Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de maio 2011

Gre-Nal dos Farrapos

06 de maio de 2011 7

Esta é a criativa chamada que foi bolada pelo Cleber Grabauska para falar da transmissão da Rádio Gaúcha no domingo, data do Gre- Nal e Dia das Mães. Até minha mãe, Lenita, foi convocada para gravar a chamada. Sei que sou suspeito, mas achei muito legal.
Gre-Nal dos Farrapos estabelece a forma como Grêmio e Inter chegam a ele. Estropiados por perdas valiosas na Libertadores. Ambos eliminados. O cafezinho vira banquete. É o que sobrou. Mas não é pouco, gente. Nosso clássico tem a tradição de sempre, as certezas e dúvidas que sobram dele, e a eterna rivalidade. Não me venham com esta de que ganhar Gauchão é pouco. Não é, mesmo porque este ano pode ser o único título.

Equipes
Tudo o que não se pode falar ou escrever é sobre a montagem dos dois times. Normalmente, quando um time perde um jogo ou uma classificação, muita coisa muda. Em nomes e esquema.
Neste caso, fica difícil fazer qualquer avaliação sobre o que os treinadores têm na cabeça. Certamente vão levar a definição até o horário da partida, na busca de surpreender o oponente. Isto nem sempre resolve mas é sempre uma
estratégia usada. Principalmente quando estão esfarrapados.

Decadência
Felipão e Ronaldinho fazem parte da nossa geografia recente do futebol. Conseguiram coisas fantásticas, ganharam o mundo e enriqueceram.
Mas, neste momento, dá pena ver o trabalho destes dois profissionais. Ronaldinho tropeça na bola e não contribui em nada para o Flamengo. A torcida já se deu conta e o vaia intensamente. Felipão não consegue nada com o Palmeiras e, para culminar, levou uma das piores goleadas da história deste grande clube: 6 a 0 para o Coritiba.
Acho que está na hora de os dois saírem da cena. Ricos, podem se aposentar e aproveitar suas fortunas e não estragar a imagem maravilhosa que deixaram.

Você sabia?
● Que Rafael Sobis deve deixar o Internacional quando seu contrato acabar, depois do Gauchão?
● Que o goleiro Renan é outro que não deve permanecer, por custar caro?
● Que o Grêmio deve dispensar uma dezena de jogadores tão logo termine o Gauchão?
● Que a fotografia dos times da dupla Gre- Nal será muito diferente no segundo semestre?

Reavaliações

06 de maio de 2011 21

Quatro clubes brasileiros foram eliminados numa mesma noite, um vexame completo. Pior é saber que o dinheiro gasto por estes clubes é amazonicamente maior do que seus modestos adversários. Só para dar uma ideia: por todo o campeonato uruguaio, a tevê daquele país paga cerca de R$ 6 milhões – 30% do que paga o Gauchão. Sem falar no Brasileirão, que deve render perto de R$ 1 bilhão.
Além disso, tem patrocínios milionários, e são montados times muito ruins. Vale para todos: gastam fortunas para produzirem pouco. Vejam o caso do Inter: um grupo milionário e é eliminado por Mazembe e Peñarol.
Está na hora do futebol brasileiro reavaliar.

Mudanças
Quando o Peñarol, a cinco minutos do segundo tempo, marcou seu segundo gol, Falcão só tinha uma atitude a tomar:
colocar Rafael Sobis e Cavenaghi. Iria para o 4-3-3, para o tudo ou nada, mas com boas chances de reverter a tragédia que se aproximava.
Inventou Ricardo Goulart e Tinga. O primeiro nunca tinha jogado com os titulares, o segundo é volante, posição desnecessária para quem precisa fazer dois gols. Assim, pouco atacou e não marcou gol nenhum.

Reforços
O Grêmio precisa de seis reforços. É o que se diz dentro do Olímpico.
Mas pode aproveitar para dispensar um bom número de jogadores que não dão nenhuma resposta. A imortalidade não vai a lugar nenhum sem bons jogadores. O time deste ano é mais fraco do que o do ano passado. Mesmo que, eventualmente, não concorde com decisões de Renato Portaluppi, não dá para responsabilizá-lo por estes fracassos. A
direção é muito mais culpada.

Você sabia?
● Que Grêmio e Internacional vão fazer grandes mudanças depois dos Gre-Nais do Gauchão?
● Que a decisão do Gaúcho se dá como a da Libertadores, com gol na casa do adversário contando como critério para o
desempate?
● Que quem quer pão vai na padaria, quem quer carne vai no açougue e quem quer gol escala atacantes?
● Que Falcão repetiu o esquema de seu antecessor Celso Roth e morreu na praia?

Terror

05 de maio de 2011 13

A noite de ontem até parecia que teria um final feliz. O gol de Oscar, a menos de um minuto de jogo, fez a torcida sonhar com uma goleada. Mas terminou como um filme de terror. Na volta do segundo tempo, o Peñarol conseguiu virar a pártida em cinco minutos, com o primeiro gol marcado aos 15 segundos. Depois foi só sofrimentos para a torcida. O Inter só tocava a bola de lado, sem ameaçar o gol uruguaio. E quando o fez, já tarde demais, parou nas mãos de Sosa. Além disso, o técnico Paulo Roberto Falcão não soube reverter a desvantagem. E o treinador errou duas vezes, primeiro ao entrar com apenas Damião no ataque e sem aproximação – nenhuma bola chegou nele. Depois, ao inventar nas substituições. Transformando o esquema num 4-3-3, mas sem colocar Sobis ou Cavenaghi. Fica uma pergunta: e agora, Falcão?


Tragédia


Não deu nem Gre nem Nal. A Dupla, que começou o mês com possibilidade de se enfrentar em dois históricos superclássicos pela Libertadores, terminou a noite tendo apenas o Campeonato Gaúcho para salvar o semestre. Obviamente, a um dos dois só restará lamentar porque apenas um poderá ser campeão. Há muito o que ser revisto, em termos de planejamento, de contratações, até de escalação das esquipes. Uma noite lamentável. Que fiquem as lições da queda.


Desistência


Acabaram as resistências do Clube dos 13 em relação ao contrato da Globo com os clubes de futebol do Brasil.

Fábio Koff deve ter se dado conta de que os clubes, por seus dirigentes, têm o direito de decidir aquilo que acham melhor para eles. São muitas as razões que levam os clubes a ter parceria continuada com a Globo. Primeiro porque o negócio da Globo é comunicação. A Record tem negócios principais em igrejas, e busca na comunicação mais fiéis. Outros, como a Rede TV, não têm cacife para sustentar negócios desta monta. Nenhum presidente de clube vai querer perder R$ 50 milhões por ano ou mais. A Globo tem sido, ao longo dos anos, uma parceira confiável, que paga até adiantado e valoriza o produto. Por que trocar?


Você sabia?

- Que o novo contrato com a Globo tem validade para os anos de 2012 e 2013?
- Que o Inter deve anunciar na próxima semana seus parceiros para a conclusão das obras no Beira-Rio?
- Que, de todos os estádios brasileiros, o Gigante é o que está mais adiantado nas suas obras?
- Que a Arena do Grêmio já tem cerca de 20% dos trabalhos concluídos?


Perigos uruguaios

04 de maio de 2011 13

Não tenho duvidas que o time do Inter é melhor que o do Peñarol. O perigo é inerente ao futebol, principalmente quando o adversário é uruguaio. Mesmo sem grande técnica, eles conseguem se multiplicar em campo pela vontade, pela capacidade de luta.
Cabe ao Internacional impor seu ritmo de jogo. Fazer valer o fator local e ir para cima do adversário. Bolatti volta, o que garante a presença do primeiro volante. Guiñazu fica ao seu lado, indo Tinga para o banco.
Só o que não me agrada é que o treinador, pelas informações, vai, mais uma vez, ter um único atacante. Num time em que os meias não entram na área, e, quando entram, não sabem concluir, isto significa perda de força ofensiva.
Com esta escalação, o Colorado tem posse de bola e espera por um lampejo de Leandro Damião.

Heróis
Mais do que jogadores, os atletas do Grêmio precisam vestir a carapuça de heróis. Tudo está desfavorável.
Mas, neste momentos, a história do futebol registra grandes atos heroicos e vitórias inesquecíveis. Este é o caminho que resta para os gremistas. Isto é que Renato tem que privilegiar na sua preleção, como força de dar aos jogadores uma motivação diferenciada.
Os heróis precisam aparecer na cordilheira, mas que ninguém se iluda: as chances do Grêmio são pequenas.

Fúria
Depois de um Gre-Nal, a fúria de alguns torcedores chama a atenção. As redes sociais dão lugar a manifestações agressivas, desrespeitosas. Todos indicam que os cronistas não torcem para seu time, mas para o adversário.
Atrás do pensamento de cada torcedor raivoso está a certeza de que os cronistas não opinam, torcem. Os recados que recebo com alto grau de falta de educação, acabo deletando. Quando as pessoas são razoáveis, procuro responder, mas se forma um clima de agressividade que deve fazer mal a quem cultiva tanto ódio.

Você sabia?
* Que Francisco Novelletto Neto não se conforma com o vinho que Roberto Siegmann lhe mandou como pedido de desculpas?
* Que o Grêmio deve contratar seis reforços para o Brasileirão?
* Que Giovanni Luigi deve entrar em cena contra a baixaria de deixar um vestiário sem água?
* Que as relações no futebol, dos dois lados, precisam melhorar para que possamos nos declarar civilizados?

Heroísmo

03 de maio de 2011 11

O que deve estar passando na cabeça do treinador Renato Portaluppi?
Ele tem um resultado negativo, jogo na casa do adversário, necessidade de fazer dois gols de diferença e muitos jogadores no departamento médico.
Será que vai dormir esta noite depois da viagem até Santiago? Ele sequer tem condições numéricas para escalar um time e preencher o banco de reservas.
Mas esta é a hora do treinador, do líder, do gestor de pessoas. Certamente, Renato vai tentar fazer deste limão uma gostosa limonada. Não será fácil, mas pode ter um discurso do tipo: “Vamos fazer história. Vamos ganhar, atingir esta classificação e voltar como heróis a Porto Alegre”.
Só atos de heroísmo podem salvar o Grêmio, que joga uma decisão, a partida do ano, com um time misto.

Atacantes
Se Falcão tem no grupo três atacantes de primeira linha, não há porque não escalar dois deles.
Celso Roth tornou o Inter estéril com um meio-campo de cinco jogadores e nenhum que chega perto do centroavante. Falcão repetiu no Gre-Nal, que estava muito fácil para o Internacional até a expulsão de Guiñazu. Tivesse dois atacantes e, provavelmente, teria um resultado muito melhor.
Sobis não vem bem, mas é atacante. É do lugar e, ali, faz gols. Vale o mesmo para Cavenaghi.

Ronaldinho
O Flamengo é campeão carioca, e Ronaldinho é um fracasso. Sua participação no título e na produção do time treinado por Vanderlei Luxemburgo é quase nula. O entusiasmo que tomou conta da torcida na sua contratação já não existe mais.
Os torcedores já tem novos heróis. Entre eles está Thiago Neves. Tem menos nome do que Ronaldinho, mas apresenta muito mais futebol. Sua produção colaborou muito para o título do Fla.

Você sabia?
* Que Luiz Felipe Scolari perdeu novamente e culpou o árbitro?
* Que Felipão, quando ganha, acha que é com ele, e quando perde, sempre acha um culpado?
* Que agora a briga em São Paulo fica com Tite e Muricy?
* Que o Cruzeiro renovou o contrato do lateral Tinga?

Destempero

02 de maio de 2011 59

Que pena que Siegmann perdeu a cabeça.
Não fosse isso e teríamos um Gre-Nal de alto nível. Pior é que o dirigente colorado perdeu a cabeça sem razão objetiva. A expulsão de Guiñazu é correta. Aliás, este jogador poderia ser expulso outras tantas vezes. Ele apela para o carrinho em todos os jogos. Melhor seria Siegmann falar com o jogador e dizer a ele que sua atitude comprometeu o desempenho do time. Carrinhos no meio-campo servem só para receber cartões. Eles não impedem nada do adversário.
Quanto ao local dos pênaltis, o árbitro foi corretíssimo. Colocou no local mais neutro. Do outro lado, só tinha torcida do Inter. Onde ele marcou, habitavam gremistas e colorados.
O destempero pode vir mas, convenhamos, os motivos têm que ser mais fortes.

Esquemas
Renato tem sérios problemas de escalação para administrar. Por isso, ele ensaiou uma retranca, com três zagueiros e três volantes.
Isto nunca dá certo. O outro time invade o campo do retrancado. Foi o que aconteceu. Mas, logo em seguida, botou Leandro, e o equilíbrio tático aconteceu.
Depois da expulsão de Guiñazu, o Grêmio foi pra cima e só não ganhou porque precisaria de mais alguns minutos para marcar mais um gol.

Estruturas
O Inter foi bem escalado por Falcão.
O maior problema do time colorado não esteve no treinador, nem no time nem na torcida. Foi a expulsão de Guiñazu, que beirou a irresponsabilidade. Pena que Siegmann não tenha se dado conta disso, e procurou explicar os problemas do seu time pelos outros.
O torcedor cometeu erro grave ao aplaudir um jogador expulso sem necessiade. A estrutura do time estava sólida e tudo ia bem até a expulsão. Aí, virou o jogo e o Grêmio quase ganhou um jogo que esteve, o tempo todo, à feição do Internacional.

Você sabia?
* Que o jogador Borges pode ser o segundo jogador a ser demitido pela direção do Grêmio?
* Que na cobrança do pênalti, o atacante foi ridículo e jogou a bola perto do Gigantinho?
* Que o volante Guiñazu representou, ontem, para o Internacional, o que Borges foi para o Grêmio contra o Universidad Católica?