Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "Chapecoense"

Figueirense tem que encontrar camisa 10, mas tem poucas opções no mercado

03 de fevereiro de 2015 1

O Figueirense terá que tirar um coelho da cartola para encontrar um camisa 10. O técnico Argel Fucks falou depois da estreia no Catarinense que o clube está de olho em um jogador para o meio-campo, mas lembrou que o mercado está complicado. Com os campeonatos rolando é difícil encontrar uma solução mesmo. Por isso, vale o clube ficar de olho também no mercado sul-americano.

Enquanto isso, o treinador alvinegro terá que encontrar outra solução e, para isso, deve mexer no esquema. Jogando com três atacantes, o segundo tempo do Figueirense contra o Atlético-Ib foi melhor. Talvez essa seja a melhor opção agora, já que amanhã a equipe encara o Marcílio Dias em Camboriú.

Começou cedo

O Metropolitano colocou em seu site uma nota de repúdio pela atuação do árbitro Eduardo Guimarães Cordeiro na partida contra o Marcílio Dias. O Avaí reclama de pênalti não marcado por Rodrigo D’Alonso Ferreira. A Chapecoense também reclamou de um pênalti não marcado, mas de forma mais comedida, afinal goleou o Inter por 5 a 0. Essa foi a primeira rodada e já choveram reclamações. Isso que os árbitros passaram os últimos dias antes do torneio estudando e aprimorando com instrutores da Fifa…

Ligeirinhas

• O Bugre tem missão complicada hoje contra a Chapecoense. O time do Oeste meteu cinco no primeiro jogo. Por isso, o Guarani de que fazer valer o fator casa. Acho difícil.

• O Catarinense sempre tem bizarrices, já é tradição. Neste ano já temos duas: a ausência de Ronaldo Capixaba nas primeiras rodadas, já que o atacante do Marcílio Dias foi mordido por uma aranha e teve que passar por uma pequena cirurgia, e a não inscrição de quatro atletas do Inter de Lages, que deixou o técnico Mabília bem irritado. ​

PodiCast 7º edição - O futebol catarinense no Campeonato Brasileiro

29 de maio de 2014 1

Associação de Clubes de SC prepara campanha enaltecendo sucesso do futebol catarinense

08 de dezembro de 2013 1

Santa Catarina terá três time na elite do futebol brasileiro em 2014 _ Criciúma, Chapecoense e Figueirense. O estado será o segundo com mais clubes na Série A, atrás apenas de São Paulo, com cinco representantes. Além disso ainda tem Avaí e Joinville na Série B. Um grande resultado para SC que cresceu demais nos últimos 10 anos.

— A partir do Século XXI o estado entrou no ritmo do pelotão de frente e desde que o Brasileirão começou a ser jogado no sistema de pontos corridos, em 2003, sempre teve representante na Série A — destacou o presidente da SCClubes e do Figueirense, Wilfredo Brillinger.

Nesta segunda-feira você verá nas tevês catarinenses essa propaganda (abaixo) do SCClubes. Ela enaltece o feito catarinense. Assista:

Vídeo: DC Esportes em Pauta: a rodada decisiva da Série B e o Criciúma na final da Copa do Brasil Sub-20

12 de novembro de 2013 0

Toda terça-feira o Diário Catarinense publica o DC Esportes em Pauta. O assunto da programa de estreia é a 35ª rodada da Série B e a decisão dos Tigrinhos na Copa do Brasil Sub-20.

Histórias do Comendador: A confusão na final do Catarinense de 1977

07 de novembro de 2013 0

Roberto Alves volta com mais uma História do Comendador. Desta vez o jornalista lembra da confusão que precedeu a partida da final do Catarinense em 1977, entre Chapecoense e Avaí, vencida pelo Verdão.

Avaí tem o terceiro melhor aproveitamento do segundo turno da Série B; Chapecoense é a nono, JEC o décima primeiro e Figueira décimo segundo

30 de outubro de 2013 3

Nem a derrota para o Atlético-GO tirou o Avaí do G-4. Com 53 pontos o Leão é o primeiro time no grupo de classificação para a primeira divisão. Resultado da ótima campanha no returno. A equipe azurra é a terceira que mais fez pontos no segundo turno. Se a gente considerar apenas o returno o Avaí está em terceiro.

Mas o que garante o Leão nessa briga foi a recuperação do time no final do primeira turno. Terminar a fase inicial com 30 pontos foi importante. O Leão continua na luta e precisa de pelo menos mais 12 pontos para chegar aos 65 pontos, número que o matemático Valdir Medeiros, o professor Kmarão, calcula como os ideias para o acesso.

Os outros catarinenses

Tanto Joinville como a Chapecoense caíram sete posição comparando um turno ao outro. Mas que mais perdeu foi o JEC, que deixou a quarta posição para figurar em 11ª. Já o Verdão continua bem na competição graças aos 40 pontos conquistados do primeiro turno.

O Figueirense perdeu quatro posições, o que mostrou a inconstância do Alvinegro. Se você olhar apenas a classificação de pontos do segundo turno verá que o Furacão está mais próximo da zona de rebaixamento do que do acesso.

Curiosidades

O ABC fez uma campanha de recuperação no segundo turno. Seu aproveitamento seria o sexto se a tabela só contasse os pontos do returno. Do outro lado o Boa Esporte estaria na zona de rebaixamento, a equipe mineira chegou a ser um dos candidatos do acesso, mas com a péssima campanha do segundo turno ficou para trás.

Confira a classificação apenas com os pontos conquistados nos turnos na imagem abaixo. Se quiser espiar como está a classificação real da Série B é só clicar aqui.

tabelass

Entrevista: Aloisio comemora boa fase, quer renovar com o São Paulo e torce pelo acesso da Chapecoense

29 de outubro de 2013 7
Aloisio e sua famosa comemoração. Foto: Phortus Júnior

Aloisio e sua famosa comemoração. Foto: Phortus Júnior

O atacante Aloisio é bem conhecido pela torcida catarinense, campeão estadual pela Chapecoense em 2011 e artilheiro do Figueirense em 2012, o Boi Bandido hoje dá voos maiores. Natural de Araranguá, no Sul do Estado, o atleta superou a desconfiança da torcida do São Paulo e hoje caiu nas graças dos são-paulinos. Com nove gols Aloisio é o artilheiro tricolor na Série A e planeja continuar no clube. Ontem, conversei com ele por telefone.

Aloisio conquistou a torcida do São Paulo por causa de sua luta interminável. O atacante não perde uma bola com facilidade, ele luta por ela. Claro que o atual sucesso do Boi Bandido só acontece por causa dos gols. Com os três do último domingo, na vitória por 3 a 2 sobre o Internacional em Caxias do Sul, o jogador catarinense só confirmou a ótima fase.

No dia 22 de setembro de 2012, o Figueirense ainda lutava para escapar do rebaixamento. Estive na casa de Aloisio em Florianópolis e conversei com ele. Foi a primeira vez que estava com ele fora de campo. E na época descrevi assim Aloisio:

Aloisio é um boleiro atípico. Ele gosta de chuteiras coloridas, de cabelo estiloso e rodas grandes no carro, porém o foco é no futuro da família. Sincero, ele admite que não sonha em vestir a camisa da Seleção. O verdadeiro desejo é fazer o pé de meia e ajudar ao máximo os familiares e quem sabe um dia voltar tranquilo para sua terra natal, Araranguá, no Sul do Estado.

Acho que essa descrição continua valendo. Ele continua na luta, agora distribuindo voadoras para todos os lados. Apegado a sua terra natal, ao marcar três gols pelo Figueirense na Série A do ano passado pediu a música Papa Terra, do músico João Medalha, que também é de Araranguá. No domingo, a pedida foi Casar Nunca de Neguinho e Emanuel, de Criciúma.

Confira a entrevista que fiz com o Aloisio.

Diário Catarinense — Como no Figueira, você teve que conquistar a torcida do São Paulo antes de fazer sucesso?
Aloisio — Eu passei por uma fase ruim, mas continuei trabalhando da mesma forma e treinado daquele jeito que você conhece. A torcida do Figueirense teve uma época que só me vaiava e me queria fora do time, aqui no São Paulo a torcida me apoiou. Se não fosse pelos treinadores da época no Figueira eu não teria mais jogado pelo clube. Mas trabalhei da mesma forma e isso foi o essencial para fazer os gols naquela época. Aqui é a mesma coisa, eu trabalho intensamente e isso me ajuda bastante.

Aloisio com os prêmios que ganhou em Santa Catarina. Foto: Caio Marcelo

Aloisio com os prêmios que ganhou em Santa Catarina. Foto: Caio Marcelo

DC — O que mudou com o Muricy Ramalho?
Aloisio — Eu não sei se foi o Muricy que mudou o nosso resultado, quando estava o Paulo (Autuori) a gente também estava se dedicando e brigando pelas vitórias, mas não aconteceu. E com o Muricy as coisas começaram a dar certo, acho que Deus olhou para nós e disse: “Acho que está na hora de vocês ganharem”.

DC — Depois de tantos pênaltis perdidos pelo São Paulo na temporada você não ficou pressionado na partida de domingo?
Aloisio — Eu não me senti pressionado. No último jogo o Muricy tinha determinado que eu ou o Rogério (Ceni) iriamos cobrar. Antes de começar eu conversei com o Rogério e disse para ele: “Se tiver pênalti eu posso bater tranquilamente”. Tivemos dois pênaltis bati e fui bem.

DC — Você quer continuar no São Paulo?
Aloisio — Eu tenho contrato até a metade ano que vem e espero ficar. Vamos nos falar no final do ano. Se eu sair vai ser triste, porque eu gosto muito do clube.

DC — E essa camisa com uma imagem sua dando uma voadora, ficou surpreso?
Aloisio — Fiquei muito feliz com o marketing do São Paulo com essa camisa. Só ídolos e poucos jogadores tiveram esse tipo de homenagem.

DC — Que comemoração é essa?
Aloisio — Extravasei uma vez e depois que começamos a dar voadora começou a sair gol, então vou continuar com essa comemoração.

DC — No início do ano você tinha entrado na Justiça para receber dinheiro atrasado do Figueirense, como está essa situação?
Aloisio — Eu tive uma audiência contra o Figueirense e o clube não quis fazer um acordo. E vai ficar para outra audiência. Infelizmente.

DC — Está torcendo pela Chapecoense na Série B?
Aloisio — Estou torcendo muito para a Chape, e acho que vai subir. Lá têm pessoas que eu gosto muito. E que antes de eu passar por lá já faziam um bom trabalho como o Cadu (Gaúcho), o Mauro (Stumpf), o próprio presidente (Sandro Pallaoro). Espero jogar contra a Chapecoense no ano que vem.

Observação: Aloisio é sem acento mesmo, aqui no Diário Catarinense sempre escrevemos sem. Na dúvida confirmei mais uma vez com o atleta antes da entrevista.

Informações da 28ª rodada da Série B

08 de outubro de 2013 0

As terças-feiras de 2013 têm sido bem agitadas para Santa Catarina, afinal, quatro times estão na disputa da Série B e todos têm chance de acesso. Por isso, os torcedores de Avaí, Chapecoense, Figueirense e Joinville se acostumaram a guardar a terça à noite para as super rodadas da Segunda Divisão.

Hoje, o dia promete ser tenso. Isso porque todas as partidas são complicadas. Chapecoense e Figueirense têm que buscar pontos longe de casa. A situação do Verdão do Oeste é mais confortável. Com 52 pontos, a equipe do técnico Gilmar Dal Pozzo conta os dias para o acesso, mas enfrenta o América-MG, que dentro do Estádio Independência quer a vitória para continuar sonhando com o G-4.

O Figueirense precisa recuperar os pontos perdidos para o Atlético-GO em casa contra o líder da competição, o Palmeiras. O JEC recebe o ABC. Apesar de a equipe potiguar lutar para não ser rebaixada, dentro de casa, bateu o poderoso Palmeiras. Aliado a isso, o Joinville não vive bom momento.

Na Ressacada, o Avaí enfrenta o Sport, adversário direto pelo acesso, e uma vitória coloca o a equipe catarinense dentro do G-4.

Aproveito para publicar aqui o que está nas páginas do Diário Catarinense, onde pedimos para setoristas dos quatro clubes catarinense analisarem os jogos.

palfiga

Fabiano Linhares, setorista do Figueirense  da rádio CBN Diário

O que pode ajudar?
O Figueirense enfrenta um Palmeiras muito desfalcado. Sem a zaga titular, e principalmente sem Valdivia, o Verdão chega com muitos problemas. Além disso, o volante Rodrigo Souto vai fazer sua estreia como titular. No último jogo, ele entrou no segundo tempo e deu muita qualidade ao meio de campo. Souto é um jogador experiente e pode ajudar os mais novos. Ele vai estar na criação e o atacante Artur vai ajudá-lo, acredito que isso é um erro. O técnico alvinegro poderia usar outro meia nessa função.

O que pode dificultar?
Além da qualidade do Palmeiras, que mesmo com desfalques não será uma equipe fácil de ser batida, o Figueirense chega desentrosado. Mais uma vez, o técnico Vinícius Eutrópio teve que mexer no time por causa de lesões. Artur, por exemplo, acabou de chegar ao time, é um atleta jovem e terá que fazer uma função de criação de jogadas. O garoto terá bastante pressão contra um adversário complicado.

Palmeiras
A equipe paulista tem vários desfalques. Eguren, Valdivia e Henrique foram convocados por suas respectivas seleções. O zagueiro Vilson está suspenso. Já o atacante Leandro está liberado e o técnico Gilson Kleina deverá contar com o lateral-direito Luís Felipe, o lateral-esquerdo Juninho e o atacante Vinicius, que deve ficar como opção no banco.

amareciachapecampo

Cleiton César, repórter e narrador da RBS TV em Chapecó

O que pode ajudar?
A Chapecoense está muito bem preparada fisicamente, o trabalho de do preparador físico do clube, Anderson Paixão, é impecável. Outro fator importante é o entrosamento da equipe. Gilmar Dal Pozzo tem uns 15 jogadores que se revezam na equipe e por isso acredito que as ausências de Fabiano, André Paulino e Nenén não devem ser sentidas pelo time. Além disso Bruno Rangel vive uma fase incrível e se ele tiver chances de marcar não vai perder.

O que pode dificultar?
O América-MG não é um adversário fácil. A equipe do técnico Silas venceu as duas últimas e continua na briga por uma vaga no G-4. Por isso, e para não se distanciar, o time mineiro vem com tudo para cima da Chapecoense. O Coelho deve optar por um esquema ofensivo que privilegie o perigoso Bady, um jogador rápido e de muita qualidade. O Verdão pode e deve aproveitar os desfalques do América-MG que não poderá contar com Andrei, Jaílton e Willians.

América-MG
O técnico Silas não poderá contar com o zagueiro Jaílton e o volante Andrei Girotto, que estão suspensos. Willians também não joga. No entanto, retornam o zagueiro Vitor Hugo e o goleiro Matheus, que cumpriu suspensão de três jogos do STJD.

avaisportcampo

Janniter de Cordes, setorista do Avaí da Rádio CBN Diário

O que pode ajudar?
O grupo tem que seguir o esquema montado por Hemerson Maria. Não mudar o estilo de jogo tem sido um ponto positivo da equipe avaiana. Outro fator que pode ajudar é a torcida. Os avaianos estão empolgados pelo momento da equipe. O estádio não deve estar lotado por causa do horário (21h50min). Márcio Diogo é dúvida e eu acredito que ele só deve ser usado se estiver 100% fisicamente. Caso contrário, não Betinho deve continuar no time. Com Luciano no meio de campo Marquinhos pode ter mais espaço.

O que pode dificultar?
O grande desafio do Avaí é superar a ansiedade. Essa é a primeira vez que o clube está próximo de entrar no G-4 e os jogadores têm que administrar a tensão para não se prejudicarem. Nesse momento vale a experiência dos líderes do grupo: Diego, Eduardo Costa e Marquinhos. Nesses jogos importantes, a equipe costuma crescer e isso pode ajudar. O Sport é um adversário que vem em bom momento e, por isso mesmo, uma vitória mudaria a situação do clube da Capital.

Sport
Os pernambucanos estão com problemas para montar a defesa. Sem Pereira, Oswaldo e Vinicius Simon, vetados por contusão, o técnico Geninho não poderá escalar Gabriel, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Aílson deve formar dupla de zaga com Toby.

 

jecabc

Lucas Balduino, repórter do jornal A Notícias

O que pode ajudar?
Além de precisar fazer a sua parte dentro de campo e vencer o ABC, o Joinville ficará de olho nos outros jogos da 28ª rodada da Série B. Apesar de ser improvável que o Tricolor retorne ao G-4 ainda hoje, a equipe pode se aproximar da zona de acesso se Avaí e Sport ficarem no empate. No entanto, se for para alguém sair vitorioso do confronto, é melhor que o Avaí vença, assim, o Sport não abre vantagem na briga. Outro confronto que interessa ao JEC é entre América-RN e Paraná, no Rio Grande do Norte, onde um tropeço da equipe paranaense não cairia nada mal.

O que pode dificultar?
Se o Joinville já não vinha atuando bem diante de sua torcida, agora, que a cobrança é maior, a situação pode ficar ainda pior. A torcida vem reclamando do time, que não vence há cinco partidas. O Tricolor vai entrar em campo com a obrigação de conseguir um bom resultado contra o ABC, que venceu as suas últimas quatro partidas – inclusive o líder Palmeiras, na última rodada. A pressão será uma inimiga a mais da equipe joinvilense, que pode ver as chances de acesso diminuírem drasticamente em caso de um novo revés.

ABC
A equipe potiguar não vai ter o atacante Gilmar, que foi vetado após sentir lesão na coxa no jogo contra o Palmeiras, no sábado. Pingo deverá ser seu substituto.

Dos cinco grandes clubes catarinenses, apenas a Chapecoense não gostou da nova fórmula do Estadual

04 de outubro de 2013 0

A nova fórmula do Campeonato Catarinense agradou Avaí e Figueirense. E foi principalmente a data de início do campeonato que mais agradou os superintendentes dos dois clubes.

O Estadual vai começar no dia 26 de janeiro, o que dará aos clubes pelo menos 25 dias de pré-temporada, algo raro nos últimos anos.

— Esse foi o fator mais importante na escolha da fórmula do campeonato e vamos ter tempo para fazer uma pré-temporada que é fundamental hoje para os clubes que disputam o campeonato nacional — analisou Rodrigo Pastana, superintendente de Esportes do Figueirense.

O superintendente de Esportes do Avaí, Enio Gomes, também alertou que esse novo formato do Catarinense vai possibilitar um maior tempo para a recuperação dos gramados.

— A nossa sugestão inclusive era que o campeonato começasse no dia 2 de fevereiro. Porque não é apenas a questão da preparação física. Nós temos uma dificuldade que é o gramado. Então agora teremos dezembro e janeiro para deixar o gramado em condições para o Catarinense e para o restante da temporada — disse Enio Gomes.

Sandro Pallaoro, presidente da Chapecoense. Foto: André Podiacki

Sandro Pallaoro, presidente da Chapecoense. Foto: André Podiacki

Se o formato agradou a dupla da capital e também Criciúma e Joinville, que votaram favoráveis a proposta da Associação de Clubes de Futebol Profissional de Santa Catarina (SCClubes), a Chapecoense propôs um formato diferente.

A proposta perdedora foi sugerida pelo Metropolitano, Chapecoense, Brusque, Atlético-Ib e Marcílio Dias. A ideia da proposta de número dois era disputar o campeonato em turno e returno e os quatro primeiro colocados disputaram semifinais e final.

— Nós queríamos o turno e returno sem tem campeão de turno. Isso daria uma possibilidade maior de todos os clubes chegarem as semifinais. O grande barato do Campeonato Catarinense é que qualquer time pode ser campeão. E essa fórmula aprovada acho ela suicida, porque você vai disputar um turno. Os quatro classificados para o quadrangular vão brigar pelo título, os outros seis não. Então acho que o torcedor não vai para o estádio e vai desmotivar o torcedor. É um risco muito grande, porque equipes grandes do estado podem ficar de fora desse quadrangular, até pelo o que a gente viu nos últimos anos — explicou o presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro.

Informações da 26ª rodada da Série B

01 de outubro de 2013 3

Dever de casa

Em um campeonato de pontos corridos, vencer em casa é obrigação para a equipe que quer subir. A Chapecoense sabe muito bem disso e tem um dos melhores aproveitamentos da Série B. Já o Avaí derrapou nos primeiros jogos em casa durante a competição, mas agora a Ressacada é um dos pontos fortes da equipe.

Na Arena Condá, o Verdão foi derrotado apenas uma vez, pelo surpreendente Icasa. Em Chapecó, a equipe de Gilmar Dal Pozzo quer usar a força da torcida para voltar a vencer. Nas duas últimas rodadas, duas derrotas e muita desconfiança. Por isso, contra o ASA, às 19h30min, a Chape quer mostrar sua força.

Já o Leão terá que rugir muito mais alto na Ressacada contra o São Caetano. Sem o maestro Cleber Santana, e seu substituto imediato Luciano, o técnico Hemerson Maria aposta na experiência e qualidade de Marquinhos.

Nivaldo volta ao gol do Verdão

O retorno do goleiro Nivaldo, depois de oito rodadas afastado em virtude de uma lesão no joelho esquerdo, é uma das novidades da Chapecoense para o confronto contra o ASA. Ele deve voltar no lugar de Juliano, que não foi bem contra o Paysandu. Outra mudança na defesa é a entrada de Tiago Saletti no lugar do zagueiro Rafael Lima, que está suspenso. No ataque, Tiago Luís volta ao time no lugar de Soares. Bruno Rangel, artilheiro da Série B, comanda o ataque do Verdão na Arena Condá.

chapecoasa

numeroschape

Beto é dúvida no ataque azurra

Sem Cleber Santana, lesionado, e Luciano, suspenso, Diego Jardel deve voltar ao meio de campo titular do Leão. No ataque, o centroavante Beto é dúvida. Na tarde de ontem, o jogador foi poupado do treino e trabalhou à parte com um dos preparadores físicos do time. Com uma pancada no tornozelo, o jogador ainda não sabe se vai a campo. Chance para Betinho, recém-contratado, o atacante já ficou no banco de reservas contra o América-MG e espera uma chance. Marquinhos será o comandante da equipe contra o Azulão.

avaisaoesquema

numerosavai

Cartão de visitas

Se fazer pontos dentro de casa é obrigação, pontuar longe do seu domínio é o diferencial para chegar ao G-4. Todas as equipes que estão atualmente no grupo de classificação à primeira divisão possuem boas campanhas fora de casa. O JEC é um desses times. A equipe de Ricardo Drubscky já venceu seis partidas fora da Arena Joinville, o que garantiu a equipe dentro do G-4 nas últimas rodadas depois de maus resultados.
Já o Figueirense é uma ótima visita, quase não incomoda. Em 11 jogos, venceu apenas dois. Empolgados pelas duas vitórias em casa, jogos difíceis e vencidos na raça, o time viajou para Varginha (MG) em busca da primeira vitória longe do Orlando Scarpelli sob o comando do técnico Vinícius Eutrópio.
O Sport, adversário do JEC, já perdeu três partidas em casa e chega desfalcado do seu principal volante, Anderson Pedra. O Furacão chega com boas chances de vitória contra o Boa Esporte. A equipe mineira perdeu três em Minas.

Jussani retorna ao time titular

O JEC viajou até Recife com mudanças. Diego Jussani volta à zaga, no lugar de Rafael, depois de cumprir suspensão. No meio de campo, Wellington Bruno continua fora, lesionado. Marcelo Costa comanda o time que conta com o artilheiro Lima, que reclamou que as bolas não tem chegado redondas para a finalização. o meia Diego Oliveira, recém-contratado do Juventude, é uma das opções para o segundo tempo, já que o meia Ricardinho foi emprestado ao Criciúma. O Joinville não vence a três rodadas, mesmo assim continua no G-4, mas as gordurinhas estão acabando e se for derrotado pode perder a quarta colocação.

sportjoinville

numerosjec

Figueirense com cinco desfalques

O Figueirense chega remendado a Minas Gerais. Contra o Boa Esporte, o time tem cinco desfalques. Além de não poder contar com Douglas Marques, suspenso, o técnico Vinícius Eutrópio terá mais quatro ausências. Maylson, Nem, Wellington Saci e Marcelo Toscano não viajaram com a delegação alvinegra por estarem vetados pelo departamento médico. Assim, o volante Paulo Roberto fará sua estreia. No ataque, uma dúvida: Jonatan e Éverton Santos brigam por uma vaga. O volante Tinga corre por fora e pode ser uma surpresa do técnico Vinícius Eutrópio, que pode colocar o atleta no ataque.

boafigueira

numerosfiga