Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Michel Temer: a repercussão na Câmara de Blumenau

18 de maio de 2017 0

A avalanche que soterrou o governo de Michel Temer (PMDB) repercutiu na Câmara de Blumenau. Apesar de alguns parlamentares terem ignorado solenemente o caos político em que o país está mergulhado, vários vereadores usaram a tribuna durante a sessão desta quinta-feira para condenar a corrupção, reforçar a necessidade de uma reforma política e pedir Justiça aos investigados da Lava-Jato.

Ironia ou não, veio de Marcelo Lanzarin (PMDB), único representante do partido do presidente na Casa, a crítica mais contundente. Ao fazer uso da palavra, defendeu que todos os citados em esquemas de falcatruas sejam afastados de suas funções. E enfatizou que Temer não tem mais condições de ocupar o maior cargo hierárquico do país.

— Agora temos a prova de que não havia perseguição política a determinado partido – concluiu Lanzarin instantes antes de bradar um sonoro “Fora, Temer!”, em aparte feito a um discurso de um dos colegas de plenário.

Vestido de preto – um sinal, segundo ele, de luto pelo país -, Alexandre Caminha (PROS) pediu cadeia a delatores e delatados. Para Bruno Cunha (PSB), as denúncias não surpreenderam e vão exigir uma “reinvenção do Brasil”. Já Ricardo Alba (PP) elogiou a atuação do juiz Sergio Moro na Lava-Jato e destacou que a nova geração da política “não tem político nem partido de estimação”. Almir Vieira (PP) tocou no assunto, mas foi mais comedido, lembrando das atribuições dos vereadores – legislar e fiscalizar o Executivo.

— Não podemos transformar a Câmara num tribunal.

Já Alexandre Matias (PSDB) lembrou das denúncias envolvendo o correligionário Aécio Neves. O parlamentar reconheceu que fez campanha e pediu votos para o agora ex-senador tucano em Blumenau durante a última disputa presidencial, mas que nem por isso iria defendê-lo “com unhas e dentes”.

Quem acompanhou a sessão pode ter estranhado a ausência de Adriano Pereira (PT). Crítico contumaz de que a corrupção não é “exclusividade” de sua legenda – e nem de partido algum -, o petista estava de licença para participar de um evento previamente marcado fora de Blumenau.

Comments

comments

Envie seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: