Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Rotina de resultados ruins do Inter preocupa

01 de agosto de 2014 25

Quando o Inter teve aquela péssima atuação contra o Bahia, lá na Fonte Nova, imaginei que era um episódio isolado. Todos os times têm uma queda. Só que na quarta feira, contra o Ceará, o desastre se repetiu. E, desta vez, com preocupante derrota.

O time voltou a jogar muito mal, de forma irreconhecível. É hora de Abel Braga avaliar o que está acontecendo. Quando um ou dois jogadores vão mal, o problema é deles. Mas quando o time todo vai mal, o responsável é o treinador. Ele deve se dar conta de que Cláudio Wink deve ser titular. Que Juan está encontrando sérios problemas para marcar jogadores de velocidade, além de apresentar grande lentidão na condução de bola. Que o meio-campo não pode ter Alan Patrick num lado e D’Alessandro do outro. O time perde suas competências. Que Rafael Moura precisa receber lançamentos em boas condições de conclusão, senão ele não joga.

É tão preocupante o momento colorado que toda direção foi ver o treino na tarde de ontem e, certamente, fez as necessárias cobranças. Esta rotina de dois jogos não pode ir adiante.

Mudanças

André Jardine, o treinador interino do Grêmio, faz mudanças importantes no time para enfrentar o Vitória, amanhã à noite, no Barradão. Sai Saimon e entra Breno. Eu preferiria que ele escalasse Zé Roberto. No meio, entra Edinho no lugar de Ramiro. Acho ótimo. Edinho dá mais consistência defensiva. Por fim, ele retira do time Fernandinho e recoloca Dudu como titular. Faz muito bem. Dudu vinha muito bem, e Fernandinho ainda não tem a sua melhor condição física. São alterações importantes, que podem dar melhor desempenho ao time. Pergunta: por que Luiz Felipe não assume o time já neste jogo?

Discurso

Tadeu Vilani/Agência RBS

Tadeu Vilani/Agência RBS

Dias atrás, o discurso do presidente colorado Giovani Luigi é de que não venderia Aránguiz. Ontem, mudou. Sua afirmação recente indica que é difícil segurar um jogador por propostas muito boas. A informação que se tem é de que o Sevilla estaria oferecendo 14 milhões de euros, ou 42 milhões de reais.

A declaração de Luigi diz ainda que a venda do jogador se dá entre um acordo do clube com o investidor. Tudo indica que existe a grande proposta, e que o jogador será vendido. O que mais interessa saber, agora, é se ele será entregue em seguida ou em dezembro. Aránguiz tem sido fundamental porque é ele que dá velocidade a um time cheio de jogadores lentos. Se sair, fará muita falta.

Demais

É impressionante o efeito Felipão. Na quarta-feira, foram 7.300 torcedores recebê-lo na Arena, uma prova de que o torcedor vê no treinador uma espécie de Messias, alguém que vai devolver ao clube os títulos que faltam desde 2001.

Mas o efeito ainda se escancara na associação de torcedores. Segundo informações, o movimento social cresceu cinco vezes com a chegada do ídolo da torcida. Só falta agora a confirmação de um time vitorioso como foi na década de 90 nas mãos de Felipão.

De menos

A grosseira dos torcedores brasileiros é lamentável. No clássico entre Palmeiras e Corinthians, muitas cadeiras do Itaquerão foram quebradas. O Palmeiras vai ter que indenizar o Corinthians. Isto já aconteceu na Arena e imagino – tomara que esteja errado – se repetirá no Gre-Nal do dia 10 no Beira-Rio. Não consigo entender qual o tesão que estes torcedores têm em promover quebradeiras, ainda mais sabendo que o prejuízo será pago pelo seu próprio clube.

Felipão teve chegada triunfal

31 de julho de 2014 52
Félix Zucco/Agencia RBS

Félix Zucco/Agencia RBS

Luiz Felipe Scolari desembarcou em Porto Alegre e foi recebido com enorme entusiasmo pela torcida do Grêmio. Depois de 13 anos sem levantar um caneco importante, ou há quatro anos sem sequer ganhar um Gauchão, o torcedor gremista passa a encarar o retorno de Felipão como a certeza de que tudo vai mudar. Cerca de 7,3 mil torcedores estiveram na Arena para saudar o novo treinador. Nenhum profissional consegue nada perto disso. O passado de Felipão e a ausência de títulos, juntos, encaminham o torcedor para esta apoteose. As redes sociais são invadidas com o otimismo.

Nem sempre retornar ao passado dá certo. Felipão chega para o Grêmio depois de uma desastrada participação numa Copa do Mundo. O Grêmio precisa dele e ele precisa do Grêmio. São interesses que não conflitam. Porto Alegre passa a ter dois campeões do mundo: Abel Braga, campeão mundial Fifa pelo Inter e Luiz Felipe, campeão mundial de seleções pelo Brasil. Eles valorizam muito o futebol gaúcho. Torço pelo sucesso de ambos e pela grandeza do nosso futebol.

Segunda-feira

O que me incomoda neste retorno de Luiz felipe Scolari é a razão de ele iniciar seu trabalho somente na segunda feira. Ontem, só assistiu o treino comandado por André Jardine. Acho que ele deveria ter começado, oficialmente, seu trabalho na tarde de ontem. Imagine que o Grêmio perca o jogo para o Vitória, lá no Barradão, e o Cruzeiro ganhe do Botafogo, no sábado. A distância do líder do Brasileirão para o Grêmio seria de 12 pontos. A chance de ganhar o campeonato seria muito tênue. Sobraria a Copa do Brasil. Se foi contratado, por que não começa logo a trabalhar?

Ronaldinho Gaúcho

O craque se despediu do galo mineiro. Ninguém sabe para onde vai, como será a sua continuidade profissional. Nos últimos tempos não jogou nada e foi retirado de campo, com justiça, pelo técnico Levir Culpi. Quando saiu de campo na decisão da Recopa foi aplaudido de pé pela torcida que lotava o Mineirão. Os torcedores do Atlético são muito agradecidos a Ronaldinho. Com ele, o time chegou ao título inédito da Copa Libertadores da América e, depois, a Recopa Sul-Americana. Desta vez, ronaldinho conseguiu sair de um clube sem estar atritado com todos.

Demais

D’Alessandro completou ontem seis anos no Inter. Hoje, isso não é comum. A Lei Pelé fez aumentar a rotatividade dos jogadores que não ficam mais muito tempo nos seus clubes. D’Ale conseguiu ficar em Porto Alegre durante esse período. Teve proposta da China, que foi coberta pelo clube. Seu desempenho, na maior parte dos jogos, é importante para as vitórias coloradas. Seu relacionamento com a torcida é notável. D’Alessandro é o maior jogador colorado destes tempos recentes.

De menos

O blogueiro Ricardo Perrone fez duras criticas a três treinadores que recém voltaram ao futebol em cargos importantes. Ele entende que a volta de Felipão ao Grêmio é um fato que marca um grande retrocesso. Vale o mesmo para Vanderlei Luxemburgo, que ele entende estar ultrapassado. E fala ainda de Dunga, que segundo seus defensores, ganhou muito esquecendo que não teve sucesso na Copa do Mundo, como se esta fosse uma competição normal. Sobre Felipão, dá para acrescentar que muitos jornalistas brasileiros entendem que ele precisaria fazer uma reciclagem e dar uma parada mais longa.

Koff e Felipão, relação de pai e filho

30 de julho de 2014 29
 LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

Fábio Koff é como um pai para Felipão. E este é como um filho para Koff. Foi o presidente que saiu do Grêmio com a frase “enquanto eu estiver aqui, o Felipão não sai”. Eram momentos de afirmação do então jovem treinador. A torcida queria sua cabeça, o que foi negado pelo presidente e suas convicções. Dali em diante, foram momentos memoráveis do clube, com grandes conquistas. Felipão só não foi maior do que Valdir Espinosa porque este foi campeão do mundo. Felipão não conseguiu. Mas deixou saudades.

Neste momento, é o Grêmio que precisa se afirmar. O mercado oferece poucas soluções. Era a vez de Luiz Felipe Scolari. Koff conseguiu convencê-lo de que era importante voltar ao time que lhe deve gratidão. Os torcedores, na grande maioria, estão felizes. A Arena vai lotar na manhã detsa quarta-feira. O aeroporto também. Felipão tem uma longa história de sucessos no Grêmio. Menos de 30 dias depois do maior vexame da história do futebol mundial, ele volta. Volta pelo seu brilhante passado no próprio Grêmio. Pena que não estreia no sábado.

Copa do Brasil
Dificilmente, Felipão conseguirá reverter a situação no Campeonato Brasileiro e conseguir o título. O Cruzeiro já livra nove pontos. Não é definitivo, mas complicado. Resta a Copa do Brasil, talvez uma das maiores especialidades do treinador gremista. Há 13 anos o Grêmio não festeja um grande título. É nisto que imagino estarem focando os torcedores. Será que estará de volta aquele Felipão que fazia o time jogar, que era bravo na casamata? Na Copa do Mundo, não foi que se viu. Só que o ambiente que espera pelo treinador é tão positivo que pode ser um grande aliado para seu trabalho.

Copa do Brasil II
O Inter joga nesta quarta-feira contra o Ceará. Não dá para levar livre o adversário, já que o time é líder da Série B do Brasileirão. Não é pouco e, em casa, é preciso ganhar. Se der, fazer escore para decidir na casa do Ceará. Abel promove o retorno de Gilberto na lateral direita, na ausência de Welington Silva. No meio, sem poder contar com Welington, Abelão aposta no jovem Cláudio Wink. Acho que são boas escolhas. Todo o cuidado é pouco em jogos da Copa do Brasil. O sistema mata-mata é muito traiçoeiro. Tem de encarar como uma decisão.

Demais
 Impressionante a euforia dos gremistas com o retorno de Luiz felipe Scolari. Menos de um mês depois do fracasso na Copa do Mundo, ele está de volta ao clube do seu coração. E vai receber o carinho especial dos torcedores. Felipão receberá um ambiente todo positivo para tentar levar o Grêmio a um título importante ainda nesse ano. Imagino que esta quarta-feira terá uma manhã diferente. Aeroporto lotado, milhares de pessoas na sua apresentação na Arena. Fábio Koff deu o grande lance. Agora, é torcer para dar certo.

De menos
 O Inter foi denunciado pelo procurador do STJD pela agressão ao lateral André Santos por torcedores do Flamengo depois que o time carioca levou uma goleada no Beira Rio. Acho que o procurador agiu bem, denunciando os dois times. Mas tenho convicção de que o Inter não sofrerá a punição, porque o jogador não saiu junto com seus companheiros e a segurança do estádio não estava posicionada para fazer a proteção. De qualquer forma, é um incômodo para a direção colorada.

Não há profissionais de primeira linha à disposição do Grêmio

29 de julho de 2014 25
Bruno Alencastro/Agência RBS

Bruno Alencastro/Agência RBS

Se estava ruim com Enderson Moreira, agora parece estar muito mais. Os profissionais de primeira linha pretendidos pelo Grêmio não querem trabalhar neste momento. Tite manda dizer, por seu empresário Gilmar Veloz, que não trabalha até outubro. Felipão, depois do seu grande desastre profissional, não quer se apresentar para nada.

Teria ainda Celso Roth, mas este tem dúvida de gratidão com o presidente do Coritiba, que o segurou depois de repetidas derrotas. O que sobra? Pouco. Tem Dorival Junior, Paulo Autuori, Ney Franco, Gilmar Dal Pozzo, Adilson Batista, Arce, Roger Machado ou algum estrangeiro, que demoraria muito até conhecer, minimamente, o grupo de jogadores do Grêmio, seus adversários e a cultura de um campeonato importante e difícil como é o Brasileirão.

Como dizia minha avó, a direção gremista se meteu num mato sem cachorro. Já tem dirigente entendendo que o melhor seria ter ficado com o treinador antigo.

Treinadores

Todos sabem que Fabio Koff é o dirigente mais vitorioso da história do Grêmio. No entanto, na atual gestão, os números são comprometedores. São 20 meses de gestão e estamos indo para o quarto treinador. Uma média de apenas cinco meses para cada profissional.

São dois campeonatos gaúchos perdidos, duas participações em Libertadores e não conseguiu superar a fase de oitavas de final. Nenhum Gre-Nal vencido a ainda tem contra si a goleada de 4 a 1. A torcida, que lhe deu uma vitória expressiva nas urnas contra Paulo Odone, esperava muito mais do velho dirigente. Mas como Koff é raposa e conhece os caminhos, ainda se pode esperar muita coisa dele.

Qualidade

Numa disputa envolvendo Inter e Ceará, será muito lógico entender o favoritismo colorado. Mas duas questões precisam ser examinadas com algum cuidado. A primeira se relaciona ao mau futebol apresentado contra o Bahia.

Não pode repetir aquele horror. A outra está no adversário, que é da segunda divisão, mas está na liderança. Sem Aránguiz, o time colorado joga numa preocupante lentidão. E na Copa do Brasil, quem está em casa, precisa ganhar e fazer escore.

Demais

Ver o Cruzeiro jogar é muito bom. Um time com velocidade, matéria-prima essencial no futebol moderno, com execução pronta dos tabelamentos, quase todos envolventes.

Os brasileiros já sabem quem é o grande favorito para o campeonato. Se nada acontecer de muito extraordinário, dá para apostar todas as fichas na Raposa Mineira.

De menos

O Rio de Janeiro continua lindo. Suas praias, montanhas, mulheres. A Cidade Maravilhosa. Mas o futebol…

O Vasco consegue ir muito mal na segunda divisão. O Flamengo aposta em Vanderlei Luxemburgo para escapar do rebaixamento. O Botafogo não tem dinheiro para nada e está com cinco meses de salários atrasados. Só resta, como grande exceção, o Fluminense, graças a um patrocínio milionário que conseguiu.

Derrota inesperada para o Tricolor

28 de julho de 2014 26

Era a estreia de Fernandinho, um jogador de qualidade, comprado por muito dinheiro. O adversário na zona de rebaixamento e com uma vitória em 11 jogos. Imaginava-se uma vitória, mas veio a inesperada derrota. Seria só problema de treinador? Os dirigentes indicam que o clube tem um grande grupo. Muito discutível esta afirmação. Falta um treinador que defina time, mas alguns jogadores não conseguem dar boas respostas.
No fim da noite, confirmou-se a saída do técnico.

Cruzeiro sobra
O time mineiro continua arrebentando. Ganha em casa e fora. Não tem lugar, não tem ambiente. O Cruzeiro consegue superar tudo e todos. Suas jogadas são em toques certeiros e acrescidos de uma velocidade que nenhum outro time consegue. A cada rodada fortalece a ideia de que vai ganhar o Brasileirão.

Três pontos na Bahia
O futebol do Inter não viajou para a Bahia. Time irreconhecível. Até o treinador Abel Braga admitiu que o futebol apresentado foi muito ruim. O pobre Bahia acabou sendo derrotado por um frangaço do seu goleiro.
Valeu pelos três pontos, mas Abel Braga precisa resolver a lentidão exagerada do time, principalmente quando a jogada começa com os zagueiros. Rafael Moura foi uma ilha no meio de zagueiros do Bahia.

É demais!
Finalmente, o torcedor do Grêmio conseguiu sorrir com a efetividade de seu centroavante. Ainda é muito pouco. Barcos marca gols e depois some do placar. Mas ontem ele marcou dois belos gols, mostrando, finalmente, a capacidade que o Grêmio imagina que ele possa ter e por isso investiu uma fortuna.

É de menos!
Jogadores do Botafogo inovaram no protesto. Contra o Flamengo, entraram em campo com uma faixa que dizia: “Jogamos por profissionalismo e por vocês”. Referiam-se aos torcedores.
Uma forma marcante de contar a irresponsabilidade de dirigentes que, mesmo recebendo milhões por mês, não conseguem pagar os jogadores.  E depois, pedem parcelamento de dividas fiscais para o governo.

Refinanciamento para os clubes é justo, mas é preciso punir irresponsáveis

26 de julho de 2014 12

Foram 12 dirigentes dos grandes clubes que fizeram, na última sexta-feira, uma reunião no Palácio do Planalto com a presidente Dilma Rousseff e alguns ministros, entre eles o da Fazenda e do Esporte. Querem refinanciar dívidas fiscais, que chegam ao montante de R$ 4 bilhões. Uma montanha de grana. O governo se mostra receptivo e até admite medida provisória para acelerar o processo e resolver o problema até setembro. Existem clubes que não chegarão em pé no final do ano, tamanha a dívida que possuem.

Acho muito bom que isso aconteça. As empresas que atrasam impostos ganham o REFIs, que é um longo parcelamento de suas dívidas e seguem a vida. Por que os clubes não podem fazer o mesmo? O que me preocupa é que os dirigentes do futebol brasileiro não se dão conta que precisam ter mais responsabilidade nas suas gestões. E o refinanciamento precisa vir acompanhado de punições severas para dirigentes que são irresponsáveis na gestão de seus clubes.

Loucuras
Pagar R$ 700 mil de salário para um jogador beira a insanidade. Até posso entender se ele for protagonista, fizer grande diferença. Mas estes são poucos. Pagar salários milionários para treinadores que não garantem um bom trabalho e ainda aceitar o pagamento de multas, sabendo que eles serão demitidos com maus resultados, é outra loucura. Vão rasgando dinheiro sem a certeza de que os investimentos darão algum retorno. Dois anos depois de muitas bobagens saem do clube e deixam a conta. Não é um nem outro. É a maioria dos dirigentes. Um buraco sem fundo. Isso não pode se repetir. Quem for irresponsável, terá de pagar esta conta.

Faturamentos
Peguemos o caso de Grêmio e Inter. O faturamento deles beira R$ 150 a R$ 170 milhões por ano. São R$ 70 milhões da tevê, mais R$ 50 milhões dos associados, patrocínios de camisetas estão entre 15 e 20 milhões, produtos licenciados, o patrocinador dos uniformes, receitas de bilheteria, etc. Não dá para passar o ano com um bom time? Claro que dá, desde que não se cometam loucuras. Uma folha de R$ 6 milhões, em 13 pagamentos, custa 78 milhões. É a metade do faturamento. Gasta contratando jogadores, mas fatura vendendo, sendo que quase sempre a venda tem uma receita muito maior do que as compras. Não parece lógico que estejam endividados. Só que as contas vem de anos. Um deixa dívidas para o outro, e o clube adoece financeiramente. Isso precisa terminar.

Fim de semana

Lucas Uebel

Lucas Uebel

Grêmio e Inter precisam faturar seis pontos neste final de semana. O Inter pega o Bahia, que não vence há nove jogos. Mesmo sendo na Fonte Nova, a diferença térmica me leva a dar ao Inter o grande favoritismo do jogo.

O Grêmio recebe o Coritiba, treinado por Celso Roth e que, em onze jogos do Campeonato Brasileiro, ganhou só um. E o jogo é na Arena. Além disso, o líder Cruzeiro joga em casa contra o Figueirense e deve ganhar com naturalidade. Grêmio e Inter, se querem disputar alguma coisa, não podem deixar o time mineiro disparar.

Demaaaiiiiis
O Conselho de Administração de Recursos Fiscais entende que o treinador Dunga se valeu de transações financeiras inexistentes para pagar menos impostos. Cobra de Dunga R$ 907 mil. Os advogados do treinador entendem que ele não deve essa quantia. Seria uma transação com o Jubilo Iwata, clube do Japão. Na primeira instância, Dunga perdeu. Entrou com recurso e o processo foi encaminhado para segunda instância. Até que provem o contrário, acredito no que diz Dunga. Ele sempre deixou a impressão de ser uma pessoa séria.

De menos
A Policia Militar de São Paulo queria que os torcedores do Palmeiras não fossem de metrô para o Itaquerão, neste domingo, para que não existisse o encontro com os torcedores corintianos. No entanto, os palmeirenses não aceitaram a sugestão e vão por ali mesmo. Claro que os policiais ficaram em polvorosa. Vão ter que reforçar o contingente. É uma pena que estes torcedores se coloquem como animais irracionais e estejam prontos para o conflito. E uma pena também que o metrô, patrimônio do povo paulista, venha a ser depredado. Difícil não acontecer. São as torcidas organizadas. Sempre elas.

A renovação do futebol brasileiro começou muito mal

25 de julho de 2014 14

Existem funções que não podem ser misturadas. Uma empresa sempre tem que cuidar a possibilidade da incompatibilidade de funções dos seus funcionários. Gilmar Rinaldi é empresário. Disse que estaria acabando com sua empresa, o que ainda não aconteceu. Não importa que ele não faça negócios com jogadores. As pessoas estão autorizadas a pensar que ele irá misturar funções. Existe o ser e o parecer. Difícil contar para os torcedores do Brasil inteiro que não existe essa incompatibilidade.

Ontem, para piorar, os jornalistas da ESPN mostraram documentos provando que Dunga também trabalha neste ramo. Ele fez negócios com Antônio Caliendo, que foi seu empresário e procurador, e se tornou seu sócio quando Dunga abandonou a carreira. O atual treinador da Seleção Brasileira recebeu vultuosas quantias de dinheiro na venda de jogadores. Dunga desmente, mas os documentos são comprovantes de que a relação comercial existe. São assuntos que não depõe contra a seriedade dos profissionais, mas atuam como problemas para quem tem a responsabilidade de encontrar uma nova Seleção. Cada jogador novo que for convocado, vai gerar um oceano de desconfianças pela incompatibilidade de funções.

Começou muito mal a renovação do futebol brasileiro
 
Superestreia

Agência RBS

Agência RBS

O grande fato desta volta do Campeonato Brasileiro está no Morumbi. O São Paulo repatriou Kaká. Ele já foi o melhor jogador do mundo, teve passagens importantes pela Seleção Brasileira e por grandes clubes da Europa. Claro que teremos de conferir em que condições físicas e atléticas ele retorna. Se estiver bem, fará muita diferença para o time treinado por Muricy Ramalho. Sua estreia acontece neste domingo contra o Goiás, lá no Serra Dourada. Confesso que vou torcer muito pela recuperação plena deste jogador. Se acontecer, ele vai acrescentar qualidade técnica ao São Paulo e ao futebol brasileiro.

Fernandinho
Finalmente, depois de muitas idas e vindas, chegou a condição de jogo do atacante Fernandinho. Ele deve estrear pelo Grêmio, no domingo, contra o Coritiba. Já escrevi, e repito, que não acredito numa boa estreia deste jogador porque sua forma física não está completa. Ele está há bastante tempo sem jogar. O que pode facilitar sua vida é a pouca capacidade técnica do adversário. O Coxa, treinado por Celso Roth, tem uma das piores campanhas do Brasileirão.

Meio-Campo
A utilização de Alex desde o começo contra o Bahia ameniza a ausência de Aránguiz. Contra o Corinthians, Abel não tinha Alex, Aránguiz e Wellington. O time ficou muito fragilizado. Mesmo assim, até conseguiu um jogo razoável depois daquele apagão dos dez primeiros minutos. Diante do Flamengo, descontando a fragilidade do adversário, Abel tinha Welington e, no segundo tempo, Alex. Muda a produção do time. No sábado, só não terá Aránguiz, mas poderá escalar Alex, D’Alessandro e Alan Patrick. Fica muito melhor.

Demaaaaiiiissss
James Rodriguez foi contratado pelo Real Madrid, que pagou verdadeira fortuna por seus direitos federativos. Ele foi o goleador do Mundial, fez o gol mais bonito e jogou muita bola. No jogo contra o Brasil, mesmo tendo bom desempenho, sofreu muito com pegadas fortes de Fernandinho, sem que a arbitragem punisse os jogadores brasileiros faltosos. Acho que vai fazer história no Real. Tem muito futebol e agora terá a parceria de muitos craques.

De menos
Leitores me escrevem entendendo que não devem existir torcidas organizadas. Entendem, e eu concordo, que a violência dos estádios está quase toda nas práticas condenáveis de seus integrantes. Mas não existe forma de acabar com elas. Pessoas podem se agrupar e não existe crime nisto. O problema é o que vem depois. Tem torcidas que os líderes não colocam seus nomes para não serem responsabilizados por atos criminosos. E quando brigam entre si, promovem brigas nos bandos que se dividem. Uma praga dentro do futebol.

Ultrapassado, Luxemburgo é escolha errada para o Flamengo

24 de julho de 2014 29

O quase moribundo Flamengo demitiu Ney Franco, de péssima campanha – um ponto ganho em 18 disputados – e ressuscitou Vanderlei Luxemburgo. Luxa tem títulos importantes, já esteve na Seleção Brasileira, treinou o Real Madrid, ganhou quase tudo o que disputou. Mas faz muito tempo que nada ganha e nem consegue fazer trabalhos que chamem a atenção. Parece um profissional ultrapassado, fora de moda. Quando digo isto do Felipão, que repete Luxemburgo, encontro muita resistência das pessoas que lembram o passado vitorioso desse treinador.

O que o Flamengo precisa é de um profissional atualizado sem ter a pretensão de querer mandar em tudo e de chamar a atenção somente para si. Vou torcer pelo Luxemburgo. Gosto muito dele como pessoa, e entendo que o Flamengo não deve estar no lugar que está por ser um grande clube. Só que não tenho razão nenhuma para acreditar que ele fará um bom trabalho. Não é problema de idade, mas de métodos ultrapassados que não levam a nada.

Auxiliares
Gostei da escolha de Cláudio André Taffarel para ser o treinador de goleiros da Seleção Brasileira. É do ramo e uma figura agradável, que vai ajudar muito o técnico Dunga. Outra escolha que gostei é de Fábio Mahseredjian. São grandes profissionais e muito atualizados. Dunga sempre trabalhou com Paulo Paixão, mas deve ter se dado conta que também este grande profissional ficou no tempo. São escolhas que acrescem a um trabalho de renovação que precisa ser feito dentro da Seleção. Cabeças brilhantes, atualizadas e que possam contribuir para o todo. Vai bem o Dunga nestas escolhas.

Mistério
A reforma do Beira-Rio complica o Inter como o Grêmio se complicou quando a Arena foi inaugurada. Tem algumas coisas que não consigo entender. A informação do último domingo é de que todos os ingressos tinham sido vendidos. Mesmo assim, podia-se visualizar muitas cadeiras desocupadas. Depois, fiquei sabendo que em alguns setores, torcedores ficavam em pé por falta de lugar. No final da tarde, veio a divulgação do público presente: 32 mil. Mas no estádio não cabem 50 mil? Acho que ainda existe um longo caminho para todos se acertarem no novo Beira-Rio.

Fernandinho
O seu ex-clube enviou a documentação deste jogador com imperfeições, o que vai retardar sua condição de jogo. Não é motivo para se lamentar. O treinador Enderson Moreira pretendia colocá-lo em campo no domingo, contra o Coritiba, pela lesão muscular sofrida por Alán Ruiz. Só que Fernandinho ainda não tem boa forma física. Sua estreia seria apressada, e ele poderia ter uma atuação decepcionante. Melhor entrar Rodriguinho que, em boa forma física, pode render muito mais para o time.

De menos
O Coritiba chega em Porto Alegre com somente uma vitória até aqui em todo o Brasileirão. O treinador Celso Roth pode ser demitido pelo Grêmio. As pessoas apostam que esta é a última chance para o treinador. Já o Bahia vai receber o Inter com portões fechados. Tudo pelo mau comportamento de torcedores que insistem em fazer bagunça e dar prejuízos inestimáveis para seus clubes. Fica claro que o que interessa são seus desejos. O clube que se rale. Para que servem torcedores que não pagam ingressos e ainda causam enormes prejuízos?

Demais
Quem chega em Porto Alegre de avião num dia claro, sem nuvens, pode visualizar a grandeza do nosso futebol. O avião que vai pousar vindo pelo Guaíba e passando pela Farrapos, olha para a direita e consegue visualizar a Arena do Grêmio. Portentosa, linda. Virando a cabeça e olhando para a direita, na margem do Guaíba, é possível ver o reformulado Beira-Rio. São dois estádios que rivalizam com os melhores do mundo. Eles atestam a grandeza dos nossos dois grandes clubes. Grêmio e Inter estão de parabéns.

Novo Dunga: técnico admite que precisa se relacionar melhor

23 de julho de 2014 31

A entrevista coletiva que marcou o retorno de Dunga foi, sob certo aspecto, surpreendente. O novo treinador da Seleção Brasileira mostrou uma humildade que o Brasil não conhecia. Falou que precisa se relacionar melhor com a imprensa. Eu digo que não é apenas com a imprensa, mas com o entorno do futebol. Dunga mostrou um semblante relaxado, que difere daquele de suas antigas apresentações. Imagino que seja influência do seu amigo e agora coordenador técnico da CBF, Gilmar Rinaldi, um homem dócil e de fácil relacionamento. Essas parcerias ajudam o relacionamento dos profissionais com os outros setores que andam volta do futebol.

Renovação

Dizendo-se feliz pela nova chance, Dunga não esqueceu que tem, pela frente, grande trabalho. Onde existe um centroavante? E laterais competentes? Mas Dunga sabe que o futebol brasileiro tem incrível fertilidade na criação de talentos. Essa parece ser uma especialidade do novo treinador da Seleção. Tomara que tenha sucesso.

Público

Lukas Barth/AFP

Lukas Barth/AFP

A Pluri Consultoria apresentou a media de publico de campeonatos nacionais de diversos países. A Alemanha, com a sua Bundesliga, tem media superior a 43 mil expectadores por jogo. No Brasil, a média não chega a 15 mil por jogo. Importante avaliar que, antes da Copa, muitos estádios estavam em reforma e os jogos foram para lugares de menor capacidade e distantes dos grandes centros. Acredito que, neste ano, melhorará muito essa média. Precisamos avaliar isso lá pela metade do segundo turno.

Ucrânia

Não condeno os jogadores do Shakhtar Donetsk que não quiseram embarcar para voltar à cidade depois de amistoso em Genebra, na Suíça. A Ucrânia está em guerra, e a região do clube é a mais conflagrada. Um avião com pessoas que nada tinham a ver com o conflito entre Rússia e Ucrânia foi derrubado por um míssil. Quase 300 mortos. Não se pode condenar quem teme pela vida num cenário de guerra.

Demmmaaaaiiissss

Pelo menos três jogadores que atuam no Brasil precisam ser observados por Dunga. Dois são do Cruzeiro, os meias Everton Ribeiro e Ricardo Goulart. O outro é do Grêmio, Giuliano. São jogadores notáveis em busca de uma afirmação definitiva na Seleção. Não precisam ser vendidos para o Exterior para vestir a amarelinha. Dá ainda para pensar nos zagueiros Manoel e Réver, de categoria suficiente para crescer com essa nova Seleção.

De menos

O líder da Popular, Giba do Trem, não se apresentou para colocar tornozeleira eletrônica. Deveria fazê-lo até as 18h de ontem. Estava proibido de ir ao Beira-Rio e foi flagrado tentando ingressar no estádio domingo. Como pena pelo descumprimento da ordem, deveria colocar a tornozeleira. Acho que esse rapaz quer desafiar as autoridades. Pagará um preço alto. As constantes estripulias dele e de seus seguidores levam as autoridades da Justiça e da polícia a decidir-se por punições mais severas. Os marginais não podem desautorizar e ridicularizar aqueles que cuidam da ordem em nossa sociedade.

 

É preciso punição forte para as gangues das arquibancadas

22 de julho de 2014 11
Rodrigo Cardoso/ Divulgação

Rodrigo Cardoso/ Divulgação

Não surpreende o confronto entre integrantes da chamada Nação Colorada com os da Guarda Popular. Quero convidar meus queridos leitores para que não caiam no erro comum de chamar esse amontoado de pessoas de torcidas organizadas. Torcedor nada tem a ver com processo de marginalidade que se cria nos estádios de futebol.

São gangues que se metem no meio de pessoas comuns nas arquibancadas para delinquir. Se odeiam, na maior parte dos casos, por interesses financeiros. Normalmente são patrocinados pelos clubes, com altas doses de irresponsabilidade.

Se os dirigentes não adotam essa posição, são alvos de graves ameaças e vítimas de típico comportamento de gangues delinquentes que infestam as sociedades. Penso que os responsáveis pela segurança devem dar um basta. Chega de discursos e atitudes fantasiosas. É preciso ação, forte e determinada.

Prejuízos

Fico imaginando o enorme prejuízo que teve o dono do posto de gasolina da Avenida Borges de Medeiros, onde ocorreu a batalha entre estes marginais. Funcionários do local foram agredidos e tiveram ferimentos leves.

Objetos foram roubados da loja de conveniências. Um absurdo completo. Mas insisto: não devemos chamar de torcedores de futebol esses vândalos.

Giuliano

Contra o Figueirense, o novo meia gremista fez seu primeiro gol. Imagino que seja o primeiro de uma série. Giuliano é um ponta de lança, de capacidade de conclusão excelente. Se apresenta no ataque e chuta muito bem.

Em um time no qual os atacantes não marcam gols, essa virtude fica ainda mais enriquecida e fundamental. Giuliano começa a reforçar a ideia de que o Grêmio fez uma grande contratação.

Aránguiz

O chileno será desfalque para sábado à noite, contra o Bahia. Mas o técnico Abel Braga conta com o retorno de Alex. Restabelece a qualidade. Duro foi ficar sem os dois e mais o Welington, como aconteceu contra o Corinthians.

Além disso, o Bahia terá que jogar na Fonte Nova com portões fechados por punição imposta pelo STJD. É jogo para fazer três pontos.

Demais

Viver o Beira-Rio quase lotado no domingo foi magnífico. Teve a ver com o jogo, um clássico brasileiro, a homenagem a Fernandão, que comoveu a todos, e o retorno ao Beira Rio depois dos cinco inesquecíveis jogos da Copa do Mundo. O Beira- Rio foi devolvido aos colorados. Foi lindo de ver.

De menos

Enquanto o Beira-Rio recebe 32 mil torcedores, o Botafogo joga para 3,5 mil pagantes. O futebol carioca vive momento terrível.

O Flamengo é lanterna, e sua torcida surra os jogadores. O Vasco patina na Segunda Divisão. Sobra o Fluminense como último sopro de qualidade.