Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de novembro 2017

Blumenau sobe em ranking e é a 11ª melhor cidade do Brasil para empreender, mostra pesquisa

27 de novembro de 2017 0

Praça do Empreendedor é uma das iniciativas bem sucedidas da cidade (Foto: Lucas Correia, BD, Jornal de Santa Catarina)

Blumenau subiu duas posições no ranking e agora é o 11º município brasileiro com melhores condições para abrir e expandir empresas. É o que mostra o Índice de Cidades Empreendedoras (ICE) 2017 elaborado pela Endeavor, reconhecida organização global de fomento ao empreendedorismo. É o terceiro ano seguido que a cidade melhora de colocação – era a 20ª em 2015 e passou para o 13º lugar em 2016. A liderança é de São Paulo.

Curta Pedro Machado no Facebook

O ICE analisou o ambiente de negócios de 32 cidades de 22 Estados que respondem por cerca de 40% do PIB nacional. São avaliados indicadores relacionados à infraestrutura, ambiente regulatório, cultura empreendedora, capital humano, inovação e acesso a capital.

Os resultados completos do estudo serão divulgados nesta segunda-feira, mas alguns dados já foram antecipados na sexta-feira pelo Valor Econômico. Veja aqui a lista publicada pelo jornal.

O levantamento mostra ainda que Blumenau é destaque em ambiente regulatório (3º lugar geral), mercado (5ª posição) e inovação (4ª colocação).

Os fatores

O prefeito Napoleão Bernardes (PSDB) comemora os resultados. Diz que iniciativas como a Praça do Empreendedor, um case nacional de simplificação de abertura de empresas, a criação do Plano Municipal de Desenvolvimento Econômico e mudanças na Secretaria de Desenvolvimento Urbano e na Faema, que agilizaram a liberação de licenças, ajudam a explicar o salto no ranking.

Ele também observa a forte cultura empreendedora do blumenauense e ressalta a importância da articulação entre diferentes entidades e representantes da sociedade civil para o fortalecimento da economia local.

Com placar apertado, Câmara de Blumenau aprova moção de aplauso a evento sobre diversidade da Escola Elza Pacheco

24 de novembro de 2017 0

Um mês depois de votar uma moção de repúdio, a Câmara de Vereadores de Blumenau aprovou nesta quinta-feira uma moção de aplauso à Escola Elza Pacheco pelo ciclo de palestras sobre diversidade que ocorreu na última semana. Moções têm pouco ou quase nenhum efeito prático, mas essa de agora é simbólica sobretudo diante da repercussão, inclusive nacional, que a discussão gerou.

Curta Pedro Machado no Facebook

O placar da votação foi apertado: 6 a 5. Entre os votos favoráveis, Ito de Souza (PR), Bruno Cunha (PSB) e Professor Gilson (PSD) mantiveram a posição de apoio à realização do evento. Lenilso Silva (PT), autor da proposta, também votou sim – ele é suplente do também petista Adriano Pereira, que na época se absteve.

Alexandre Caminha (PROS) e Alexandre Matias (PSDB) foram os dois parlamentares que mudaram de posição. Ambos votaram sim, com justificativas semelhantes. Caminha disse que, na primeira ocasião, os vereadores podem ter confundido ideologia com diversidade. Já o tucano disse acreditar que a publicidade gerada pelo debate pode ter “mudado” o conteúdo do evento.

Os vereadores Marcelo Lanzarin (PMDB), Jens Mantau (PSDB), Oldemar Becker (DEM), Ricardo Alba (sem partido) e Sylvio Zimmermann (PSDB) foram contrários. Jovino Cardoso (PSD) se absteve. Como é presidente da Casa, Marcos da Rosa (DEM), autor da moção de repúdio, só votaria em caso de empate, o que não ocorreu.

Ausentes da sessão no momento, Almir Vieira (PP) e Zeca Bombeiro (SD) não participaram da votação. Se ambos estivessem e mantivessem a opinião contrária ao evento, como da primeira vez, a moção de aplauso provavelmente teria sido rejeitada.

Empresários de TI se articulam contra o fim da desoneração da folha

23 de novembro de 2017 0

Representantes do segmento foram a Brasília conversar com políticos e autoridades (Foto: Divulgação)

Representantes do setor de informática intensificaram nos últimos dois dias o corpo a corpo a parlamentares integrantes da Comissão de Desoneração da Folha da Câmara dos Deputados, em Brasília. O grupo político de trabalho está analisando um projeto de lei apresentado pelo governo federal que prevê o fim da desoneração da folha de pagamento para a maioria dos setores atualmente beneficiados, incluindo o de tecnologia da informação – hoje se recolhe pelo faturamento bruto.

Curta Pedro Machado no Facebook

O empresário blumenauense João Luiz Kornely, presidente do Sindicato das Empresas de Processamento de Dados do Estado de Santa Catarina (Seprosc), é um dos integrantes da comitiva que está tentando sensibilizar a classe política sobre os efeitos negativos que a medida traria para o segmento, com aumentos significativos nos custos das empresas. A categoria já se reuniu, inclusive, com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para reforçar o apelo.

Nas visitas, os empresários têm destacado que a desoneração para as empresas de TI contribuiu para a formalização de 95 mil empregos – revogar o benefício, portanto, iria na contramão da necessária retomada na criação de vagas de trabalho para fazer a economia nacional deslanchar. Para o governo, no entanto, o projeto garantiria aumento na arrecadação dos cofres públicos.

Uma das estratégias do setor é empurrar o debate com a barriga e adiá-lo para 2018. A avaliação é de que, em ano eleitoral, seria um tiro no pé para a classe política aprovar um projeto que onera o setor produtivo.

Curtas: Renovar Samae, Simmmeb, inovação, Altona, Meirelles, Hemmer

23 de novembro de 2017 0

A Câmara de Blumenau aprovou na terça-feira projeto de lei que cria o programa de recuperação fiscal do Samae. Conforme o blog já havia antecipado, o Renovar da autarquia terá vigência até 31 de janeiro do ano que vem e vai isentar de pagamento de juros e multa os contribuintes que quitarem faturas de água e taxas de lixo e esgoto em atraso.

A proposta original previa que o parcelamento da dívida poderia ser feito em até três vezes, mas os parlamentares aprovaram uma emenda do vereador Ito de Souza (PR) que permite o pagamento mais prolongado, em seis parcelas.

***

Empresários de indústrias metalúrgicas, mecânicas e do material elétrico de Blumenau e Pomerode farão uma viagem para o Paraguai em julho de 2018. Será a primeira missão ao exterior liderada pelo Simmmeb, o sindicato patronal do setor, já fruto do programa de internacionalização da entidade.

No país vizinho – que tem se destacado pelos incentivos concedidos ao setor produtivo –, vão conhecer empresas brasileiras que já estão lá e também a zona franca em Ciudad Del Este. A comitiva ainda passará por uma feira multissetorial em Assunção.

***

A Câmara de Blumenau promove na próxima segunda-feira uma audiência pública para discutir ações de fomento à inovação na cidade. A iniciativa foi proposta pelos vereadores Bruno Cunha (PSB) e Sylvio Zimmermann (PSDB), os principais interlocutores de agentes ligados ao desenvolvimento tecnológico dentro do Legislativo. Quem sabe o evento não dê um empurrãozinho na Lei da Inovação, cujo projeto já deveria ter entrado na Casa.

***

Foi por R$ 4,5 milhões que a Altona vendeu, para a Havan, 75 mil metros quadrados de um terreno de 1,8 milhão metros quadrados da empresa em Barra Velha. A informação foi divulgada em comunicado enviado segunda-feira ao mercado após a metalúrgica ser questionada pela Comissão de Valores Mobiliários sobre o valor da transação.

***

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, estará sexta-feira em Florianópolis. Na Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), vai ministrar uma palestra sobre o panorama econômico brasileiro. Certamente a fala será prestigiada em peso por empresários de todo o Estado.

Nos bastidores, há quem diga que Meirelles está em plena campanha presidencial, embora o ministro garanta que seu foco, no momento, está apenas na recuperação da economia brasileira.

***

O vereador Lenilso da Silva (PT) apresentou indicação sugerindo que parte do saldo positivo da Oktoberfest seja repassada ao Fundo Municipal de Apoio à Cultura.

***

Fechada desde agosto, a loja de fábrica da Hemmer foi reinaugurada na terça-feira. O espaço passou por reforma e foi ampliado, mas sem desvalorizar o imóvel onde a companha de alimentos iniciou as atividades, há 103 anos. São cerca de 300 itens da linha de produtos da marca disponíveis.

Hering fecha parceria com o Google e clientes poderão pagar compras por aplicativo

23 de novembro de 2017 0

Foto: Divulgação

Clientes da Hering poderão pagar suas compras pelo celular por meio do Android Pay, novo sistema de pagamento do Google.

Curta Pedro Machado no Facebook

A parceria da empresa têxtil com a gigante de tecnologia é inédita.

O usuário só precisa cadastrar o cartão de crédito ou débito no aplicativo e aproximar o dispositivo em terminais de pagamento que já foram implantados em lojas de todas as marcas da companhia.

Em Blumenau, 780 empresas caem na malha fina do Fisco catarinense

22 de novembro de 2017 0

A Operação Concorrência Leal, da Secretaria de Estado da Fazenda, que apura sonegação de ICMS, identificou 780 empresas de Blumenau optantes do Simples Nacional que apresentaram inconsistências na prestação de contas entre 2014 e 2016, de acordo com levantamento feito pela equipe do Fisco catarinense.

Curta Pedro Machado no Facebook

Elas têm até 28 de fevereiro do ano que vem para sanar essas inconsistências com a apresentação da escrita contábil ou com a retificação da declaração. Após esta data, a Fazenda vai fazer um novo processamento e apresentará valores com as inconsistências definitivas.

Na gerência regional de Blumenau, que abrange outros dez municípios, 1.524 empresas caíram na malha fina nesse período. Em todo o Estado, o volume chega a 15.645. Nos últimos cinco anos, a arrecadação das companhias do Simples Nacional em SC cresceu 85%, de R$ 41,2 milhões para R$ 76,5 milhões.

Puxada pela indústria, Blumenau é a 14ª cidade brasileira que mais criou empregos no ano

22 de novembro de 2017 0

Segmento criou 1.689 postos de trabalho de janeiro a outubro (Foto: Patrick Rodrigues, BD, Jornal de Santa Catarina)

Com os 308 novos empregos com carteira assinada criados em outubro, a economia de Blumenau elevou para 3.184 o saldo positivo de geração de vagas ao longo de 2017. É o terceiro melhor resultado de Santa Catarina, atrás somente de Joinville (+7.020) e São José (+3.278), e o 14º entre todos os municípios do Brasil. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

Curta Pedro Machado no Facebook

Mais da metade desses postos foi aberta pela indústria da transformação, responsável por 1.689 novos empregos em Blumenau entre janeiro e outubro, um novo sinal de aquecimento do segmento – no mesmo período do ano passado, por exemplo, a diferença entre contratações e demissões havia sido positiva em apenas 120.

Apesar dos dados animadores, o setor acumula, em 12 meses, uma variação mais modesta, com geração de apenas 100 vagas na cidade. Ou seja, basicamente o efetivo contratado até agora apenas está repondo, com um pequeno avanço, as perdas acumuladas durante o período mais agudo de recessão.

Os resultados de novembro e dezembro, com o fechamento do ano, vão indicar com mais clareza a consistência da recuperação da indústria. Tratam-se de meses mais fracos em termos de contratação em função do encerramento de contratos e das férias coletivas. Em 2016, por exemplo, o segmento perdeu 1.650 vagas somente no último bimestre. É justamente o que foi recuperado até agora em todo o ano de 2017.

Saldo de emprego em Blumenau

Em outubro

Indústria de transformação: +215
Serviços industriais de utilidade pública: +1
Construção civil: -46
Comércio: +77
Serviços: +25
Administração pública: +36
Agropecuária: 0
Total: +308

Em 2017 (janeiro a outubro)

Indústria de transformação: +1.689
Serviços industriais de utilidade pública: +4
Construção civil: +104
Comércio: +401
Serviços: +987
Administração pública: -17
Agropecuária: +16
Total: +3.184

Fonte: Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged)

Prefeito anuncia intenção de isentar atividades de costura e acabamento de ISS em Blumenau

22 de novembro de 2017 0

Empresários participaram terça-feira de encontro com o governador e autoridades políticas (Foto: Luís Carlos Kriewall Filho, Especial)

Os empresários têxteis pediram e tiveram de Raimundo Colombo (PSD) a garantia de que o governo do Estado não aumentará impostos para o setor, mas a melhor notícia da reunião desta terça-feira com o governador no Centro Empresarial de Blumenau veio do prefeito Napoleão Bernardes (PSDB).

Curta Pedro Machado no Facebook

O tucano revelou que a prefeitura enviará nos próximos dias à Câmara de Vereadores um projeto que acrescenta um novo texto na lei da chamada reforma do ISS. A medida vai propor a isenção do tributo nas atividades de costura e acabamento quando elas estiverem inseridas num ciclo produtivo.

A nova legislação abriu margem para uma tributação dupla em facções, que já recolhem ICMS, aumentando os custos de produção e ameaçando a competitividade de empresas da região. O assunto foi questionado pelo segmento e a discussão, inclusive, foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF).

O Sintex deve levar a ideia para os 18 municípios de sua abrangência. São cerca de 5,2 mil empresas têxteis na região, em torno de 60% a 70% delas facções que produzem para indústrias maiores. Dá para imaginar o estrago que uma bitributação causaria nos negócios.

Imobiliária de Blumenau negocia venda de ilha particular em Governador Celso Ramos

22 de novembro de 2017 18

Propriedade tem 95 mil metros quadrados (Foto: Divulgação)

A ACRC Imóveis, de Blumenau, está intermediando com exclusividade a venda de uma ilha particular em Governador Celso Ramos.

Curta Pedro Machado no Facebook

A propriedade, localizada na Praia de Palmas, tem 95 mil metros quadrados e custa a “bagatela” de R$ 5,5 milhões – um preço mais baixo do que algumas coberturas de praias badaladas, como Balneário Camboriú.

A ilha fica a 800 metros da orla de Palmas e a 40 minutos de lancha de Jurerê Internacional. Em todo o Estado, existem apenas pouco mais de 20 propriedades particulares desse tipo.

Após tentativas frustradas de leilão, Grande Hotel deve ir à venda direta

22 de novembro de 2017 0

Foto: Pancho, BD, Jornal de Santa Catarina

Ao que tudo indica o prédio que por anos abrigou o Grande Hotel, na Alameda Rio Branco, conhecerá em breve o seu novo destino.

Curta Pedro Machado no Facebook

Em decisão publicada no dia 17, o juiz Sérgio Agenor de Aragão, da 5ª Vara Cível de Blumenau, deu prazo de 30 dias para que o Ministério Público, o administrador judicial e os sócios e credores da massa falida se manifestem sobre a possibilidade de venda direta dos bens – vista como a melhor alternativa depois de tentativas de leilões que não deram em nada.

Confirmada essa modalidade, será aberto prazo para a apresentação de novas propostas pelo imóvel, avaliado em R$ 19 milhões.

Duas já estão sobre a mesa: uma no valor de R$ 10 milhões, com entrada de R$ 1 milhão e 50 parcelas de R$ 180 mil, e outra, vinda de um representante de uma empresa estrangeira, de R$ 14 milhões, com entrada de R$ 3 milhões e 30 parcelas de R$ 366.666.

Neste segundo caso, ao contrário do primeiro, a proposta ultrapassa 70% do valor de avaliação do imóvel, condição já imposta pela Justiça para autorizar a venda.