20/06/2006

E-mail da leitora Cristina Bastos (cristina.bastos@terra.com.br):

“Caro Paulo Sant`Ana,

Escrevo-te este pequeno e-mail para contar um fato, digamos, no mínimo inusitado: minha vizinha, como faz todos os dias, ao levar suas cachorrinhas para passear em frente ao prédio onde moramos, no bairro Petrópolis, deparou com o inesperado: um meliante assaltou uma de suas cadelinhas e levou-lhe a roupinha. É isso mesmo, furtou a roupa da cadelinha!!!

Pode uma coisa dessas??? O que falta mais acontecer nessa cidade???”

Postado por Sant`Ana

Tite, um técnico bem-humorado

17 de junho de 2008 4

É impressionante. O Tite é o primeiro treinador, que veio para a Dupla Gre-Nal nos últimos tempos, que não é mal-humorado e nem agressivo com os repórteres. Não é para menos que quem mais está vibrando com a contratação de Tite pelo Inter é a crônica esportiva.

Confira o meu comentário no Jornal do Almoço:

Postado por Sant`Ana

Crime horrendo

17 de junho de 2008 8

Reprodução, Globo News

Assim como o fato é relatado, é assombroso.

Três jovens foram detidos no Morro da Providência, no Rio de Janeiro, por uma patrulha militar comandada por um policial, quatro sargentos e seis soldados. Os jovens foram levados para o quartel do Exército e de lá foram entregues a uma facção rival. Segundo o noticiário, era uma facção de traficantes, que assassinaram os três jovens e os jogaram em um lixão.

As vozes brasileiras que pregam que o Exército auxilie as forças policiais no combate à criminalidade — entre elas a minha — estão desanimadas com o que aconteceu. Segundo o noticiário, três dos onze militares já confessaram esse crime horrendo. Uma patrulha do Exército entregar para traficantes três jovens para que eles fossem assassinados, é uma coisa assombrosa. Não tem explicação uma coisa dessas.

No momento em que a gente clama para que o Exército ajude as forças policiais, uma patrulha do Exército comete esse crime terrível. Os rapazes eram trabalhadores, estudantes, e não criminosos. E mesmo se fossem, não poderiam ter sido entregues a facção rival.

O ministro da Fazenda já disse que o fato deve ser apurado. É muito grave e constrange o Exército brasileiro. É desanimador.

Mas o que me deixa mais estupefato é que os policiais sabiam que se os rapazes fossem entregues para a facção do Morro da Mineira, seriam assassinados. Mesmo assim, os jovens não foram entregues à polícia, e sim, foram entregues aos traficantes.

Se houve desacato à autoridade, como eles estão alegando, os jovens deveriam ter sido entregues à polícia. Esse crime é horrendo, terrível. Não dá para entender como isso pode acontecer. Que inferno são as favelas do Rio de Janeiro.

Ouça o meu comentário no Gaúcha Hoje sobre o assunto

Postado por Sant`Ana

A voz das ruas

17 de junho de 2008 4

“SantAna. Venho humildemente pedir sua ajuda para que os moradores do centro desta pacata cidade de Canela voltem a ter um pouco de sossego em suas vidas.

Abriram vários estabelecimentos no centro desta cidade, como bares e restaurantes, mas os mesmos só possuem alvarás para trabalhar em tal atividade, mas não é o que efetivamente ocorre, esses estabelecimentos se utilizam de bandas e música ao vivo todas as noites da semana, de segunda a segunda, sem nenhuma proteção acústica e sem nenhum respeito pelos moradores vizinhos, que perdem o direito ao descanso noturno, em razão do alto volume emitido pelas caixas de som de alta potência.

Nossos filhos não conseguem dormir, pessoas de idade avançada estão a cada dia mais doentes, porque não conseguem dormir à noite, e nós, trabalhadores, pagadores de impostos, não temos direito, que por sinal está assegurado em lei, de não sermos molestados com barulhos ensurdecedores.

Já cansei de pedir ajuda à prefeitura (para que fiscalize, o que se nega a fazer, já que há interesses políticos envolvidos), já pedi ajuda à Câmara de Vereadores, mas os mesmos se negam a se manifestar, pois também possuem interesses políticos, já recorri aos jornais da cidade, mas os mesmos nem respondem aos e-mails a eles enviados, definitivamente ignoram a agonia que os moradores estão passando.

A polícia nada pode fazer, pelo menos é isso o que ela diz.

Não me resta outra alternativa a não ser recorrer a ti, caro colunista, pois sei que o senhor é sensível à dor alheia, e sei que, se não posso contar com o apoio de nenhum órgão de minha cidade, então recorro, pois é meu último recurso de ser ouvida, de ter esta falta de responsabilidade e de respeito por parte dos administradores desta cidade. Nada me resta, estamos desesperados.

O senhor pode imaginar o que é ficar sem dormir todas as noites até as 4h da manhã e ter que levantar cedo para trabalhar, cuidar dos filhos… e não ter a quem pedir ajuda? Nesta cidade tudo anda ligado à política, e ninguém faz nada. Aqui, quem manda é o dinheiro e o poder político, mais nada.

Peço, suplico, que o senhor leia meu e-mail e que possa escrever sobre ele em sua coluna.

E desde já fico imensamente agradecida, pois o senhor é visto por nós como aquele que pode nos salvar do martírio que vivemos.

O senhor não vai virar as costas para nós, seus admiradores, por quem temos o mais profundo respeito.

Que Deus lhe abençoe e que lhe dê em dobro o que o senhor faz por nosso povo, tão desprovido de ajuda.

Obrigado de todo coração. (ass.) Cristina Cavalli (cavalliadv@hotmail.com)”.

* * *

“Hoje foi dia de passe livre. Pasmem, lá pelas 8h30min peguei um ônibus e ele estava sem campainha para sinalizar quem iria descer. Pensei comigo: deve ter estragado durante esta viagem ao Centro… Ao retornar para casa, por volta das 17h30min (de hoje) pasmem mais ainda, o mesmo ônibus lá estava (carro 0191), ainda sem a campainha e o cobrador (figura apenas simbólica para um dia de passe livre), gritava a cada momento: Desce alguém aqui?. Note bem, eu disse gritava. Mas pasmem dobrado: ao chegar na minha parada, o ônibus não parou e, ao ser dito que queríamos descer (eu e mais alguns passageiros), o cobrador retrucou tirando o fone do ouvido: Ué, eu perguntei (leia-se gritei) e ninguém avisou que queria descer nesta parada!. Pergunta-se: como alguém vai ouvir alguma coisa de algum passageiro com fone no ouvido?

Faço este relato apenas para fazer parte das histórias cômicas (e trágicas sobre a Carris), uma vez que reclamar da qualidade dos ônibus, da sujeira, da falta de manutenção, da superlotação, da falta de horário, isto já cansei de fazer e ninguém toma nenhuma providência.

A propósito, se as alegações da Carris são de falta de ônibus, que precisa renovar a frota etc. etc., como foi possível renovar todas as três linhas C que circulam pelos bairros centrais (acho que C1, C2 e C3)? Ônibus novos, com TV e outras coisas mais… Já sei, é que essas linhas têm grande visibilidade e a linha 473 serve apenas a bairros sem expressão. Registre-se que nós, usuários da linha 473, pagamos os mesmos R$ 2,10 para utilizar um serviço precário. Será que será necessário acionar o MP para exigir um transporte digno, que não é favor nenhum, pagamos por isso? Atenciosamente, Irene Ermacovitch (iermacovitch@terra.com.br)”.

* * *

“Caro SantAna. Tenho um pitbull de dois anos e, acompanhando tudo que tem acontecido nos últimos tempos, resolvi me desfazer do cachorro, mas não sei como fazer, a quem recorrer, sabe se existe algum lugar que receba esses animais? Aguardo. Abraço. (ass.) Gildo Simon, fone 9606-0102″.

* * *

“SantAna. A Escola Miguel Lampert está sem professor de física desde o início do ano, no Ensino Médio. E só enrolam, dizendo que vai vir professor, mas nunca vem. Situação do ensino realmente está um horror. Beijos. (ass.) Nathalia Stédile (nathiparceria@hotmail.com)”.

* Texto publicado hoje na página 55 de Zero Hora.

Postado por Sant`ana