Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de outubro 2010

O espetáculo tem que continuar

26 de outubro de 2010 10

Gostaria de reproduzir neste espaço o email que recebi do colega e amigo Glênio Reis, que faz referência a minha coluna desta terça-feira:

“Oi, PS.

A cidade está contagiada com a emoção de tua expressão e texto sobre o falecimento de minha esposa.  É impressionante o número de telefonemas e emails de pessoas que quase não via (até do tempo de criança) e não conhecia se manifestando chorando ao telefone.
Pessoas de todas as idades comovidas.
Graças a ti, minha namorada permanece viva, ainda.

GReis”

Aos que não leram o texto publicado em Zero Hora, explico: escrevi sobre um episódio ocorrido no último sábado, cujo personagem principal foi o gigante Glênio Reis,  que me deixou cada vez mais convencido de que a realidade suplanta a ficção.

Por volta das 21h30min, Glênio iniciou o seu programa Sem Fronteiras, na Rádio Gaúcha, da seguinte forma:

“Queridos ouvintes, estou cumprindo um doloroso prazer ao apresentar esse programa: é que faleceu hoje, às 4h, nesta madrugada, minha esposa Anésia Pereira dos Reis, com 82 anos, com quem sou casado há 53 anos. E antes de morrer, desenganada, ela me fez um pedido: o de que eu não faltasse a este programa no dia de sua morte e lhe dedicasse no ar a música As Rosas não falam, na voz de Cartola. E eu vim aqui para apresentar este programa até a meia-noite e fazer esta homenagem à queridinha Anésia, minha comparsa nestes últimos 53 anos”.

Escute aqui o áudio.

Entre outras coisas, este episódio lembra um ditado corrente entre artistas de teatro e shows em todo o mundo: “O espetáculo tem que continuar”. E Glênio Reis continuou. Mais emocionante do que o início de seu programa, foi a forma como ele o encerrou:

“Daqui a pouco, às nove horas da manhã deste domingo, minha mulher estará sendo cremada. E para mim será particularmente chocante e emocionate a cerimônia de cremação, porque exatamente neste domingo das exéquias finais de minha mulher queridinha eu teria de comemorar o meu aniversário. Exatamente neste domingo triste e funéreo de 24 de outubro, eu completo 83 anos de idade”.

Ouça o trecho final do programa Sem Fronteiras de 23/10/2010.

Abaixo, uma foto do casal enamorado.


Internautas condenam decisão de levar motorista à Justiça por atropelamento de galinhas

20 de outubro de 2010 41

Ao garantir que um motorista responda processo na Justiça por ter atropelado duas galinhas, a promotora de Justiça Karina Albuquerque Denicol criou uma polêmica que virou assunto entre os gaúchos. Atento aos temas do cotidiano, o colunista Paulo Sant’Ana mostrou-se favorável à decisão em seu blog.

- Esta ocorrência adverte a todos. Adverte que o motorista não pode atropelar seres vivos, sejam eles quem forem. Serve de alerta para toda a opinião pública: vamos proteger os seres vivos, principalmente o homem. Serve de alerta aos motoristas para que tenham cuidado nas estradas e ruas.

Menos de 11 horas após a publicação do texto, reforçado pelo comentário do cronista na Rádio Gáucha,  85 internautas manifestaram-se sobre o assunto. A maior parte é contrária à decisão de levar o fato para a Justiça – 52 leitores disseram ser contra, 19 a favor e 14 mostraram-se neutros.

Ao comentar contrariamente ao processo judicial, os leitores argumentam que uma manobra para desviar dos animais poderia comprometer a estabilidade do caminhão. Também alegam que o proprietário das galinhas deveria ser punido. “Quem deveria ser denunciado é o dono das galinhas. Por relaxado, ele permitiu que elas andassem soltas na rodovia. Os animais poderiam ter provocado acidentes, com ferimentos e até morte”, escreveu Gerson.

Os favoráveis ao gesto da promotora tratam o caso com uma crueldade contra o ser vivo, a exemplo do leitor Giordani. “Não se trata do fato dos animais serem ‘apenas duas galinhas’, mas do fato de ser uma crueldade contra um ser vivo. Quando se mata um animal do tipo de uma galinha, é para saciar a fome e não por puro divertimento. É a atitude em si que está sendo questionada”, postou no blog.

Veja alguns comentários deixados pelos leitores no blog

Achei a atitude da promotora nobre. Hoje, quando viajamos pelas estradas do Brasil, nos deparamos com inúmeros animais atropelados, sejam eles galinhas, gambás e tartarugas. O homem, com seu sentimento de superioridade, acha que a vida dos animais são irrelevantes. Porém, esse sentimento está tornando o ser humano indiferente com a vida como um todo, seja de um animal “irracional”ou de um animal “racional”.
Alberto

Como é que alguém em sã consciência, mesmo sendo um exímio motorista, tentaria parar ou desviar um caminhão, numa rodovia movimentada, a fim de desviar de duas galinhas? O risco de causar um acidente não seria maior? Onde é que esse país vai parar? Com todo respeito às galinhas, mas não há nada mais importante para se preocupar, não?
Zilli

E os donos destes animais que não os protegem, deixando eles expostos a toda sorte. É muito difícil desviar de um animal pequeno. Eu mesmo já atropelei gato e cão. Para não bater em carros ou pedestres, decidi atropelá-los. A Justiça deveria cuidar dos marginais que estão soltos, das progressões de penas que eu acho um absurdo, da falta de escolas… Não faço apologia a maus tratos, mas tem discussão que não tem fundamento.

Erico Klein

Não se trata do fato dos animais serem “apenas duas galinhas”, mas do fato de ser uma crueldade contra um ser vivo. Quando se mata um animal do tipo de uma galinha, é para saciar a fome e não por puro divertimento. É a atitude em si que está sendo questionada. Se, para o motorista, havia a possibilidade de evitar o atropelamento, e mesmo assim, ele não optou por esta, então o ato foi intencional.
Giordani

Este, com toda a certeza, será mais um dos casos absurdos da Justiça brasileira. Com tanta morosidade, com tanta reclamação dos “operadores” de que a culpa é do “excesso de recursos”, vão utilizar a estrutura combalida do Poder Judiciário para uma questão tão absuda. Certamente, a nobre Promotora preferia que o caminhão tivesse freiado bruscamente, desviado de inopino e, muito provavelmente, tombado na pista provocando um sério acidente de trânsito, a atropelar os galináceos que estavam em local absolutamente inadequado para sua criação.
Mateus

Em sua coluna desta quinta-feira na Zero Hora, Sant’ana voltará a comentar sobre o assunto.

Casos das galinhas: Acho positiva a atitude da promotora

20 de outubro de 2010 198

Quero dizer que estou achando positiva esta ocorrência da promotora de Justiça Karina Albuquerque Denicol. Ela, que viajava de Erechim para São Valentim pela RST-480, testemunhou o atropelamento de duas galinhas por um caminhoneiro. Após ultrapassar a carreta, assistiu pelo retrovisor ao atropelamento das galinhas. Na certeza de que o fato poderia ser evitado, a promotora, que atua na área ambiental, acionou a Brigada Militar.

Esta ocorrência adverte a todos. Adverte que o motorista não pode atropelar seres vivos, sejam eles quem forem. Serve de alerta para toda a opinião pública: vamos proteger os seres vivos, principalmente o homem. Serve de alerta aos motoristas para que tenham cuidado nas estradas e ruas.


Ouça o comentário que fiz no programa Gaúcha Hoje


Você concorda com a decisão da promotora? Opine nos comentários