Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Coquetel de venenos

11 de maio de 2012 3

Ontem escrevi que as campanhas contra o cigarro são bem sucedidas porque as maiorias não fumam e grande parte delas detestam os que fumam, quando não os invejam.
Quero declarar que sou a favor de todas as campanhas contra o fumo, elas visam a preservar a saúde e a vida das pessoas, só um idiota seria contra.

Mas é que, entre todas as propagandas que aterrorizam os fumantes, ontem vi uma finalmente muito eficaz, que chegou a me estremecer.
E vou transcrevê-la para me incorporar à campanha contra o cigarro.

Dizia assim o imenso cartaz na garagem onde ponho o meu carro: “ Ministério da Saúde.
E tem gente que diz que o cigarro não é droga! Contém acetona ( removedor de esmalte).
Contém essência de terebintina ( que dilui tinta a óleo).
Contém formol ( conservante de cadáver).
Contém amônia ( desinfetante para pisos, azulejos e privadas).
Contém naftalina ( eficiente mata-baratas).
Contém fósforo P4/ P6 ( usado como veneno de ratos)”.
Fiquei horrorizado.
Quer dizer então que há quase 40 anos ingiro todos os dias acetona, terebintina, amônia, naftalina e fósforo P4/ P6, venenos terríveis, sem me dar conta desse suicídio.
Vou processar a fábrica do meu cigarro, até agora eu jurava que só nicotina e alcatrão continha o meu abominável vício.
Mas agora vejo que é um caudal de substâncias tóxicas e venenosas.
Tenho aqui um maço de cigarros Charm onde há uma advertência do Ministério da Saúde de que contém arsênico.
Mas o que é isso? Onde é que nós estamos? Será possível que para limpar e conservar o fumo são necessárias todas essas drogas assassinas? Talvez eu só não entenda por que o Ministério da Saúde não tem força para proibir o cigarro.
Proibir o cigarro e liberar o aborto.
Por sinal, no mesmo dia que escrevi o óbvio de que há mais não-fumantes que fumantes no Brasil, foi divulgada uma pesquisa demonstrativa de que há 19,3% de fumantes em nosso país.
Portanto, de cada cinco brasileiros, um apenas fuma.
São quatro não-fumantes orgulhosos do seu carreirismo contra um fumante envergonhado de seu vício.
Eram há pouco tempo três nãofumantes para dois fumantes.
Mas a campanha vigorosa e elogiável contra o cigarro foi encurralando os fumantes e eles resistem em pouco número, na véspera da extinção da espécie.
Quando os fumantes desaparecerem por completo, a humanidade terá menos alma, será mais prática e objetiva, extinguir-se-á a espirituosidade.

Tanto que aqui no prédio principal do Grupo RBS construíram um precário fumódromo com quatro sofás amarfanhados.
Estes dias olhei para a cela privativa dos fumantes e havia nela uma pessoa fumando e três sem fumar, estas últimas tirando lugar dos fumantes.
É que, fugindo um pouco do ambiente de trabalho rotineiro, alguns não-fumantes saem à procura de um bate-papo efêmero e atraente e só vão encontrá-lo no fumódromo.
Ali eles infestam seus pulmões de fumantes passivos com fumaça, mas nutrem seus espíritos de inteligência e imaginação.
Os fumódromos são ilhas de humanidade, de reflexão, de espiritualidade, de fraternidade.
Não há lugar de maior efusão gregária que o fumódromo.
As pessoas que não fumam vivem ilhadas em sua solidão.
Já os fumantes são territórios continentais, são seres osmóticos, penetráveis, de convivência generosa e de agradável proximidade, perdulários de amor e amizade.
No dia que extinguirem por esta caçada impiedosa o último fumante, a humanidade estará muito mais segura, saudável e longeva, mas a Terra será um planeta taciturno, sem a mínima cordialidade.

*Texto publicado em 05/08/2007

Comentários (3)

  • JORGE diz: 11 de maio de 2012

    só o Santana com sua genialidade.
    OBS: sou um não fumante

  • oscar diz: 11 de maio de 2012

    ‘palhaço, idiota!’ kkkkkk

  • Marcos diz: 11 de maio de 2012

    Apoio incondicional à ti meu caro Sant’ Ana! Um Sala de Redação histórico.
    Colocaste aquele canalha no devido lugar.
    Wianey aguarda impaciente na fila.

Envie seu Comentário