Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O medo da testemunha

25 de maio de 2009 242

Zero Hora publicou sábado uma entrevista com um dentista não identificado que viu, na Rota do Sol, o caminhoneiro Fabiano Costa de Lima agredindo na beira da estrada a também dentista Márcia Nascimento, morta e estuprada momentos depois pelo mesmo caminhoneiro.

A entrevista do repórter Daniel Corrêa foi muito elucidativa. Revelou em todos os detalhes a experiência do entrevistado, que avistou o caminhoneiro envolvido fisicamente com a jovem assassinada.

O entrevistado admite que o fato de a dentista, que estava sendo agredida pelo criminoso, atirar as chaves do seu carro na estrada era um pedido patético de socorro.

E, ante o pedido, o entrevistado resolveu parar o seu carro e buzinar, com a intenção de evitar que o ataque continuasse ocorrendo.

Diante disso, o criminoso ameaçou puxar uma arma da cintura para atacar o entrevistado.

Mas o próprio entrevistado admite que notou que o caminhoneiro não tinha arma na cintura, mas que naquele momento só pensou na segurança da namorada e de um cão, que estavam dentro do seu carro, e se afastou do local, telefonando de seu celular para a Brigada Militar, não mais retornando ao local.

Não dá para culpar o entrevistado de omissão de socorro, porque ele revela que teve medo de ser assassinado pelo caminhoneiro.

Mas a situação dá a entender uma falta de empenho para tentar evitar o ataque de que estava sendo vítima a jovem dentista por parte do caminhoneiro.

A atitude que se exigia do entrevistado era a de que voltasse ao local. Se é que tanto temia pela sorte de sua namorada e de seu cachorro de estimação, deixasse-os em um lugar seguro da estrada e retornasse ao lugar do ataque e fizesse o caminhoneiro notar que estava sendo vigiado, mesmo sem parar o carro, mas intimidando o criminoso de forma a que ele não prosseguisse no ataque à dentista e em seu intento criminoso.

Era dia claro, entre meio-dia e uma da tarde, por que o entrevistado não tentou parar outros veículos e pedir socorro para a dentista?

É duro de entender, mesmo que tenha telefonado à Brigada Militar, que, segundo consta, falhou em não socorrer a assassinada, que o entrevistado tenha seguido viagem sem se importar com o destino da jovem dentista.

O entrevistado declara que pensou em chegar a um bar da subida da estrada e pedir socorro, mas ficou com receio de que o criminoso estivesse vindo atrás dele, “se rendesse mais pessoas, aí não seria uma vítima, mas uma chacina”.

Estou me colocando no lugar dessa pessoa entrevistada, que não foi identificada pela reportagem, até mesmo porque só deve ter concordado com a entrevista se sua identidade fosse mantida em sigilo.

Mas, no meu caso – e acho que no caso da maioria das pessoas –, eu não teria desistido nunca de socorrer aquela mulher que estava sendo atacada.

Eu teria parado no bar da “subida”, teria deixado lá minha namorada e meu cachorro, teria pedido auxílio a um ou dois homens, teria apanhado um pedaço de pau ou uma barra de ferro, quem sabe uma arma que houvesse no bar – e teria rumado até onde estavam o caminhoneiro e a dentista.

Eu não ia poder seguir viagem com aquela cena do ataque do caminhoneiro à dentista dominando a minha mente. O remorso iria roer-me a consciência.

Não quero acusar diretamente a testemunha de omissão de socorro, mas tenho dificuldade de encontrar explicação para que ela não tenha tentado parar sequer um carro para levar socorro à vítima. Tinha que parar diversos carros, tinha de deixar seu carro nas proximidades do local do ataque para atemorizar o caminhoneiro, tinha de fazer algo mais do que telefonar para uma polícia que lamentavelmente não foi socorrer a vítima.

Imaginem o desespero da dentista ao ver uma testemunha presenciar a agressão, afastar-se do local e ninguém mais retornar para acudi-la!

Imaginem!

Que caso repleto de remorso. O caso de um crime que até, quem sabe, podia ter sido evitado pela testemunha e pela patrulha militar notificada.

Sei que é nosso dever considerar o pavor instalado naquele km daquela rodovia naquele dia. E só isso, talvez, explique a omissão.

Que lástima!

* Texto publicado na página 35 da Zero Hora.

Postado por Paulo Sant`Ana

Comentários (242)

  • Léo Inácio diz: 29 de maio de 2009

    Caro Paulo Santos, quem sabe tu não entra pra Brigada então.
    E se o cara fosse lá e morresse também ele a namorada??? Seriam 3 mortos, e aí??? Se o cara fosse tão covarde assim não teria feito retrato falado e se envolvido na busca de prender esse criminoso. Tem tanto corajoso na internet, mas nas ruas no dia-a-dia não se vê nada disso…

  • Carla diz: 30 de maio de 2009

    Muito me impressiona a opinião do Sr. Paulo Santana,uma vez que a testemunha apenas obedeceu orientação da própria polícia, que nos pede para nunca reagirmos. Aliás,a sensação que temos é que a única função da mesma é ficar a espreita para conseguir nos multar. Segurança? Que nada, somente arrecadação.

  • Patricia diz: 1 de junho de 2009

    Santana vc É O CARA!!Tem razão em cada palavra escrita!! Claro que entendemos o “medo” da testemunha de parar frente ao assassino,quem não teria!Mas não parar no BAR,tentar pedir ajuda de mais pessoas,juntar mais pessoas,o MÍNIMO A FAZER,vendo que ela estava sendo agredida e era mulher…ISSO FOI cruel e estranho!MAS COMO VC MENCIONOU Santana o REMORSO FICA NA CONSCIÊNCIA…!!Muitas pessoas fariam BEM MAIS…mas Deus sabe o que faz!Como CADA PESSOA TBÉM SABE!!!É “LASTIMÁVEL” mesmo!!

  • Suzana Britto diz: 29 de maio de 2009

    Considero que o questionamento da ação das testemunhas pelo Sr. Paulo Santana só faz com que mais pessoas se OMITAM diante de algum fato testemunhado para que não reacaia a culpa sobre elas mesmas.

    É isso que o senhor quer Sr. Paulo Santana?

  • Paulo Santos diz: 30 de maio de 2009

    Olá Léo Inácio!

    O que você e muita gente não percebe é que naquele momento esta testemunha era a voz de socorro da vítima! No minimo eles deveriam ter parado em algum lugar e avisado alguem, e ligado para a policia varias vezes até ter certeza de que a ajuda esta a caminho… Você pode ter certeza que se minha família estiver em perigo e eu opuder buscar ajuda, vou fazer isso… Não vou me limitar a ligar para a policia… Essa mesma atitude tenho com estranhos… Unidos somos fortes!

  • Marcio diz: 1 de junho de 2009

    Faltou um pouco mais de empenho na testemunha, mas foi o único que ajudou, tenho certesa que se ele pudesse faria diferente. Se até a Polícia por vontade própria deixa os marginais agirem para muito depois aparecerem!

  • Nélson diz: 30 de maio de 2009

    para a testemunha, a vida de um cachorro era mais valiosa que a vida humana. por aí se explica tudo.

  • LUCIANA diz: 25 de maio de 2009

    Que bom saber que mais alguém compartilha da minha indignação pela falta de ação do dentista que presenciou o início da agressão que virou homicidio. É bem provável que a imprensa tivesse noticiado algo como: tentativa de homícidio frustrada, ao envés de noticiar essa triste morte, caso o dentista tivesse tido compaixão de uma mulher pedindo socorro.

  • Altir josé diz: 25 de maio de 2009

    Sinto-me profundamente indignado com tamanha insensibilidade e individualismo que fizeram aquele dentista covarde não mover uma palha para salvar aquela vida. Também eu, como o Paulo Santana não consigo entender: Será que chegamos a tamanha indiferença e deshumanidade?
    Ninguém deve bancar o herói e arriscar a própria vida, mas ninguém deve deixar-se imobilizar assim pela covardia e falta de respeito pela vida humana.

  • Joelson Lima diz: 25 de maio de 2009

    Prezado Sant`anna, lamentavelmente as pessoas não se preocupam com as dificuldades alheias, o ano passado mesmo tivemos um caso aqui em Caxias em que uma estudante universitária presenciou um jovem sendo abordado por assaltantes e nada fez para evitar a consumação do fato que acabou no assassinato do jovem personal trainer, todas as suas questões são pontuais, havia pelo menos uma duzia de possibilidades que a testemunha poderia adotar para evitar a tragédia.

  • Luís P. Alegre diz: 26 de maio de 2009

    É fácil julgar a testemunha que agiu como se deve agir, ligando para a polícia que, sim, foi omissa ao extremo. É impressionante a quantidade de comentários absurdos sobre o ocorrido, e a menção do colunista para “pegar uma arma num bar…” É fazer justiça com as próprias mãos, o que, num país democrático e regrado, nem deveria ser mencionado… Lastimável esse texto do Sant`Anna…Ninguém, mas NIGUÉM mesmo saberia como reagir diante de uma fato desses. Absurdas algumas manifestações…

  • pedro diz: 25 de maio de 2009

    Eh meu caro, o mais triste eh ver como a maioria das pessoas continuam achando que nao se envolver e nao se comprometer eh o certo e o normal. Nossa sociedade esta desmorando por isso. Ninguem quer se comprometer, tomar atitude. Todos soh querem seguranca e direitos para si. Sem coletividade cada dia mais coisas como esta vao acontecer. Aonde voce vai se esconder entao? O mal soh acontence quando os homens de bem deixam. Aonde estariam os nossos? comece a se comprometer antes que comprometam vc

  • Glací diz: 25 de maio de 2009

    Concordo q a testemunha poderia ter algo para salvar essa vida q se foi, mais ainda acho q os responsáveis maiores são policiais federais q deveriam circular num deserto daqueles, qtas pessoas podem ser as próximas vítimas?? Precisamos URGENTE maior empenho na SEGURANÇA de todos e isso se trata de colocação de mais profissionais e bem remunerados para q tbém não aconteça q vimos estampados nas páginas de jornal.

  • Daniela diz: 27 de maio de 2009

    A testemunha poderia ter feito mais? Sim!!! Mas e aí? Muito fácil criticar qdo não se estava lá! Eu também acho que ele poderia ter tomado uma atitude mais drástica. No lugar dele, independente de conhecê-la ou não, teria feito de TUDO até ele soltá-la e ver que ela estava salva. Mas infelizmente, as pessoas não são todas iguais.Tem vivências e atitudes que se diferem…Porém, graças a ele que o monstro está na cadeia hoje, ao menos nisso ele ajudou decentemente…

  • ana diz: 25 de maio de 2009

    Santana!
    Sou da mesma cidade da Márcia e a conhecia. Fiquei chocada com a entrevista do dentista. Aquele comentário sobre o cachorro então, foi totalmente desnecessário. Às vezes não durmo pensando no desespero que ela deve ter passado. Coitada! Poderia estar viva!

  • clovis diz: 26 de maio de 2009

    Muito fácil depois de todo o ocorrido, querer julgar o ato do rapaz. Mas somente ele sabe o que passou na cabeça dele naquele momento. Querer comparar um cidadão com um agente da lei que tem treino para essas situações é ridículo. E se fosse uma senhora de 80 anos? Ela também deveria ter interfirido? Será que os que criticam enfrentariam desarmados o caminhoneiro?

  • HELENO PINTO NOBRE diz: 26 de maio de 2009

    SOMENTE HOJE ( 25/05/2.009 ); FIQUEI SABENDO QUE HOUVE UMA TESTEMUNHA QUE PRESENCIOU EM PARTE O OCORRIDO. SOMENTE GOSTARIA DE DIZER QUE ESTA PESSOA NUNCA MAIS TERÁ PAZ EM SUA MENTE E MUITO MENOS EM SEU CORAÇÃO POR TER SE OMITIDO. ELE IRÁ CARREGAR DURANTE SUA VIDA ESTA CULPA. SEM QUERER JULGAR A ATITUDE DELE. POIS QUEM SOU EU PARA JULGÁ-LO.MAS ACREDITO QUE ELE NÃO TERÁ PAZ EM SUA VIDA.

  • Pedro diz: 26 de maio de 2009

    Além das autoridades SEMPRE recomendarem para não reagir, então pq alguem deveria se arriscar pelos outros? Pois se o bandido reagir o que os “convocados” para ajudar fariam? Sim poderiam até “dominar o cara” porem responderiam na justiça por isso ou não? é infelizmente vivemos em uma sociedade onde as leis favorecem os bandidos,e por este motivo nós não podemos reagir,senão seremos tratados também como bandido pela justiça, ESTA É A VERDADE.

  • mauricio diz: 26 de maio de 2009

    Sentado em minha confortável poltrona, na total segurança de minha casa ou de meu local de trabalho, há dias e dias do crime, eu também posso comentar o fato da mesma maneira parcial do senhor.
    Será que na hora do ocorrido o rapaz teve toda esta calma e conforto para saber como agir melhor? será que nada lhe afligiu no momento da decisão?
    se tudo fosse tão simples assim…

  • Guilherme diz: 26 de maio de 2009

    … continuando … fui vítima de um assalto, graças a deus sem maiores consequencias, e mesmo em minha defesa não tive a coragem de indicar os mesmos, a polícia me exigiu que os apontassem e caso meus pertences não estivessem ainda em poder deles e nada comprovasse, eu passaria a réu por não ter provas, e além disso tenho cpf, residência fixa, telefone, etc… sem falar em minha família, que segurança eu teria com minha rotina diária e estes anjos sabendo de toda minha vida????

  • Odeti diz: 26 de maio de 2009

    eu faria tuda para socorrer esta pessoa imagina que absurdo deixar a criarura na quela situação!!
    hoje em dia não sabemos o que vai acontecer amanhã porisso temos que ajudar o proximo

  • ANDRE diz: 26 de maio de 2009

    Fico impressionado com a coragem e valentia de certas pessoas. Na teoria é tudo muito lindo, muito prático. O ser humano é racional e graças a Deus diferente um do outro. Se todos fossem iguais, que bom! Não precisaríamos mais de médicos, advogados, engenheiros, contador, enfim. Seríamos tão independentes, inteligentes o suficiente para resolver todos nossos problemas sem a ajuda de ninguém. SANTA IGNORÂNCIA! Usem a inteligência que lhes cabem. O dentista não foi e nunca será um super-herói!

  • Flavio Cardoso diz: 25 de maio de 2009

    O “umbigo” do dentista que testemunhou o que seria o começo do assassinato da sua colega, falou mais alto… “Minha namorada, meu cachorro” e meu umbigo… O individualismo de alguém que no alto dos seus 25 anos, formado em odontologia, ex-morador de Torres onde cursou Odonto, evidenciam que ele nada aprendeu da sobre a vida real… Talvez o remorso faça com que ele entenda que uma vida humana vale, ao menos, o mesmo que a do seu cachorro…

  • Rodrigo diz: 25 de maio de 2009

    Legal! Agora vamos começar a fazer justiça com as próprias mãos? Quem podia garantir que o caminhoeiro estava sozinho?
    Querer responsabilizar a testemunha é aceitar a inconpetência dos orgãos públicos `responsáveis` pela segurança.

  • fernanda diz: 28 de maio de 2009

    Covardia,desumanidade,insensibilidade,
    coração de pedra,deixou a moça implorando socorro e foi embora com “medinho”!Inadimicivel,ele deveria ter feito tudo pra salva a dentista,ligasse milhões de vezes pra policia,FIZESSE ALGUMA COISA!Não quero mais pensa no desespero dela imaginando que essa testemunha voltaria de alguma maneira pra tentar socorre-la,só que morreu de tanto espera,DESUMANO!
    Mas hoje ele deve está em paz, com a conciência tranquila né?

  • Ana diz: 25 de maio de 2009

    Tenho muito respeito pelo ilustre jornalista, mas não posso concordar com ele. O que se podia imaginar numa situação daquelas? O agressor podia não ter uma arma na cintura, mas ela poderia estar no carro, no caminhão… A testemunha fez o que estava ao seu alcance. Não ouve omissão por parte da testemunha.

  • Paulo H diz: 26 de maio de 2009

    Aos que são a favor da atitude do dentista, façam-se a seguinte pergunta: se fosse a minha filha, ou irmã,mãe, esposa,namorada que estivesse na situação da vítima, como eu agiria? 1)Se a resposta foi que sim, que então ajudaria, então é por que vc é realmente um individualista que só olha para o próprio umbigo e dos seus…2)Se ainda assim vc optar pela mesma atitude do dentista, é porque vc é realmente um completo covarde…E assim caminha (muito mal) a humanidade.

  • Marcelo diz: 26 de maio de 2009

    h

  • tania diz: 26 de maio de 2009

    Não estamos livres de enfrentarmos um dia,quem sabe,uma situação semelhante.Acredito que isso nos serve de lição para pararmos por instante e pensarmos neste caso o que podemnos fazer em tal situação.Claro que ninguém deve colocar sua própria vida em risco,mas com certeza devemos pedir ajuda,devemos nos importar mais com o que se passa a nossa volta.Se nos sentimos impotentes,devemos correr e pedir ajuda.A união faz a força.Não fechemos os olhos,ouvidos,pois um dia poderemos ser nós.

  • Andresa diz: 25 de maio de 2009

    Já fui assaltada e ninguem me ajudou, é desesperador você ver as outras pessoas notarem o que ocorre e ninguém fazer nada, só imagino o desespero dessa mulher. É o fim nao fazer nada, chama-se outras pessoas, ficasse fazendo ronda, mas a total indiferença,, isso dói !! Ele nao pensou que podia ser a namorada dele ou o seu caozinho ? REALMENTE LASTIMÁVEL

  • Michele diz: 25 de maio de 2009

    Isso,vamos discutir e conjecturar sobre o caráter da testemunha.Eis a característica típica do brasileiro:falta de objetividade.E falta de noção do que significa responsabilidade.A atitude do dentista está mais para consequência do absurdo a que chegamos em nossa sociedade (medo,desproteção,injustiça,corrupção, descaso) do que causa da tragédia.Vamos cobrar de quem tem o dever LEGAL e institucional de prover segurança e NÃO O FEZ.Deixem a questão moral e psciológica da testemunha para a terapia.

  • Franco Garibaldi diz: 26 de maio de 2009

    Profeta do acontecido…

  • Antonio diz: 25 de maio de 2009

    A moça estaria viva se este covarde tivesse feito alugma coisa. Deus proteja o cachorro dele.

  • Carlos diz: 26 de maio de 2009

    Depois do fato consumado,de dentro de sua casa com ar condicionado,lap top, todo mundo é herói.Acusam o dentista,dizem q teriam saído do carro,feito e acontecido. A hipocrisia é pior q a mentira,é uma mentira mentirosa.”Eu teria feito, eu teria acontecido.O cara é um covarde”.Pegam a parte em q elefalou do cachorro e colocam sobre todo o resto.Esse é o tipo de gente q se influencia pela mídia, são os heróis da teoria.queria ver se estivessem desarmados com suas esposas, nem a polícia chamariam.

  • Luiz Cristiano diz: 28 de maio de 2009

    Este assunto está servindo para diferenciar dois tipos de pessoas,aquelas,como o PEDRO de Caxias,e as demais.O PEDRO afirma o seguinte:”…então por que alguém deveria se arriscar pelos outros?”.Esta pessoa não sabe por que deveria ajudar…!Vejam bem como funciona a sua mente egoísta!Ele só conhece uma palavra:EU.Ele representa,de maneira civilizada,a verdadeira PRAGA que assola a nossa civilização.Ele nem sabe,mas é por sua causa,e de seu pensamento,que o mundo irá,inapelavelmente,acabar.

  • Leonardo diz: 26 de maio de 2009

    A atitude desse dentista é consequencia não só de sua própria covardia, mas da insistente recomendação de jamais reagir a nada, de sempre se portar como vítima para que “não aconteça o pior”. A maioria das pessoas se conforma em ser cordeiros diante dos lobos.
    O preço que esse covarde vai pagar é o remorso para o resto da vida.

  • mundaka diz: 25 de maio de 2009

    Santana, comparto a sua opinao 100%. É mais: aqui há duas testemunhas oculares e nao somente uma. Como pôde a namorada do rapaz nao se solidarizar com a vitima e nao obriga-lo a prestar socorro??

  • Flavio diz: 26 de maio de 2009

    Prezado Santana.
    O sujeito em questao é simplesmente um banana, para nao dizer mais. E apolicia, onde estava? Escondida em algum cano para flagar algum motorista em excesso de velocidade? Lamentavel.

  • Maribel diz: 26 de maio de 2009

    Concordo com o Santana.Se ele passou por um bar,tinha como chamar mais alguém por que não fez?Nem eu sendo mulher me isentaria de fazer alguma coisa,minha consciência não me deixaria viver em paz.Talvez a namorada na época,que hoje é ex,tenha se dado conta que corria o risco de passar por uma situação difícil e não ter quem a defendesse,principalmente se o cão estivesse junto.Tá faltando solidariedade,não precisaria um ato heroico, apenas inteligente e humano.E se fosse a irmã dele?

  • Gabriel diz: 26 de maio de 2009

    Imagina se eu faço como diz o caro Sant`ana, e busco ajuda de mais algumas pessoas. Volto ao local, mas o agressor tinha uma arma em seu caminhão e já está em posse dela no momento. Aí uma das pessoas que eu trouxe para auxiliar acaba morta. Então teria em minha consciência a culpa pela morte desta pessoa. Aliás culpa esta que deveriam ter no momento todos os envolvidos da polícia que omitiram socorro imediato. Trabalho da polícia é para policial fazer. Por isto pagamos impostos.

  • Tânia Rodrigues diz: 26 de maio de 2009

    PEÇO DESCULPA A TODOS QUE POSTARAM, É UMA “LASTIMA”, BEM OU MAL A TESTEMUNHA PODERIA TER AGIDO MAIS, EXISTIAM INUMERAS POSSIBILIDADES CITADAS NA REPORTAGEM E ELE INFELIZMENTE SÓ LIGOU PARA POLICIA, AI IMAGINO O DESESPERO DELA VER QUE VIRAM E NÃO FOI SOCORRIDA A TEMPO. A SEMANA PASSADA FUI ASSALTADA E A 500M UM CIDADÃO ESTAVA CHEGANDO EM CASA E ELE NÃO PERCEBEU QUE ERA ASSALTO, EU AGRADEÇO POR NÃO TER LEVADO NEM UM EMPURRÃO, ME COLOCO NO LUGAR DA MOÇA, É LASTIMAVEL TAL ATITUDE DO DENTISTA.

  • cristiano apoitia diz: 26 de maio de 2009

    Que coisa senhor Santana … Nós temos é que cobrar da Brigada Militar a ineficiencia em atender um pedido de socorro feito pela testemunha acho que é hora da corregedoria agir … afinal a patrulha chegou seis horas depois do chamado e ninguem questiona essa atitude ? QUE É ISSO MEU DEUS CADE O COMANDO DA BM PRA EXPLICAR ? FORAM 6 HORAS … DE INERCIA DA BM !!!!!!!!

  • vitor diz: 26 de maio de 2009

    Para jornalistas que ficam encastelados nas redações dos jornais e veêm a realidade através de janelas envidraçadas ou de seus condomínios fechados deve ser fácil criticar as pessoas que vivem diariamente a realidade de fato nas grandes cidades, avenidas e estradas.É lastimável que um jornal de espaço para esse jornalista criticar a atitude dessa testemunha, acusando-a de omissão, quando na verdade cabia ao estado tomar providências.Falar bobagen de dentro das redações dos jornais é muito fácil!

  • Carlos Alberto diz: 25 de maio de 2009

    Sant`Ana. Espero que este cidadão que se negou a prestar auxilio a jovem que estava sendo morta, na minha opinião COVARDIA, não venha a se arrepender num futuro muito proximo. Neste caso tb se percebe o quão pouco vale uma vida. Temeu pela vida do Cão.LAMENTÁVEL.

  • James Masi diz: 26 de maio de 2009

    A única coisa que ele teria conseguido era ser esfaqueado pelo bandido, e provavelmente sua acompanhante. É óbvio que ele não voltou porque já tinha chamado a polícia e àquelas alturas ela já deveria estar chegando. Iria só atrapalhar. Não dá para culpar o rapaz. Só se ele fosse um policial fora do horário de trabalho.

  • Juliana diz: 26 de maio de 2009

    Preocupante a ação da polícia nesse caso e não a do dentista.
    Eu me ponho no lugar dela. E se fosse comigo? Ligo para quem? Para a polícia adiantará…??
    Já presenciei um espancamento na Borges. Liguei no 190, pois era só oq podia fazer. Demoraram 20min pra chegar e a vítima ficou em coma.
    Porém, para socorrer um colega que se envolve em um acidente idiota de trânsito, em que eles nem precisariam ser acionados, eles vão em comboio!!!!
    Não estou generalizando, mas é deprimente isso…

  • leonardo turela diz: 26 de maio de 2009

    Paulo, nada disso teria ocorrido se o Estado transformasse cada cidadão de bem em um policial em potencial. Isso quer dizer: Se eu sou uma pessoa que não tem passagem pela polícia, tenho emprego ou sou empregador , tenho endereço fixo e passei por um teste psicológico, posso portar minha arma, sendo assim provavelmente nesse fato o desfecho poderia ser outro.

  • José Antonio diz: 26 de maio de 2009

    Esse caso é emblemático porque nos leva a refletir em que sociedade vivemos e no que nos tornamos. A mesma doença social levou um a matar levou o outro a se omitir. E ninguém pode alegar que não porque o resultado dessa realidade está nas ruas, nas casas, nas escolas, nas igrejas, no Congresso Nacional. A pergunta que se impõe é:qual a nossa opção? Queremos decidir por outro caminho? Essa decisão fará a diferença para construirmos uma sociedade fraterna ou cada vez mais desumana.

  • Richard diz: 26 de maio de 2009

    Infelizmente nada trará a moça de volta, concordo com você Santana,e acredito que quando estamos pensando nos outros estamos fazendo algo por nós mesmos. A vida apresenta-nos tantas coisas é preciso coragem para qualquer atitute, não basta apenas vontade. Já citei aquí em outro dia sobre este crime, ajudar de verdade teriam sido várias ligações e um grito maior por socorro à vítima. Acompanhei desde o início e sinceramente é com pesar que avalio a atitude de tentativa de socorro, lamentável!

  • Luciana Brasil diz: 26 de maio de 2009

    O Estado deve indenizar a família da vítima por omissão da PM, que mesmo avisada não cumpriu a sua obrigação. O Cara é fruto da nossa sociedade, adolescente de 25 anos, curso sup., carro, e não tem a coragem ainda de um adulto. Ou deve ter achado que em briga de marido e mulher não se bota a colher. Enfim, todas essas coisas que aprendemos nos templos, na TV, nos jornais, que se resumem a: pense somente em você mesmo. Pobre moça, imagino o que sentiu…

  • Enio Piattelli diz: 25 de maio de 2009

    Bela descrição do fato. Um grande jornalista induz a que se não fosse a testemunha, a vitima teria sobrevivido.
    Sobrevivi para ler isso.

  • Bruno Fagundes diz: 25 de maio de 2009

    Olha, não acho justo julgar o sujeito, pois não se sabe ao certo o que ocorreu. Ele fez o que tinha de ser feito: ligar para policia. Essa sim tinha o dever e poderia ter evitado o crime.

  • Robson Luiz R Corrêa diz: 26 de maio de 2009

    Salvar uma vida humana não é apenas a função e dever da polícia (civil ou militar), mas dever e obrigacao de TODA A SOCIDADE!!!! O nosso medo nao pode ser maior que a brutalidade e monstruosidades que andam por ai.

  • Leandro Bandeira diz: 25 de maio de 2009

    Prezado Sant’anna,
    Concordo plenamente, que não deva ser fácil conviver com o remorso, que supostamente a testemunha esteja sentindo, assim com não é fácil conviver com a dor da perda que os familiares e amigos da vítima se encontram desde o ocorrido. Mas acho complicado, no caso da aparente “omissão” da testemunha, fazer um juízo de valor sobre a exitação em prestar auxílio imediato, apesar da cena dantesca presenciada.(Continua)

  • antonio diz: 25 de maio de 2009

    ESTE DENTISTA PARA MIM E UM COVARDE E O CULPO EM PARTE PELO ACONTECIDO,POIS PREFERIU SALVAR UM CAO QUE UMA VIDA
    ESPERO QUE ELE CONSIGA DORMIR EM PAZ
    ANTONIO

  • Robson Luiz R Corrêa diz: 30 de maio de 2009

    Será que aqueles que foram coniventes com a testemunha NUNCA precisaram da ajuda de um estranho????? Os cidadãos devem compreender a importância da ajuda mútua, porque grande parte da polícia é CORRUPTA e estão apenas interessados em grana. Eu já fui vítima de uma extorsão. Fiz a denúncia e não deu em nada até hoje!!!!! Só pensam em grana e estorquir o cidadão de bem!!!!Como esperar alguma coisa da polícia????

  • Luiz Carlos diz: 26 de maio de 2009

    Paulo Sergio, de Novo Hamburgo, acorde. A Policia Rodoviária fica parada em lugares estratégicos com seus radares para multar quem ouse andar a mais de 80km por hora, embora com carros modernos e alta tecnologia. Vais querer que transitem nas estradas para verificar necessidaes de usuários como foi o caso ou, que cuidem ultrapassagens indevidas, caminhoneiros rebitados forçando carros menores etc. Acorda! A realidade é outra. Tudo pela multa ou pensas que é pela vida?

  • FERNANDO diz: 25 de maio de 2009

    PAULO SANTANA,SERÁ QUE NÃO ESTÁ NA HORA DE PENSAR SERIAMENTE EM PENA DE MORTE.

  • Dirceu Soares diz: 25 de maio de 2009

    Fecho completamente com o jornalista e sinto náusea do entrevistado, que além de desumano foi covarde. Já presenciei situação semelhante quando a Rota não tinha asfalto e nem movimento. Parei diversas vezes e botei a boca no mundo, os que foi fundamental para prender os criminosos, horas depois.

  • Marolinha diz: 25 de maio de 2009

    Que terrível ocaso na vida dessa moça ter o cruzado o seu caminho com um devasso auxiliado por um covarde omisso. Inimaginável o seu desespêro diante da fatal agressão, ver sua derradeira chance de socorro virando as costas. Quem foi mais cruel? O assassino por suas desordens emocionais ou a testemunha por suas desordens estruturais? Entendo que ambos. O primeiro jamais sentirá remorsos, porém, o segundo, carregará por toda a sua vida e certeza de que poderia salvar aquela vida e não o fez.

  • Rin Tin Tin diz: 26 de maio de 2009

    EXIJO uma entrevista com um psiquiatra/psicólogo e com especialista em segurança pública para nos esclarecer o seguinte:
    1-O que se passa (ou) pela cabeça deste assassino?
    2-Qual a penalidade para estes puliça de m ?
    3-Porque não foram indiciados os puliça que se omitiram?
    4-O que o assassino diz hoje sobre o acontecido.

  • Voltaire Santos diz: 25 de maio de 2009

    COVARDIA. Como o entrevistado conseguiu seguir com seu carro sabendo da situação da vitima. Foi lamentável seu comportamento. O medo é injustificável, uma VIDA dependia de um simples ato. Por que não chamar outros motoristas? Donos de bares, enfim, qualquer coisa. Nesta tragédia, infelizmente, é possível ver o verdadeiro olhar do ser humano para o próximo. Todos cuidam apenas do seu nariz. Que decadência humana.

  • BARTOLOMEO NUNES diz: 25 de maio de 2009

    Com certeza a testemunha deveria ter feito algo mais para salvar a vitima.

  • Ronaldo diz: 25 de maio de 2009

    Concordo plenamente com o artigo e como não sendo figura pública,posso expressar minhas idéias e tambem com certeza da maioría da população…essa pessoa foi covarde e egoísta em uma hora que ela deveria ter tomado uma atitude de homem e defendido á quem estava em perigo iminente…não vejo desculpas para á ação dessa pessoa e espero que ela nunca um dia aconteça algo em que sua namorada se encontre em uma situação identica e que alguem aja da mesma maneira covarde em que ele agiu.

  • Adriana diz: 26 de maio de 2009

    Eu li uma reportagem agora no paranaonline, sobre o crime no morro do boi, em Caiobá, litoral do Paraná, que ocorreu em jan/09, onde um jovem casal foi atacado, ele morreu e ela levou 2 tiros mas sobreviveu, e houve uma tentativa de estupro, que não foi confirmada. A polícia lá está meio perdida, há muitas contradições no caso, enfim, mas o que me impressionou foi a semelhança dos retratos falados de ambos os casos.

  • Ulysses diz: 26 de maio de 2009

    Só para deixar claro o meu comentario anterior.
    Neste mes eu socorri um acidente entre um uno e um escort, chamei a policia, e aonde infelizmente o motorista do escort morreu, fiquei na cena até chegar socorro, e na semana passada por volta das 23hs, uma senhora teve sua frente cortada e acabou saindo da pista, eu parei, liguei p/ policia e seguro, e fiquei somente eu e ela até chegar socorro, que demorou uma hora! Aí o cara vê uma cena de agressão e vai pra casa temendo a vida do cachorro!

  • Marcos Martins diz: 25 de maio de 2009

    Teu sentimento é o meu sentimento, acrescento, no entanto, que a atitude desta testemunha tem muito a ver com o nosso mundo cada vez mais individualista, onde as pessoas preferem se envolver menos com os problemas dos outros, não se dando conta, que um dia também poderão estar em apuros.

  • Michele – Cirurgiã Dentista diz: 27 de maio de 2009

    Muitos defendem a testemunha dizendo que fez o que deveria. Sei q de certa forma ele ajudou, mas a covardia e a preocupação com seu caozinho pareceram a preocupação maior dele. Julgar é facil, sabemos disso. Mas infelizmente vivemos numa sociedade INDIVIDUALISTA.Penso nos familiares desta moça, penso no seu desespero. As pessoas se preocupam com sua segurança até que um dia sejam elas as vitimas diante de uma testemunha covarde

  • Ademir C. Brandt diz: 26 de maio de 2009

    Levantei o assunto entre quatro colegas e três comentaram que não fariam nada, comentaram ainda que quando acontece algo ninguém faz nada!!! A verdade é que felizmente nem todas as pessoas pessam desta forma, apesar de sermos bombardeados diáriamente, pelos próprios meios de segurança, quando dizem que se vc for assaltado “não reaja”, se políticos roubam, “não ligue”, o governo, só governa em causa própria, se cobra muito imposto, “sei lá,não sai do meu bolso”. Omissão de muitos, azar de todos.

  • Eduardo Keenan diz: 26 de maio de 2009

    Concordo completamente com você Sant`Ana! Se temos consciência que nossa polícia é incompetente e ineficaz,que todas as situações que visualizamos são o que parecem ser(afinal ninguém simula nada para também assaltar e matar)e que somos blindados contra balas,facadas e processos por homicídio(no caso de optarmos por não sermos as vítimas),então está resolvido TODOS SEREMOS HERÓIS. Ah,avise as pessoas que salvaram homem de assalto em Alvorada matando bandido que ganharão medalha,entendi errado??

  • Alex diz: 25 de maio de 2009

    Não culpo a testemunha pela suposta “omissão”. No momento em q o fato ocorre, é complicado vc reagir da melhor forma possível. Não sei se eu, no lugar dele, faria diferente. Teria receio de deixar minha mulher em algum lugar desconhecido para voltar ao local do crime e quem sabe me arriscar junto a vítima. O medo de um marginal é algo complicado.

    Acho q a testemunha fez oq se faz normalmente: chama a polícia! Oq sempre falamos sobre assaltos, roubos e etc? Para não reagirmos.

    A polícia, q se a

  • Leandro Bandeira diz: 25 de maio de 2009

    Neste mundo onde vivemos a violência em nosso dia-a-dia, quando esta não nos atinge diretamente nos é bombardiada em informações de novas abordagens que estes monstros usam para surpreender suas vítimas e cometer suas barbaridades. Além do mais, é de senso comum, que as autoridades policiais sempre recomendam a não reagir ou intervir em situações que possam ser colocadas em risco vidas de mais pessoas.(Continua)

  • Leandro Bandeira diz: 25 de maio de 2009

    Caro Sant’anna, tenho 29 anos, sou pai de família me solidarizo e imagino a dor que este pai e esta mãe devam estar sentindo e penso que, neste momento, para muitas perguntas não devam haver respostas. Acredito que uma delas deva ser “porque ele não parou e ajudou?”.
    Contudo, também me coloco no lugar da testemunha e, justamente, pelos motivos citados anteriormente e pela condição de pai e marido, te digo que não sei se teria parado.(Continua)

  • Vinicius Marques Rosa Emygdio diz: 28 de maio de 2009

    A testemunha, com o perdão da expressão, é um “cagão”. É inadmissível que ele nada mais tenha feita para socorrer a moça em apuras.
    No cabeçalho da entrevista de ZH encontra-se a prova cabal da falta de hombridade do cidadão: ela faz referância à “então namorada”. Ou seja, depois do ocorrido certamente a “então namorada” desistiu do homem que, mesmo afirmando ter percebido que o agressor não estava armado, temeu pela integridade do cachorro.

  • Avascocc diz: 26 de maio de 2009

    Penade morte para o caminhoneiro, vamos deixar a hipocresia brasiliana de lado, direitos humanos e tudo mais, a pena de morte passa a ser uma necessidade ante a tanta criminalidade que estamos vendo nestes tempos do fim.
    Tenho vergonha de ser BRASILEIRO, acho que deixei de ser a muito tempo, até quando teremos que carregar nas costas o peso da UNIÂO dita dona da verdade??

  • Rodrigo Cargnelutti diz: 26 de maio de 2009

    Depois se tenta entender a famosa frase de que “não se fazem homens como antigamente”.
    Tivesse jogado o carro sobre o assassino. Parado na estrada e feito um escândalo.
    Tivesse não sido menos covarde e mais homem.
    Pobre consciência e noites mal dormidas no julgamento de si mesmo.
    Mas o seu au au deve fazer companhia.
    Me poupem. Uma vergonha a tradição de coragem e bravura do povo gaucho.

  • Gabriel diz: 25 de maio de 2009

    Santana, foi muito triste o que acontece, mas acredito que eu não pararia tb. Poderia ser uma cilada, a estrada nos reserva muitas surpresas. E se o assassino realmente tivesse uma arma? Você sabe qual o alcance de um tiro? É difícil julgar a atitude dessa testemunha, só passando pela situação para poder falar. Ele realmente poderia ter salvado a dentista, mas tb poderia ter sido assassinado.

  • Rafael Mantuviane diz: 25 de maio de 2009

    Esta é bem a cara do povo brasileiro. Covarde e omisso.
    Não fosse assim e o Congresso Nacional já teria vindo abaixo e um e outro canalha da política teria sido linchado para servir de exemplo contra a roubalheira.

  • Gabriel Martuvela diz: 25 de maio de 2009

    Tem comportamento mais ridículo do que a torcida cantar nos estádios “eu sou brasileiro com muito orgulho”?
    Orgulho de que, tupinambá?

  • Luiz Cristiano diz: 27 de maio de 2009

    E mais,Sant`Ana,eu afirmo,com toda a convicção,que esta moça não precisava de um estado mais eficiente como afirmam alguns.Ela precisava de seres humanos melhores na sua vida naquele fatídico dia.Um motorista de caminhão melhor;uma testemunha melhor,com mais coragem e desprendimento,iso ainda são qualidades Sant`Ana;um policial melhor,como pessoa,pois foi por ser um preguiçoso que nada fez.E estes que afirmam que é o estado que deve ser o único grande agente,esquecem que o estado são as pessoas.

  • leonardo turela diz: 26 de maio de 2009

    Paulo, nada disso teria ocorrido se o Estado transformasse cada cidadão de bem em um policial em potencial. Isso quer dizer: Se eu sou uma pessoa que não tem passagem pela polícia, tenho emprego ou sou empregador , tenho endereço fixo e passei por um teste psicológico, posso portar minha arma, sendo assim provavelmente nesse fato o desfecho poderia ser outro.

  • Alex diz: 25 de maio de 2009

    Caro Sant`Ana,
    Não consigo entender por que a dentista parou o veículo naquele local. E na hora em que o assassino foi buscar as chaves do carro dela, por quê ela não fugiu? São várias perguntas que talvez nunca saberemos a verdadeira resposta.

  • Rin Tin Tin diz: 25 de maio de 2009

    Nota Zero para estes policiais totalmente despreparados e sem o mínimo dom para exercer glorioso mister.
    Pergunta-se: e a consciência destes policiais, se é que pode-se chamá-los de policiais? Uma vez que tinham além do dever moral, o dever legal de salvar a miserável dentista. Creio que não valem o salário que recebem. Falharam mais uma vez…

  • Elaine diz: 25 de maio de 2009

    É TRISTE…ESSA DURA REALIDADE
    É lamentável, triste, esse desumano individualismo que vivemos.Cada qual preocupado UNICAMENTE COM SEU UMBIGO,INCLUSIVE EM CASOS MAIS TRÁGICOS…ONDE A VIDA ESTÁ EM RISCO.Será que esse individuo não pensou que isso também poderia acontecer à namorada dele?a irmã dele?a ele próprio?ONDE ESTÃO NOSSOS VALORES HUMANOS, DE SOLIDARIEDADE,FRATERNIDADE, DE JUSTIÇA??

  • Luiza diz: 25 de maio de 2009

    Eu não conseguiria seguir viagem porque todos os meus sentidos me impulsionariam a salvar a dentista daquele ataque. A testemunha disse que se preocupou com a vida da namorada e do cão. Conversa!Havia inúmeras formas de impedir aquele assassino sem colocá-los em risco. O rapaz foi um grande covarde e quem sabe um dia, quando ele também estiver correndo um grande perigo, alguém passe e em nome da auto preservação, não faça nada para ajudar.

  • Lucas Dallarosa Fogaça diz: 25 de maio de 2009

    Tu Paulo Sant`Ana, que é pra mim um ídolo. E tão Gremista como eu. Tão ser humano como eu talvez também temesse. Eu não fiz nada, senti medo! Mas apesar de algumas semelhanças, tu tens o poder da denúncia na boca. Se tu falar, alguém vai te ouvir. E espero mesmo, que tu faça. Não acredito que todos os torcedores são são florzinhas e inocentes. Mas é função da PM saber distinguir A de B e proceder de maneira a que cabe cada um…

  • Edison C. Cabrera diz: 26 de maio de 2009

    Concordo plenamente com o comentário de Karize Silveira de Caxias, o verdadeiro culpado é a polícia, cabe a eles o socorro às pessoas, e o pior é que não vejo nenhuma autoridade falar de punição para os verdadeiros culpados, nem mesmo o Santa`Ana.

  • Pedro diz: 26 de maio de 2009

    Além das autoridades SEMPRE recomendarem para não reagir, então pq alguem deveria se arriscar pelos outros? Pois se o bandido reagir o que os “convocados” para ajudar fariam? Sim poderiam até “dominar o cara” porem responderiam na justiça por isso ou não? é infelizmente vivemos em uma sociedade onde as leis favorecem os bandidos,e por este motivo nós não podemos reagir,senão seremos tratados também como bandido pela justiça, ESTA É A VERDADE.

  • Tales Luis Pulita diz: 26 de maio de 2009

    Santana,espero que no futuro numa eventual situação de perigo o cão desse cidadão o proteja.

  • Adriana diz: 26 de maio de 2009

    É muito fácil jogar a responsabilidade em um cidadão, que também poderia ter virado uma vítima sendo que a responsabilidade é da polícia!!! E a polícia aonde estava que demorou tanto tempo para chegar, porque ninguém questiona isso aqui???? Sejam realistas!!! Quem é que iria expor a integridade física dos seus??? Você se estivesse com sua esposa, teria parado o carro??? Ponham a mão na consciência e deixem de hipocrisia!!

  • Michele diz: 26 de maio de 2009

    Sant`Ana… A obrigação de proteger o cidadao ainda é do Estado, nao do cidadão. Se eu fosse namorada deste dentista, agradeceria se ele nao me pusesse em situações de risco. Ele agiu corretamente sim! Ele fez o que deve ser feito. Não se omitiu… ligou para a policia e testemunhou. O que ate agora nao entendi foi pq a colega parou no meio do nada se o carro nao teve pane mecanica. Isso foi uma imprudencia sem noção!

  • andre tartarotti diz: 25 de maio de 2009

    NESTA HORA DEVEMOS TER MUITO CUIDADO COM AS PALAVRAS,POIS SOMENTE QUEM ESTAVA NO LOCAL NO MOMENTO PODE SENTIR AS COISAS QUE NÃO SENTIMOS ESTANDO FORA DA SITUAÇÃO!CADA UM AGE DA FORMA EM QJUE SE SENTE NO MOMENTO,POR EXEMPLO EU TENTARIA SE TUDO PARA SALVAR A DENTISTA,JOGARIA O CARRO EM CIMA DELE,MAS NÃO É UMA DECISÃO FÁCIL,NESTE MOMENTO ESTAMOS CORRENDO RISCO DE VIDA.A MINHA ATITUDE SERIA ESSA,MAS CADA UM TEM QUE TER A SUA RESPEITADA,ESPERO JAMAIS PASSAR PELO QUE PASSOU ESTA TESTEMUNHA.

  • Luiz Alberto diz: 25 de maio de 2009

    Infeliz comentário do Santana! Somente isso.

  • Juliana diz: 26 de maio de 2009

    Engraçado ´q eue não vejo críticas à polícia, que levou SEIS HORAS para chegar ao local do crime. se saísse de Porto Alegre para atender o chamado, teria levado no máximo 3. Mais errado do que o cidadão, que zelou pela própria integridade e a dos seus, foi a polícia que ignorou mais um pedido de socorro.

  • Luis Pereira diz: 26 de maio de 2009

    Primeiramente devemos considerar os riscos a que a testemunha estava se submetendo, seria uma simulação para a pratica de assalto? Briga de casal aonde acaba sobrando pra quem mete a colher? E foi comunicado a quem deveria prestar o socorro? Se sim, não julguem o cara, é como disse um leitor, se tivesse ligado avisando que tinha um morto na via, tinham chegado em poucos minutos…uma vergonha! SEGURANÇA JÁ!

  • Juiz diz: 26 de maio de 2009

    Será que este pobre caminhoneiro conseguirá sua vaga na cadeia com condiçoes dignas???

  • Luiz Cristiano diz: 26 de maio de 2009

    Ouço estas pessoas afirmarem que a obrigação de intervir é da polícia.Então eu pergunto a estes: E se não tiver polícia? Vão ficar olhando? No que me diz respeito, vocês são um bando de covardes, omissos, egoístas e etc. E assim caminha a humanidade. Esperem, e verão, o dia em que não poderão se esquivar. Pelo jeito, meninos e meninas egoístas e viciados no conforto, este dia está para chegar! E aí, o que farão? Chamarão quem para fazer o que vocês não tem coragem para fazer?

  • ALTAIR JOSÉ DE MEDEIROS diz: 25 de maio de 2009

    Prezado Santana, com respeito e admiração li tua coluna, no tópico `O Medo da Testemunha`. Como colega da Márcia, e pai de família, acredito que o jovem teve a prudência do medo. Preservou-se a si, frente ao desconhecido. Muitas vezes me deparei, na estrada com brigas de casais e nada fiz…! É muito complicado, hoje com quase 50, talvez enfrentasse a realidade. Mas lembraria antes, dos meus filhos! Parabéns pela oportunidade da reflexão!

  • Leandro Bandeira diz: 25 de maio de 2009

    Amigo Sant’anna, espero não ser mau interpretado em minhas palavras. Espero não estar sendo cético demais para com os que estão sofrendo a dor da perda e muito condecendente com a atitude da testemunha. Espero, realmente, que a justiça seja feita.(Final)

  • Tiago diz: 26 de maio de 2009

    Além de um pouco de coragem, faltou presença de espírito para o rapaz. Tivesse ele ligado para o 190 informando que havia visto um carro de polícia parado na estrada com um policial ferido teriam vindo rapidamente e em bom número, trazendo cães farejadores, armamento pesado e helicópteros… depois na mídia saíria “Policia salva jovem dentista de estupro”… pena que não foi isso que aconteceu.

  • luciene cristine brandeburski diz: 26 de maio de 2009

    é complicado quando se lida com vida e morte…ainda mais desta forma ignorante….mas não entrando no mérito se agiu certo ou errado a testemunha, estamos num tempo que temos que,nós, cidadãos, `fazer justiça com as próprias mãos`, ajudarmos, uns aos outros, contarmos com nós mesmos….quem deveria nos socorer, há muito já desapareceu, já não cumpre seu papel, nos abandonou a nossa sorte. é cada um por si e Deus por todos…..pra que polícia?????

  • Paulo Roberto Taborda de sOuza diz: 26 de maio de 2009

    O que pensar de uma pessoa que coloca a segurança de seu cão em deprimento a de uma vida humana.
    Chamo isso “Covardia.”

  • Patricia diz: 26 de maio de 2009

    Concordo em absoluto com os comentários do Sr. Jardel e Luis Alberto, ambos de Caxias. Muito fácil Sr. Santana julgar… Ainda mais com poder desse veículo de comunicação que tens nas mãos.

  • Ana diz: 26 de maio de 2009

    Falar é fácil, não é Sant`anna! Tu disseste que socorreria a Dentista, em contrapartida, alguns meses atras, nao tivesses a paciência de me esperar manobrar o meu carro em uma mesma garagem que estacionamos os nossos veículos em Poa, e me encheste de buzinadas, que no momento, me geraram um pânico! Sem falar, nos outros desaforos, que eu não consegui ouvir!!!

  • fernando montardo diniz diz: 26 de maio de 2009

    Prezado Sant´Ana:
    Pensar somente em si e no seu cãozinho, infelizmente, não é a realidade apenas desta testemunha, mas o retrato da nossa sociedade!

  • Ivonete diz: 26 de maio de 2009

    Acho producente o debate, não no sentido de crucificar a testemunha, que diante do desfecho do caso já deve estar enfrentando seus próprios demônios, mas na atitude das pessoas de “se absterem” de tomar atitudes.
    No domingo último, uma pessoa invadiu minha residência, comigo lá dentro, que graças a Deus não o vi, levou carteira e dinheiro. Os vizinhos, de uma vida toda, presenciaram ele escalando a cerca, pulando o muro, mas nada fizeram, acreditando tratar-se de “alguém conhecido” meu!!!

  • Paulo Santos diz: 27 de maio de 2009

    Quero só lembrar a esses que defendem a atitude covarde desta testemunha, que quando outros carros passaram pelo local viram apenas o carro e o caminhão, pois o assassino estava escondido atráz de um barranco estuprando e matando a dentista Márcia… Os únicos que sabiam realmente o que estava havendo e que podeiram salva-lá, ao invés de buscar ajuda resolveram ir para casa… Não entendo como alguem pode em sã conciência achar correta essa atitude!
    espero nunca ter q contar com a ajuda de vcs!

  • Paulo Santos diz: 27 de maio de 2009

    O Paulo S`antana não disse para fazermos justiça com as próprias mãos… Ele disse para pegar uma arma num bar para poder voltar ao local onde estava a dentista, viva, e seu agressor em condições de parar a agressão e preservar a vida dela Num país democrático como o nosso temos o dever de agir em socorro ao nosso próximo Essa testenunha deveria ter buscado ajuda e retornado ao local do crime não para matar, mas para salvar uma vida e deter esse maniáco até que a policia chegasse…Não o fez..

  • Felipe diz: 26 de maio de 2009

    Acho muita hipocrisia critiar a atitude do dentista. Ele fez o que deveria ter feito, ligar para a polícia. Isso é o que os grandes estudiosos de segurança pedem para as pessoas. Tenta se colocar no lugar dele, tu teria coragem suficiente para levar um tiro por um estranho ?? Não creio. Quem realmente poderia ter evitado a morte da dentista era a polícia, que preferiu se ausentar e agora criticar a testemunha que levou ao assassino.

  • Júlio César diz: 26 de maio de 2009

    Do teclado do computador é fácil fazer mil e uma firulas. De agora em diante que a popualação saiba as novas regras quando for atacada ou seu semelhante.São elas segundo Sr Paulo Sant`Ana:

    Reaja, sempre, que for assaltada, independente de estar desarmado (embora NÃO possamos estar armados como cidadãos)e os bandidos `bem` armados, caso veja alguém sendo vítima se meta a defender com sua própria vida e NÂO chame a polícia, pois ela NÂO irá vir mesmo.

  • Vâner Aguiar Xavier diz: 26 de maio de 2009

    E lamentável, deplorável o seu comentário. É com essa discussão que fazem as temunhas se calarem diante dos fatos já serão questionados pela opinião pública. Será que o caso do Dr. Marco Antônio Becker já não terio sido solucionado se a testemunha principal não recuasse? Por quê?
    E o policial? Cadê o policial? Não vi investigação, reportagem especial a respeito do policial. Esse pela negligência deveria ser indiciado por omissão de socorro!!!

  • Tasmay diz: 26 de maio de 2009

    Queria saber se fosse algum parente querido destes que defendem ou acham suficiente a atitude deste rapaz. Sou mulher e mesmo que estivesse sozinha em meu carro, pararia próximo e buzinaria, faria um escandalo, faria qualquer coisa para que a vítima não tivesse o fim trágico que teve.
    Infelizmente o mundo está cheio de vermes que só pensam no próprio umbigo…mas estes, em algum momento da vida, serão questionados por um ato tão desumano… creio que se o dentista tivesse parado o carro…

  • barcelos diz: 25 de maio de 2009

    A insensibilidade desse cidadão realmente é revoltante.
    É claro que ninguém espera que ele fosse lá e enfrentasse o assassino. Até porque ele não sabia se o caminhoneiro estava armado ou não.
    Mas poderia ter tomado outras medidas, que fariam com que a jovem dentista hoje estivesse viva.
    É triste ver este tipo de gente, que não tem um mínimo de solidariedade para com o outro.
    Mesmo que este outro esteja correndo sério risco de vida.

  • JOEL DE FREITAS PAULO diz: 25 de maio de 2009

    Podemos comparar o fato à falta de capacidade de reação dos animais semelhantes ao ver uma presa sendo atacada pelo predator.Se não for comigo, é mais fácil fugir do que reagir.Quanto ao mentecapto que matou a jovem e a estrupou desejo a ele muitas noites de insônia no xadrez e de preferência com o ânus prá cima para não doer muito.

  • Vanessa Rogelin diz: 26 de maio de 2009

    Santana respeito tuas palavras, entendo sua indignação, mas o pior não é a omissão é a falta total de segurança que nosso estado se encontra, pense comigo, o dentista tentou parar , tentou ajudar e sentiu-se ameaçado o que fez chamou a policia que tens mais estrutura para resolver a situação e simplismente a policia ignorou, a policia não foi até o local. QUEM DEFENDE O CIDADAO É A POLICIA, somos simples mortais, Valentia é bonito nos filmes da TV a realidade é outra.Nao podemos traduzir.

  • Rodrigo P Sandri diz: 26 de maio de 2009

    Pô, caro Paulo Sant`ana é de conhecimento público a tua ombridade e a questão sentimental do fato comentado, pesa a questão da mãe, da mulher, da filha, etc., neste caso.
    Mas olhando friamente o caso: 6horas para atender uma ocorrência desta magnetude é INADMISSÍVEL!!!
    outra coisa, é a fantasia parar num bar na `subida` e pegar 2 outros caras para fazer isso, deixar a namorada e o cachorro e voltar… isto é poesia!!!
    Façamos uma campanha pelo fim do desarmanto do homem de bem!!!

  • norberto (caminhoneiro autonomo) diz: 28 de maio de 2009

    pena máxima ao assassino,ainda que pelo passado,sem antecedentes. agora, aos que criticam o sant`ana,ele não falou nada demais,é só ler c atenção.quanto a testemunha,vendo o fato;gente,era pleno meio dia,não era a noite,ele podia ter interferido sem ir lá brigar diretamente c o cara,pondo sua vida em risco, ligar varias vezes p policia ate virem,parar outros carros, não dizer que não fez nada,fez UMA ligção p 190,e depois reclamamos da omissão de nossas autoridades,mas pelo menos o cão esta bem.

  • Marlene Junges diz: 25 de maio de 2009

    Fiquei chocada com a indiferença deste “cidadão”. Quando li a entrevista pensei na mesma coisa: porque não parou em algum bar, posto de gasolina ou sei lá onde e deixaste a namorada e o cão lá, protegidos. Assim poderia voltar ao local acompanhado de outras pessoas e salvar a moça. Como ele se sentiria se isto tivesse acontecido à namorada dele e uma eventual testemunha fosse tão insensível como ele próprio foi?? Duvido que ele não se sinta culpado por ter se omitido.

  • Fernando diz: 25 de maio de 2009

    Depois que aconteceu é fácil julgar. É mais fácil ainda julgar na poltrona. Na frente do computador todo mundo fica heróico e destemido. Agora todos sabem que a moça era uma inocente dentista sendo vítima de um monstro assassino. Na hora é impossível julgar e entender o que se passa, pelo medo e pressão psicológica da cena e situação. Infelizmente os órgãos de segurança foram falhos para evitar a tragédia. Que esse assassino tenha o castigo que merece para o resto da sua vida mediocre.

  • herminio brito diz: 25 de maio de 2009

    Tos falaram e esqueceram apenas uma coisa, que se não fosse a testemunha, ninguém saberia quem era o bandido. Só ele denunciou que era um caminhoneiro, facilitou a polícia iniciar ivestigações. Caso contrário era mais um crime incógnito.

  • Américo diz: 26 de maio de 2009

    afinal ele tava com a namorada ou o namorado? e pra vocês que defendem? são a mesmas coisas, Ah!! tem polícia deixa que eles resolvam. é culpa do estado! e assim por diante.
    me desculpem, espero nunca depender da ajuda destas pessoas.

  • Patricia Oliveira diz: 25 de maio de 2009

    Santana parabens pra ti, li a reportagem e tb pensei a mesma coisa, sem acusar a testemunha, mais como que ele conseguiu seguir viagem com aquela imagem na cabeca?

  • Thiago Moesch diz: 25 de maio de 2009

    Paulo, acho injusto julgares o transeunte pela omissão de socorro. É claro que agora, com a morte da menina e o horror do ocorrido, seja fácil julgar, mas o anônimo que passava naquele momento não sabia o desfecho que estava por vir, podia se tratar de uma discussão de marido e mulher, uma briga sem maiores consequencias como tantas que presenciamos. Acho louvável que tenha ligado à brigada, coisa que outros nem fariam, e hoje, ao saber o desfecho, talvez durma mal a noite …

  • Thiago Moesch diz: 25 de maio de 2009

    … por saber que poderia ter feito mais, mas não o fez.
    Se há culpados nesta história, além do animal que cometeu este crime brutal, está o nosso estado corrupto e depredado que não fornece condições adequadas às estradas e ao policiamento. É sobre eles que deve pesar a nossa indignação.

  • Adailson diz: 25 de maio de 2009

    Thiago Moesch falou tudo…agora é fácil julgarem e criticarem…mas na hora foi outra coisa…claro que, possivelmente agora depois de tudo, a propria testemunha faria diferente, faria algo mais e tentaria sair como herói e eterno amigo da dentista…salvando sua vida…mas se isso acontecesse, isso nem teria essa repercussão…

  • Fernando diz: 25 de maio de 2009

    Sant`Ana, do jeito que mostras a situação, só falta chamar a testemunha de cúmplice do crime. Tu dizes que deixaria namorada e cão no bar e voltaria para lá porque estás aí, no conforto da poltrona da tua sala, pensando cuidadosamente nas palavras que escreve. Acho totalmente errado, inconveniente e injusto julgar as atitudes alheias em momentos extremos…

  • Rejane da Silveira Alves diz: 26 de maio de 2009

    Desculpe-me Santana, estamos invertendo a situação: quem errou foi quem é pago e preparado para isso e não socorreu: A Brigada Militar. Quem deveria ter chegado ANTES, foi quem foi avisado e não cumpriu com sua função!!! Devem ter ido à pé, para demorar cinco horas para chegar

  • WILSON ROQUE BRANT diz: 26 de maio de 2009

    Paulo Santana, não quero colocar fogo nessa polêmica, porem tudo me diz, que pelos fatos do namorado ter mencionado todos essas desculpas, e apenas ter ligado para a polícia é porque ele é o mentor do ato praticado. E não consigo entender que uma pessoa deixa uma namorada nas mãos de estranhos e não faça nada. Eu não acredito. Bom dia.

  • nelson barcellos diz: 25 de maio de 2009

    Medo, covardia, não têm outras palavras para definir a omissão desse dentista. Como já disseram, normal nos dias de hoje. Mais fácil é se omitir, ficar na sua. E, sem essa de dizer “que é fácil julgar na frente do computador”. Foi covardia sim, que acabou numa tragédia evitável.

  • Jardel diz: 25 de maio de 2009

    Fácil julgar uma atitude tomada, difícil é tomá-la. Talvez muitos dos que aqui condenam a atitude do dentista, em se deparando com a agressão,teriam tomado atitude idêntica ou nem mesmo teriam comunicado a polícia, dando de ombros à situação. Fácil fazer demagogia em cima de uma atitude de terceiro. Acordemos.

  • Giovani diz: 25 de maio de 2009

    Quando li que o dentista tinha que preservar a vida do SEU CÃO, li de novo por que não acreditei naquilo. O ser humano está colocando animais numa escala de importância acima do próprio ser humano. INACREDITÁVEL

  • Paulo Sergio diz: 25 de maio de 2009

    Santana, situação terrível, poderia ser encenação para assalto. A ZH deveria realizar reportagem s/segurança na via, túneis,abismos. Se ela fugisse poderia ser perseguida. E a Policia Rdodoviária? Eles fazem rondas periódicas?Certamente a testemunha teria avisado os patrulheiros , mais segurança lá urgente. Isso não pode se repetir.
    Abraço Paulo

  • Ana diz: 25 de maio de 2009

    É fácil julgar quando a situação não nos diz respeito.

  • Diéli Fontoura diz: 26 de maio de 2009

    Essa é boa…Acredito que a testemunha fez o que deveria, avisou a polícia, que por sua vez não fez seu trabalho. A testemunha fez certo em não arriscar sua vida, da namorada e até mesmo do cachorro, afinal não sabia o que o assassino poderia fazer, se tinha mesmo uma arma ou não. Injusto culpar uma pessoa que, acho eu, ajudou a identificar o culpado. Fez sua parte sim. Quem sabe as pessoas não começam a questionar a demora da polícia que poderia ter salvado a vida da dentista ao invés de julga

  • everton wagner diz: 26 de maio de 2009

    aos covardes que se borram de medo eu deixo o recado! parem de pensar somente em si e larguem mao de ser bunda mole, voces me enojam, ajudar eh uma questao de honra e de dignidade se voces sao bundoes ao ponto de seguir adiante vendo uma mulher sofrendo tamanha tragedia parabens, é graças a pessoas como vocês que o mundo está essa MERDA. Pensem só no rabo de vocês e na vida do maldito cachorrinho, e continuem virando a cara pro sofrimento alheio, bem tipico… obrigado Santana estou com voce…

  • Breno Mário diz: 25 de maio de 2009

    E o intrigante disso tudo é que em Itati, a poucos minutos do local do crime, existe um posto da BM, o qual poderia ter sido acionado.-

  • Paulo Cesar diz: 25 de maio de 2009

    Omissão de Socorro é um dos crimes previstos no Código Penal brasileiro, em seu art. 135. É o exemplo clássico do crime omissivo. Deixar de prestar socorro a quem não tenha condições de socorrer a si próprio ou comunicar o evento a autoridade pública que o possa fazê-lo, quando possível, é crime.
    Reflitam sobre nisso.

  • Fernando diz: 27 de maio de 2009

    Certa vez em NH um rapaz tentou interceptar um ladrão que fugia depois de roubar um malote de uma moça. Recebeu um tiro no rosto e hoje está impossibilitado de trabalhar para o resto da vida, nem o Santana e nem o dono do malote agradeceram o ato “heróico”. Intervir sem nenhum preparo e sem o elemento surpresa,fundamental em ações de defesa, não é sinal de coragem e sim burrice total. Agora pergunto, e os outros veículos q provavelmente passaram pelo local e nem para testemunha serviram?

  • Léo Inácio diz: 27 de maio de 2009

    É muito fácil falar, mas quando se está numa situação dessas é bem mais difícil agir.
    Parem de ser hipócritas. O cara fez o que tinha que fazer… Quantos outros carros passaram no local e nada fizeram. E a polícia, porque demorou tanto???

  • Leandro Freda diz: 25 de maio de 2009

    Na minha opinião,uma forma para acionar mais rápido a polícia:
    # neste caso ao invés de ter dito o que realmente estava acontecendo, acho que era só dizer que tinha uma mulher nua morta no acostamento,ou que tinha um homem tentando estuprar uma mulher e eu acabei de matar ele está caído no asfalto. Acho que o socorro viria mais rápido. Preciza-se responsabilizar os responsáveis pela omissão da polícia.

  • marco a alves diz: 25 de maio de 2009

    Fiquei muito chocado com a atitude do casal que presenciou e se omitiu no socorro da jovem dentista,espero que esta noticia não chegue aos pais da vitima, porque e muito triste a atitude deles ,não prestar socorro a ela.
    Poucas coisas hoje me surpreende , mas esta omissão me deixou muito revoltado,e surpreendido cada vez mais com a atitudes de desumanidade que ocorre em nossa patria.Jamais pensei que um dia um ser humano poderia negar ajuda a outro como este casal negou ajuda a jovem .

  • Eloisa diz: 25 de maio de 2009

    Que lástima!
    Concordo plenamente com as tuas palavras Sant`Ana!
    As pessoas estão banalizando a violência, passando por cima do sofrimento alheio e, enfim, tropeçando na desgraça!
    Penso na Márcia, quanto alívio não teve ao ver um socorro chegar… E quanta dor por ver tal ajuda partir!
    Quanta inércia!!!
    Ao menos a ajuda do casal foi útil para solucionar o caso.
    Espero que a justiça mantenha o assassino preso por longos anos, bem longe da sociedade!!!

  • Luiz Cristiano diz: 25 de maio de 2009

    Que bom, Sant`Ana, que tu pensas assim e escreveu sobre o que tu pensas.Temos que reagir a esta teoria da omissão que assombra as nossas vidas nessa sociedade egoísta.Um abraço!

  • Tereze Batista diz: 26 de maio de 2009

    É caro Paulo Santana, não só pela atitude omissa da testemunha,mas, também pelos muitos comentários lidos vimos que a solidariedade humana é mesmo algo raro e para poucos. É muito dificil entender como a testemunha seguiu tranquila com apenas um telefonema à brigada, depois dele mesmo ter visto o horror nos olhos do assassino. Realmente é lamentável, pois uma atitude um pouco mais corajosa ja seria suficiente para salvar a vida de uma jovem de apenas 32 de idade.

  • evandro menezes braga diz: 25 de maio de 2009

    Eu gostaria mesmo é de saber dos órgãos de Segurança Pública, qual atitude devemos tomar frente a uma situação semelhante que venha a ser vivenciada por nós. Veja que sempre somos orientados a não reagir nem enfrentar os marginais (pois não estamos preparados e etc e tal) então, no caso específico, a testemunha não teria agido corretamente ao encaminhar a solução para os policiais (estes sim, preparados, porém, omissos)

  • sonia diz: 25 de maio de 2009

    acho que a testemunha teve a pior atitude possivel, deveria levar em consideracao que havia uma vida para se salvar e nao pensar em seu belo CACHORRO. nao sei como esta pessoa consegue dormir a noite, deveria ter muitos pesadelos pelo fato de hoje a dentista estar morta por ser vitima de estupro e violencia.

  • Alexandre diz: 26 de maio de 2009

    Por Favor, menos heroísmo e sensacionalismo nos comentários abaixo. Quantos do senhores parariam o seu carro, com a sua namorada ou esposa em uma estrada e enfrentariam uma pessoa desconhecida? Até parecem que os senhores são “Clark Kent”. Foi uma tragédia sem tamanho, mas aposto que nenhum dos senhores parariam. Estão querendo reduzr a culpa da polícia???? Está sim, é que deveria estar sendo questionada pelo seu descaso com o chamado feito por esta testemunha.

  • ademir diz: 25 de maio de 2009

    Desculpe-me Santana, mas nesta situação a testemunha fez o que deveria ter feito, ou seja, avisou a quem deveria, pois poderia ter morrido ou colocado alguém em risco se tivesse parado. Quem deveria ter chegado ANTES, foi quem foi avisado, mas isto já é normal, em certa ocasião aqui em caxias, a brigada foi avisada de um acidente com morte à cem metros da brigada e conseguiram chegar em aproximadamente uma hora e meia, estes de Itati, devem ter ido à pé, para demorar cinco horas para chegar.

  • Leandro Bandeira diz: 25 de maio de 2009

    Não sei se pensaria que talvez pudesse se tratar de uma simulação para um ataque logo em seguida, o que obviamente, não foi o caso. Não sei se não exitaria em colocar a vida da minha familia em risco para ajudar numa situação da qual não tenho plena certeza das circunstâncias. São muitas questões que se apresentam em nossa cabeça, num espaço de tempo muito curto e que exige uma tomada de decisão ao mesmo tempo rápida e definitiva.(Continua)

  • albert silveira diz: 25 de maio de 2009

    pô santana, colocar a culpa no cara isentando a polícia, é no mínimo hilário. depois de velho passaste a publicar só o que os patrões mandam, pois após tantos escândalos nesse governo da yeda e o silêncio é sepulcral. caiste na vala comum desse jornalismo gaúcho. nem sei quem é o mais demoralizado: tu ou o simon.

  • josé boff diz: 25 de maio de 2009

    Parabens Santana, sempre brilhante em seus comentários. O que surpreende é que alguns leitores compactuam com a omissão,,com a morte da vitima,achando que o covarde que fugiu, agiu corretamente,,queria ver se fosse seu familiar… ele tinha realmente que proteger seu cão,que provavelmente,a juizo de muitos, tem mais valor que a vitima .

  • Tio Kano diz: 26 de maio de 2009

    Pelo que li neste blog o mundo está repleto de covardes. Quem é capaz de agir diante de tantas violências que vemos no dia-a-dia? Quantos omissos existem que, por exemplo, tornam a votar em ladrões e nem por isso são execrados. É melhor esperarmos a conclusão do inquerito, com todo o complexo investigativo, para ao depois comentarmos algo. Até lá, esperemos que o número de covardes seja reduzido; que os heróis sejam outros.

  • Paulo Wolff diz: 26 de maio de 2009

    Santana: acho que a testemunha fez o que tinha que fazer. Eh para isso que existe a policia… agora, se ela nao cumpre a funcao dela, isso eh outra historia. Fico abismado com os demagogos de plantao, os “maria vao com as outras”… Eh muito facil criticar…

  • Ulysses diz: 26 de maio de 2009

    Pelo amor de Deus! Eu juro que se tivesse presenciado esse fato, eu faria o que o Santana comentou! Varias pessoas falando que a testemunha fez o que devia e ponto final! Meus familiares, minha mãe, meu pai tambem se deslocam por essa estrada, poderia ser eles. Pararia diversos carros, iria em todos bares da redondeza, faria exatamente o que o Santana comentou.
    Mas pegar e ir para casa sem se importar com o desenrolar da situação, isso demonstra uma frieza e falta humanismo!

  • Paulo Artur Rodrigues diz: 26 de maio de 2009

    Medo de ser,”provavelmente”chacinado,não é o que se chama de solidariedade.É mais que sabido da precariedade com que operam nossas polícias,mas a falta de iniciativa de IR AO POSTO DA BM,foi fator PREPONDERANTE NO FATO CONSUMADO.A pena por omissão de socorro que este dentista (tenho sorte-não sou paciente dele)será a pior pena que pode ser imposta à alguém que se tenha por “bem formado”-o REMORSO, CRUEL COBRADOR QUE BATERÁ 24 HS POR DIA À PORTA DESTA TESTEMUNHA até o ultimo dia de sua “vidinha”!

  • pacato colorado diz: 25 de maio de 2009

    Omissão, o grande mal do século. Nós, cidadãos, estamos deixando toda essa violência tomar conta de nosso país. Vemos crimes e não fazemos NADA. A justiça quando tem diante de si um criminoso o libera, mesmo que tenha vários andamentos judiciais contra tal – malditas presunção de inocência e falta de coragem. A polícia até tenta, mas sabe o que acontece (mesmo um preso em flagrante é liberado!!!!). Testemunhas têm medo de depor. Até quando iremos admitir isso? QUANTOS MAIS MORRERÃO EM VÃO??

  • karize Silveira diz: 25 de maio de 2009

    O Paulo Santa`Ana sempre consegue se superar em seus comentários… agora ele quer que a testemunha arrisque sua vida, para fazer o trabalho que é da polícia?
    Eu acho que estão colocando a culpa numa testemunha e tirando a responsabilidade do verdadeiro culpado, que é a polícia que não prestou o socorro imediatamente.
    Temos que reconhecer a atitude dessa pessoa que tentou ajudar se não fosse por ela nunca saberíamos quem foi o assassino.

  • Lourenço diz: 26 de maio de 2009

    Covardia é o Sant`Ana usar a imprensa para condenar um cidadão e com isso colocar as pessoas facilmente influenciáveis contra o rapaz.
    O Sant`Ana que tinha que ter vergonha de sua atitude.
    Se a nossa polícia é ineficiente a testemunha vira cúmplice? Isso é um absurdo.
    Tome mais cuidado com a idéia que você passa para as pessoas Sant`Ana. Saiba usar a arma que você tem (a imprensa) contra as pessoas certas.

  • João Canal diz: 26 de maio de 2009

    Testemunha? Neste caso o Dentista virou testemunha depois do crime consumado. Poderia ter feito mais sim, se tinha um bar próximo, certamente conseguiria ajuda ou uma arma, ou parado outros motoristas. Mas isso é assim mesmo, foi a atitude que ele tomou, não nos cabe julgar, até porque a polícia nos diz insistentemente para não reagirmos e o pior, o governo nos priva do direito de ter uma arma. Neste caso, se o cidadão possuísse uma arma legal, com curso de tiro, será que poderia ter salvo..

  • edson diz: 26 de maio de 2009

    Não entendi até agora pq a Polícia demorou para tomar as ações!!!!
    Explicar até pode…mas será q justifica????

  • Cláudio M.B. diz: 26 de maio de 2009

    Uma linda jovem,dentista,cheia de sonhos e planos.Trabalhadora,lutando dignamente e honestamente pelo seu espaço.Vivendo, amando,no frescor da juventude de nossas breves vidas.Um animal,uma besta-fera acabou com tudo isto.E antes de matá-la violentou-a tratando-a como um lixo!
    Um cachorro,que ao maltratar a moça ainda pôde se excitar com isto!Ele tem mãe?
    Tem filha? Tem irmã? Mulher?
    Deveria ser morto!Eu me recuso a sustentá-lo preso! Não sou hipócrita.Não há recuperação para covardes loucos!

  • Luis Felipe diz: 26 de maio de 2009

    Seu Santana, pura demagogia. Em princípio as pessoas são egoistas(tanto que o mundo está deste jeito), ainda mais no perigo. Lembra do caso da chacina na Ipiranga que ninguém fez nada(várias pessoas vendo o cara sendo assassinado a pedradas). Se não fosse o PM que foi treinado para isto, tinham matado o cara com todo mundo olhando. O dentista fez o melhor que pode.

  • Luis Machado diz: 26 de maio de 2009

    O trabalho é da polícia, mas o cara podia ter ficado de longe buzinando sem parar, não vai me dizer que o cara ia perseguir ele, não julgo o cara mas faltou compaixão da parte dele.

  • Elisabete Gornicki Schneider diz: 25 de maio de 2009

    É lamentável uma jovem morrer em razão da ação de um animal e da omissão e indiferença de outros seres humanos.

  • Ivan Zeni dos Santos diz: 25 de maio de 2009

    O dentista que não foi mais profundamente na tentativa de ajudar mulher que estava sendo agredida é, no mínimo, covarde. Com a situação de violência instalada na nossa sociedade e com a inoperância do poder público deixo minha opinião: estamos diante de um indivíduo tão perigoso quanto o agressor, pois êle não se interessou pela moça como deveria ter feito em caso de ser sua irmã, filha, mãe ou namorada. E ainda me vem com essa do cachorro. Acho que o doguinho teria mais coragem que êle…

  • Luis Henrique diz: 25 de maio de 2009

    Sim. Eu compartilho da sua opinião. Tentaria algo da mesma forma.
    Mas ao contrário do que vc coloca no texto, a “maioria” das pessoas não faria isso. Hoje em dia há um sentimento de indiferença na sociedade. São inúmeros os casos de agressões, assaltos, onde os observantes pouco se importam. Poucos ligam. Alguns por certo se indiguinam, mas são uma minoria. A dentista tinha uma chance de alguem passar e ajudá-la, mas essa chance era mínima. A maioria não se importa com o sofrimento dos outros

  • Carlos Eduardo diz: 25 de maio de 2009

    Outro fato importante a ser registrado, é esta testemunha não ter gravado a placa do caminhão. Hoje em dia praticamente todos os celulares tem câmara fotografica e quando se vai a praia num fim de semana, normalmente se leva uma câmera fotográfica digital, ou seja, poderia tirar fotos no momento. Então, não quero culpar ele do fato, longe disso, mas foi negligente no socorro ou negligente na comunicação do fato para a policia. Pois é notório como as autoridades tratam um pedido de urgencia. abç.

  • MICHEL DUARTE diz: 26 de maio de 2009

    Que estranho, notaram que quase todos que estão defendendo esse rapaz são de Caxias?
    Qual é pessoal, ninguem ta acusando as pessoas de Caxias de covardes.

  • Dinorá Garcia diz: 26 de maio de 2009

    ..Temos que rezar para Deus colocar alguem no nosso caminho para nos ajudar e se isto for atendido reze tbm para q ele tenha escolhido a pessoa certa…

  • Marcelo diz: 26 de maio de 2009

    Caso ele realmente tenha avisado a BM, fez o mínimo e isso pode dar a ele alguma paz. No entanto, o que ocorreu nesse caso, é aquilo que se vê em diversas situações nos dias de hoje: faltou coragem para fazer a diferença. Faltou o algo a mais. Talvez o desfecho fosse o mesmo, pois a testemunha teria de agir com cautela, mas ao menos ele teria tentado. De fato, deve ter sido deseperador para a vítima imaginar que a testemunha tenha seguido sem tentar fazer algo a mais. Ele fez o mínimo.

  • luis diz: 25 de maio de 2009

    O que mais me chamou a atenção na entrevista da testemunha foi ele, naquele momento, se lembrar do cachorro,ele se preocupar com a namorada, ficar com medo é muito natural,mais se preocupar com cachorro…

  • Anônima diz: 27 de maio de 2009

    Aproveito a indignação quase geral para chamar a atenção de um assunto que vem sendo veiculado na TV e rádios. A maior arma do abusador de crianças é o silêncio. Percebi que quase todos são extremamente corajosos, portanto, se souberem de algum tipo de abuso ou violência contra crianças, mulheres, velhos, etc, DENUNCIEM. Chamem conselho tutelar, a PM (que acho que agora irá cumprir o seu papel), etc. Mas não se omitam, denunciem os maus-tratos.

  • adriana diz: 26 de maio de 2009

    Fiquei chocada. Não posso julgá-lo, mas é revoltante. A que ponto chegamos das pessoas serem tão egoístas, capazes de passar por uma cena tão grave e simplesmente darem telefonemas! Ao meu ver, o problema é que o dentista que presenciou a cena PENSA demais, se fosse um pai de família, com pouca instrução, não pensaria TANTO, seria GENTE. Tomara que consiga um dia PENSAR MENOS e AMAR MAIS O SEMELHANTE. Cada vez que olhar seu cão lembre da vida humana que foi preterida, por covardia e egoísmo.

  • Anônimo que não é gourme diz: 25 de maio de 2009

    Caro Santana, em primeiro lugar o rapaz não é polícia, não tinha arma e pessoas de bem como ele não andam armadas. Em segundo lugar, um alguém armado teria explodido os miolos do caminhoneiro e ou estaria preso ou recebendo via judicial um pedido de indenização da família do caminhoneiro.
    Em primeiríssimo lugar, laranja não cai longe do pé. Esse crime é o resultado da péssima educação que a maioria dos brasileiros recebem, políticos adoram os votos de tipos que não sabem se comportar.

  • luiz fernando diz: 25 de maio de 2009

    Santana, não pode ser qualificado como omissão pois entende-se que quando se avisa a policia ela venha a tomar uma atitude, se responsabilize pelo caso. ou se declare que ela não toma atitude nenhuma e comesse-se a fazer justiça com as próprias mãos que é o que sugeres quando diz que o outro devia ter se munido de armas ou mais pessoas e ido até o local para resolver a situação. e é claro que tambem concordo com essa opção pois pior foi o que aconteceu.

  • Paulo diz: 26 de maio de 2009

    É claro que o dentista é um covarde(não deve ter coragem nem para dar anestesia), entretanto afora este fator (que aliás poderia ter sido a atitude de muitos, só na hora para vermos nossa reação), eu acho que ele poderia ter parado mais adiante, numa distancia segura e tentado parar outros veículos, duvido que o tarado não se intimidasse com várias pessoas a encará-lo e ao mesmo tempo ligando pra policia (várias ligações, diferentes celulares), mas agora só desejo paz pra familia da vitima.

  • Rafael Marques Gonçalves diz: 26 de maio de 2009

    Caro Sant!ana,
    Também já passei por uma situação terrível nun assalto à mão armada.É complicado para quem não tem treinamento interceder.Quase morri, mas felizmente,ao menos de longe, pessoas gritaram e o assaltante foi embora, levanso SOMENTE meus pertences .O grande problema é a impunidade e o grande número de marginais que deveriam estar na cadeia e estáo em liberdade.Acho, também, que para completar a desgraça. ficamos horas num plantão policial para registrar a queixa,e não acontece nada.

  • Lucas diz: 26 de maio de 2009

    Sinceramente, o cara fez o certo, poderia ter voltado, poderia … mas, hoje em dia uma vida vale 5 anos de cadeia, será que vale mesmo a pena se arriscar, sabendo que o assassino não vai perder nada ao te matar? Ideal seria pensar nisso …

  • Ana diz: 25 de maio de 2009

    Eu jamais voltaria a dormir tranquilamente estando no lugar do dentista. Como ele conseguiu ir embora tendo acabado de presenciar a cena de uma mulher sendo atacada? Não se fazem mais homens como antigamente. Vergonha, vergonha, vergonha! Um beagle tem mais valor que uma vida humana! Indefesa e implorando por ajuda! Se tivesse realmente pensado na namorada teria passado na sua cabeça que isso poderia estar acontecendo com a mesma e que ele agradeceria se alguém a ajudasse. Q Deus tenha compaixão

  • Elisa diz: 25 de maio de 2009

    Fato que também explode como lastimável, além da “inércia” dessa testemunha e da BM, é da namorada que se encontrava no carro. Não poderia ela, na condição de mulher, fazer com que seu amado fosse mais enérgico diante da situação presenciada? Será que não foi capaz de se colocar no lugar da vítima, já que, sabemos, qualquer uma de nós poderá um dia precisar que alguém nos socorra em uma situação parecida? Se a testemunha tentiu-se temerosa, então que sua namorada tomasse alguma providência!

  • César diz: 26 de maio de 2009

    Sant`Ana, quem tem obrigação de socorrer vítimas de crimes é a Polícia!! Essa testemunha fez, sim, o melhor que poderia fazer. Ele não tinha treinamento; provavelmente não sairia vencedor nem de uma briga de bar. Como ele poderia desafiar um criminoso capaz de matar e possivelmente armado?! É absurdo condená-lo. Ele fez o que lhe cabia fazer. Não se omitiu! A Polícia foi quem deixou de fazer o que devia. É da Polícia o DEVER de impedir crimes. E a Polícia foi avisada!

  • Luiz Alberto diz: 25 de maio de 2009

    Fico lendo a maioria dos comentários e fico preocupado, como o povo é influenciado por poucos.

  • lsr diz: 25 de maio de 2009

    eu queria ver se fosse tu no lugar do entrevistado, se tu terias feito diferente. Falar é fácil, quero ver agir com frieza na hora.

  • João Carlos Welter diz: 25 de maio de 2009

    Paulo Santana,falar é fácil.Queria te ver na situação do entrevistado,numa estrada deserta,frente a uma situação inusitada,diante de um indivíduo enlouquecido armado de um facão e determinado na sua sanha homicida.Tudo bem que poderia depois ter alertado alguém nas proximidades ou insistido na ligação à BM. E porque só ele parou?Ninguém mais passou na hora…?Então,acho que o cidadão foi corajoso e decente.Quem já não presenciou cenas de agressão na cidades?E alguém intervém?Não vejo!

  • Leandro jagmin diz: 26 de maio de 2009

    Uma pessoa que se preocupa com a “integridade física de um cachorro” ao invés de um ser humano, tem que responder por omissão de socorro sim!Espero que a consciência dele nunca faça esquece-lo que se tivesse um pouquinho de hombridade uma pessoa não teria sofrido nas mãos de um desgraçado…

  • Otto diz: 26 de maio de 2009

    Luiz Alberto, de CXS, disse tudo:
    “Fico lendo a maioria dos comentários e fico preocupado, como o povo é influenciado por poucos.”

  • Adriana Ferreira diz: 26 de maio de 2009

    Muito fácil falar e julgar a testemunha. Hoje em dia, temos medo de tudo e de todos. Não acho que ele fez errado. Aliás, fez o que deveria fazer. Ligar para a POLICIA que é o órgão competente e avisá-los do que estava ocorrendo. OS CULPADOS NESSA HISTÓRIA TODA SÃO OS POLICIAIS….ESSES SIM OMITIRAM UM SOCORRO A VÍTIMA.

  • Evandro diz: 25 de maio de 2009

    Lastimável foi esta coluna, Sant`Ana… Ao criticar um cidadão pela sua impotência, sem considerar que esta pessoa já deve estar tombada por um único sentimento, de fraqueza, de nulidade, estás ajudando a quem? A quem, Sant`Ana, se dirigiu esta coluna senão à cruscificação desta testemunha que fez, exatamente, o que TODOS nos ensinam a fazer, chamar a polícia? E esta, Sant`Ana, me diga, porque a polícia levou tantas horas até atender a denúncia desta testemunha? Por medo, desleixo, o quê???

  • Camila Santos diz: 26 de maio de 2009

    É um absurdo julgar a testemunha do caso por omissão, enquanto a polícia – que deve conferir segurança e proteção à sociedade -assumiu uma atitude de omissão lamentável e vergonhosa. A polêmica em torno da testumunha serve para desviar a atenção da inquestionável falha da polícia, a quem verdadeiramente cabia prestar socorro, a quem tinha a real responsabilidade? Lastimável…

  • Fernando diz: 26 de maio de 2009

    Faço minha as sábias palavras da Karize Silveira: “O Paulo Santa`Ana sempre consegue se superar em seus comentários… agora ele quer que a testemunha arrisque sua vida, para fazer o trabalho que é da polícia? Eu acho que estão colocando a culpa numa testemunha e tirando a responsabilidade do verdadeiro culpado, que é a polícia que não prestou o socorro imediatamente. Temos que reconhecer a atitude dessa pessoa que tentou ajudar se não fosse por ela nunca saberíamos quem foi o assassino.”

  • Carlos Santos diz: 26 de maio de 2009

    Para onde estamos caminhando.
    Só falta acontecer, da testemunha ser condenada e presa e o caminhoneiro criminoso ser absolvido e livre.
    Parece que querem culpar a testemunha.
    Como o caminhoneiro tem a mente distorcida, por que a testemunha não pode ter também algum desvio comportamental?
    Afinal, o país está cheio de doidos.

  • Michelle diz: 25 de maio de 2009

    Achei lamentável a atitude do rapaz. Não entendo como ele consegue deitar a cabeça à noite e dormir em paz, sabendo que poderia ter evitado uma morte se não tivesse sido tão covarde. Concordo com a posição do Sant`Ana, se temia pela namorada e pelo cão, que os deixasse em local seguro e retornasse. Imagino se a situação fosse o oposto e a mulher agredida fosse a namorada do tal dentista, qual não seria sua indignação ao ver que a morte da mesma poderia ter sido evitada…

  • evandro menezes braga diz: 25 de maio de 2009

    Fácil julgar quando não é com a gente. Quantos dos que criticam a atitude tomada pela testemunha ja não presenciaram algum tipo de crime (roubos no centro, em sinaleiras, paradas de ônibus) e não tomaram qualquer atitude, nem mesmo auxiliaram a vítima ou acionaram a autoridade policial.
    O ser humano realmente acha fácil julgar o semelhante, mas eu acho que a testemunha não tinha preparo para enfrentar a situação e encaminhou a solução para a autoridade constituida que foi omissa.

  • Andrea diz: 28 de maio de 2009

    Sou admiradora de longa data da tua coluna, pq sempre tens um olhar crítico e inteligente sobre assuntos polêmicos, mas preciso ser sincera e te dizer que achei lamentável o prisma que escolhestes para comentar a tragédia da dentista.
    Acredito que as pessoas estão desviando-se do fato mais importante e triste desta história: A INEFICIÊNCIA DA POLICIA!!!

  • ana diz: 26 de maio de 2009

    Não vou jusgar a atitude da testemunha. Mais a da policia sim. Tambem fui vitima de tentativa de marte ou melhor fomos vitimas eramos em 05. Tentaram colacar fogo na minha casa conhecia o maldito, ligue para a policia 04 vezes e nada. Apareceram 04 horas depois. Me senti uma merda, impotente diante do desprezo q a policia fez a nosso respeito. agora me diga o q fazer diante de tanta falha da policia.

  • Kaio diz: 26 de maio de 2009

    QUEM DEVE TAMBÉM REPONDER POR ESSE CRIME JUNTO COM O ASSASSINO SÃO OS POLICIAIS QUE FORAM AVISADOS E SE OMITIRAM,FIZERAM CORPO MOLE,FIZERAM POUCO CASO PARA O TELEFONEMA DA TESTEMUNHA!

  • Ana diz: 26 de maio de 2009

    Duvido que tu fizesse diferente, Santana. É fácil julgar quando se está de fora da situação. Mas estás sendo muito injusto. Se existe alguém que deve ter remorso, são os policias que não atenderam de imediato a ocorrência.

  • Juliano Lima diz: 26 de maio de 2009

    O fato dele nao ter voltado ou ter uma preocupação maior com um ser humano me deixa chocado. Se fosse algum amigo dele com certeza teria feito melhor, mas como foi por uma desconhecida não fez nem questão de voltar. Mas e a polícia? O que ocorreu? 6 horas para averiguar a denúncia não é muito tempo? Onde iremos parar.

  • Marcelo diz: 26 de maio de 2009

    Dizer que a sociedade deve agir quando presencia um crime é tirar a responsabilidade da polícia. O cidadão não é treinado para agir em defesa de terceiros, além do que muitas vezes não sabe o que esta acontecendo quando presencia algum fato. Nenhum cidadão deve arriscar a sua vida para salvar outra. É pra isso que existe polícia. Isso é individualismo? Desculpa, mas a minha vida é invividual, não vem aos pares pra eu poder perder alguma em ato de heroísmo.

  • Marcelo diz: 26 de maio de 2009

    Só pra reforçar… Não esqueçam do agricultor que viu um casal sendo assaltado na rua e foi correndo atrás dos ladrões. Levou um tiro e está morto. Super solidário. Se não tivesse sido estaria vivo com sua família e o casal de advogados teria recuperado os bens materiais trabalhando em 1 mês.

  • Getulio Volpe Adornes diz: 25 de maio de 2009

    O medo da testemunha. Concordo plenamente contigo.Medo eu tambem teria, mas parar o carro adiante atacar outros carros, isto eu faria, não sairia dali sem ajudar.Foram egoista e desumanos os dois.Muito triste.

  • gustavo diz: 26 de maio de 2009

    Presenciar um assalto ou uma violência é comum hoje em dia. Então vamos sair por aí desarmados lutando contra os bandidos que não pensam duas vezes antes de matar alguém. A culpa não é do estuprador assassino maluco, a culpa não é da polícia que espera a vítima morrer para agir, a culpa é da testemunha. (E deve ter tido outros carros que passaram e nem se deram o trabalho de parar.)

  • Marcos Gonçalves diz: 26 de maio de 2009

    É uma situaçao bastante dificil por que é a vida de um ser humano que esta em risco,mas como disse Sant`Ana, que voltaria para pegar uma barra de ferro ou até mesmo um revolver…com certeza se matasse o caminhoneiro iria se incomodar ou até mesmo ser julgado como o proprio assassino…e afinal quem tem autoridade para andar armado e evitar um assassinato é a policia,que em momento algum compareceu para tomar alguma providencia!!

  • Adriano Schemoel diz: 26 de maio de 2009

    È que vc Santana é um herói, um cara muito valente nessas páginas, se os puliça demoraram 7 horas pra checarem a situação vc defende que o cidadão desarmado tome peito e arrisque sua família, então não precisamos mais de puliça. Ès um valente. Aqui.

  • sergio renato custodio diz: 25 de maio de 2009

    É Paulo fica dificil espricar que uma pessoa possa sair do local onde esta aconteçendo algo de terrivel sendo que ele viu que se tratava de algo de terrivel contra a moça,sei la sera que este rapaz vai conseguir ficar com sua consiençia em paz sabendo que ele se acovardo diante de uma cena de barbarie como ele presençiou.
    A gente basta ver varias r´portagens e se depara com varias pessoas que presençiam casos como o da moça e não fazem nada ele diz que fez oque estava ao seu alcançe fazer oque

  • Daison Josias Bressiani diz: 25 de maio de 2009

    A coitada da moça, desesperada, consegue chamar a atenção de um motorista e o cara vê o que está acontecendo e mesmo assim deixa ela lá sozinha, sendo estuprada e posteriormente morta, porque ele ficou preocupado com o cachorrinho dele e não foi ajudá-la…
    Olha, esse cara pode ser chamado de qualquer coisa, menos de “homem”…

  • Viviane diz: 26 de maio de 2009

    E se fosse comigo?! Pergunta que está faltando para o ser humando que só se preocupa consigo mesmo…Poderia sim, ao meu ver ter evitado essa tragédia! Ficar nervoso na hora claro que é normal, mas não reagir diante de um fato desse foi covardia!!!

  • Luciana Brasil diz: 26 de maio de 2009

    Eu ensinei meus filhos a participarem da vida social e assumirem responsabilidades. Um é filiado a partido político e ambos participam das lutas estudantis. No entanto sou criticada por isso, pois meus colegas acham que estudante deve é se formar, ganhar dinheiro, “ser feliz” e reclamar dos políticos e da Administração. Esse cara certamente foi educado dessa forma – até no cachorro ele pensou, antes de ajudar. Mas e a PM? Continuo revoltada com a inércia e o despreparo da PM. E parabéns à Civil.

  • Marta diz: 26 de maio de 2009

    lamentavel a falta de interesse com o outro, as pessoas acham natural ver alguem ser agredido em plena luz do dia ,e nao fazer nada tambem e normal. mesmo que a policia tivesse ido imediatamente ate o local talvez nao teria evitado o crime. Fico pasma de ver a omissao de socorro a um a mulher apavorada, pedindo ajuda. Espero que nunca aconteca com essas pessoas ou com seu familiares ,porque a indignacao da familia deve ter sido enorme ,de saber que alguem viu e poderia ter evitado esse crime.

  • Paulo Ramos diz: 26 de maio de 2009

    Prezados leitores: Isso tudo é muito triste classificar de covarde, medroso de falho istao não trás de volta a vida desta moça !! O mais tirste é os pais da dentista morta que ficam pensando que sua filha poderia ter sido salva desse monstro! E que por falha no socorro , covardia e medo isso não evitou a esta tragédia! Pobres Pais que tiveram a dura missão de ter que sepultar a filha !! Que coisa triste né !! Até quando isso hein? Até quando esta falta de segurança hein?????

  • Renato Rocha- Colorado diz: 26 de maio de 2009

    Eu pergunto se fosse com um familiar dele ou algum conhecido?? Ele iria parar o carro?
    ou iria salvar o cachorro??? Covardia!!!!

  • Ernesto diz: 26 de maio de 2009

    Certa vez, numa madrugada chuvosa batem na porta da residência de um Senhor pedindo atendimento para socorrer uma pessoa acidentada nas imediações, mas o Senhor se negou a prestar socorro. Ao amanhecer ficou sabendo que seu filho morreu bem perto dali por falta de atendimento. Muito cuidado com o individualismo, porque isso pode estar ao alcance de qualquer um de nós.

  • Pedro diz: 26 de maio de 2009

    Além das autoridades SEMPRE recomendarem para não reagir, então pq alguem deveria se arriscar pelos outros? Pois se o bandido reagir o que os “convocados” para ajudar fariam? Sim poderiam até “dominar o cara” porem responderiam na justiça por isso ou não? é infelizmente vivemos em uma sociedade onde as leis favorecem os bandidos,e por este motivo nós não podemos reagir,senão seremos tratados também como bandido pela justiça, ESTA É A VERDADE.

  • Jajá diz: 26 de maio de 2009

    Omissão de socorro não foi! A testemunha se colocaria em uma situação de risco e prontamente avisou as autoridades (que deviam estar almoçando, depois tiraram uma sesta e só à tardinha, antes do café colonial, foram ao local ver o que acontecia). Sant`anna: o que vc faria? Desceria do carro a arriscaria sua vida? Arriscaria levar um tiro? Arriscaria ser surrado até a morte? Acho fácil criticar depois de tudo ter acontecido. Afinal, não devermos reagir em casos de violência, não é mesmo?

  • Richard diz: 26 de maio de 2009

    Ainda que não tenhas coragem, mesmo de longe tentas ajudar ao teu próximo de alguma maneira!não vamos julgar ninguém mas aqueles que só pensam em se proteger podem até um dia precisar de proteção e não a tê-la. Cuidado com suas decisões!

  • carlos correa diz: 26 de maio de 2009

    Escrever algum comentário nesse blog é fácil, todo mundo fica VALENTE!! Agora, numa situação real de perigo pelo menos metade dos leitores não faria nada mais do que chamar a polícia.

  • Suzana Britto diz: 29 de maio de 2009

    Muito me surpreende essa polêmica quanto a ação das testemunhas que ajudaram a identificar o assassino da dentista. Se houve OMISSÃO foi da polícia por não atender o chamado. As testemunhas fizeram o que tinham que fazer. Duvido que em situação semelhante o Sr. paulo Santana parasse para enfrentar cara a cara uma pessoa que pode agredi-lo ou até matá-lo. Falar é fácil. Julgar aos outros mais ainda.

  • Eliane Silveira diz: 26 de maio de 2009

    Um absurdo a reação deste rapaz! Sou apaixonada por cães, mas a forma que ele se refere na entrevista em ZH, parece dar mais importância ao animal do que a própria namorada! É desumano o relato dele, pois com a certeza de que o agressor estava desarmado até a chave de roda do veículo serviria como arma! Imagino a família da vítima lendo a entrevista com a certeza de que a vida da moça poderia ter sido preservada… Foi um ato desumano e egoísta…

  • Guilherme diz: 26 de maio de 2009

    Prezado Santana, acho que pegaste pesado demais ao dar sua opinião sobre o relato deste rapaz, você tem um “canhão” de audiência, tenho receio que recaiam sobre este até mesmo o ódio da própria polícia, estes sim ao meu ver os verdadeiros encarregados de prestar este socorro. Comungo sim da sua opinião que o ser humano hoje, e a cada dia que passa se torna cada vez mais individualista e preocupado apenas consigo, mas é temerário julga-lo … continua …

  • Tasmay diz: 26 de maio de 2009

    …e aberto a porta, até o cão teria ajudado a vítima…

    o ser humano é muito cruel…

  • Elenilton Neukamp diz: 25 de maio de 2009

    Tudo bem, Santana, que você condene o ato da pessoa que não socorreu
    a dentista. Estou completamente de acordo com você, no sentido de que o “entrevistado” deveria ter feito mais do que simplesmente ligar para a imcompetente Brigada Militar. As polícias “não estão nem aí” para os cidadãos, sobretudo os que não tem dinheiro nem espaço na mídia.
    Só que teu texto não toca no mais gritante:
    ONDE ESTAVA A POLÍCIA QUE NÃO FEZ NADA???

  • Elenilton Neukamp diz: 25 de maio de 2009

    A julgar pela tua escrita, devemos fazer justiça com as próprias mãos?
    Devemos fazer o que as autoridades que são treinadas e pagas para fazer não fazem??
    Espero que você, Paulo Santana, me esclareça..

    Elenilton Neukamp,
    professor de Filosofia e escritor.

  • lauro julio koch diz: 25 de maio de 2009

    Por que a dentista parou?.Houve discussão sobre uma ação de trânsito?.Ainda não sei das respostas.Mas veio-me à mente um fato ocorrido há muitos anos atras.Eu e um amigo,rumamos à Tramandaí,cedo da manhã,para aproveitar a praia no final de semana.Não sei certo que estrada pegamos.De repente à nossa frente um caminhão,dificultando a nossa passagem,quando finalmente conseguimos passar,fiz um gesto obseno para o motorista.Foi quando meu amigo me disse,nunca mais faça isso.Tu não sabe a reação dele.

  • Alicia diz: 26 de maio de 2009

    Claro, o dentista poderia peitar o caminhoneiro, dar um murro nele, libertar a colega agredida, fazer outros carros parar, ir ao bar buscar socorro… poderia. Mas o DEVER de fazer isso e um pouco mais, era/é da polícia! Que foi avisada no ato! E por omissão DA POLÍCIA, a jovem foi morta. Uma pegunta: o dentista foi o único que passou por ali naquele momento? Toda a responsabilidade cai sobre a testemunha? Não esqueçam que foi pela testemunha que o criminoso foi preso!

  • Amilcar diz: 28 de maio de 2009

    Tiram nossas armas, nos dizem para entregar tudi, inclusive a vida, mas não reagir, e depois descaradamente, as autoridades, instadas pelo nobre colunistas, descubriram o culpado pelo acontecido. A testemunha, que deveria pegar uma pedra e fazer o serviço qua a policia não faz.
    Tudo resolvido, esperamos a próxima tragédia e o próximo bode expiatório.

  • Rin Tin Tin diz: 26 de maio de 2009

    o principal ´´erro´´ deste motorista foi CONFIAR na polícia (não a civil que prestou ótimo serviço) foi de uma infantilidade burra achar que a polícia atenderia prontamente um ser humano em perigo. Como disse o Sant´Ana deveria certificar-se de que o caminhoneiro seria detido no seu intento, e mais, responsabilizar os policiais omissos com denuncia efetiva ao Ministério Público. Aliás o trabalho do I. Delegado só falhou neste item: porque não denunciou os policiais por omissão de socorro ou…

  • Marta Zen diz: 25 de maio de 2009

    Esqueceste de mencionar a omissão de socorro gritante da Brigada Militar. Ela foi acionada pelo cidadão em questão e por outras pessoas que presenciaram o início da agressão. Cabe a uma polícia eficiente intervir imediatamente para salvar uma vida humana em perigo. Até justificaria o uso de um helicoptero. Como se inaugura uma estrada sem a mínima segurança? Sabe quanto tempo a Brigada Militar levou para atender ao primeiro e aos sucessivos chamados? OITO HORAS !!!! OITO HORAS !!! 8 horas !

  • PAPAO DE GRENÁS(kleber wist) diz: 25 de maio de 2009

    MAS ENFIM…FAZER O QUÊ???? SEMPRE EXISTIRA COVARDES,CAGOES,BUNDOES.MAS TALVEZ O BURRO SEJA EU MESMO. QUE JA COLOQUEI MINHA VIDA EM RISCO VARIAS VEZES.AFINAL ELE E UM HOMEM ESTUDADO,NAO PODE CORRER RISCOS,NAO PODE SER UM BRUCUTU,AQUILO ERA UM CASO PARA A POLICIA RESOLVER.

  • Osvaldo diz: 25 de maio de 2009

    Eu acho que esse cara fez mais que do que muita gente faria.
    Será que só ele que viu o acontecimento?
    Será que o assassino não teria uma arma no caminhão?
    Um cara com a atitude de fazer aquilo em plena luz do dia contra uma mulher na beira da estrada, no mínimo deveria estar louco.
    Se alguém se acha tão herói, poderia então passear com seu carro a noite pra ver se encontra alguém para ajudar em caso de assalto ou vai ajudar algum mendigo na rua.

  • luisfernandodacostapinheiro diz: 26 de maio de 2009

    Concordo que a testemunha poderia ter agido de uma outra forma e ter procurado ajudar a vitíma de uma outra forma que não colocasse a sua vida e de sua namorada em em risco, não vou nem falar no cachorro, porque é uma estupidez querer incluí-lo no assunto. Agora a grande covardia quem cometeu foi quem tinha o dever legal de socorrer e não o fez. Acredito que embora muitos de nós poderiamos no momento agir de forma diferente não temos o direito de julgar um ser humano que também estava em pânico.

  • Alda Pegoraro Roeder diz: 25 de maio de 2009

    Santana,assisti a um filme em que um homem sofreu um acidente em alto mar, e lá ficou ele por vários dias dentro de um bote quando derrepente apareceu um helicóptero ,seria a salvação dele(se o poloto o tivesse visto) oque não aconteceu,o helicóptero foi embora e o homem acabou morrendo.Foi exatamente isso que aconteceu com a dentista,ele jogou a chave do carro no desespero de ser socorrida e sua tentativa foi em vão pois a única pessoa que poderia salvá-la(no momento)foi embora.É lamentável.

  • Ronaldo diz: 25 de maio de 2009

    lendo alguns comentários aqui pode-se dizer que vários amigos da testemunha se manisfestaram em apoio á ele..só espero que algum dia não dependam dessa pessoa para que lhes socorre em um momento de apuro além de algum tratamento de canal..

  • Adriana diz: 26 de maio de 2009

    Não podemos esquecer que policiais e políticos são pessoas que se originam na sociedade, serão frutos do que esta sociedade é, ou seja, se somos um povo que gosta de tirar proveito em tudo, se tivermos a aportunidade de desviar imposto, certamente o faremos,se o mau caratismo impera, como exigirmos que os políticos sejam honestos, eles são reflexo desta sociedade. O mesmo vale p/ policiais, como exigirmos coragem e heroísmo, se não somos assim, não adianta negar, somos covardes por natureza.

  • paulo diz: 26 de maio de 2009

    Bobagem, agir contra o camioneiro fisicamente, colocando em risco sua vida e de outros. Fez o correto avisou quem devia.

  • Ricardo diz: 26 de maio de 2009

    Entendi!A culpa da moça ter sido morta é do dentista!Ele deveria ter tido coragem, arriscado sua vida.Que loucura!Ah,sim,ele deveria ter a lucidez de ficar indo e voltando sem parar o carro!Ou procurado reforço!Mas o “imbecil” ligou para o 190!Que é o que as regras “burras” de segurança recomendam!
    CULPADO! CULPADO! CULPADO!
    “Não quero acusar diretamente a testemunha de omissão de socorro…”
    Ah, bom! Então tá!

  • Omen diz: 26 de maio de 2009

    Meu Deus! Em vez de repetir as sandices, parem e leiam. Estão dizendo pra população começar a impedir os crimes? A estudante univeristária deveria imobilizar os assaltantes telecineticamente e explodir suas cabeças antes que matassem o rapaz? O pessoa (incluindo o célebre comentarista) anda vendo Heroes demais!

  • Guilherme Mallmann diz: 26 de maio de 2009

    Parabéns Sant`Ana!! Belissimas palavras!!!
    Os poucos, e espero que sejam poucos, que não conseguem entender o que você disse, são os mesmo que deixariam a dentista na beira da estrada jogada a própria sorte.
    Eu sou um que nem você. Se passasse sem ajudar, o remorso iria me corroer.
    Grande abraço!

  • Moema diz: 26 de maio de 2009

    Eu mesma fui vítima de assalto com sequestro, e infelizmente, ninguém, absolutamente nínguém veio ao meu socorro enquanto a ação se desenrolava na frente da minha casa. Minha mãe ficou na calçada, desesperada, pois ela ainda tentou fazer alguma coisa ( é mãe né…tá explicado). Mas os vizinhos, que estavam presenciando toda cena, nada fizeram. Nem ao menos depois que me levaram foram capazes de ir acudir a minha mãe. É assim mesmo, ninguém se importa com mais nada. Não fico surpresa com o que li

  • jonas diz: 25 de maio de 2009

    Do jeito que anda a Justiça em nosso País, se a testemunha reunisse outras pessoas ou pegasse em armas, ele e os outros é que seriam presos, e este psicopata seria a vítima. Ou estou errado?

  • Américo diz: 25 de maio de 2009

    Afinal ele tava com a namorada ou o namorado?
    covarde! sem escrupulos,esse entrga até a mãe se precisar.
    a quem diga que está certo, por favor!
    É bom que nem mostre a fuça mesmo,ninguém quer ver c~….
    Será que dorme á noite?

  • Vanessa Castro diz: 26 de maio de 2009

    É fácil julgar os outros. É por causa da valentia e do impulso que muitos morrem tentando se defender ou fazer justiça com as próprias mãos. Coloquem-se no lugar do rapaz!!! Bandido é bandido!! É fácil dizer que pegaria um pedaço de ferro coisa e tal para fazer justiça com as próprias mãos. Ninguém sabe o que teria acontecido se ele fizesse isso. Ele fez certo, não se omitiu, ligou para a polícia! A polícia, por sua vez foi negligente, ignorando o chamado de urgência.

  • Gisele Brayner diz: 2 de outubro de 2009

    Imagino que seja uma situação delicada, pois temos vontades de corrigir tantas coisas neste mundo. Mas cada ação é uma reação e acredito que esta reação seja motivada pela emoção do momento. Quantas vezes somos assediados moralmente em nosso trabalho e nada fazemos, quantas vezes vemos uma criança á noite pedindo esmolas na rua e nada fazemos…acho que não deve ser uma escolha fácil! Só saberia de fato a minha atitude, se estivesse lá. As idéias não correspondem aos fatos…

Envie seu Comentário