clicRBS
Nova busca - outros
24 ago14:54

Um vira-lata entre os vips

Joice Bacelo | Zero Hora 

Pretinho foge à regra dos cachorros de rua. Desde que foi atropelado, há cinco meses, recebe tratamento vip ao combate da lesão que o deixou sem mexer as patas traseiras. Depois de passar por quatro veterinários, encontrou o que parece ser a solução na acupuntura. Seria a reviravolta de uma história de vira-latas, não fosse a falta de um lar.

A sessão de 20 minutos alivia a dor e ajuda a fortalecer a musculatura. São 14 agulhas distribuídas no que a veterinária Juliana Gastal chama de pontos de influência. Pretinho começou na acupuntura há um mês e já consegue apoiar a pata esquerda no chão. Existe a possibilidade de voltar a andar, mas para que o tratamento não se arraste por anos é necessário estímulo fora do horário semanal no consultório veterinário.

- Ele precisa de um lugar gramado, que ofereça espaço, e de um dono que o estimule a esticar as patas, é um exercício fácil que pode ser feito por quem não é especialista – explica.

O cachorro vive em um abrigo, junto com outros cães que foram recolhidos da rua. Quem paga a conta é a funcionária pública Cleia Lemons, de 51 anos. Foi ela quem atropelou o cachorro, na avenida que o liga o centro da cidade à praia do Laranjal, no final da temporada de veraneio. Até agora foram gastos cerca de R$ 700, incluindo as primeiras consultas, os medicamentos e o tratamento com a acupuntura.

O cão: Pretinho é um vira-latas com menos de cinco anos, que tem uma mistura genética da raça poodle. É sociável e não tem o costume de latir com frequência. Aconselhado para donos que moram em casas espaçosas e com tempo disponível para auxiliar no tratamento.

O tratamento: Pretinho vai ao consultório uma vez por semana e a sessão dura cerca de 20 minutos. A acupuntura preenche uma lacuna entre a medicina e a cirurgia, serve como analgésico, anestésico e auxilia na recuperação muscular. A especialista explica que no caso desse cachorro, seria uma das únicas possibilidades de tratamento, já que a lesão calcificou de maneira incorreta e uma cirurgia poderia comprometer ainda mais a estrutura da coluna.

Por

Comentários