Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O olho eletrônico

28 de junho de 2010 22

Não se pode afirmar que, caso o árbitro tivesse assinalado o gol legítimo da Inglaterra, na bola que ultrapassou a linha fatal, ainda assim a Alemanha ganharia de goleada.

Não se pode afirmar que, se o juiz tivesse visto o gol, outra seria a emocionalidade e a intensidade volitiva dos dois times.

Eu poderia argumentar que, com o gol, anulado, a Inglaterra desanimou e deu chance para a Alemanha goleá-la.

*

Há anos prego ao deserto no Sala de Redação: insisto desde 2001 que a Fifa tem de determinar uma mudança na norma, permitindo que o olho eletrônico decida os lances polêmicos, cruciais, decisivos de uma partida, quando o olho humano não conseguir discernir a verdade.

Bastava que o árbitro paralisasse a partida, dirigindo-se à lateral do campo, onde um aparelho de televisão seria acionado e ele poderia consultá-lo sobre o lance discutido, decidindo assim e então com justiça.

*

O que não pode é uma partida de futebol decidir-se por um erro do árbitro, muitas vezes, mais que um erro, um lance em que o árbitro e o bandeira não possuem aparelho cognitivo que esclareça a jogada.

Por que então não usar o olho eletrônico que já é usado por vários esportes, entre eles o turfe, a natação, as corridas atléticas e o próprio tênis?

Só o futebol não cedeu a essa ânsia de justiça e correção, só o futebol incorre no erro de permitir que a realidade de um lance decisivo seja torcida por erro ou incapacidade de leitura da arbitragem.

*

Outro lance que teria de ser decidido pelo olho mecânico: o primeiro gol da Argentina contra o México, ontem, quando Tevez estava visivelmente impedido ao fazer o gol.

Como podem permitir tamanha iniquidade? Estava empatada a partida em zero a zero, decidindo uma etapa da Copa do Mundo, talvez o próprio resultado final da Copa, quando o juiz validou um gol ilegítimo da Argentina: nada pode ter influído mais no resultado que aquele gol ilegal!

*

O mais alarmante de tudo é que, no gol ilegítimo de Tevez, o árbitro correu até a lateral do campo para consultar o bandeirinha. Ou seja, o árbitro estava em dúvida. E o bandeirinha validou o gol escandaloso.

Nesta hora é que eu digo que o árbitro não tem de consultar o bandeirinha, e sim uma televisão. Para que sejam sanadas todas as dúvidas e as grandes injustiças sejam banidas do futebol.

*

Que coisa escandalosa! Todo o estádio viu que a bola do gol inglês não validado passou a linha fatal, foi o que disseram os jornalistas que estavam lá! Só não viram duas pessoas, o árbitro e o bandeirinha.

E o gol não foi concedido à Inglaterra, mexendo totalmente na voltagem emocional do jogo e até presumivelmente no resultado.

Há anos prego no Sala de Redação que o futebol extinga as injustiças, consultando o recurso eletrônico nos lances de grande dúvida e importância.

Um dia esta medida será tomada, mas até lá vão se somar as injustiças e os escândalos. Por insensibilidade da Fifa, que teima em não moralizar o futebol.

* Texto publicado hoje na página 47 de Zero Hora

Comentários (22)

  • JAIR NOGUEIRA diz: 28 de junho de 2010

    SANTANA – EU E TU VAMOS PERMANECER GREMISTA ATE MORRER – O SILAS EM BREVE VAI EMBORA E ESPERO QUE LEVE SUA TURMA – WILLIAN-FERDINANDO…. GOSTARIA DE TE COLOCAR UMA COISA QUE ACHO UM ABSURDO – O SILAS CRITICAR O MARIO FERNANDES NA IMPRENSA – FALAR SOBRE SEUS DEFEITOS – MAS QUE BARBARIDADE – JA PENSOU SE OS JOGADORES SE ACHASSEM NO DIREITO DE APONTAR PARA A IMPRENSA OS DEFEITOS DO SILAS – ALEM DE DESRESPEITAR – SO PORQUE E UM MENINO – AINDA DESVALORIZA O ATLETA – AJUDE A PROTEJER O MARIO FERNANDES – UM ABRAÇO . JAIR NOGUEIRA – SALTO DO JACUI

  • Edinei diz: 28 de junho de 2010

    O livro Foul! The Secret World of Fifa do jornalista inglês Andrew Jennings a ser lançado em 2011 detalha os casos de corrupção dentro da Fifa. Quem sabe está aí um bom motivo para a FIFA não querer um olho eletrônico e termos os jogos com lances legítimos.

  • Rafael diz: 28 de junho de 2010

    O dia em que implementarem isto, Sant’Ana, acaba-se ou diminui-se tremendamente a possibilidade de manipulação de resultados.
    Talvez isto não seja interessante para alguns interesses …

  • Adriano diz: 28 de junho de 2010

    Será que o Brasir estaria classificado não fosse aquele gol voleyball do Luis Henry Fabiano que desmontou Costa do Marfim.?

  • Nadir Costa diz: 28 de junho de 2010

    Estoy en un todo con Paulo Santana. Muy avergonzado, pues siendo uruguayo, por ver como los jueces de mi país erraron tan feo (más bien parece que fue de propósito)
    ¿Habría coima? Quedará por siempre la duda. ¿Porque los tozudos de la fifa no ponen un ojo electrónico? ¿Serán tan burros¿? Con el perdón de los burros-Saludos Nadir

  • Diogo diz: 28 de junho de 2010

    O silas perseguiu o Colaço e o Mithuê, porque não são da igreja e não jogaram no Avai e agora tá fazendo o mesmo com o Mário. A torcida não pode permitir. O Meira não faz nada,apenas queimou Douglas Costa, Maxi e Mithuê. Agora é o Mário. Cade o Eder LUis incompetente? Fora Silas! Fora Meira!

  • edson diz: 28 de junho de 2010

    Paulo,a fifa e algumas confederaçoes mais parecem a ABL (academia bras…),sao muito “modernos”.

  • mario almeria diz: 28 de junho de 2010

    Prezado Santana, o motivo de não se usar olho eletronico no lances duvidosos é que isto acabaria com os “acertos” de bastidores em campeonatos.

    O maior prejudicado nisto tudo caso este recurso vigorasse desde 1992(pra deixar barato)
    teria time que ainda não teria sido fundado e não honrraria o nome que ostenta indevidamente!

    Pode ter certeza que é por este motivo.

  • Valmir Soares Pinto diz: 28 de junho de 2010

    Caro Santana. Em assim permanecendo, está oficializada a omissão e a falcatrua. Meus cumprimentos pela oportunidade e visão lógica dos fatos.

  • mario almeria diz: 28 de junho de 2010

    Prezado Santana, o motivo de não se usar olho eletronico no lances duvidosos é que isto acabaria com os “acertos” de bastidores em campeonatos.

    O maior prejudicado nisto tudo caso este recurso vigorasse desde 1992(pra deixar barato), seria um time que ainda não teria sido fundado e não honrraria o nome que ostenta indevidamente!

    Pode ter certeza que é por este motivo.

  • Machiavel diz: 28 de junho de 2010

    A maioria dos árbitros da copa são vaidosos. Eles se julgam a última bolacha do pacote só porque foram escolhidos para apitarem jogos num torneio mundial de futebol. E quando bate a vaidade tudo pode acontecer, inclusive o aparecimento da mediocridade que é o apanágio dos tolos. As falhas deles são tão berrantes, tipo vuvuzelas, que só a mediocridade as explicam.

  • Daniel R diz: 28 de junho de 2010

    Tche, tu te contradiz muito.

    100% das pessoas que conheço, inclusive tu, dizem que no passado, o futebol era mais mágico. Lógico que era, pois não existia cameras e microfones até dentro das cuecas das pessoas. Já li em tuas colunas sobre o brilho do passado nos campos.

    O que tem que proibir é esse bando de tecnologia que intimida as pessoas, em especial ao juíz. A banca paga e recebe. Que monotono seria acordar na segunda feira e não poder discutir um grenal com um amigo, sobre um impedimento ou uma mão que não foi dada….seria o próprio pé no saco.

    Como bom gremista que tu é, não entende nada de futebol.

    Lamentááááável como diria o professor.

  • Eduardo Correa diz: 28 de junho de 2010

    Santana, você não entendeu o lance da Argentina. O árbitro não viu se estava ou não em impedimento, era lance do bandeira. Acontece que o lance foi mostrado no telão do estádio e o bandeira viu no telão que deu uma mancada em não marcar o impedimento, chamou o arbitro e falou pra ele o ocorrido, então o arbitro deve ter dito se você não viu e eu não vi, então não vai ser o telão que vai apitar. Acontece outra coisa, se ele voltasse atrás todos iriam dizer que a decisão foi baseada em meio eletrônico, algo que a Fifa proíbe. A chiadeira da Argentina seria justa também.

  • Ademir diz: 28 de junho de 2010

    NÃO CONSIGO LER OU OUVIR NA CRÕNICA GAÚCHA NENHUMA PALAVRA MAIS CONTUNDENTE SOBRE A POBREZA DO FUTEBOL DO BRASIL NESTA COPA. É MUITO BAIRRISMO EM DEFESA DO ANÃO.ACHO QUE ESSA É A RAZÃO DO PAULO SANTANA TER FICADO EM PORTO ALEGRE

  • Rogerio diz: 28 de junho de 2010

    Faz quase DOIS anos e ontem eu vi o primeiro cruzamento para gol do Fabio Santos. E em um amistoso-treino. Todos nós gremistas conhecemos o Fabio Santos e sabemos que seria um bom reserva do NEUTON. O F. Santos tem apoio que não dá em nada e não marca nada (lembram da Libertadores e da virada do Kleber do Cruzeiro em cima dele). Não dá para acreditar que se insista com sua titularidade.

  • Thiago diz: 28 de junho de 2010

    Sou amplamente favorável ao uso da tecnologia para dirimir dúvidas em jogos de futebol. Todavia, no gol do inglês Lampard ontem, na hora não houve dúvida sobre a validade ocorrência do gol, exceto para o bandeirinha e para o péssimo árbitro Larrionda. A Fifa não vai ceder, não por motivos de que a polêmica dos erros é combustível do futebol e outro blábláblá inventado, mas evita o auxílio da TV por moitivos políticos.

  • Paulo diz: 28 de junho de 2010

    Tem gente que pensa que repetir mentiras indefinidamente transforma-as em verdade. E convenientemente omite os fatos contrários aos seus interesses. Memória seletiva !

  • Roger O JUIZ ACERTOU!!! diz: 28 de junho de 2010

    Santana, se a bola, ao cruzar a linha do gol assegurava a anotação de gol para a Inglaterra, não se pode esquecer que ela sózinha, por moto próprio, cruzou de volta a linha do gol para o campo de jogo, o que caracteriza um “anti-gol” ou “desgol”. Ora, um “gol” mais um “desgol” caracterizam saldo zero, assim como 1+ (-1)=0. O juiz, portanto, levando em conta esse argumento insofismável, deixou o jogo prosseguir normalmente, pois o saldo líquido do chute do jogador britânico foi nulo.

  • Raphael diz: 28 de junho de 2010

    Caro Sant’ana!
    Voce exagerou ao falar que soh o futebol nao usa os meios eletronicos. Esqueceu-se que o volei (outro grande esporte brasileiro) tambem nao o usa, assim como o basquete, futsal, handebol e muitos outros esportes coletivos.
    Ao exigir que se use tecnologia voce esquece que nem todos os clubes brasileiros teriam dinheiro para arcar com custos eletronicos para exclarecimento dos lances. Acho que nem no paulistao onde os clubes tem mais dinheiro isto seria capaz, imagina no campeonato gaucho onde os times sao muito pobres. Isto falando soh em Brasil (o melhor da america latina), pois qualquer decisao da FIFA eh mundial e teria que abranger TODOS os paises (Africa, oceania, asia, america central,etc…) e isto se tornaria impossivel. Lembre-se que a FIFA tem mais paises filiados a ela do que a propria ONU, e isto se da porque o esporte tem baixissimo custo para ser praticado. Espero que leia isto e leve em consideracao quando falar novamente no assunto.

  • Jorge Cunha diz: 29 de junho de 2010

    Antes de moralizar o futebol a FIFA deve ser moralizada. Depois cada uma das corruptas a cartorialistas federacoes devem ser expurgadas. So assim teremos futebol serio.

  • Alfredo diz: 1 de julho de 2010

    Fala Santana! Nunca pensei que defendesse um ponto de vista desses, sobre o uso da tecnologia no futebol…Como bem escrevestes em oportunidades outras, muito do brilho do futebol se perdeu, e um dos motivos é a burocratização e mercantilização da coisa toda…Se ocorrer uma coisa dessas, pode ter certeza que haverá reflexo inclusive na forma de jogar dos times…Pragmatismo e exatidão em nada acrescem ao espetáculo futebolístico, muito pelo contrário…Abraços Santana, vida longa a PABLO!

  • CHICO GARCIA – O JUIZ ACERTOU !! diz: 1 de julho de 2010

    Santana, se a bola, ao cruzar a linha do gol assegurava a anotação de gol para a Inglaterra, não se pode esquecer que ela sózinha, por moto próprio, cruzou de volta a linha do gol para o campo de jogo, o que caracteriza um “anti-gol” ou “desgol”. Ora, um “gol” mais um “desgol” caracterizam saldo zero, assim como 1+ (-1)=0. O juiz, portanto, levando em conta esse argumento insofismável, deixou o jogo prosseguir normalmente, pois o saldo líquido do chute do jogador britânico foi nulo.

Envie seu Comentário