Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 27 março 2009

Encontro de histórias

27 de março de 2009 10

Jefferson Botega

Ontem participei do projeto Encontros com o Professor, em que fui entrevistado pelo meu colega Ruy Carlos Ostermann. Foi entusiasmante ver a plateia lotar o Studio Clio e se divertir com as minhas histórias e confissões.

Confira, no vídeo abaixo, trechos da minha participação:

Postado por Sant`Ana

Privatização dos presídios

27 de março de 2009 18

Na Penitenciária de Joinville, os presos são estimulados a trabalhar para reduzir a pena/Rogério da Silva, Divulgação

Discute-se intensamente no Rio Grande do Sul a privatização da administração interna dos presídios. O fato é que chegamos ao caos com a administração pública das prisões. Não há nenhuma maneira de recuperar os presídios pela via pública.

Sairá mais caro enfrentar a privatização. Mas o barato sai caro. Aliás, eu acho que os presídios estão neste caos porque é barato para o Estado assim. Custa R$ 680 para manter um detento no Presídio Central. Os presos são completamente abandonados a sua sorte dentro das galerias. As prisões superlotam e ninguém faz nada.

Eu acho que a privatização seria uma solução porque iria disciplinar a questão carcerária. Não é possível que se coloque um preso a mais do que o presídio suporta. No Presídio Central e no Madre Pelletier, penitenciária feminina, as celas com capacidade para duas pessoas estão abrigando, hoje, 18 presos. Isso é demais! Alguma coisa precisa ser feita.

Pode ser mais caro optar por um presídio privado, mas se analisarmos a relação dos presos que saem e reincidem, nos presídios públicos é muito maior que nos privados.

Um exemplo disso é a penitenciária privada que existe na cidade de Joinville, em Santa Catarina, com capacidade para 366 presos. Lá, a taxa de reincidência dos presos que são soltos é de apenas 7%. Enquanto que no Presídio Central, 70% dos presos reincidem no crime.

Ora, esses dados mostram como seria favorável a adoção da privatização dos presídios no Rio Grande do Sul.

Ouça o meu comentário no Gaúcha Hoje

Postado por Sant`Ana

Polêmica

27 de março de 2009 22

Dom Dadeus Grings, arcebispo de Porto Alegre, meteu os pés pelas mãos ao declarar que morreram muito mais católicos que judeus no Holocausto, mas que isto não aparece porque os judeus detêm a propaganda no mundo.

O que parece desconhecer por ausência de intelecção o arcebispo é que nenhum dos milhões de católicos que morreram na II Guerra Mundial morreu por ser católico.

E que todos os judeus que morreram foram sacrificados exclusivamente por serem judeus.

* Texto publicado hoje na página 63 de Zero Hora.

Postado por Sant`Ana

Água muito mais barata

27 de março de 2009 11

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, saiu-se com uma muito boa: “O litro da gasolina que sai das refinarias é mais barato que o litro de água engarrafada. O que encarece para o consumidor é a margem de lucro das distribuidoras e os altos tributos”.

De um lado, espertamente, o presidente da Petrobras faz surgir um terceiro componente para fixação do preço da gasolina: antes era só o preço do dólar e o preço do barril de petróleo.

Agora o presidente lança um terceiro fator causal para o preço da gasolina: o preço da água.

Isso é para confundir.

Porque ele disse que o preço da gasolina é mais baixo que o da água engarrafada.

Mas escondeu maliciosamente que o preço que pagamos pela água que jorra na torneira das nossas casas é mais de mil vezes inferior ao preço da gasolina.

E a Corsan e o Dmae industrializam a água como a Petrobras industrializa a gasolina. Ambas são riquezas minerais que o homem capta gratuitamente e consome.

E o preço da água é mil vezes inferior ao preço da gasolina.

O preço da água engarrafada, este sim é superior ao preço da gasolina.

Mas a Petrobras não vende a gasolina engarrafada. Vende-a por entrega das refinarias aos caminhões.

Tem o mesmo trabalho que a Corsan e o Dmae têm para entregar a água a nós, consumidores.

Portanto, a água que interessa, a que consumimos em nossa casa, é mil vezes mais barata que a gasolina.

O presidente da Petrobras usou apenas de um truque retórico para driblar a opinião pública brasileira e tentar justificar que vendemos a gasolina mais cara do mundo no Brasil, em dólares.

Não tem justificativa.

* Texto publicado hoje na página 63 de Zero Hora.

Postado por Sant`Ana