Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de novembro 2013

O acesso do Figueirense também é de quem não aparece na mídia e resultado de muita fé

30 de novembro de 2013 1
A imagem de Nossa Senhora Aparecida que acompanha o Figueirense há 10 anos. Foto: André Podiacki

A imagem de Nossa Senhora Aparecida que acompanha o Figueirense há 10 anos. Foto: André Podiacki

Não são apenas eles que ajudam os jogadores. Ficaram em Florianópolis o massagista Genivaldo Costa e o roupeiro Ewerton Max de Oliveira. Esse acesso também é deles. Além de arrumar as chuteiras e uniformes, eles também são responsáveis por trazer a fé ao vestiário.

A mais de 10 anos o Figueirense leva em todas as viagens uma imagem de Nossa Senhora Aparecida.

— Ela é pé quente, já viu de tudo nesse tempo e hoje vai ver o acesso — disse Rafael antes do jogo.

A fé é algo que está muito presente no futebol, além dos atletas de Cristo (geralmente evangélicos) existem os católicos. O autor do gol alvinegro no empate em 1 a 1 com o Bragantino, Éverton Santos, é um dos devotos de Nossa Senhora Aparecida.

— Fazer esse gol importante e entrar para a história do clube é demais. Tenho que agradecer muito a minha família, a Deus e a Nossa Senhora Aparecia — disse o atacante no gramado ao meio a festa.

Gaviões organiza caravana até Bragança Paulista

25 de novembro de 2013 5

A torcida uniformizada Gaviões Alvinegros está organizando uma caravana até Bragança Paulista (SP). De hoje até quinta-feira, às 19h, serão vendidas passagens ao preço de R$ 25 na praça em frente ao Orlando Scarpelli, ou com o presidente da torcida, Filipe Back pelo telefone (48) 7812-9244. Só será aceito nos ônibus torcedores com as roupas da torcida organizada, por isso também estará a venda a R$ 25 camisas da Gaviões.

A saída está marcada para às 23h de sexta-feira, sem horário para retorno.

— É a caravana da Série A, se der tudo certo já vamos comemorar por lá — disse Filipe, confiante, por telefone.

Serão 10 ônibus à disposição de quem queira ir junto com a Gaviões apoiar o Furacão.

Invasões alvinegras

Foto: Julio Cavalheiro, BD, 30/05/2013

Foto: Julio Cavalheiro, BD, 30/05/2013

O Maracanã foi duas vezes invadido pela torcida do Figueirense. Em 2007, contra Botafogo e Fluminense, na semifinal e final da Copa do Brasil. Nas duas oportunidades, os alvinegros compareceram em peso para apoiar o time.

Outra invasão recente da torcida do Figueira foi em 2010, quando o time lutava mais uma vez pelo acesso. Em Curitiba, o Furacão enfrentou o Coxa. O time foi derrotado, mas ficou com a vaga na elite do futebol brasileiro.

Catarinense Guilherme Siqueira consegue o passaporte espanhol e pode ser convocado pela Fúria

22 de novembro de 2013 1
Foto: Jessé Giotti

Foto: Jessé Giotti

A espera acabou. Depois de meses na expectativa, finalmente o lateral-esquerdo Guilherme Siqueira, do Benfica, teve o seu passaporte espanhol expedido. Com isso, a sete meses da Copa do Mundo, o catarinense pode ser convocado para pela Fúria.

— Meus queridos amigos e familiares. Queria dividir essa grande notícia com todos vocês. Acabei de receber a notícia que finalmente saiu o meu passaporte espanhol. A partir de hoje faço parte desse lindo país que tantas coisas boas me proporcionou. Brasileiro de sangue e espanhol de coração. Países maravilhosos — escreveu Siqueira em sua página pessoal de Facebook.

Com problemas na lateral esquerda, um dos auxiliares de Vicente Del Bosque, técnico da Fúria, cogitou convocar Siqueira. Desde então, o jogador trabalhou para trocar seu passaporte italiano pelo espanhol. Hoje, Guilherme Siqueira terá que lutar por uma vaga com Ignacio Monreal e Jordi Alba.

— Não vivo expectativa de vestir a camisa da Espanha, não faz parte do meu dia a dia, porque isso é uma consequência do trabalho. Mas, como eu sempre falo, sou brasileiro e, se tivesse que fazer uma escolha, eu escolheria a Seleção Brasileira, mas no futebol tem que ser profissional. Me sinto espanhol, porque eles me tratam superbem e, se me chamassem, eu iria sem problemas — disse o lateral em entrevista a mim em julho, quando visitou a redação do Diário Catarinense.

Agora é esperar e ver se Guilherme terá alguma oportunidade na Fúria.

Histórias do Comendador: a sagacidade de Saul Oliveira

20 de novembro de 2013 0

Saul Oliveira foi um atacante, técnico e presidente do Avaí. Além disso, era homem rápido nas respostas.

Figueirense é o último catarinense vivo na luta pelo acesso na Série B

18 de novembro de 2013 5

Na terceira rodada da Série B, os quatro times de Santa Catarina formaram o G-4. Momento histórico, mas que não refletia a realidade. Trinta e três rodadas depois apenas a Chapecoense está garantida na Primeira Divisão e dos três times restantes só o Figueirense mantém chances matemáticas de acesso à Série A.

A probabilidade de acesso do Furacão, que era de 35%, caiu para 15,8%, segundo o matemático Valdir Medeiros, o Kmarão. O torcedor alvinegro começou a fazer contas na ponta do lápis logo depois do apito final em Itápolis, onde o Figueirense empatou com o Oeste por 2 a 2, no último sábado.

O torcedores de Avaí e Joinville podem estar decepcionados, mas era improvável imaginar que ao fim da Segundona mais de dois times catarinenses conseguissem o acesso. Alguém morreria na praia.

A Chapecoense foi uma surpresa, mas que durante a competição mostrou força suficiente para consolidar o segundo lugar. Já o Leão, o JEC e o Furacão viveram altos e baixos e desperdiçaram pontos importantes contra equipes que hoje estão rebaixadas ou na luta contra o Z-4.

Para os alvinegros resta torcer e secar os adversários. Enquanto isso, o Verdão assiste de cima a luta do Furacão por uma vaga.

Figueirense fica mais distante do acesso, após empate por 2 a 2

O Figueirense chegou muito pressionado a Itápolis (SP). As vitórias de Sport, Ceará e Icasa aumentaram sua responsabilidade. Vitória significaria força na briga pelo acesso, no entanto, aos 15 minutos do segundo tempo, o goleiro Tiago Volpi falhou e permitiu o gol de empate do Oeste. O 2 a 2 deixou o Furacão a três pontos do G-4. Subir agora é questão de vencer e torcer por tropeços.

O Figueirense aposta na força da torcida no Orlando Scarpelli. Foto: Cristiano Estrela

O Figueirense aposta na força da torcida no Orlando Scarpelli. Foto: Cristiano Estrela

O Alvinegro é obrigado a vencer as duas últimas rodadas e ainda torcer para os três times a sua frente — Ceará, Icasa e Sport — perderem. É difícil, mas a equipe não joga a toalha.

— Dá (para subir) porque podemos chegar a 62 pontos. Mas os times da frente têm jogos difíceis e vamos torcer por um tropeço. Nós acreditamos porque já passamos por momentos complicados — analisou Vinícius Eutrópio.

Na sexta-feira, o Figueirense enfrenta o ASA, às 19h30min no Scarpelli.

Júlio Rondinelli acredita que a base do Avaí pe boa para 2014Foto: Daniel Conzi

Júlio Rondinelli acredita que a base do Avaí pe boa para 2014. Foto: Daniel Conzi

Avaí espera eleição para começar a definir a próxima temporada

A derrota por 1 a 0 para o América-RN acabou com qualquer chance matemática de acesso do Avaí. Agora, resta ao clube lamentar a oportunidade perdida e começar a se preparar para a próxima temporada. O investimento foi grande com contratações importantes como a do ídolo Marquinhos, do volante Eduardo Costa e do meia Cleber Santana. No entanto, o resultado em campo não ocorreu como o esperado.

O projeto 2014 só deve começar depois da eleição do novo presidente, que será realizada no dia 20 de novembro. Mesmo assim, o gerente de Futebol, Júlio Rondinelli, acredita que o Leão tem uma boa base para começar 2014.

— Temos hoje, diferentemente do ano passado, um número significativo de atletas, entre eles o Marquinhos, Cleber Santana, o Eduardo Costa, o Diego, com contrato para o ano que vem. Então não é chegar no final do ano, mandar todo mundo embora e correr para contratar. O Luciano apareceu muito bem, o Diego Jardel, enfim, vários jogadores têm contrato com o Avaí e podem ainda representar o clube em alto nível — declarou após a partida.

Joinville inicia projeto 2014 liderado pelo cartola César Sampaio

O Joinville parecia ter jogado a toalha quando efetivou Sergio Ramirez no cargo de técnico. Afinal, depois de investir em Ricardo Drubscky, o presidente Nereu Martinelli parecia não acreditar mais no acesso. No entanto, depois da vitória por 1 a 0 sobre o Figueirense no Orlando Scarpelli, na 31ª rodada, a esperança voltou. Porém, mais uma vez quando precisava decidir em casa o JEC decepcionou seu torcedor.

Leo Franco (E), gerente de futebol do JEC ao lado de César Sampaio, superintendente. Foto: Rodrigo Philipp

Leo Franco (E), gerente de futebol do JEC ao lado de César Sampaio, superintendente. Foto: Rodrigo Philipp

Uma vitória em cima do Oeste (SP) teria mantido o Joinville mais vivo na luta, porém quase sem chances o Tricolor perdeu para o São Caetano por 3 a 2 e deu adeus as últimas esperanças.

— Vários fatores se somaram para que talvez nós fossemos castigados. Houve desacertos e você sabe, a bola acaba punindo, serve como lição. Com certeza já há uma movimentação por parte da direção, para nós mudarmos algumas maneiras de trabalhar — defendeu o treinador Ramirez.

O planejamento de 2014 começou com a contratação do superintendente de Futebol César Sampaio. Esta semana o trabalho do cartola deve ser intensificado na análise do grupo.

Antes de viagem para encarar o Oeste, Figueirense recebe visita do ídolo Albeneir

15 de novembro de 2013 2
Albeneir observa o treino. Foto: André Podiacki

Albeneir observa o treino. Foto: André Podiacki

Sentado no banco de reservas Albeneir observava o treinou do Figueirense. Um dos maiores ídolos alvinegros, o ex-atacante está presente no dia a dia do clube. Confiante, o artilheiro acredita no acesso. Ainda mais porque Vinícius Eutrópio tem boas conficções:

— Conversei com o Vinícius e ele tem certeza do que está fazendo e nas peças que está escolhendo. Além disso, tem muita confiança. Eu torço para continuar dando certo acho que estamos perto do acesso — completou.

No sábado o Furacão enfrenta o Oeste, às 21h no Estádio dos Amaros em Itápolis, e tem como novidades a volta de Wellington Saci, Rodrigo Souto e Nem. Os dois últimos substituem Rivaldo, lesionado, e Paulo Roberto, suspenso.

Existiu um momento nessa reta final de Série B que o Figueirense estava praticamente fora da briga pelo acesso. Mas depois de três vitórias seguidas e bom futebol a equipe se recuperou e hoje está a um ponto do G-4.

— Quando um jogador encontra um momento difícil no campeonato, ele não pode pensar que é impossível, tem que pensar que está difícil mas ainda existem chances. Se pensar de outra forma entraremos em campo derrotados. Falamos de motivação no futebol, a maior motivação é fazer o que gosta e receber dinheiro e carinho por isso — finalizou.

História do Comendador: A vez que o pequeno Guarani ganhou do Avaí e ninguém acreditou

13 de novembro de 2013 0

Nesta quinta-feira o comendador conta a vez que o pequeno Guarani, de Florianópolis, venceu o Avaí, mas ninguém acreditou, porque a imprensa não foi cobrir a partida por considerar muito fácil.

Vídeo: DC Esportes em Pauta: a rodada decisiva da Série B e o Criciúma na final da Copa do Brasil Sub-20

12 de novembro de 2013 0

Toda terça-feira o Diário Catarinense publica o DC Esportes em Pauta. O assunto da programa de estreia é a 35ª rodada da Série B e a decisão dos Tigrinhos na Copa do Brasil Sub-20.

Do baú: A vez que o rigoroso árbitro Armando Marques virou técnico de futebol

11 de novembro de 2013 0
Foto: Reprodução Revista do Esporte

Foto: Reprodução Revista do Esporte

Armando Marques ficou conhecido no Brasil por ser um árbitro enérgico e de muitas polêmicas. A maior delas foi na final do Campeonato Paulista de 1973 quando se atrapalhou na contagem dos pênaltis que decidiram o Paulistão entre Santos e Portuguesa. O Peixe vencia por 2 a 0, mas ainda havia a possibilidade de a Lusa empatar. Por conta disso, o título foi dividido entre os dois clubes.

Mas não foi apenas nos gramados que Armando Marques atuou, foi nas areias das praias cariocas que o árbitro deixou o apito de lado para ser técnico. Armando, foi treinador de futebol de praia, modalidade famosa no Rio de Janeiro.

Ele começou a carreira em 1955 pelo Juventus, depois passou pelo Tatuis, Arsenal e Lagoa. Na temporada 1964/65 foi campeão na categoria principal com o time Lagoa.

— Eu armo o Lagoa no esquema 4-2-4 metido a besta. O futebol de praia é bem diferente do futebol de campo. Por isso faço o Lagoa jogar, numericamente falando, em 4-1-2-3. Planto Canário a frente da linha de zagueiros e faço Lula recuar, para buscar jogo e armar as jogadas. O Lula, assim como o Gugu, avançam quando tempos a bola dominada — explicou em detalhes a reportagem da Revista do Esporte em outubro de 1965.

Armando Marques era mais paciente com a arbitragem, mas isso não quer dizer que ele não reclamava.

— O ato de reclamar ou xingar o juiz é mecânico, podemos assim dizer. Desde que nos sentimos prejudicados imediatamente fazemos a nossa reclamação. É um ato de defesa próprio. Já disse e volto a dizer que tenho o máximo de respeito e admiração pelos juízes de praia — finalizou.

Histórias do Comendador: A confusão na final do Catarinense de 1977

07 de novembro de 2013 0

Roberto Alves volta com mais uma História do Comendador. Desta vez o jornalista lembra da confusão que precedeu a partida da final do Catarinense em 1977, entre Chapecoense e Avaí, vencida pelo Verdão.