Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Libertadores"

Grêmio acerta ao usar os titulares no Brasileirão

18 de abril de 2014 4

A direção do Grêmio acerta em chamar os titulares para o primeiro jogo do Brasileirão. Seria uma imprudência não usar os melhores contra o Atlético-PR, mesmo que não se tenha certeza de que com eles obterá a vitória. O Brasileirão é uma competição de 38 decisões. Jogos importantes e os pontos perdidos no início fazem parte da definição do campeonato.

A logística do Grêmio para jogar inteiro conta o San Lorenzo na quarta-feira é tranquila. Os jogadores voltam de ônibus de Florianópolis no domingo. Chegam às 2h de segunda-feira, dormem, se reapresentam ao meio-dia e viajam para Buenos Aires. Desembarcam à tardinha. Tem o final da segunda-feira para repousar outra vez. Não vejo problema de desgaste para encarar os hermanos no Nuevo Gasômetro.

Zé Roberto

Talvez agora a gente veja o valor que tem esse jogador para o Grêmio. Sua ausência determinou alguns percalços, como os dos dois Gre-Nais. Não sei se mudaria o resultado dos jogos. Mas tenho a convicção de que, com ele, o Grêmio poderia enfrentar melhor o Inter.

Um jogador experiente soma muito nessas decisões. Além da técnica refinada que tem e a possibilidade de colocar seus companheiros na cara do gol. Sua volta deve ser muito importante, principalmente, para os jogos da Libertadores.

Beira-Rio

O Inter enfrentará o Vitória-BA dentro do seu remodelado estádio e com toda a sua capacidade liberada pelos órgãos de segurança. Mesmo com o prolongado feriadão, que retirará milhares de pessoas de Porto Alegre, estima-se um público acima de 30 mil pessoas.

Muito mais do que o jogo, no qual o Inter é grande favorito, a grande expectativa é estar no estádio. São dois anos sem o Beira-Rio inteiro. O torcedor sente saudade do seu estádio como se sente de um filho que viaja para longe e fica muito tempo fora de casa.

É demais

Na coluna de ontem, a intensa movimentação do mercado traiu meu informante, o jornalista Cláudio Dienstmann. Alguns jogadores trocaram de clube na janela de inverno da Europa e saíram ontem aqui com o time errado. São eles: os argelinos Bougherra(Lekhwiya-Cat), Medjiani (Valenciennes-Fra) e Boudebouz(Bastia-Fra); os holandeses Heitinga (Fulham) e Mathijsen (Feyenoord) e Affelay (Barcelona); e o sul-coreano Koo Ja-Cheol (Mainz 05).

Obrigado ao leitor Gabriel Minosso de Oliveira pelo alerta.

Qual é o verdadeiro Grêmio?

15 de abril de 2014 40

Cabe perguntar: qual o verdadeiro Grêmio? Aquele da Libertadores, que entre 32 times da fase de grupos chegou em segundo lugar, venceu quatro e empato duas partidas, jogou nove pontos fora e ganhou sete, levou apenas um gol em seis jogos? Ou é aquele que levou seis gols em dois Gre-Nais, tendo feito apenas dois e levando chocolates do Inter?

Essa é uma questão que ficou sem resposta. Podemos avaliar o Grêmio pelos adversários. Na Libertadores, enfrentou o que se denominou como “Grupo da Morte”. Não eram adversários fáceis, e o time se saiu muito bem. Contra o Inter, enfrentou um time que mostrou ser superior. Mas a dose foi muito alta e dolorosa para os gremistas. O futuro poderá nos responder algo mais próximo. Vêm aí os jogos contra o San Lorenzo, e classificando, provavelmente venha o Cruzeiro. Nesse caso, será outro time brasileiro. Por enquanto, estou sem uma resposta definitiva.

Feridas

Cabe ao Grêmio lamber as feridas e tocar a vida para frente. Se fracassou no Gauchão e levou goleada do Inter, o mesmo não aconteceu na Libertadores. Faltam oito jogos para ser campeão. Penso que o Inter é muito mais time do que o San Lorenzo. Por isso, imagino o Grêmio como favorito para passar de fase. Nas quartas de final, virá Cruzeiro ou Cerro Porteño. Jogar contra os mineiros é muito complicado. Mas para ser campeão da América é preciso pular todos os obstáculos. Não vejo impedimento nisso. Mesmo reconhecendo que é um caminho espinhoso.

Aniversário

D’Alessandro completa hoje 33 anos. Ganhou como presente de aniversário o título gaúcho com sua decisiva participação. Ele é o grande craque do futebol gaúcho na atualidade. Além dele, o Inter achou outros três jogadores que a ele se somam e fazem o time ser competente. Quando D’Alessandro, Aránguiz, Alex e Alan Patrick começam a jogar, tocando bola, pobre do adversário. São muito habilidosos. Abel custou a achar essa formação. Foi no segundo tempo do Gre-Nal da Arena. Com ela, foram duas grandes vitórias sobre o Grêmio e o tetra gaúcho.

É demaaaaiiiss

Começa no final de semana o Brasileirão. O Grêmio vai até Florianópolis jogar contra o Atlético-PR. Será jogo com portões fechados pela punição aos paranaenses pela briga na última rodada de 2013. Não sei se o Grêmio jogará com time reserva. Se isso acontecer, acho um erro. Durante o Gauchão, os jogadores não foram poupados na maioria dos jogos. Por que seriam agora? O Inter joga em casa. Abel Braga deixa claro que deseja ir bem nessa competição. O colorado começa com toda a máquina.

Inter mostrou muita superioridade sobre o Grêmio

14 de abril de 2014 31

Em dois jogos, o Inter mostrou grande superioridade sobre o Grêmio. Mostrou que tem jogadores em melhor qualidade, principalmente, no meio de campo. Na Arena, foi no segundo tempo, no Centenário, também. O Grêmio mostrou garra na primeira etapa dos dois jogos, mas, quando precisou maior técnica, só deu Inter. Foram seis gols contra dois, números que justificam plenamente o título de tetracampeão.

Para o Grêmio, sobrou esforço, dignidade e profissionalismo. O Inter teve tudo isso, mas também teve D’Alessandro sendo um grande maestro, Alex recuperando o seu futebol, Rafael Moura fazendo gols ou dando assistências, Aránguiz mostrando que realmente é um grande jogador, e Alan Patrick compondo o quarteto de meio-campo. Poucas vezes, um título foi conquistado com tanta facilidade.

Futuro

Abel Braga ressaltou na sua entrevista coletiva que, nos dois últimos anos, o Inter se fez campeão gaúcho e acumulou fracassos logo adiante, na disputa do Campeonato Brasileiro. Ele quer mais. Muito mais. Tão logo terminada a festa da volta olímpica, ele reuniu seus jogadores no vestiário, deixando claro que o ano não terminou, que isto é apenas o começo. Abel tem claro que o Internacional precisa jogar muito mais do que nos anos anteriores e brigar pela Copa do Brasil e pelo Campeonato Brasileiro no futuro imediato.

Oposto

Será que alguém consegue me explicar como o Grêmio, que tem a melhor defesa da Copa Libertadores (tendo sofrido apenas um gol em seis jogos), levou seis gols em duas partidas contra o Internacional? Talvez, não se consiga explicar no primeiro momento, mas pode-se valorizar o feito colorado.

O Inter fez seis gols no Grêmio e poderia ter feito mais. Esse é mais um ponto de valorização do grande título conseguido pelo Internacional. Nas duas vezes em que enfrentou o Grêmio – o time que tem a segunda melhor campanha da Libertadores até aqui -, fez seis gols, jogou muito mais e justificou plenamente o título.

É demais!

Para os gremistas goleados impiedosamente, resta o consolo da Libertadores. Tem uma semana para descansar. Estreia no Brasileirão no fim de semana, e, dia 23, joga contra o San Lorenzo, na Argentina. Antes, acompanha Cruzeiro e Cerro Porteño, na próxima quarta, no Mineirão. Se passar pelo San Lorenzo, um deles enfrentará o Grêmio. Na Libertadores, o Tricolor vai muito bem, diferente do fracasso nas finais do Gauchão.

Luigi deve apresentar Beira-Rio como estádio da decisão do Gauchão

07 de abril de 2014 19

Foi um final de semana completo para os colorados. Na sexta-feira, dia do aniversário do clube, o grande banquete numa das casas mais bonitas e charmosas de eventos de Porto Alegre. No sábado, a grande festa. Lembrando uma abertura de Copa do Mundo ou de Olímpiada, na qual foram contadas as últimas quatro décadas que marcam a maioridade do clube, seus grandes títulos, seus grandes ídolos, seus grandes dirigentes.

Foi uma noite que emocionou colorados que estavam no Beira-Rio ou mesmo assistindo pela televisão. Uma montagem que superou R$ 20 milhões e que teve em Edson Erdmann, Flávio Steiner, Karina Fernandes, Renata  Germano, Maria Bastos, entre outros, figuras centrais. No domingo foi o jogo. Veio o Peñarol, que, 45 anos atrás, estava no festival de inauguração do Beira-Rio. Vitória colorada por 2 a 1.

Prós e contras

O Beira-Rio lotou. Foram mais de 50 mil colorados que quiseram ver o time voltando, na sua plenitude, ao velho lar. Em campo, um Peñarol todo reserva. Considero um desrespeito ao torcedor que pagou caro para assistir ao jogo. O Inter entrou em campo com todos os titulares e, no segundo tempo, Abel trocou os 11. Também acho um exagero.

Acho que o torcedor colorado merecia mais. Mas como o Inter foi ao Chile inaugurar o Estádio Elias Figueroa e levou só reservas, não pode reclamar de nada.

Definição

Entramos na semana Gre-Nal, mas o Grêmio tem antes um compromisso importante com o Nacional-Uru na quinta-feira, na Arena. Ganhando, o Tricolor termina a fase de grupos entre os primeiros e obtém a vantagem de decidir em
casa. Os exemplos são para os dois lados, mas é inegável que a decisão na frente de seu torcedor sempre é importante.

Neste jogo, Enderson Moreira vai testar o substituto de Luan, que fica 40 dias fora. Pode ser Alán Ruiz, pode ser Zé Roberto que volta de lesão. A quinta-feira vai mostrar o que é melhor para o Gre-Nal decisivo.

É demais!

O Beira-Rio recebeu dois grandes eventos e se saiu muito bem. Não há registro de acontecimentos que se possa lamentar. Sendo assim, na terça-feira, Giovani Luigi deve apresentar o Beira-Rio como o estádio da decisão do Gauchão. Claro que muita coisa pode melhorar no entorno. Mas nada que não possa ser feito num mutirão de  trabalho.

Barcos desencantou e Grohe foi extraordinário contra o Nacional-Col

03 de abril de 2014 14

Beleza de estádio

Estive no Beira-Rio ontem para ver a montagem do espetáculo Os Protagonistas, que marcará a reabertura do estádio no sábado. Será uma baita festa para registrar na história a reinauguração da casa dos colorados.

Mais de R$ 20 milhões foram investidos numa grande festa que vai contar a história desse grande clube. A emoção vai tomar conta do remodelado estádio e dos 50 mil torcedores que estarão presentes em suas cadeiras vermelhas. O Beira-Rio está lindo. Está leve e com as arquibancadas mais próximas do gramado. A distância foi encurtada para que os torcedores pudessem ver melhor o jogo. Ainda resta o entorno, mas está longe de ficar pronto. Menos mal que o asfaltamento do pátio do estádio começa hoje. Ainda faltam alguns detalhes, mas já dá para notar que ficou lindo demais.

Liderança

O Grêmio venceu o Nacional-Col e o cansaço pelo acúmulo de jogos e pelas viagens longas. Uma vitória muito significativa. Com 11 pontos e uma partida pela frente, contra o Nacional-Uru, em casa, vencendo, o Grêmio deverá ocupar uma das três primeiras posições entre os 16 classificados às oitavas.

Isso signica dizer que, nos mata-matas, a decisão virá quase sempre para a Arena. Uma vantagem que pode ser decisiva na busca do tri. Barcos desencantou, Grohe foi outra vez extraordinário e a postura do time no segundo tempo venceu em Medellín.

Porto Alegre

Nossa Capital receberá o grande Messi. Pode vir também Cristiano Ronaldo, com Portugal. Se não for ele, será a Alemanha, com seu grande time, favorito para ganhar a Copa. Mas ainda teremos a Holanda, a mesma que eliminou o Brasil na África do Sul. Há ainda a França e seus grandes jogadores.

Teremos milhares de turistas que precisam ser bem tratados. Isso envolve o turismo do Estado no futuro. O sucesso da Copa dependerá muito de nós, da segurança que pudermos dar aos milhares de visitantes e os preços justos a serem cobrados deles.

É demais!

O atento repórter Cláudio Dienstmann envia nota muito interessante e que prova que termos uma Copa, do ponto de vista técnico, de primeiríssima grandeza. Serão, segundo ele, 92 jogadores entre os oito finalistas da Liga dos Campeões da Europa. Estarão aqui no Brasil todas as seleções campeãs mundiais. E ainda vem Portugal com Cristiano Ronaldo. Pena que o Brasil não saiba se preparar.

Jogo do Grêmio não será fácil

02 de abril de 2014 6

Não será fácil o jogo desta noite para o Grêmio. Enumero as razões. Primeiro, porque o adversário precisa da vitória. Sem ela, cai fora da Libertadores. As dificuldades do Grêmio estão na maratona de jogos. Na quarta-feira passada, fez um jogo duríssimo contra o Xavante. No domingo, encarou um Gre-Nal, sendo que no segundo tempo correu atrás do Inter. Isso adiciona cansaço.

Os jogadores tomaram banho, deram entrevistas, foram pra casa jantar, tiveram poucas horas de sono e já se foram para o aeroporto. O embarque foi às 6h de segunda-feira, seguido de longa viagem – cerca de dez horas – para Medellín. Ou seja, metade da segunda-feira foi gasta no deslocamento. Houve pouco tempo para recuperação de um time que, segundo seu preparador físico, Fábio Mahseredjian, já havia sentido desgaste no Gre-Nal. Mas tudo tem dois lados. Foi muito ruim para os gremistas perder o clássico e isso deve servir de motivação para desempenhar na Libertadores o que não foi possível no domingo. Como se vê os problemas não são pequenos. Só que os jogadores devem entrar em campo conscientes de que necessitam dar uma reviravolta

Mesmo Time

O Grêmio deve manter o time que perdeu o Gre-Nal nesta noite, contra o Nacional-Col. Não é porque o time não se deu bem em um jogo que deva ser trocado. Além disso, não há jogadores pedindo passagem para entrar no time principal.

A questão dos três volantes deve ser preservada, o jogo é na casa do adversário e um empate é bom resultado. O maior problema para os jogadores gremistas será mesmo de resistência depois da maratona dos últimos dias.

Novo meia

Trata-se de aposta pessoal de Abel Braga em um jogador que, em 2013, teve inúmeras dificuldades, sofreu com lesões e recebeu poucas chances. Esse jogador foi formado no Santos com expectativa de que seria craque. Logo em seguida, foi vendido para o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, e sumiu.

Alan Patrick voltou com as dificuldades acima relatadas. Mas, neste ano, com o apoio do técnico, está jogando muito. Abel Braga confirma sua titularidade e forma quarteto de armação da maior qualidade. Além de Alan Patrick, há’Alessandro, Aránguiz e Alex.

É demais

O velho estádio parece mesmo interminável. A OAS está louca para derrubá-lo e dar inicio à construção de um grande condomínio como parte da negociação com o Grêmio e a construção da moderna Arena. Só que as partes não se acertam, e o Grêmio continua seus treinos no velho casarão. A Fifa queria fazer do Centro de Treinamentos do Grêmio, nas margens do Guaíba, um dos locais de treinos de seleções. Só que levará um tempo até ficar pronto. Resultado: o velho e imortal Estádio Olímpico volta à cena para receber seleções da Copa e seus treinos.

Saiba o que muda no Gauchão para 2016

20 de março de 2014 16

Muito importante a informação que me foi passada pelo presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Novelletto. O último Gauchão com 16 clubes na elite será disputado no ano que vem. Ao fim do Estadual de 2015, seis times serão rebaixados. E subirão apenas dois da Segundona.

Assim, em 2016 teremos apenas 12 clubes o que, sem dúvida, vai valorizar a competição. Teremos apenas os clubes mais fortes. Os mais fracos tratarão de se fortalecer disputando divisões inferiores.

É um avanço considerável. Os Estaduais têm sido massacrados pelos clubes que disputam a Libertadores e a Copa do Brasil. Com menos jogos, eles poderão dar mais valor aos cantões locais.

Fracasso

O Gauchão deste ano foi um verdadeiro fracasso. Clubes sem estádio, mudanças de datas, times tecnicamente ruins e o desinteresse inicial da dupla Gre-Nal. Não podia ser diferente.

Se eles têm competições mais importantes, só lhes resta dar mais atenção a elas. Com um campeonato mais enxuto, com menos jogos e adversários mais qualificados, muda tudo. E para melhor. Não podemos deixar morrer uma tradição quase secular que e o nosso Campeonato Gaúcho.

No final

O Grêmio está mostrando que sabe o caminho para chegar ao tri da Libertadores. Jogando com toda a pressão contra, o time do técnico Enderson Moreira conseguiu segurar o Newell’s atrás e ainda levou perigo ao gol de Guzmán.

Se o time argentino ganhasse com o gol de Maxi Rodríguez seria um pecado. O gol salvador de Rhodolfo, após passe de Barcos, que perdeu uma chance clara, salvou a noite e a liderança tricolor. Agora, é só conseguir uma vitória em dois jogos que a vaga é do Grêmio.

É demais!

O técnico Abel Braga é um homem repleto de convicções. A última frase importante que ouvi dele é que seu time entre atacar e ser atacado prefere a primeira hipótese. Foi assim contra o Remo. Meteu goleada de 6 a 1.

Não será diferente nas fases finais do Gauchão e nos jogos do Brasileirão. Mas será que isto dará certo contra grandes adversários? O Nacional trará a resposta.

Grêmio tem pela frente a histórica pressão de Rosário

19 de março de 2014 2

Conheci Rosario na Copa do Mundo de 1978. Foi a primeira da minha vida, aqui na Argentina. Ao lado do saudoso comentarista Ênio Mello, viemos transmitir um dos jogos mais falados da história do futebol mundial. Lembram daquele jogo que a Argentina fez 6 a 0 no Peru e o mundo inteiro disse que foi marmelada?

Na realidade, o que assistimos no Gigante de Arroyito, que é o estádio do Rosario Central, foi uma imensa pressão para cima dos peruanos. Eram 45 mil pessoas no estádio. O Brasil acabara de fazer 3 a 1 na Polônia em Mendoza e, se a Argentina não fizesse 4 a 0 no Peru, estaria eliminada. O clima era muito ruim até mesmo para os jornalistas brasileiros. Chegamos a ser ameaçados até por companheiros profissionais hermanos. Era a Copa do Mundo deles e eles queriam ganhá-la. O ambiente era muito tenso e pesado dentro do estádio.

Goleada

Eram cinco minutos de jogo e o Peru já tinha chutado duas bolas na trave do goleiro Fillol. Era a tensão argentina que deixava os peruanos mandarem em campo nos primeiros minutos. Mas a seleção peruana não soube colocar a bola na rede, e quem não faz leva.

Já no primeiro tempo virou 2 a 0. Dentro do estádio, eu não consegui ver a marmelada que o mundo acusou. Vi, isso sim, uma pressão que jamais assistira em estádio de futebol contra um adversário. Não poderia ser diferente: o time peruano desabou.

Ambiente

Claro que o ambiente que o Grêmio vai encontrar hoje à noite no Estádio Marcelo Bielsa não é o mesmo. Vivemos um outro momento, bem mais civilizado. Se jogar bem, o Tricolor pode até ganhar a partida.

Mas o velho estádio, inaugurado no início do século 20, que recebeu 40 mil pessoas no domingo, contra o Racing, pelo Argentino, deverá estar novamente lotado. Jogando em casa, o Newell’s vai atacar, o que não fez na Arena. Mas poderão sobrar espaços importantes para os contra-ataques do Grêmio. Não resta dúvida de que é um jogo difícil, mas se pode prever até uma vitória tricolor.

DEMAIS

Recebo informação de que as obras de calçamento no entorno do Beira-Rio, na área de propriedade do clube, começaram. Confesso que estava tão nervoso quanto os dirigentes da Fifa. Mas ainda tem um problema bastante grave: o calçamento da parte da prefeitura.

São 80 mil metros quadrados que precisam ser calçados e a licitação só ocorre no dia 31 deste mês. Espero que apareça alguma empresa interessada em fazer o trabalho. Nunca pensei que, como cronista esportivo, tivesse que torcer pelo calçamento de um pedaço de terra nas margens de um estádio.

Grande desafio para o Grêmio na Libertadores

13 de março de 2014 8

Até agora a campanha do Grêmio na Libertadores foi muito boa. São seis pontos em dois jogos, quatro gols marcados e nenhum sofrido. Mas o maior de todos os testes, até aqui, está  reservado para essa noite. O adversário é o Newell’s Old Boys, um dos melhores times da Argentina neste momento. Tem bons jogadores, tem esquema muito bem definido, tem tradição, camisa e é, sobretudo, um time argentino. Isso, por si só, sempre representa a necessidade  de cuidados.

Claro que o Tricolor vai começar a partida com três volantes, sendo que dois deles aparecem, com frequência, na ação ofensiva e até  fazendo gols. Ao seu lado o Grêmio terá a sua torcida. Serão 40 mil gremistas incentivando o time pelos nervosos 90 minutos do jogo. Isso faz diferença, mas não assegura vitória. O Newell’s precisa ganhar, assim como o Tricolor. O jogo tem alto índice de decisão. Tudo para um grande jogo, difícil, encrencado, mas tipicamente de Libertadores.

Romário

Uma entrevista de Romário ao canal ESPN deixa claro seu ressentimento por não fazer parte do grupo que trabalha pela Copa do Mundo. Pode ser inveja. Romário vomita ofensas e palavrões contra os dirigentes da Fifa como se estes obrigassem o Brasil a fazer o Mundial.

Se o negócio é ruim, se dinheiro da saúde, educação e outras prioridades foram desviados  para o futebol o problema é do Brasil que foi lá para pedir a Copa. E não foi só o Lula. José Serra, Aécio Neves, Sérgio Cabral, entre outros, estavam lá vibrando muito com aquilo que chamavam de grande oportunidade.

Negócio

Eu entendo que uma Copa é um grande negócio para o país apesar do caderno de encargos da Fifa ser muito exigente. O governo federal não gastou mais de R$ 30 bilhões como se diz. Bilhões foram gastos em mobilidade urbana que nada tem a ver com a Copa e que é obrigação do governo em realizar.

Teria que gastar mais. Teria que arrumar aeroportos que são ruins. E teria que cuidar melhor da saúde, da segurança, da infraestrutura. Tudo é tarefa do governo. Lamentavelmente temos uma epidemia de corrupção no país e burocracias que emperram os negócios.

É demaaaiiis!

Porto Alegre recebeu quase R$ 1 bilhão para obras da Copa. Sei que não estão prontas, mas estão encaminhadas esperando que se vença a burocracia.

Se não fosse essa providência levaríamos muito tempo para ter obras que, como a Avenida Tronco, são antigas necessidades da cidade. Uma boa parte dela já foi executada. Nada disso vai fora, fica como importante legado para uma cidade que está congestionada pelo grande número de automóveis.

Tricolor pode disparar na tabela se vencer o Nacional

25 de fevereiro de 2014 4

Depois de ganhar fora de casa na primeira rodada, o jogo desta noite ganha importância para o Grêmio. Ganhando, o Tricolor fatura seis pontos e dispara na liderança – e ainda tem um jogo em casa, na sequência, contra o Newell’s. Claro que não será uma tarefa fácil. Mas o fator local pode ser  decisivo.

Enderson Moreira deverá manter o mesmo time que ganhou em Montevidéu. Por razões bem simples. É o time que se deu bem, que está entrosado. Fazer alterações, com jogadores recém-chegados, seria uma temeridade. No decorrer da partida, ele pode pensar em Dudu ou Alán Ruiz. Mesmo que Zé Roberto receba críticas, muitos entendem que ele trava o Grêmio, sua experiência pode ser importante para jogos com o tamanho do desta noite. No restante, é a torcida fazer sua parte.

Colombianos

O Nacional-Col é um time de jogadores de muita velocidade e boa técnica. O futebol colombiano deixou de ser romântico, com aquele joguinho de só atacar e se defender mal. A própria seleção foi a defesa menos vazada nas Eliminatórias da Copa de 2014.

Não será um jogo fácil para o Grêmio. Mas quem quer ganhar uma Libertadores tem que passar por essas dificuldades. O azar que o Grêmio teve no sorteio começa a ser desmanchado com a vitória fora de casa e pode desmoronar mais ainda com vitória esta noite na Arena.

Preferidos

Abel Braga tem seus preferidos no Inter. Entre eles estão Rafael Moura, que até agora deu boa resposta, e Jorge Henrique, que não tem sido muito eficiente. Esse é o ataque titular colorado.  Otavinho espera a vez. No meio, a curiosidade pendente: Alex é o titular, mas o técnico investe muito em Alan Patrick.

Abelão monta o time aos poucos. A questão do volante – joga apenas com Willians – ainda é debatida.
Ele sai muito do lugar e tem pouca parceria na marcação. Essa é uma questão que ainda servirá para muito debate.

É demais!

Felipão convocou Fred e Jô. Nenhuma novidade nem mesmo a surpresa que ele deixou escapar. Não dá para criticá-lo. Olhando para todos os lados, veremos que não há soluções melhores. Para quem já torceu por Ronaldo, Romário, Careca, Tostão, Pelé, Jairzinho e outros, essa é uma safra fraca de centroavantes. Numa Copa de grandes camisas 9, não é o Brasil que os apresenta. Fred se debate com lesões quase permanentes e Jô é apenas um jogador médio.