clicRBS
Nova busca - outros
29 set15:06

Lição de vida: Atleta torna-se símbolo da doação de órgãos no país

Há dois meses, uma corrente virtual iniciava a enxurrada de e-mails com a sugestão de um nome para o novo mascote da Aliança Brasileira pela Doação de Órgãos e Tecidos (Adote), ONG com sede em Pelotas. A mobilização levou à escolha do apelido de um jogador de handebol de 19 anos que teve todos os órgãos doados após morrer no trânsito em 2005.

A arregimentação de familiares e amigos garantiu a vitória do nome Vili – como era chamado Willian Bourscheid Wagner – em votação no site da instituição com outros dois nomes concorrentes. Com mais de 90% dos votos, o jovem de Chapecó (SC) tornou-se o rei da campanha.

Para o presidente da Adote, Francisco Neto de Assis, o nome pequeno e fácil de memorizar só não é melhor que a história do homenageado, um rapaz que, em vida, pediu para que todos os seus órgãos fossem doados. Foi uma lição para a importância da doação. Conforme o Ministério da Saúde, em todo o país, pelo menos 35 mil pessoas esperam na fila do transplante, enquanto que o número de doadores é de 11,1 por milhão de habitantes.

 A iniciativa da mobilização virtual foi do tio de Vili, Elton Boursched, 50 anos. Depois do primeiro e-mail disparado, teve início a corrente de mensagens com o pedido para que todos acessassem o site da Adote e escolhessem o apelido do seu sobrinho. A maioria foi de moradores da cidade catarinense onde o jovem ficou conhecido pelas atuações no Clube Recreativo Chapecoense.

– A vitória do nome Vili chama atenção para a participação da família no processo da doação. Por mais que o Willian tivesse dito, quando era vivo, que queria ser doador, foi a família quem autorizou a doação de todos os órgãos – destaca Boursched.

O acidente que matou Willian chocou a cidade. Em 17 de maio de 2005, o micro-ônibus da equipe de handebol colidiu com um ônibus de turistas. Ao descer do veículo para procurar ajuda, Vili e um colega foram atropelados por um carro.

>> Confira os números sobre doação de órgãos no Estado na edição impressa de Zero Hora

Por

Comentários