Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Por que é tão difícil pôr em prática novas ideias?

09 de outubro de 2012 Comentários desativados

Pergunta:

Atualmente sou supervisora de uma escola no meu município e encontro muita resistência por parte da gestão para implantar na escola novas metodologias de ensino para os professores. Por que a Secretaria de Educação não consegue mudar esta situação? Por que é tão difícil o novo dentro das escolas? Por que pessoas com ideias novas são muitas vezes afastadas das escolas? A direção não apoia estas mudanças por trazer muito trabalho, por que irá trazer resistência por parte de alguns professores?

Acredito que as pessoas que realmente querem e possuem capacidade para tal estão sozinhas e não conseguem realizar estas mudanças. Não acredito e nunca acreditei que um professor que ama sua profissão não queira mudar para melhor e trazer resultados que mudem o futuro do Brasil.

De Heloísa Sachs, 56, professora de Biologia, Ciências e Matemática de Eldorado do Sul (RS)

Resposta:

Profa. Heloísa,

Albert Einstein certa vez teria dito ser mais fácil quebrar partículas subatômicas do que mudar um preconceito ou realizar mudanças que alteram hábitos cristalizados. Assim, mesmo não conhecendo a situação específica ou sobre ela emitindo opinião específica, é verdade ser bastante comum enfrentarmos grandes dificuldades ao tentarmos mudar metodologias ou ousarmos adotar novas tecnologias.

A maioria das escolas infelizmente não sabe o que é inovação. Pensam que é modernizar comprando equipamentos. Inovação hoje é o motor que gera conhecimento, que ajuda a moldar os programas de pesquisa e o desenvolvimento tecnológico. Entre elas, aptidão desenvolvida para aprendizagem independente, espírito empreendedor e capacidade de iniciativa, aprender a trabalhar em equipe e com visão solidária, não ter medo de novas tecnologias e gosto por enfrentar desafios e imprevistos, saber falar e ouvir sem preconceitos e com espírito de tolerância desenvolvida e, por fim, mas não menos importante, extrema paixão pela cultura, especialmente pelas artes, e pelos esportes. Enfim, atributos essenciais que normalmente são subestimados, quando não reprimidos, pelas escolas.

A escola tradicional tem arraigados defensores que parecem não perceber que como está, não está funcionando. Faz parte da procura por soluções despertar novas idéias, incomodar a preguiça alheia, inovar e não ter receio de compartilhar novas estratégias.

Mas, cá entre nós, não há batalha mais gloriosa do que lutarmos por nossos ideais no mundo da educação. Com muita tolerância, muita complacência e todo amor que merecem nossos estudantes.

Por Ronaldo Mota, ex-secretário nacional de Educação à Distância do Ministério da Educação (MEC) e atual ocupante da cátedra Anísio Teixeira, no Instituto de Educação da Universidade de Londres

Não é possível comentar.