Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O desastre do Enem

30 de outubro de 2011 5

Todo ano, desde que esse blog existe, é a mesma coisa. Posto sempre uma crítica ao Enem, notando que, de novo, não dará certo, e registrando, depois de mais um escândalo, a pletora de argumentos que explicam esse fracasso. Vejam, por exemplo, meu post do dia 21 de novembro de 2009, escrito em parceria com o estimado Prof. Fachel, da Universidade Federal de Pelotas, uma das entidades que mais vem sofrendo com a adoção desta prova.

Em 2011, tinha resolvido ficar na minha. Até porque não estou a fim de pousar de ave agourenta e muitas vezes ficava com a impressão de estar, junto com um punhado de gente, pregando no deserto. Além disso, manter o blog atualizado não tem sido tarefa fácil nos últimos tempos, dado o enorme volume de trabalho que me assoberba. Porém, diante do novo cortejo de vexames, é preciso dizer algo.

Começo recomendando os excelentes artigos publicados na Zero Hora de ontem nas colunas da Rosane de Oliveira e do Luís Augusto Fischer. Quem não leu e sente-se de alguma forma interessado pelo futuro do Brasil e dos jovens, leia-os!

Quando o Enem surgiu, como um exame de aferição da qualidade do ensino médio, foi muito criticado por estudantes, que protestaram, boicotaram-no e consideraram-no uma intervenção. A ideia não era má na origem, mas, ironicamente, depois de ter sido estendida e desvirtuada por mentes delirantes do Ministério da Educação, sendo convertida num substituto uniformizado ao vestibular, os estudantes calaram. É incrível, porque o que se cometeu foi um crime.

Não que o Enem não tenha agregado nada! Acho salutar a oportunidade que se abriu para que os estudantes circulem pelo País. Nesse sentido, estimulou-se a integração da juventude brasileira. Mas a que preço?

O vestibular era uma instituição com tradição, com prestígio, respeitada. Absolutamente republicana, privilegiava o mérito e era blindada ao tráfico deletério de favores políticos. Professores dignos, com uma vida inteira dedicada ao ensino, ano após ano, labutavam na confecção esmerada de uma prova elaborada. E, acreditem, era raro ouvir-se falar de fraudes e de erros crassos. Quando uma questão – umazinha só – precisava ser anulada, era um bafafá! Parava uma cidade! Além disso, a lógica da mera prova de cruzinhas, árida e desestimulante, vinha sendo posta em xeque.

Aí o Lula – cujo governo fez coisas muito boas, ninguém o há de negar – resolve, assim, do nada, acabar com uma instituição séria. Sob o argumento mais do que duvidoso de que o vestibular era uma peneira social. Tipo assim, já que o governo não tem competência para melhorar o ensino médio, vamos acabar com o exame de ingresso nas universidades, pois, aí, faz-se uma boa maquiagem e conta-se para o mundo que a educação funciona no Brasil. E jogou-se fora a criança junto com a água do banho!

Peloamordedeus!

O custo desse retrocesso é brutal. Vejam a conta que o Professor Fischer reproduz em seu artigo: 61 milhões de reais desceram pelo ralo neste último fracasso: jogados fora! E para quê? Para ajudar a corroer o ensino, pois o nível da prova é tão baixo que, mesmo funcionando (e nem isso se consegue!) está desestimulando o investimento honesto na qualidade. O exemplo que o Fischer oferece, sobre a literatura, é lapidar. Por que a garotada vai querer ler o magnífico Graciliano Ramos se não cai na prova? Com 61 milhões, poderíamos estar construindo escolas, estradas, hospitais… Até quando vamos deixar de reconhecer que esta monumental verba pública está sendo mal empregada?

Confiscar de uma geração inteira o direito de saber que o seu País produziu um autor do escol de Graciliano Ramos, que se tivesse publicado em francês ou em inglês seria celebrado como um dos gênios da literatura ocidental, é abastardar uma sociedade. É inculcar na cabeça dos jovens o sentimento de inferioridade em relação às outras nações, é promover deliberadamente a imbecilização coletiva e o enfraquecimento do interesse nacional. Quem ganha com isso? Os brasileiros certamente é que não!

O Enem não vai funcionar. Nunca! Simplesmente porque ofende a lógica, desrespeita a cultura, está na contramão da modernidade. É uma proposta uniformizante, simplificadora e centralizadora que se impõe de cima para baixo, num país federado, pleno de saudáveis diferenças regionais, e numa época em que a chave reside na autonomia e na descentralização. Toda a gestão pública inteligente caminha neste sentido, em qualquer nação democrática. Até mesmo na centralizada e unitária França! O que foi que deu na cachola dessa gente da Capital Federal? Será que vivem numa bolha, fora da realidade, e acham que podem colocar o País de joelhos, porque resolveram usar o orçamento público para promover candidaturas políticas de entremez e porque ambicionam fazer de uma nação de quase 200 milhões de habitantes um laboratório para besteiras cognitivas, para teorias educacionais toscas? Digam-me, quem ganha com isso?

Talvez eu esteja mal informado, mas em apoio ao factoide do Enem ouço se levantarem em geral vozes de burocratas, tecnocratas e politiqueiros. Só! Gente sem experiência, com currículos frágeis e sem consistência intelectual. Os resultados estão aí para todos verem, mais do que evidentes, se repetindo ano após ano: catastróficos!

Lamento pelas palavras amargas num domingo, mas, já que a Presidente Dilma Roussef (que aliás vem fazendo, no meu entender, um bom governo) não ouve a nação, está na hora de todos subirmos o tom. Quem sabe assim avoluma-se um movimento de indignação que sensibilizará minimamente a cúpula do poder?

Assisti pela televisão as manifestações dos estudantes em Santa Mara e em Porto Alegre, contra o Enem e a favor do retorno do vestibular, e quero sublinhar a minha total solidariedade. É uma baita sacanagem o que se está fazendo com a nossa juventude! O pessoal se prepara o ano todo para uma prova que é um lixo e que não funciona! Insistir autoritariamente no Enem deixou de ser apenas teimosa estultice: já se deu um passo bem além, pois o assunto virou caso de polícia, dados a vergonhosa sequencia de fraudes e o evidente desperdício de dinheiro público. O Enem já se tornou um problema social! O povo tem toda a razão em ir para as ruas, reivindicando a restauração da ética e do bom senso.

Comentários (5)

  • Julio Cesar Muniz diz: 31 de outubro de 2011

    Absolutamente republicana, privilegiava o mérito e era blindada ao tráfico deletério de favores políticos.
    A frase acima não está correta, mas omite o fato de que a maioria dos melhor classifdicados no vcestibular tradicional das universidades públicas são oriundos das classes sociais privilegiadas, cujos pais puderam lhes pagar escolas privadas de bom nível, além deles não precisarem trabalhar, apenas estudar. O nosso sistema de vestibular é genuinamente republicano mas não é, absolutamente, democrático, uma vez que o acesso a universidades públicas é pvivilégio de quem é “bem nascido”, deixando aos demais o recurso da universidade privada, paga e nem sempre com bom nível de ensino. Assim como o governo comete seuis erros, o comentarista também os comete e, parece-me, propositadamente deixa de comentar os privilégios das classes mais favorecidas. O sistema de vestibular seria mais justo se a universidade pública só fosse gratuita para quem não tivesse condições de pagar mensalidade.

  • Fábio Catani diz: 2 de novembro de 2011

    Sou professor de História na rede privada de ensino e deixo a seguinte pergunta: Será o ENEM um verdadeiro instrumento para qualificar a educação do país? Será que nossos filhos não precisam, mesmo, conhecer os conteúdos abaixo?
    Percebam que somente estou citando os itens de História Geral que não foram abordados na última prova do ENEM:
    Civilizações da Antiguidade Oriental (Egito, Mesopotâmia, China, Índia, Hebreus, Persas e Fenícios);
    Grécia Antiga;
    Roma Antiga;
    Idade Média Ocidental, incluindo Feudalismo e Baixa Idade Média;
    Idade Média Oriental (civilização árabe e bizantina)
    Estados Nacionais Absolutistas;
    Reforma Protestante e Contra-Reforma (jesuítas, Inquisição, Index, Concílio de Trento);
    Revolução Científica (Locke, Newton, Descartes, etc);
    Revoluções Burguesas (Puritana e Gloriosa – Inglaterra – , Independência dos EUA, Revolução Francesa, Período Napoleônico);
    Revolução Industrial;
    Teorias do Século XIX (Liberalismo, Positivismo, Darwinismo Social, Socialismos);
    Estados Unidos no século XIX (Doutrina Monroe, conquista do Oeste, Guerra Civil Americana, Big Stick);
    Independências da América Latina e construção das nações no continente;
    Revolução Mexicana;
    Unificações tardias (Itália e Alemanha);
    Fordismo/Taylorismo;
    Imperialismo e Neocolonialismo;
    Primeira Guerra Mundial, Tratados de Paz e formação de países no Leste Europeu;
    Formação histórica do Oriente Médio e construções religiosas;
    Entre Guerras (Revolução Russa, Crise de 29, Nazismo, Guerra Civil Espanhola, Militarização Japonesa)
    Segunda Guerra Mundial;
    Tratados de Paz e criação da ONU;
    Guerra Fria, Descolonização Afro-asiática, Revolução Chinesa, Revolução Cubana;
    Populismo na América Latina;
    Ditaduras militares do Cone-Sul;
    América Latina Contemporânea;
    Colapso da União Soviética;
    Europa Contemporânea.

  • Ian diz: 2 de novembro de 2011

    (O sistema de vestibular seria mais justo se a universidade pública só fosse gratuita para quem não tivesse condições de pagar mensalidade.)

    Sábias e Belas palavras, esta frase acima, ressalta toda a verdade à respeito do que era o “Antigo vestibular”, que diga-se de passagem foge a lógica da razoabilidade.
    Vamos exemplificar:
    Um estudante de escola particular , de alta classe social, estuda nas melhores escolas e faz cursinhos caros para entrar em uma instituição FEDERAL, ISSO È MUITO ERRADO… se as escolas públicas existem para permitir quem não pode pagar estudar, por que que isso não ocorre também com as universidades?…. Fica muito fácil para um “Filhinho de papai” sair julgando assim um processo seletivo do porte do ENEM. O mesmo tem suas falhas sim, que por sinal são grandes falhas, mas isso é fruto da má administração que desde 2009 vêem causando transtornos, agora questionar a capacidade de seleção do enem é algo egocéntrico. Mas como dito antes, é fácil para um Privilegiado de classe falar desta forma… um pouco de conhecimento do que é a realidade melhoraria às suas concepções

    RELATIVISMOOOOOOO PLIS…

  • Matheus diz: 2 de novembro de 2011

    Afirmar que o ENEM é um processo seltivo que democratiza o acesso ao ensino é ridículo! Os alunos da rede privada continuam sendo privilegiados e sempre serão enquanto as verbas voltadas para o sistema público continuarem sendo desviadas para realização de uma prova como o ENEM, ao invés de serem investidas em melhorias reais na educação do país ( aumento de salário de professores, construção de escolas, etc. ). Quem acredita que o ENEM é solução para os problemas educacionais do Brasil não vive a realidade das faculdades que adotaram o exame. As universidades federais estão tomadas de alunos da região centro-sul, os quais tem acesso às melhores instituições PRIVADAS de ensino médio!! O ENEM realmente abriu a oportunidade para os estudantes se espalharem pelo país, mas continua sendo uma forma elitista de seleção.. pois, diga-me, que aluno oriundo de família pobre tem condições de ir viver longe de sua família, em uma outra cidade? O ENEM serve apenas para tirar o verdadeiro foco do problema educacional do país: A falta de investimentos na rede pública de ensino por parte do governo, e não só do governo petista, mas desde SEMPRE!!

    PAREM DE FAZER OS ESTUDANTES DE PALHAÇOS!!

  • Voltaire Schilling diz: 4 de novembro de 2011

    Gunter.
    Em primeiro lugar destaco a enorme arrogância da burocracia do MEC em enfeixar o destino de milhões de vidas jovens em suas mãos. Que onipotência! Nem no momento mais duro da ditadura, os burocratas brasilienses ousaram tal prática stalinista ( alias, soube que o ministro é egresso de uma daquelas seitas stalinistas, com defesa de tese muito afinada com o ideário do camarado Joseph).
    Em segundo lugar, chamo a atenção para o fruto eleitoral do ENEM. São cinco milhões de votos para o partido oficial. Mesmo não sendo aprovado, o enemista se sente gratificado em fazer tal prova não precisando sair da sua cidadezinha. É um número que não se pode desprezar.
    Em terceiro lugar, e, talvez, o mais altamente devastador é o desprezo ao conteúdo. No jargão do marxismo pedagógico tupinambá, o professor que passa conteúdo é uma ‘conteudista’, um miserável de um burguês, porque matéria com conteúdo é coisa das ‘elite’. Não é somente a literatura a prejudicada. Os temas regionais igualmente são ignorados, voltando-se à pratica do Estado Novo durante o qual, em nome da integração nacional, as histórias e características econômico-sociais dos estados foram suprimidas.
    Saudações !

Envie seu Comentário