Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts na categoria "Santa Catarina"

Curiosidades sobre a tocha olímpica

09 de julho de 2015 0

tochaA tocha dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro foi apresentada no dia 3 de julho. Pela primeira vez na história ela passará por cidades de Santa Catarina. Quatro cidades estão na lista: Blumenau, Criciúma, Florianópolis e Joinville.

::: Mais sobre Olimpíadas
::: Outras informações sobre o Rio-2016

O revezamento da tocha olímpica começou em 1936 por iniciativa do alemão Theodore Lewald. Desde então uma tocha com o fogo olímpico deixa Olímpia, cidade que fica a 300 quilômetros de Atenas, e vai até a cidade sede dos Jogos, de preferência a maior parte por terra.

A primeira vez que algum brasileiro carregou a tocha foi em 1992. Lara de Castro, uma estudante de educação física então com 19 anos, venceu um concurso e teve a felicidade de levar a tocha.

A última pessoa que leva a tocha e que consequentemente acende a pira é mantida em segredo e revelada apenas instantes antes na abertura da Olimpíada.

E se a chama se apagar?

Normalmente as tochas levam gases infláveis em sua estrutura. Além disso, durante os anos as organizações desenvolveram tochas mais resistentes ao vento e chuva. Mas se por algum motiva a chama for apagada?

Em casos que a chama é apagada, como no revezamento de 1996 para a Olimpíada de Atlanta, um motoqueiro caiu e apagou a chama. Rapidamente uma das chamas de segurança foi usada para reacender a principal. Sim, eles levam chamas também acessas em Olímpia durante o trajeto da tocha até a cidade sede dos Jogos.

Outros posts da série olímpica:

• A origem e as primeiras modalidades dos Jogos Olímpicos

Figueirense tem que encontrar camisa 10, mas tem poucas opções no mercado

03 de fevereiro de 2015 1

O Figueirense terá que tirar um coelho da cartola para encontrar um camisa 10. O técnico Argel Fucks falou depois da estreia no Catarinense que o clube está de olho em um jogador para o meio-campo, mas lembrou que o mercado está complicado. Com os campeonatos rolando é difícil encontrar uma solução mesmo. Por isso, vale o clube ficar de olho também no mercado sul-americano.

Enquanto isso, o treinador alvinegro terá que encontrar outra solução e, para isso, deve mexer no esquema. Jogando com três atacantes, o segundo tempo do Figueirense contra o Atlético-Ib foi melhor. Talvez essa seja a melhor opção agora, já que amanhã a equipe encara o Marcílio Dias em Camboriú.

Começou cedo

O Metropolitano colocou em seu site uma nota de repúdio pela atuação do árbitro Eduardo Guimarães Cordeiro na partida contra o Marcílio Dias. O Avaí reclama de pênalti não marcado por Rodrigo D’Alonso Ferreira. A Chapecoense também reclamou de um pênalti não marcado, mas de forma mais comedida, afinal goleou o Inter por 5 a 0. Essa foi a primeira rodada e já choveram reclamações. Isso que os árbitros passaram os últimos dias antes do torneio estudando e aprimorando com instrutores da Fifa…

Ligeirinhas

• O Bugre tem missão complicada hoje contra a Chapecoense. O time do Oeste meteu cinco no primeiro jogo. Por isso, o Guarani de que fazer valer o fator casa. Acho difícil.

• O Catarinense sempre tem bizarrices, já é tradição. Neste ano já temos duas: a ausência de Ronaldo Capixaba nas primeiras rodadas, já que o atacante do Marcílio Dias foi mordido por uma aranha e teve que passar por uma pequena cirurgia, e a não inscrição de quatro atletas do Inter de Lages, que deixou o técnico Mabília bem irritado. ​

O que interessa nas estreias de Avaí e Figueirense é o resultado

02 de fevereiro de 2015 0

Avaí e Figueirense fizeram estreias que não deixaram nenhum torcedor empolgado. O Leão foi o primeiro a entrar e campo. Contra o JEC, os avaianos foram apáticos e não apresentaram um bom futebol. O gol de Anderson Lopes no final do primeiro tempo permitiu a recuperação. O vestiário fez bem e Geninho conseguiu arrumar a equipe. O que fica de mais positivo é a força de vontade dos jogadores em buscar o empate.

No Orlando Scarpelli, o Figueirense sofreu para bater o Atlético-IB, isso porque falta ao time um camisa 10. A diretoria terá que buscar um substituto para Juninho, jogador lesionado e que voltará apenas daqui a seis meses. Marcão provou que pode ser “o cara” do time, já que foi dele o gol que garantiu a estreia vitoriosa no Estadual.

Sintonia

Vinícius Eutrópio está à vontade no comando do Verdão, e estive em Chapecó para conferir. O treinador está gostando das condições de trabalho e impressionado com a preocupação da diretoria de investir na infraestrutura do clube. E os cartolas também estão gostando do treinador, por isso confiaram nos jogadores indicados por ele. Neste ano o time faz um planejamento diferente, trazendo atletas de Série A no Catarinense.
A estreia foi uma amostra do que o trabalho do Eutrópio pode fazer, mas o time só será testado de verdade no próximo domingo, quando enfrenta o Criciúma na Arena Condá.

Ligeirinhas

Artilheiro do Catarinense em 2012 e 2013, o atacante Rafael Costa começou muito bem o torneio ao marcar contra o Avaí.

Marcelinho Paraíba deixou o gramado da Arena Condá muito irritado. A razão foi a goleada sofrida pelo Inter de Lages. O experiente jogador mostra que continua com gana de vitória. Em campo não conseguiu ajudar sua equipe, mas no vestiário ele tomou a palavra e conversou com os colegas. O próximo jogo do Colorado promete ser diferente.​

As apostas de Albeneir e Evando para Figueirense e Avaí no Catarinense

31 de janeiro de 2015 0

O Campeonato Catarinense começa neste sábado, às 17h, com a partida Criciúma e Guarani, no Estádio Heriberto Hülse. Vivemos a expectativa de ter um dos melhores torneios da história.

::: Confira a página do Campeonato Catarinense
::: Veja a tabela do Estadual

Por isso, conversei com Albeneir, ídolo do Figueirense, e Evando, ídolo do Avaí. Qual a expectativa deles para a dupla da Capital.

Albeneir, ídolo do Figueirense. Foto: Marco Favero

Albeneir, ídolo do Figueirense. Foto: Marco Favero

 

O que esperar do Figueirense no Estadual?
Albeneir – Tenho uma boa expectativa para o time. Tudo depende do trabalho e isso não falta para o Argel. A diretoria conseguiu manter muitos jogadores do ano passado, isso dá uma boa base para o Catarinense. A zaga, por exemplo, não mudou e era um dos pontos fortes do time na Série A. Na frente continuamos com o Marcão e o Clayton, o entrosamento é importante. Ainda teve o acréscimo do Ricardinho, bom jogador. A única coisa a lamentar foi a lesão do Juninho. Mas o trabalho do Argel é muito transparente e isso facilita.

Qual a expectativa para os times pequenos?
Albeneir – O Marcílio Dias se reforçou muito bem, trouxe jogadores experientes como o Athos, Soares e Schwenck. O Metropolitano sempre incomoda. O Inter está formando um time forte, com um treinador que promete ser uma revelação. Ele (Mabília) está buscando seu espaço e o Catarinense é uma ótima vitrine. Assim, tem equipes que podem surpreender, mas é difícil acreditar em título. A taça deve ficar com um dos cinco grandes. O futebol catarinense está em um patamar muito bacana, espero um campeonato de melhor qualidade.

Quem pode ser o craque do campeonato?
Albeneir – Temos jogadores experientes que podem pintar como candidatos, além de apostas que podem surpreender. Acho que só teremos candidatos a partir da sétima rodada.

Evando, ídolo do Avaí. Foto: Caio Marcelo

Evando, ídolo do Avaí. Foto: Caio Marcelo

 

O que esperar do Avaí no Estadual?
Evando – Acredito que o torcedor avaiano pode esperar um time aguerrido que vai buscar o título. Resumindo, terá a cara do Avaí, com raça. Espero que essa vontade que tenho observado se transforme em resultados. O Geninho é o cabeça pensante deste time, ele tem um grande comando sobre a equipe e tudo que rodeia o grupo. Ele sabe que terá que encontrar uma formação nas primeiras rodadas porque muita coisa mudou da Série B para cá. Chegaram vários jogadores. O importante é perceber que ele dá todas as condições dos jogadores brilharem.

Qual a expectativa para os times pequenos?
Evando – O campeonato é muito rápido e tudo é possível. Tenho certeza que o nosso Estadual é um dos melhores do Brasil. Temos cinco grandes times, mas sabemos que sempre tem surpresa. O Metropolitano gosta de incomodar. Mas não acredito que o título deixe de ser de um dos grandes. Mas temos nas equipes pequenas jogadores querendo mostrar suas condições para conquistar um melhor espaço no futuro, viramos uma grande vitrine para o esporte brasileiros. A mídia brasileira está de olho na gente.

Quem pode ser o craque do campeonato?
Evando – O favorito é o Marquinhos. Ele é o grande nome do campeonato, mais uma vez. Além de capitão, ele conhece muito bem o torneio e isso faz muita diferença.​

Figueira não irá atrás de novo camisa 10

30 de janeiro de 2015 1

O Figueirense não vai contratar um novo camisa 10. Depois da lesão de Juninho, o clube cogitou encontrar outro atleta para a função, no entanto o mercado está ruim. Não tem jogador com a qualidade e característica que o técnico Argel Fucks deseja. Outra coisa importante é o teto salarial do Alvinegro. Segundo amigos da coluna, o Figueira tem o teto salarial de

R$ 70 mil. Esse foi um dos principais problemas para acertar com André Santos no início do ano, além do jogador ter pedido para o contrato ir apenas até setembro.
Assim, Léo Lisboa começará o ano como o camisa 10 do Furacão. Uma grande oportunidade para ele que, apesar de despontar bem no ano passado, não conseguiu se firmar entre os titulares. Por isso, o atleta tem que encarar essa chance como a principal de sua carreira.

Favorito no papel

A Chapecoense é apontada por muitos como a favorita ao título do Catarinense. O time realmente fez boas contratações, a julgar pelos nomes de Roger, Willian Barbio e Richarlyson. Além disso, o Verdão tem no comando o técnico Vinícius Eutrópio, o último treinador campeão do Estadual. Agora é ver se esse favoritismo no papel se confirma no campo. O importante na verdade é deixar o time pronto para o hexagonal semifinal do torneio. A primeira fase será para acertar as equipes, afinal classificam seis times e é difícil imaginar que
os grandes ficarão de fora.

Ligeirinhas

Nos últimos 20 anos, apenas quatro jogadores conseguiram passar de 20 gols marcados. O primeiro foi Paulo Rink, em 1995 pela Chapecoense. Em 1999, Genílson marcou 26 e ajudou o Figueira a ser campeão. O terceiro foi Mahicon Librelato, do Criciúma, em 2001, que marcou 26 vezes. O último foi Vandinho em 2008, com 21.

Dizem que o titular da coluna vai levar seus curiós pra cantar em outra rádio. Nada disso, o Miguel é nosso!

Miguel Livramento. Foto: Léo Cardoso

Miguel Livramento. Foto: Léo Cardoso

A briga pela artilharia do Catarinense será muito interessante

28 de janeiro de 2015 1

O Campeonato Catarinense do ano passado levou para a decisão os times com sistemas defensivos mais fortes: Figueira e JEC eram equipes semelhantes nos números. O investimento em 2015 dos clubes é maior e, por isso, a expectativa é que o Estadual seja mais ofensivo, assim torcemos. Temos muitos candidatos para artilheiro, e André Lima é um deles. Em forma, ele tem condições de brigar pela chuteira de ouro. Porém, o meu favorito é Rafael Costa. O atacante do Joinville já foi o artilheiro do Catarinense duas vezes – em 2012 e 2013 – pelo Metrô. Além disso, ele pode formar uma dupla de ataque com Jael, outro matador.

O Figueirense tem como principal candidato a artilharia o atacante Marcão. Ele é experiente e tem ótimo posicionamento dentro da área, mas na Série A de 2014 fez só cinco.

Quase Figueira

Quando estava no Figueirense, o técnico Vinícius Eutrópio queria a contratação do volante Richarlyson. O jogador só não acertou com o Furacão por causa do salário. Agora, na Chapecoense o treinador foi fundamental para tirar o atleta da aposentadoria
e acertar com o Verdão.

Fica a dúvida do que esperar do volante, já que no final do ano passado tinha anunciado a aposentadoria e passou os últimos 40 dias jogando vôlei. Qualidade técnica ele tem, mas ficou devendo nas últimas temporadas. Ano passado ele era capitão do Vitória, que acabou sendo rebaixado.

Na história

Em 1960, a Seleção Catarinense ficou conhecida como a Escrete de Ouro. O carinhoso apelido veio depois das vitórias sobre Paraná e Rio Grande do Sul.

Santa Catarina havia sido eliminada oito vezes do campeonato de seleções pelo Paraná e quatro pelo Rio Grande do Sul. Mas no campeonato de 1959, que foi disputado até 60, a história seria diferente. Depois de passar pelo Paraná, os catarinenses bateram os gaúchos no Adolfo Konder por 4 a 2. No Olímpico o goleiro Gainete pegou tudo e Teixeirinha fez dois gols.

Cariocas diferenciam preços dos ingressos de acordo com os jogos, SC tem que ficar de olho nessa ideia

19 de janeiro de 2015 0

Desde o dia 13 de janeiro estou fazendo interinamente a coluna do colega Miguel Livramento no Jornal Hora de Santa Catarina. Decidi publicar aqui no blog o que escrevo para a coluna.

Uma ideia interessante

Foram aprovados no Rio de Janeiro preços de ingressos de acordo com a partida e estádio. Exemplo: se o Volta Redonda enfrenta o Madureira o ingresso mínimo custará R$ 5. Em clássicos, o mais barato custará R$ 50. A ideia é interessante e tem como intenção aumentar o público nos estádios.

No ano passado, o Campeonato Catarinense teve um média de público de 3.610 torcedores. Quem sabe essa ideia carioca pode funcionar aqui no Estado. Vale a pena ficar de olho na experiência do Rio de Janeiro e ver se pode ser adaptada aqui. No ano passado, Atlético-Ib 3×1 Juventus teve apenas 122 pessoas no Estádio Hermann Aichinger, pela 2ª rodada do Hexagonal.

Prejuízo de R$ 9 milhões ao Timão

Matéria do jornal Lance! revela que o Corinthians já perdeu R$ 9 milhões com o goleiro Renan, revelado pelo o Avaí. O arqueiro chegou a ser convocado para a Seleção Brasileira em 2010 e foi negociado com o time paulista em 2011. No entanto, lá não conseguiu ter uma sequência de jogos. Foram apenas três, com duas derrotas e uma vitória. Depois disso foi emprestado para cinco times. Na última sexta-feira foi apresentado no Caxias, time do técnico Paulo Turra, também ex-Avaí. Com salário de R$ 80 mil pago pelo Timão, o goleiro segue buscando uma regularidade para dar a volta por cima.

Foto: Renan foi apresentado no Caxias na última sexta-feira. Foto: Jonas Ramos/Agência RBS

Foto: Renan foi apresentado no Caxias na última sexta-feira. Foto: Jonas Ramos/Agência RBS

Ligeirinhas

• Assisti à partida Figueirense 1 (1) x 1 (4) São Caetano pela Copinha. O Alvinegro recuou bastante depois de abrir o placar e permitiu o empate na segunda etapa.

• Apesar da eliminação, o que vale a pena são as promessas da categoria de base alvinegra. Vale a pena ficar de olho em Matheusinho, meia-atacante que acabou perdendo um dos pênaltis.

• O Guarani perdeu para o Operário-PR por 1 a 0 em Palhoça. Nada de terra arrasada. O Bugre continua sua preparação para o Estadual, a missão de continuar na elite será dura este ano.

Ex-preparador de goleiro do Figueirense, Milton Nienov assina com novo clube na África do Sul

21 de julho de 2014 0
Milton Nienov está de clube novo na África do Sul. Foto: Flávio Neves, BD, 07/01/2013

Milton Nienov está de clube novo na África do Sul. Foto: Flávio Neves, BD, 07/01/2013

Há cinco anos trabalhando na África do Sul, o catarinense Milton Nienov mudou de time. O treinador de goleiros deixou o Free State Stars, da cidade Bethlehem, para trabalhar no Polokwane City F.C. O contrato de Miltinho é de um ano e o campeonato sul-africano começo no dia 9 de agosto.

Relembre:
• Milton Nienov, ex-goleiro do Figueirense, tem carreira de sucesso na África do Sul e sonha em voltar para o Brasil: ‘Quero ser técnico’
• Milton Nienov continua trabalho na África do Sul e agora acompanhado de Zé Fernando

Milton é catarinense de Palmitos, no Oeste do estado, e foi goleiro do Figueirense nos anos de 1989 e 90, além de preparador da posição também no Alvinegro. O desejo de ser treinador é cada vez maior e Miltinho está se preparando para isso. Enquanto a oportunidade não chega ele segue no trabalho com os goleiros. O preparador físico Eduardo Schoeler, que trabalhou no Furacão em 2012, também trabalho no Polokwane.

Após título, Figueirense faz festa em churrascaria da Grande Florianópolis

14 de abril de 2014 3
Foto: André Podiacki

Foto: André Podiacki

A festa do Figueirense não terminou no Estádio Orlando Scarpelli, a diretoria alvinegro organizou uma janta para celebrar a conquista do 16º título Catarinense do Furacão. Jogadores, comissão técnica, cartolas e funcionários do clube se reuniram na Churrascaria Meu Cantinho, no Kobrasol em São José.

A comemoração foi longe e os quatro meses de dedicação intensa ao Estadual foi recompensada com um bom churrasco e uma cervejinha. Não foi permitida a nossa entrada para fazer fotos, mas o técnico Vinícius Eutrópio gentilmente atendeu o Diário Catarinense. O comandante alvinegro tem uma história de muitos anos com o Furacão e que agora foi coroada com um título:

− Eu acho que foi um coroamento, sem dúvida. Mas nós vamos tendo desafios, projetos, objetivos ao lado do clube e existem coisas para serem feitas. Essa aproximação a base, esse fortalecimento da marca do clube ao torcedor e uma boa campanha na Série A, que é muito importante − analisou Eutrópio.

Para o treinador o momento mais importante da campanha do título foi a vitória sobre o Criciúma na última rodada do quadrangular semifinal no Estádio Heriberto Hülse.

−A nossa vitória contra o Criciúma fortaleceu muito o nosso trabalho, foi uma vitória contra um grande adversário e da melhor forma: jogando bola. Nós fomos e buscamos jogando bola e trouxemos de forma muito positiva a vitória que nos embalou − completou.

Foto: André Podiacki

Foto: André Podiacki

Do lado de fora do restaurante era possível ouvir o discurso do presidente Wilfredo Brillinger, que inflado agradecia aos jogadores e comissão técnica pelo sucesso. Até o Padre Prim deu uma palavrinha e puxou uma oração.

A segunda-feira é de folga para os atletas e comissão técnica, porém ao meio-dia eles estarão na  Beira-Mar Continental, para atender a imprensa e torcedores.

Em três anos como técnico profissional, Hemerson Maria tem a chance de ganhar seu segundo título do Catarinense

24 de março de 2014 1
Hemerson Maria está em sua segunda final do Catarinense. Foto: Leo Munhoz

Hemerson Maria está em sua segunda final do Catarinense. Foto: Leo Munhoz

Esta temporada é a terceiro de Hemerson Maria com treinador de futebol profissional. Depois de um belo trabalho nas categorias de base do Figueirense e do Avaí o técnico ganhou uma oportunidade no comando do Leão no Catarinense de 2012. Maria substituiu o demitido Mauro Ovelha. A diretoria não tinha expectativas de classificar para as semifinais do Estadual, mas a equipe de Hemerson Maria não apenas conseguiu chegar a fase decisiva como também ficou com o título, batendo na final seu maior rival, o Furacão.

Com o Joinville o treinador disputa sua segunda edição do Campeonato Catarinense. E com uma rodada de antecedência sua equipe está classificada para a decisão. O JEC sonha com o título, já que desde 2001 não conquista o torneio de Santa Catarina. Maria sabe da pressão que tem nos ombros, mas confia no seu trabalho e no grupo, pois uma coisa que o técnico sabe administrar é o elenco. Os jogadores gostam de Hemerson Maria, seja pelo seu jeito humilde ou pela sua postura amigável.

Nascido em Florianópolis, mas criado na Procasa, em São José, Hemerson Maria sempre teve o sonho de ser um grande jogador. Foi atleta da base do Figueirense, mas aos 23 anos desistiu de ser atleta por entender que lhe faltava técnica. Decidiu continuar no esporte e virou treinador. Trabalhou por aproximadamente por 10 anos na base do Alvinegro até ir para o Avaí. Hoje, luta para consolidar a carreira de técnico, que é tão difícil quando a de um jogador, e conquistar mais um título do Catarinense seria importantíssimo.