Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "Curiosidade"

Curiosidades sobre a tocha olímpica

09 de julho de 2015 0

tochaA tocha dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro foi apresentada no dia 3 de julho. Pela primeira vez na história ela passará por cidades de Santa Catarina. Quatro cidades estão na lista: Blumenau, Criciúma, Florianópolis e Joinville.

::: Mais sobre Olimpíadas
::: Outras informações sobre o Rio-2016

O revezamento da tocha olímpica começou em 1936 por iniciativa do alemão Theodore Lewald. Desde então uma tocha com o fogo olímpico deixa Olímpia, cidade que fica a 300 quilômetros de Atenas, e vai até a cidade sede dos Jogos, de preferência a maior parte por terra.

A primeira vez que algum brasileiro carregou a tocha foi em 1992. Lara de Castro, uma estudante de educação física então com 19 anos, venceu um concurso e teve a felicidade de levar a tocha.

A última pessoa que leva a tocha e que consequentemente acende a pira é mantida em segredo e revelada apenas instantes antes na abertura da Olimpíada.

E se a chama se apagar?

Normalmente as tochas levam gases infláveis em sua estrutura. Além disso, durante os anos as organizações desenvolveram tochas mais resistentes ao vento e chuva. Mas se por algum motiva a chama for apagada?

Em casos que a chama é apagada, como no revezamento de 1996 para a Olimpíada de Atlanta, um motoqueiro caiu e apagou a chama. Rapidamente uma das chamas de segurança foi usada para reacender a principal. Sim, eles levam chamas também acessas em Olímpia durante o trajeto da tocha até a cidade sede dos Jogos.

Outros posts da série olímpica:

• A origem e as primeiras modalidades dos Jogos Olímpicos

A origem e as primeiras modalidades dos Jogos Olímpicos

02 de julho de 2015 0

Faltam exatos 400 dias para a Olimpíada do Rio de Janeiro. No dia 5 de agosto de 2016 a capital carioca será a casa do esporte no mundo. Essa será a 31ª edição dos jogos modernos, que começaram em 1896, em Atenas no Grécia, por iniciativa do francês Pierre Coubertin.

::: Mais informações sobre o Rio 2016

Por isso, a partir de hoje uma vez por semana publicarei aqui no blog alguma curiosidade sobre os Jogos Olímpicos. Para começar nada melhor do que começar pelo início de tudo na Grécia Antiga.

Homenagem aos deuses

Os Jogos Olímpicos começaram em 776 a.C. em forma de homenagem a Zeus e aos outros deuses gregos. No início era disputada apenas uma modalidade: corrida de 170 metros. Aos poucos foram adicionados outros esportes. A competição era disputada apenas por homens livres, isso que dizer que mulheres e escravos eram proibidos de jogar.

As despesas das viagens e os materiais usados nas disputadas saiam dos bolsos dos próprios atletas. As Olimpíadas eram disputadas de quatro em quatro anos.

O fim dos jogos

A decadência dos Jogos Olímpicos começou em 456 a.C., quando os romanos invadiram e dominaram a Grécia. A última Olimpíada da Era Antiga foi disputada em 393 d.C., quando o imperador Teodósio I proibiu a adoração aos deuses e creditou os jogos como uma festa pagã, assim cancelando a disputa da competição. A Era Antiga teve 293 edições.

Modalidades:

Corrida - Até 728 a.C. foi a única competição disputada. Ganhou novas distâncias e formatos, como o hoplitodromos em que os atletas corriam vestidos para a guerra _ com armaduras, escudos e armas

corirda

Salto em distância – Cada atleta competia com pesos nas mãos, usados para aumentar o momento do salto, impulso e ampliar o voo.

Arremesso de disco - O disco fez parte dos Jogos desde 708 a.C. na qual era usado um disco de pedra. Até hoje a técnica, porém, segue similar à usada na Grécia Antiga.

Lançamento de dardo - Originária do uso de lanças por soldados as competições de lançamento de dardo eram divididas em dois eventos. O primeiro era o ekebolon, em que os juízes avaliavam a distância alcançada pelo arremesso. A segunda, o stochastikon, era um arremesso de dardo em que o objetivo era atingir um alvo determinado.

pentatlo

Pentatlo

Pentatlo - Era considerado o evento mais importante dos Jogos. Eram disputados salto em distância, arremesso de disco e lançamento de dardo em uma só prova. O atleta que vencesse os três era considerado o campeão, sem precisar disputar as outras duas provas, o pancrácio e a corrida.

Luta livre – Já tinha regras que lembra o esporte atual. Os lutadores ganhavam pontos por jogar o oponente de costas no chão e um combate terminava na terceira queda.

Boxe - Os gregos foram os primeiros a estabelecer regras e realizar torneios e a modalidade chegou aos Jogos da Antiguidade 688 a.C. Os lutadores treinavam com luvas protegendo as mãos, mas lutavam com tiras de couro duro, para causar mais danos aos adversários durante o combate.

Pancrácio - A mistura de boxe e luta livre é relatada como uma das mais populares modalidades da Antiguidade. Mesmo assim, só entrou no currículo olímpico em 648 a.C.

Corrida de cavalos e bigas - Com várias modalidades disputadas sobre cela, as corridas de cavalo são as únicas que previam a disputa feminina. As mulheres não eram permitidas nos Jogos, mas como os vencedores eram os donos dos cavalos, não os cavaleiros, mulheres chegaram a conquistar títulos olímpicos. Já as corridas de bigas eram disputadas no hipódromo de Olímpia _ que era gigante e podia abrigar até 60 bigas ao mesmo tempo. As corridas tinham duas variáveis, com bigas puxadas por dois ou quatro cavalos.

As brilhantes defesas do goleiro mexicano Ochoa que impediram a vitória do Brasil na Copa do Mundo

17 de junho de 2014 1

O grande destaque do empate em 0 a 0 entre Brasil e México foi o goleiro Guillermo Ochoa. O camisa 13 salvou os mexicanos da derrota com defesas espetaculares. Com 28 anos, o goleiro foi destaque do América do México nas Libertadores de 2005 e 2006. Em 2011 foi negociado para o Ajaccio, da França, mas antes do início da Copa do Mundo seu contrato com o clube francês terminou.

Com certeza propostas não vão faltar para Ochoa depois da partida que fez contra a Seleção. Com quatro pontos, o México só precisa empatar com a Croácia no dia 23 de junho para se classificar para as oitavas de final do Mundial.

Abaixo a primeira grande defesa de Ochoa na partida, uma cabeçada de Neymar e uma grande defesa.

Neste chute do nosso camisa 10 um outra boa defesa

Em um dos últimos lances da partida salvou essa bola do Thiago Silva.

O goleiro saiu satisfeito do jogo, afinal foi o herói da partida.

 

Foto: FABRICE COFFRINI, AFP

Foto: FABRICE COFFRINI, AFP

Japoneses recolhem lixo na Arena Pernambuco após jogo da Copa do Mundo

15 de junho de 2014 6

O Japão perdeu a partida de sábado para a Costa do Marfim, mas os seus torcedores saíram vitoriosos da Arena Pernambuco. Isso por um ato muito simples. Os Japoneses fizeram questão de deixar as arquibancadas do estádio limpas depois do jogo.

Os nipônicos usaram sacos azuis — que durante o jogo serviu para animar o time — para catar o lixo que ele fizeram durante a partida.

 

Fotos: Reprodução

Fotos: Reprodução

A primeira vez: Chile x Austrália

13 de junho de 2014 0
O primeiro jogo entre as seleções foi no Mundial de 1974, Foto via ak-tsc

O primeiro jogo entre as seleções foi no Mundial de 1974, Foto via ak-tsc

Depois de 40 anos Chile e Austrália voltam a se encontrar na Copa do Mundo. No dia 22 de junho de 1974 os dois países se enfrentaram pela primeira vez na história, na última rodada do da primeira fase do Grupo A do Mundial da Alemanha.

O jogo foi tedioso, o empate sem gols foi o placar perfeito para aquela partida sem sal. Mas isso não quer dizer que o jogo não tenha sido histórico. Quem deu gosto ao encontro foi um grupo de chilenos que invadiu o campo com uma bandeira do Chile com a seguinte frase escrita: “Chile socialista”.

Era um protesto contra a ditadura do General Augusto Pinochet. Nove meses antes da Copa, em 11 de setembro de 1973, houve um golpe e Salvador Allende, que havia sido eleito democraticamente, foi tirado do poder. Esse ato iniciou um domínio militar muito sangrento que durou 17 anos, machado por tortura, mortes e abusos.

O protesto chileno na Alemanha serviu para alertar o mundo da insatisfação com a ditadura em seu país.

Quatro décadas depois Chile e Austrália voltam a ser encontrar em um clima muito diferente e longe de problemas políticos. A preocupação das seleções agora é sobreviver no Grupo da Morte da Copa no Brasil. Os dois tentam passar da primeira fase, mas para isso tem que deixar para trás Espanha e Holanda. O jogo começa às 19h na Arena Pantanal, em Cuiabá (MT).

Assista a um vídeo com melhores momentos e com a imagem do protesto:

FICHA TÉCNICA

AUSTRÁLIA (0)

Reilly; Utjesenovic, Wilson, Schaefer, Curran (Williams); Richards, Rooney, Mackay, Abonyi; Alston (Ollerton) e Buljevic

Técnico: Rale Rasic

CHILE (0)

Vallejos; Garcia, Quintano, Arias, Figueroa, Caszely, Valdez (Farias), Ahumada, Veliz (Yavar), Reinoso, Paez

Técnico: Luis Alamos Morales

Cartão amarelo: Ray Richards (A)
Cartão vermelho: Ray Richards (A)
Arbitragem: Jafar Namdar (IRN), auxiliado por Vital Loraux (BEL) e Arie Van Gemert (HOL)
Data: 22/06/1974
Local: Estádio Olímpico de Berlim, em Berlim (ALE)

Com informações de The Rec.Sport.Soccer Statistics Foundation (RSSSF), Fifa, The Guardian e Southern Cross

OBS: A título de curiosidade vou publicar no blog a cada dia de jogo da Copa do Mundo um pequeno texto trazendo alguns detalhes — aqueles que as minhas pesquisas conseguirem achar —, dos primeiros encontros das seleções.

OBS 2: Se você quiser saber mais sobre a relação da ditadura chilena com o futebol indico o documentário Memórias do Chumbo, o futebol nos tempos do condor: Chile do jornalista da ESPN Brasil Lúcio de Castro.

O simpático, o antipático e o azarado no Congresso Técnico da Fifa

21 de fevereiro de 2014 0

Nesta sexta-feira está uma calmaria tão grande no Costão do Santinho que se não fosse a estrutura grandiosa, montada exclusivamente para o evento, e as logo marcas da Fifa ninguém diria que o resort no Norte da Ilha de Santa Catarina recebeu o Congresso Técnico da Fifa.

Hoje ainda tem entrevista coletiva, mas é com os membros do Comitê Organizador Local (COL). A imprensa diminuiu bastante e poucos jornalistas gringos estão aqui. O agito foi grande na terça, e principalmente, na quarta-feira. Dias de chagadas de treinadores e da famosa zona mista.

Ao todo foram 23 técnicos em Florianópolis. Três a mais do que no mesmo evento que aconteceu há quatro anos na África do Sul. Vou dar um pitaco aqui e eleger o treinador mais simpático, antipático e o zarado.

Simpático: Miguel Herrena, do México, ganhou todos os jornalistas presentes. Conversou no aeroporto, na chegada ao Costão, na zona mista, deu entrevista exclusiva, de bermuda caminhou pelo resort e atendeu mais alguns colegas. Com um sorriso soltou e sempre atencioso. No fim, andava tranquilamente sem ninguém incomodar, afinal todos já tinha conseguido uma palavra de Herrera.

Miguel Herrera no Costão do Santinho. Foto: Alvarélio Kurossu

Miguel Herrera no Costão do Santinho. Foto: Alvarélio Kurossu

Antipático: Niko Kovac, da Croácia, chegou calado e quase saiu mudo. Falou apenas na zona mista, rapidamente e ponto final. É um direito dele não falar, como muitos outros fizeram. A diferença é que ele foi extremamente antipático. Era um jornalista olhar para ele que já soltava a frase:

— Não vou dar entrevista.

Niko Kovac, poucas palavras. Foto: Charles Guerra

Niko Kovac, poucas palavras. Foto: Charles Guerra

Azarado: nesse quesito ninguém supera Volker Finke, o alemão que comanda Camarões teve a mala extraviada em São Paulo, teve que comprar objetos de higiene pessoal, perdeu o celular e no último dia caiu subindo uma escada, o pior em frente aos jornalistas. Mas, sempre esbanjou simpatia e brincou diversas vezes sobre as situações azaradas que aconteceram com ele em Florianópolis, esse não terá saudade da Ilha.

Volker Finke logo após sua queda na escada, bom humor e azar. Foto: Cristiano Estrela

Volker Finke logo após sua queda na escada, bom humor e azar. Foto: Cristiano Estrela

Bastidores do jantar do Congresso Técnico da Fifa no P12, em Florianópolis

19 de fevereiro de 2014 1
Foto do jantar do Congresso Técnico da Fifa no P12

Foto do jantar do Congresso Técnico da Fifa no P12

Ronaldo não foi ao jantar organizado para os técnicos e dirigentes do Congresso Técnico da Fifa, no P12 em Jurerê Internacional. O maior artilheiro da história da Copa do Mundo não foi, mas uma pessoa que estava no jantar contou alguns detalhes, curtos, desta noite que publico aqui no blog.

O vice-prefeito de Florianópolis, João Amin, e o secretário de turismo do Estado, Valdir Walendowsky, sentaram na mesa do secretário geral da Fifa, Jérôme Valcke. Alias, Valcke era só elogios a Capital.

— Aproveitam Florianópolis — aconselhou Valcke antes do jantar em um pronunciamento.

CURTINHAS

Rússia: a possível decisão da seleção russa de trocar sua base de treinos antes da Copa do mundo da cidade de Itu, no interior de São Paulo, para Florianópolis também foi tema no jantar no P12. Lá, Fábio Capelo, treinador da Rússia, disse que estaria insatisfeito com o atraso na construção do campo de treinamentos em Itu e que Floripa seria uma possibilidade. Capelo vai visitar Itu antes de tomar uma decisão.

De volta em breve: Demetrio Albertini, ex-jogador italiano e que defendeu o Milan por 14 anos, disse que adorou a cidade e que vai passar as próximas férias aqui na Ilha de Santa Catarina.

Que pena: o técnico da França, Didier Deschamps, lamentou o pouco tempo em Florianópolis. Ele queria aproveitar um pouco mais da cidade e conhecer outros pontos da Capital.

Fã: Luis Fernando Suárez, treinador de Honduras, é super fã de Gustavo Kuerten e comemorou o fato de ter conhecido a cidade onde nasceu Guga.

Retorna com os parentes: o comandante do Uruguai, Óscar Tabarez, disse em entrevista na zona mista na tarde desta quarta-feira que apesar de sempre ouvir falar de Florianópolis nunca tinha vindo a cidade. Agora que conheceu, quer voltar com os parentes que sempre indicaram Floripa como destino.

Menu: uma grande mesa de saladas, com destaque para salada de polvo com marisco. Congro grelado, mignon grelhado ao molho do chefe e camarão flambado com creme de leite. Como acompanhamento mini moranga com aspargos, berinjela, arroz e farofa doce.

Capricho nos detalhes: em um dos cantos do P12 uma rendeira fazia renda de bilro ao vivo para mostrar uma das mais antigas tradições de Florianópolis. Além disso, os guardanapos tinham detalhes em bilro.

Quem também foi visto lá: foram Wilfredo Brillinger, presidente do Figueirense, e Delfim Pádua, Peixoto Filho, da Federação Catarinense de Futebol.

Kleevans, o massagista campeão no vôlei, é contratado pelo Avaí

03 de fevereiro de 2014 1
Foto: André Podiacki

Foto: André Podiacki

Kleevansostis Albuquerque, o nome é estranho mas a face é conhecida. Kleevans, como é conhecido, foi massagista da Unisul, Cimed, Super Imperatriz além de trabalhar na coordenação do departamento médico do Confederação Olímpica do Brasil nas Olímpiadas e na seleção brasileira masculina de vôlei. Toda essa experiência agora está a serviço do Avaí. Há aproximadamente duas semanas o querido Kleevans trabalha no Leão, junto com os atletas profissionais. Bacana ver Kleevans no Avaí, além de ótimo profissional ele sabe muito bem trabalhar em grupo. Boa sorte Kleevans.

Artista italiano retrata momentos icônicos do futebol, você consegue reconhecer algum?

21 de janeiro de 2014 0
Momentos marcantes do futebol. Foto: Reprodução

Momentos marcantes do futebol. Foto: Reprodução

Faz tempo que a bola de futebol não é apenas inspiração para os jogadores. Existem homenagens na música, filmes e também na arte plástica. Por exemplo o ótimo trabalho de Osvaldo Casanova, ou simplesmente OZ.

Artista italiano de Vicenza, Oz se inspira em grande momentos do futebol mundial para produzir suas telas. Momentos tão icônicos para quem ama o futebol que os quadros nem precisam de legenda.

_ A ideia era captura momentos muito marcantes do futebol em termos de celebração, choque e controvérsia. Da dança de Roger Milla ao chute de Cantona, esse são momento que um verdadeiro fã não pode esquecer _ explicou Casanova ao site AFR.

Você pode comprar os desenhos de OZ aqui. Abaixo mais algumas imagens.

platini canona

Memória SC: O campeonato estadual paralelo que só tinha times do interior

20 de janeiro de 2014 2
Foto: Reprodução Almanaque do Futebol Catarinense

Time do Caxias, campeão de 1935 da ACD. Foto: Reprodução Almanaque do Futebol Catarinense

A Federação Catarinense de Futebol completa 90 anos em 2014. Organizadora do esporte no estado desde 1924, a federação comandada por Delfim Pádua Peixoto Filho não foi a única união entorno do futebol em Santa Catarina.

Em agosto de 1935 os clubes de Joinville formaram a Associação Catarinense de Desportos (ACD) e realizaram o seu próprio Estadual com América, Caxias, Cruzeiro, Grêmio, Glória e São Luiz. Isso porque o interior não estava satisfeito com a Federação Catarinense de Desportos (FCD hoje FCF).

As principais reclamações eram que as equipes da Capital eram beneficiadas nas competições estaduais. Disputando entre si os títulos ou sendo ajudadas pela arbitragem. A indignação já era grande antes de 1934, mas após o título homologado do Atlético Catarinense – em um campeonato sem os times de Joinville –, as equipes do interior se organizaram e criaram a ACD.

A Federação Catarinense de Desportos tinha acabado de se recuperar financeiramente de uma grave crise que fez o Estadual de 1933 ser cancelado e no ano que volta a ativa perdia os times do interior.

A nova liga confirmou sua legitimidade junto a Confederação Brasileira de Desportos (CBD) e representou Santa Catarina no Brasileiro de seleções, o que não mudou a rotina de derrotas do estado.

Em 1935, o primeiro campeão da ACD foi o Caxias, que no ano seguinte levou mais um caneco. No último ano da disputa do interior o título ficou com o Ypiranga (de São Francisco do Sul). Em 1938, interior e capital se entendem e o Estadual volta a ter equipes de toda SC. No entendo os títulos da ACD não foram reconhecidos pela FCD.

*Com informação do Almanaque do Futebol Catarinense, de Emerson Gasperin e Zé Dassilva