Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Como funciona o Programa Mais Educação (ensino em tempo integral)?

17 de setembro de 2012 Comentários desativados

Perguntas:

Qual é o maior desafio do governo para a implementação do turno integral nas escolas públicas? A implementação de novas matérias, o resgate das antigas como técnicas domésticas e agricultura, música e esporte em geral trariam uma nova perspectiva aos alunos. A falta de interesse dos mesmos é algo visível a nós pais. O que mais atormenta é o relaxamento dos professores e diretores das escolas públicas. Seria fácil pra mim como pai transferir minha filha a minha escola privada, mas me sinto responsável pelo abandono do ensino público. Quero como cidadão, ser um dos pilares para a construção de um ensino público de qualidade a todos.

de Diego Petrocelli, 31 anos, técnico em histopatologia de Porto Alegre (RS)


Por que o ensino não se apresenta no formato de ensino integral? Mais do que isso, voltado por exemplo, nas séries iniciais e nível médio para além do estudo tradicional, o aprendizado de artes, através de música, pintura, artes cênicas e indo ainda mais longe, buscando neste mundo globalizado um aprendizado em línguas mais utilizadas como inglês, espanhol e também a base da língua mãe que é o latim. Não teríamos dessa forma verdadeiramente um ensino integralizado?

de Anderson de Lacerda, 34 anos, farmacêutico de Cachoeirinha (RS)


A educação em tempo integral é importante, porém as escolas precisam planejar e preparar os professores para que o ensino-aprendizagem não fique mais uma vez no “faz de conta”. Como este processo se dará dentro das escolas? Grande parte dos professores estão desatualizados e perdidos! Por onde (co)recomeçar? A formação é ponto relevante para obter-se êxito.

de Ivany Cielo


Considerando que a educação se faz com o binômio família-escola, e atualmente a maioria das famílias, não tem o tempo necessário para fazer a sua parte, pela necessidade do pai e da mãe buscar o mercado de trabalho, pergunto se a melhor alternativa não seria implementar a escola em turno integral? Aliada à qualificação dos nossos professores e a melhor remuneração.

de Luiz Carlos Karnikowski de Oliveira


Como funciona o Ensino Integral? Em quais escolas esse projeto está sendo aplicado?

de Janaína, 15 anos, estudante de Monte Castelo (SC)


Respostas:

Temos mais de 30 mil escolas que aderiram ao ensino integral esse ano por meio do Programa Mais Educação. Esse é um programa que ajuda muito, porque aumenta a jornada escolar em três horas, de quatro para sete horas diárias. Dentre os benefícios, a escola passa a oferecer monitores para melhorar a grade curricular e três refeições. Todos os países desenvolvidos do mundo que têm escolas de excelência têm escolas de tempo integral. O Brasil precisa caminhar nessa direção. É um processo em que estamos avançando.
Em três horas a mais você pode dar, além das disciplinas obrigatórias, o reforço em Matemática, Português, Ciências, etc. Você pode fazer programação de cultura, teatro, música, de direitos humanos, de responsabilidade ambiental, de conhecimento das leis de trânsito, de cultura regional… São 10 macrocampos que a escola pode escolher, e ela tem flexibilidade e escolhe as atividades que mais motivam os alunos. Eu vi uma jovem outro dia que tinha abandonado a escola, voltou por causa do Programa Mais Educação, entrou no judô e virou campeã brasileira!

por Aloizio Mercadante, ministro da Educação durante o Painel RBS

Assista na íntegra a participação do ministro no Painel RBS

O Programa Mais Educação, instituído pela Portaria Interministerial nº 17/2007 e regulamentado pelo Decreto 7.083/10, constitui-se como estratégia do Ministério da Educação para induzir a ampliação da jornada escolar, dos tempos, espaços e oportunidades educativas, propondo a organização curricular na perspectiva da Educação Integral em tempo integral.

O Programa Mais Educação (PME) induz da agenda da educação integral em jornada ampliada no Brasil e tem por finalidade contribuir para a melhoria da aprendizagem de crianças, adolescentes e jovens matriculados em escolas públicas, mediante oferta de educação básica considerando-se a jornada escolar diária de, no mínimo, sete horas, cinco dias por semana.O PME tem como princípios: a articulação das disciplinas curriculares com diferentes campos de conhecimento e práticas socioculturais; a constituição de territórios educativos para o desenvolvimento de atividades de educação integral; a integração entre as políticas educacionais e sociais e a valorização das experiências históricas das escolas de tempo integral.

Cada escola escolhe, anualmente, em função do seu projeto político pedagógico, atividades distribuídas entre os macrocampos oferecidos pelo Programa (respeitando as categorias de escolas urbanas e escolas do campo). O macrocampo de acompanhamento pedagógico é obrigatório para todas as escolas do PME podendo ser trabalhado nas áreas de alfabetização e letramento, matemática, ciências, geografia, história, tecnologia da alfabetização e línguas estrangeiras.Escolas públicas estaduais, municipais e distritais estão aptas a participar do PME.

A seleção das escolas é realizada pela Secretaria de Educação Básica (SEB/MEC) e atende anualmente a alguns critérios específicos. O Programa Mais Educação estabeleceu os seguintes critérios para seleção das unidades escolares em 2012:

- escolas contempladas com PDDE/Integral no ano de 2008, 2009, 2010 e 2011;

- escolas estaduais, municipais e/ou distritais que foram contempladas com o PDE/Escola e que possuam o IDEB abaixo ou igual a 4,2 nas séries iniciais e/ou 3,8 nas séries finais;

- escolas localizadas nos territórios prioritários do Plano Brasil Sem Miséria;

- escolas com índices igual ou superior a 50% de estudantes participantes do Programa Bolsa Família;

- escolas que participam do Programa Escola Aberta; e

- escolas do campo.

Atualmente, 32 mil escolas participam do programa beneficiando aproximadamente 5,1 milhões de estudantes. A meta para 2014 é atender 60 mil escolas públicas.

por Ministério da Educação (MEC)

Não é possível comentar.