Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Artes, Humanidades e o Forum Social Mundial de 2012

10 de fevereiro de 2011 0

Estive nesta terça-feira, dia 8, num jantar no galpão crioulo do Palácio Piratini, em Porto Alegre, cujo tema foi “o papel das artes e das Humanidades no Fórum Social Mundial de 2012”. O evento contou com a presença do Governador, Tarso Genro, e do Secretário de Cultura, Assis Brasil, além do Deputado Flávio Koutzi, que compunham a mesa. Dentre os convidados, dezenas de militantes das artes e Humanidades no Rio Grande do Sul.


Achei a iniciativa altamente meritória, pois, para muito além da agradável surpresa de poder encontrar vários amigos em pleno e escaldante fevereiro porto-alegrense, confere-se por meio dela extraordinária centralidade para a cultura no atual governo, que investe ainda francamente na fundação do diálogo. O Governador estava lá pontualmente na hora marcada para o início do evento e permaneceu durante todo o tempo, até o final, ouvindo as manifestações dos convidados – muitos fizeram uso da palavra. Dentre os convivas, gente de todos os matizes, reafirmando que a cultura será tratada no Governo Tarso acima das questões partidárias, o que me parece louvável e necessário.


Os convidados, em gral, aproveitaram o ensejo para louvar a iniciativa e apresentar demandas para a Cultura, área que vem sendo tratada com notório descuido nos últimos anos. O ponto alto ficou por conta da promessa do Governador Tarso Genro, provocado pelo jornalista Tatata Pimentel, de que a construção do novo teatro da Ospa terá início ainda neste ano de 2011. Chamou também a atenção notícia de revogação pelo Governo de norma que considerava falta escolar quando alunos e professores da rede pública de ensino em Passo Fundo assistissem a sessões das Jornadas Literárias naquela cidade. De fato, tratava-se de diretriz absurda, reveladora da falta de sincronicidade entre Secretaria de Educação e a Secretaria de Cultura, no governo que passou.


Embora relativamente pouco abordado pelos convivas, o tema proposto para o jantar-reunião é da mais alta relevância. A tolerância, o respeito às diversidades e o diálogo entre as culturas precisa estar na base da sociedade que estamos construindo no presente. São questões de grande centralidade para o debate no âmbito do Fórum Social Mundial, para o qual a área da Cultura pode agregar contribuições significativas.


O próprio Governador Tarso Genro chamou a atenção para um aspecto relevante de sua recente visita oficial ao vizinho Uruguai, quando se tratou da adoção do ensino bilíngüe nas escolas sul-rio-grandenses e uruguaias. Muito se fala em integração econômica no Mercosul, mas esta não se realiza com a necessária eficácia sem uma cooperação cultural consistente.


Mas o debate pode ainda avançar sobre muitos outros aspectos. Um tema premente, por exemplo, é o das normas que regem a circulação de obras de arte e bens culturais nos países do Cone Sul e do continente americano. É enorme a burocracia que cerca a circulação de obras de arte e difícil a conquista de isenções aduaneiras.


Outro assunto candente, lembrando com pertinência também pelo Governador, diz respeito diz respeito à circulação relativamente precária da literatura latino-americana contemporânea entre os próprios países da região. Isto é, tirando os autores consagrados do grande boom da literatura latino-americana nos anos 1960, os escritores contemporâneos são relativamente pouco conhecidos do grande público leitor. Esta é uma realidade que precisa sem dúvida ser modificada.


O próprio cinema latino-americano poderia estar muito mais presente nas redes de televisão. Enfim, muitos são os elementos que podem enriquecer este debate. Daqui para frente, novos encontros serão agendados pelo secretário Assis Brasil e, muito provavelmente, grupos de estudos temáticos serão constituídos. É importante é que um governo inicie conferindo centralidade estratégica para a Cultura e abrindo-se para o debate com a comunidade da forma como está acontecendo. Trata-se, sem dúvida, de uma novidade no cenário político gaúcho, que não pode deixar de ser destacada.

Envie seu Comentário