Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "Empresas"

Blumenau ganha, enfim, lei de incentivo à inovação

18 de dezembro de 2017 0

Era para ser uma pauta positiva, mas passou batida diante da polêmica proposta de revisão do plano de cargos e salários dos servidores da saúde de Blumenau. O pacotaço de projetos do Executivo aprovados pela Câmara de Vereadores em sessão extraordinária nesta segunda-feira incluiu o que enfim estabelece a Lei da Inovação na cidade.

Curta Pedro Machado no Facebook

Ao definir as atribuições e o papel de cada um dos diversos agentes do ecossistema local de inovação, a legislação proporcionará maior segurança jurídica, o que deve estimular o desenvolvimento científico e tecnológico de Blumenau. Dentro do Legislativo, a articulação ficou a cargo dos vereadores Bruno Cunha (PSB) e Sylvio Zimmermann (PSDB).

Uma das novidades da Lei da Inovação é a implantação do Sistema Municipal de Inovação, que nasce para viabilizar parcerias entre organizações públicas e privadas, e o Conselho Municipal de Inovação, responsável por propor ações e políticas para o fomento do setor, abrangendo criação de empregos, melhor distribuição de renda e inclusão social.

Oxford compra a antiga fábrica e a marca de cristais Strauss

18 de dezembro de 2017 0

Leilão dos bens da empresa ocorreu nesta segunda-feira (Foto: Pedro Machado)

Em breve a marca Strauss voltará ao mercado de cristais sob a direção de novos donos. O prédio que abrigou a fábrica, as máquinas e o nome da antiga cristaleria de Blumenau, que fechou as portas em junho do ano passado depois de se afundar em dívidas, foram comprados pela Oxford, empresa de São Bento do Sul mais famosa por sua linha de louças de cerâmica e porcelana.

Curta Pedro Machado no Facebook

A venda ocorreu na manhã desta segunda-feira durante um leilão a céu aberto no pátio da sede da Strauss, no bairro Itoupava Central. Ex-funcionários acompanharam de perto todo o processo, que durou pouco mais de 15 minutos. O conjunto de bens estava avaliado em R$ 5,51 milhões, mas ninguém se manifestou na primeira chamada. Na segunda, que partia de uma oferta mínima de 70% desta quantia – R$ 3,85 milhões –, o diretor-superintendente da Oxford, Irineu Weihermann, foi o único a levantar a mão.

O lote arrematado em um único lance inclui dezenas de máquinas e fornos para a produção de cristais, móveis, equipamentos de informática, sucatas de veículos, a marca e o domínio strauss.com.br (que ainda está no ar), além de um terreno de 65 mil metros quadrados com pouco mais de 4 mil metros quadrados de área construída, incluindo áreas de escritório, depósito e produção.

Pelas regras do leilão, a Oxford precisou desembolsar 25% do valor ofertado no ato da compra e pode parcelar o restante em até 24 vezes. Segundo o leiloeiro Paulo Pizzolatti, a documentação foi encaminhada ainda nesta segunda-feira.

Plano é ampliar linha

Com o negócio, a Oxford planeja ganhar corpo no segmento de cristais, no qual entrou em 2009 após ter adquirido uma pequena fábrica do ramo de Pomerode. Hoje a empresa já tem uma linha de taças e copos que representa 5% do faturamento. O diretor Antônio Marcos Schroth diz que a meta, no futuro, é elevar esta fatia para até 20%.

Questionado pelo blog sobre a possibilidade de reativar a produção no mesmo prédio em Blumenau, Schroth diz que a Oxford ainda está avaliando o que fazer com os bens adquiridos, mas reforça que a aquisição faz parte da estratégia da companhia de crescer neste segmento, inclusive com mais produtos de cristal além de copos e taças.

Nome forte

Apesar de arranhada por um processo de falência, Schroth avalia que a marca Strauss ainda é bem vista pelo mercado. A própria disposição de uma empresa forte e importante como a Oxford de resgatá-la deve ajudar a abrir novas portas. Há terreno a avançar em nichos mais luxuosos, que valorizam uma experiência mais ampla de decoração e gastronomia que o vidro comum, ao contrário do cristal, não proporciona.

Venda não paga todas as dívidas

A Strauss solicitou a autofalência à Justiça no ano passado, pouco antes de fechar as portas e encerrar a produção, em junho, deixando cerca de 200 pessoas desempregadas. O pedido foi deferido pelo juiz Marcos D’Avila Scherer, da 4ª Vara Cível de Blumenau, em julho.

Na época, a cristaleria fundada em 1983, uma das poucas da região que ainda transformavam o cristal puro em peças 100% feitas à mão, alegou que não tinha condições de se manter ativa diante das dificuldades financeiras. O passivo, na ocasião, chegava a R$ 117 milhões.

Hoje as dívidas trabalhistas – as primeiras a serem contempladas em casos de falência – somam cerca de R$ 15 milhões, segundo o administrador judicial Dênio Scottini. A venda dos bens por R$ 3,85 milhões, portanto, não será suficiente para quitar todas as pendências com ex-funcionários, que deverão receber valores proporcionais. Detalhes sobre prazos e forma de pagamento dos créditos da categoria ainda serão definidos.

Crescimento da cerveja artesanal no Brasil é tema de reportagem da Forbes

17 de dezembro de 2017 1

Foto: Divulgação

Com bom desempenho do Brasil, a ascensão da indústria de cerveja artesanal na América Latina foi tema de uma reportagem da Forbes, uma das mais importantes revistas especializadas em economia e negócios do mundo. Ao destacar que já são 650 empresas no ramo em terras tupiniquins, a publicação americana ouviu dois empresários catarinenses.

Curta Pedro Machado no Facebook

O presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), Carlo Lapolli, projetou um crescimento de 40% no número de estabelecimentos deste tipo no país em 2018.

Carlo Enrico Bressiani, diretor da Escola Superior de Cerveja e Malte (ESCM), primeira faculdade focada na produção da bebida na América Latina, com sede em Blumenau, lembrou que grandes players do segmento, como AB InBev e Heineken, estão de olho no crescimento deste nicho e vem fazendo aquisições de cervejarias artesanais.

Aliás, o projeto de expansão da ESCM, que recentemente abriu sua primeira filial internacional no Uruguai, foi tema de outra reportagem, de duas páginas, na edição deste mês da Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios. O investimento no projeto foi de US$ 120 mil e até março de 2018 o faturamento da unidade no país vizinho deverá atingir R$ 400 mil.

À publicação, Bressiani diz que já recebeu sondagens de Índia e África do Sul, mas que por enquanto o objetivo é consolidar as operações brasileira e uruguaia.

Empresa de TI investe R$ 5 milhões em nova sede em Blumenau

17 de dezembro de 2017 0

Foto: Divulgação

Outro exemplo de empresa de tecnologia que ignorou a recessão e vem crescendo a galope nos últimos anos – média de 30% –, a AMcom, especializada no desenvolvimento de softwares sob medida, vai inaugurar em março sua nova sede em Blumenau.

Curta Pedro Machado no Facebook

O espaço de 4 mil metros quadrados, quatro vezes maior do que o atual, está em construção no bairro Ponta Aguda. O projeto arquitetônico prevê um ambiente de trabalho moderno e dinâmico, com bar, salas de descanso, mesas de jogos e piquenique e até escorregador que conecta um mezanino ao primeiro pavimento.

— Vai ser algo bem inovador, que atraia essa geração atual e inspire muito as pessoas — promete o CEO da empresa, Marcelo Furtado.

O investimento é de R$ 5 milhões. A nova estrutura permitirá ainda que a AMcom dobre a capacidade de atendimento e também o número de funcionários – hoje são 400 – até 2020, projeta o executivo.

Atualmente a empresa, que também tem filiais em São Paulo e no Rio de Janeiro, está com mais de 30 vagas em aberto.

Vale representa 31% do PIB de Santa Catarina, mostra raio X do setor produtivo do Estado

15 de dezembro de 2017 0

Lançada nesta quinta-feira pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), a edição 2017 do SC em Dados reforça a posição de relevância do Vale do Itajaí na economia do Estado.

Curta Pedro Machado no Facebook

De acordo com o estudo, que traça um amplo raio X do setor produtivo catarinense, a região responde por 31% do PIB de Santa Catarina. Na sequência vêm o Norte (22%), seguido do Oeste (16%), Grande Florianópolis (15%), Sul (11%) e Serra (5%).

O Vale também tem a maior participação no número de empresas (28%) e empregos gerados (26%) em Santa Catarina, além de ser responsável por 47% das exportações do Estado, o maior volume entre as seis grandes áreas catarinenses.

Os números são expressivos, mas a sensação que predomina é que o retorno das autoridades públicas com a região não vem na mesma proporção de sua pujança econômica.

Desafios para o crescimento

No curto prazo, a economia brasileira poderá continuar crescendo pelo aumento do consumo porque existe uma grande capacidade ociosa na indústria e também há mão de obra disponível (em função da ainda alta taxa de desemprego).

Porém, uma retomada sustentável da atividade econômica só será possível com um novo ciclo de investimentos, avaliou nesta quinta-feira o presidente da Fiesc, Glauco Côrte, ao fazer um balanço do segmento industrial em 2017 e projetar o próximo ano.

Para o dirigente, este novo ciclo de investimentos depende do aumento da confiança do mercado, e isso passa pela redução de despesas da máquina pública, continuidade das reformas e aceleração do programa de concessões.

Rede de supermercados TOP vai abrir nova loja em Gaspar

14 de dezembro de 2017 0

Rede já está presente na cidade (Foto: Divulgação)

A rede de supermercados TOP vai abrir uma nova loja em Gaspar. Será no mesmo local que por anos abrigou o Supermercado Goedert, na Margem Esquerda. A inauguração está prevista para janeiro.

Curta Pedro Machado no Facebook

Aliás, os supermercados catarinenses devem ter o melhor período de festas dos últimos quatro anos, projeta o presidente da associação catarinense do setor (Acats), Paulo Lopes.

Em pesquisa feita pela entidade, 77% dos empresários do ramo disseram acreditar que as vendas deste ano serão, em média, 7% melhores em relação a 2016.

Em SC, franquias crescem mais em cidades do interior, mostra estudo

14 de dezembro de 2017 0

Relatório da Associação Brasileira de Franchising aponta uma tendência de expansão de redes de franquias principalmente em cidades do interior do Estado. Mafra (31%), Concórdia (+23%) e Itapema (18%) foram os municípios catarinenses que apresentaram o maior crescimento em marcas e unidades desse tipo de negócio entre 2016 e o primeiro semestre deste ano.

Curta Pedro Machado no Facebook

Balneário Camboriú (+17%), Indaial (15%) e Brusque (14%) incrementam a relação de municípios do Vale que se destacam no estudo. Em centros urbanos maiores, como Florianópolis (+10%), Joinville (6%) e Blumenau (5%), o crescimento é menor porque este tipo de mercado já é mais consolidado, o que aumenta a base comparativa.

No terceiro trimestre deste ano, o setor de franquias registrou um crescimento de 21% em números de redes e um faturamento de R$ 1,52 bilhão em Santa Catarina, alta de 6,3% frente ao mesmo período de 2016.


ONDE O SETOR GANHA TERRENO
Cidades de SC com maior crescimento de unidades franquias entre 2016 e o primeiro semestre deste ano:

1. Mafra 31%
2. Concórdia 23%
3. Itapema 18%
4. São Miguel do Oeste 17%
5. Chapecó 17%
6. Balneário Camboriú 17%
7. Indaial 15%
8. Brusque 14%
9. Criciúma 12%
10. Araranguá 11%

Fonte: Associação Brasileira de Franchising

Curtas: ISS, arrecadação, comércio, vendas de Natal, UFSC, CDL, consumidor

14 de dezembro de 2017 0

A mudança na lei do ISS sugerida em Blumenau que isenta facções de recolherem o imposto quando as atividades de costura e acabamento estiverem inseridas em um ciclo de produção está servindo de exemplo para a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit). Enquanto negocia em nível federal para alterar a legislação, a entidade mobiliza sindicatos regionais para que repliquem o modelo adotado pelo município.

***

A atividade econômica dá sinais de reação, mas ainda insuficientes para proporcionar melhora significativa na arrecadação da prefeitura de Blumenau. A projeção do Executivo é de que haja uma frustração de receita (o que foi previsto e não entrou no caixa) de R$ 40,3 milhões neste ano. A meta para 2018 é reduzir em R$ 20 milhões as despesas de custeio.

***

O comércio de Blumenau pode ganhar novo fôlego nesta reta final de ano com a liberação da segunda parcela do 13º salário do funcionalismo público local. O pagamento, que vai ocorrer até o dia 20, vai injetar R$ 15,1 milhões no bolso dos servidores municipais.

***

Levantamento feito pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Santa Catarina (FCDL-SC) revela que quase 60% dos empresários do comércio acreditam em vendas melhores no Natal deste ano. De acordo com a pesquisa, pouco mais da metade dos consumidores (54,6%) vai usar o 13º salário para reforçar as compras. O restante deve utilizar o benefício para quitar dívidas.

***

Fruto de uma parceria com a prefeitura, a UFSC terá acesso ao banco de dados dos fornecedores cadastrados em Blumenau e, com isso, poderá solicitar deles cotação de preços para licitações da universidade.

***

Com um crescimento de 20,6% em relação a 2016, a quarta edição do Feirão Limpe Seu Nome da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Blumenau atendeu 1.072 pessoas entre terça-feira e sábado da semana passada. A iniciativa resultou na negociação de R$ 1,05 milhão em dívidas de consumidores com o comércio local.

***

Quase 70% dos consumidores dispostos a pagar mais por um produto ou serviço se o atendimento fosse melhor. O dado é de uma pesquisa feita pela NeoAssist, empresa especializada em soluções para atendimento ao cliente, e o Instituto Ibero-Brasileiro de Relacionamento com o Cliente (IBRC). Prova de que, no geral, este ainda é um ponto que muitas empresas pecam.

Empresários de Ilhota lançam nova marca de camisas

14 de dezembro de 2017 0

Foto: Divulgação

Nem só de moda íntima e praia vive o setor têxtil de Ilhota.

Curta Pedro Machado no Facebook

Quatro empreendedores da cidade lançaram oficialmente nesta semana loja virtual de uma nova marca catarinense de camisas, a Calafate, que atenderá todo o Brasil. Eles apostam em peças com tecidos nobres e acabamentos diferenciados, com preços a partir da faixa dos R$ 250.

O foco inicial é o público masculino, mas não está descartada a criação de linhas para elas. A produção é terceirizada e feita por uma empresa de Luiz Alves.

Investidores demonstram interesse em bens da Sulfabril

14 de dezembro de 2017 2

Foto: Luís Carlos Kriewall Filho, especial

Já há pelo menos dois investidores que demonstraram interesse no imóvel que abrigou a Sulfabril.

Curta Pedro Machado no Facebook

Os bens da empresa – incluindo a marca – vão a leilão novamente, em data a ser definida, depois que a Justiça anulou a venda anterior por falta de pagamento das parcelas.

Antes disso, porém, ainda será feita uma nova avaliação de todo o patrimônio da massa falida.