Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "Criciúma"

Curiosidades sobre a tocha olímpica

09 de julho de 2015 0

tochaA tocha dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro foi apresentada no dia 3 de julho. Pela primeira vez na história ela passará por cidades de Santa Catarina. Quatro cidades estão na lista: Blumenau, Criciúma, Florianópolis e Joinville.

::: Mais sobre Olimpíadas
::: Outras informações sobre o Rio-2016

O revezamento da tocha olímpica começou em 1936 por iniciativa do alemão Theodore Lewald. Desde então uma tocha com o fogo olímpico deixa Olímpia, cidade que fica a 300 quilômetros de Atenas, e vai até a cidade sede dos Jogos, de preferência a maior parte por terra.

A primeira vez que algum brasileiro carregou a tocha foi em 1992. Lara de Castro, uma estudante de educação física então com 19 anos, venceu um concurso e teve a felicidade de levar a tocha.

A última pessoa que leva a tocha e que consequentemente acende a pira é mantida em segredo e revelada apenas instantes antes na abertura da Olimpíada.

E se a chama se apagar?

Normalmente as tochas levam gases infláveis em sua estrutura. Além disso, durante os anos as organizações desenvolveram tochas mais resistentes ao vento e chuva. Mas se por algum motiva a chama for apagada?

Em casos que a chama é apagada, como no revezamento de 1996 para a Olimpíada de Atlanta, um motoqueiro caiu e apagou a chama. Rapidamente uma das chamas de segurança foi usada para reacender a principal. Sim, eles levam chamas também acessas em Olímpia durante o trajeto da tocha até a cidade sede dos Jogos.

Outros posts da série olímpica:

• A origem e as primeiras modalidades dos Jogos Olímpicos

Para deixar o torcedor do Criciúma com saudades: Lins marca, dá vitória para o Gamba Osaka e confirma bom momento no Japão

07 de outubro de 2014 0
Reprodução

Reprodução

O torcedor do Criciúma deve estar com saudades do atacante Lins. O jogador defendeu o Tigre na temporada passada e ajudou o time a conquistar o Campeonato Catarinense e a ficar na Série A. Negociado com o Gamba Osaka, do Japão, o jogador deu um vitória heroica para o time azul contra o Kashima Antlers, na última rodada.

Lins marcou o gol da vitória aos 48 minutos do segundo tempo e o Gamba levou a melhor sobre o Kashima por 3 a 2. O atacante foi até capa de jornal, merecido. Com o triunfo o Gamba Osaka assumiu a segunda posição na J-League, a primeira divisão japonesa.

No campeonato, Lins tem 19 partidas e cinco gols. Nos últimos cinco jogos, ele fez três gols e deu uma assistência.

PodiCast 7º edição - O futebol catarinense no Campeonato Brasileiro

29 de maio de 2014 1

Associação de Clubes de SC prepara campanha enaltecendo sucesso do futebol catarinense

08 de dezembro de 2013 1

Santa Catarina terá três time na elite do futebol brasileiro em 2014 _ Criciúma, Chapecoense e Figueirense. O estado será o segundo com mais clubes na Série A, atrás apenas de São Paulo, com cinco representantes. Além disso ainda tem Avaí e Joinville na Série B. Um grande resultado para SC que cresceu demais nos últimos 10 anos.

— A partir do Século XXI o estado entrou no ritmo do pelotão de frente e desde que o Brasileirão começou a ser jogado no sistema de pontos corridos, em 2003, sempre teve representante na Série A — destacou o presidente da SCClubes e do Figueirense, Wilfredo Brillinger.

Nesta segunda-feira você verá nas tevês catarinenses essa propaganda (abaixo) do SCClubes. Ela enaltece o feito catarinense. Assista:

Vídeo: DC Esportes em Pauta: a rodada decisiva da Série B e o Criciúma na final da Copa do Brasil Sub-20

12 de novembro de 2013 0

Toda terça-feira o Diário Catarinense publica o DC Esportes em Pauta. O assunto da programa de estreia é a 35ª rodada da Série B e a decisão dos Tigrinhos na Copa do Brasil Sub-20.

Dos cinco grandes clubes catarinenses, apenas a Chapecoense não gostou da nova fórmula do Estadual

04 de outubro de 2013 0

A nova fórmula do Campeonato Catarinense agradou Avaí e Figueirense. E foi principalmente a data de início do campeonato que mais agradou os superintendentes dos dois clubes.

O Estadual vai começar no dia 26 de janeiro, o que dará aos clubes pelo menos 25 dias de pré-temporada, algo raro nos últimos anos.

— Esse foi o fator mais importante na escolha da fórmula do campeonato e vamos ter tempo para fazer uma pré-temporada que é fundamental hoje para os clubes que disputam o campeonato nacional — analisou Rodrigo Pastana, superintendente de Esportes do Figueirense.

O superintendente de Esportes do Avaí, Enio Gomes, também alertou que esse novo formato do Catarinense vai possibilitar um maior tempo para a recuperação dos gramados.

— A nossa sugestão inclusive era que o campeonato começasse no dia 2 de fevereiro. Porque não é apenas a questão da preparação física. Nós temos uma dificuldade que é o gramado. Então agora teremos dezembro e janeiro para deixar o gramado em condições para o Catarinense e para o restante da temporada — disse Enio Gomes.

Sandro Pallaoro, presidente da Chapecoense. Foto: André Podiacki

Sandro Pallaoro, presidente da Chapecoense. Foto: André Podiacki

Se o formato agradou a dupla da capital e também Criciúma e Joinville, que votaram favoráveis a proposta da Associação de Clubes de Futebol Profissional de Santa Catarina (SCClubes), a Chapecoense propôs um formato diferente.

A proposta perdedora foi sugerida pelo Metropolitano, Chapecoense, Brusque, Atlético-Ib e Marcílio Dias. A ideia da proposta de número dois era disputar o campeonato em turno e returno e os quatro primeiro colocados disputaram semifinais e final.

— Nós queríamos o turno e returno sem tem campeão de turno. Isso daria uma possibilidade maior de todos os clubes chegarem as semifinais. O grande barato do Campeonato Catarinense é que qualquer time pode ser campeão. E essa fórmula aprovada acho ela suicida, porque você vai disputar um turno. Os quatro classificados para o quadrangular vão brigar pelo título, os outros seis não. Então acho que o torcedor não vai para o estádio e vai desmotivar o torcedor. É um risco muito grande, porque equipes grandes do estado podem ficar de fora desse quadrangular, até pelo o que a gente viu nos últimos anos — explicou o presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro.

Figueirense estuda não participar da próxima edição da Copa São Paulo de Futebol Júnior

03 de outubro de 2013 1
O Figueirense foi campeão da Copinha em 2008. Foto: Flávio Neves, BD, 25/01/2008

O Figueirense foi campeão da Copinha em 2008. Foto: Flávio Neves, BD, 25/01/2008

O site da ESPN Brasil, em matéria assinada pelo repórter Marcus Alves,  revelou na quarta-feira que 10 clubes ameaçam não participar da próxima edição da Copa São Paulo. Dirigentes dos quatro grandes do Rio de Janeiro (Flamengo, Fluminense, Botafogo e Vasco), dos três de Minas Gerais (Cruzeiro, Atlético-MG e América-MG), Vitória, Sport e o Coritiba prometem não participar da Copinha se o São Paulo não for excluído da competição.

Esse movimento dos clubes é mais um episódio envolvendo acusações de aliciamento de jogadores contra o São Paulo nas categorias de base. Os dez clubes se reuniram e enviaram um documento a Federação Paulista de Futebol (FPF) que é a responsável por organizar o campeonato.

Em Santa Catarina três clubes vão participar da Copa São Paulo: Avaí, Criciúma e Figueirense. Deste apenas o Alvinegro estuda participar do boicote. A palavra oficial do é que na próxima semana o coordenador de base do Furacão, Cléber Giglio vai se reunir com os clubes que protestam contra o São Paulo para discutir se vai ou não participar. Vale lembrar que o Figueirense venceu a Copinha em 2008.

Já Avaí e Criciúma disseram que não tem problemas com nenhum clube no Brasil e estão garantidos na maior competição de categoria de base do Brasil.

Informações e curiosidade de Criciúma x Cruzeiro

07 de agosto de 2013 0

CRICIÚMA

Problemas:
Amaral está suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Elton e Daniel Carvalho estão lesionados e Wellington Paulista não pode jogar por causa de uma cláusula no contrato com o Cruzeiro, dono do passe do atleta que está emprestado ao Tigre. Além disso, Serginho, Morais e Marcel continuam no departamento médico.

Provável time (4-4-2)
Helton Leite; Sueliton, Matheus Ferraz, Fábio Ferreira e Marlon; Ewerton Páscoa, Leandro Brasília, Gilson e Ivo; Lins e Cassiano

Técnico: Vadão

Últimos cinco jogos: EVDED

CRUZEIRO

Problemas:
O volante Nilton, com cansaço muscular, não viajou para Criciúma.

Provável time (4-2-3-1)
Fábio; Mayke, Dedé, Bruno Rodrigo, Egídio; Leandro Guerreiro, Souza; Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart, Luan; Vinícius Araújo

Técnico: Marcelo Oliveira

Últimos cinco jogos: VVVDV

Arbitragem:
Marcos André Gomes da Penha (ES), auxiliado por Cristhian Passos Sorence (GO) e Rener Santos de Carvalho (AC)

Histórico de confrontos:
Jogos: 12│Vitórias do Criciúma: 2│Empates: 3│Vitórias do Cruzeiro: 7

Curiosidade:
Foi no dia 28 de Agosto de 2004 o último jogo entre o Criciúma e o Cruzeiro. No Heriberto Hülse, o Tigre perdeu por 2 a 1. Ronny abriu o placar aos 17 minutos do primeiro tempo, Fred empatou aos 44. No segundo tempo Jussiê marcou o gol da vitória.

Criciúma pode ser punido por uso de sinalizadores nas arquibancadas

05 de agosto de 2013 10

Por causa dos sinalizadores a partida ficou parada por aproximadamente 5 minutos. Foto: Maurício Vieira

Desde 2010 os sinalizadores são proibidos nos estádios do Brasil. O Estatuto do Torcedor, Lei Nº 10.671 de maio de 2003, estabelece normas de proteção e defesa do torcedor. O capítulo IV do estatuto (que fala sobre a segurança do torcedor em eventos), no artigo 13-A, parágrafo VII é bem claro sobre o assunto:

“não portar ou utilizar fogos de artifício ou quaisquer outros engenhos pirotécnicos ou produtores de efeitos análogos; (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).”

Apesar de ser proibido há quase três anos os sinalizadores só ganharam atenção depois da morte do torcedor do San José, Kevin Espada. O menino boliviano faleceu após ser atingido por um sinalizador, coincidentemente em uma partida contra o Corinthians pela Libertadores.

Por isso, quando aos 40 minutos do segundo tempo a torcida do Criciúma acendeu sinalizadores e fez uma linda festa de apoio ao time, que perdeu o jogo por 2 a 0, o árbitro Sandro Meira Ricci paralisou o jogo e só recomeçou quando foram apagados os sinalizadores.

Os sinalizadores utilizados pela torcida carvoeira são diferentes do que provou a morte de Kevin Espada, mas são igualmente proibidos. Por causa disso o Criciúma pode ser punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), já que o fato vai ser relatado em súmula.

Se o Criciúma será punido não dá para saber, já que o STJD é uma caixa de surpresas. Mas, acredito que existe uma grande chance de usarem o que aconteceu no Heriberto Hülse como um aviso para todos os clubes brasileiros, isso quer dizer: vão punir o Tigre e usa-lo como um exemplo ao Brasil.

Mais um detalhe, a torcida do Corinthians também acendeu sinalizadores e a partida mais uma vez foi paralisada, haverá punição para o Timão? Ou será algo apenas para o time catarinense?

Show

Fora a polêmica sobre os sinalizadores, o que a torcida do Criciúma fez com seu time perdendo o jogo por 2 a 0, e não demonstrando qualidade para reagir, foi algo para os atletas do Tigre pensarem. Quando jogarem no Majestoso eles tem que se entrar 100% ao jogo, o time está devendo ao seu torcedor um grande resultado, quem sabe na quarta-feira contra o Cruzeiro, às 19h30min.

• Confira a galeria de fotos da partida abaixo

Campeão da Copa do Brasil em 1991, Itá analisa o próximo confronto do Criciúma

23 de julho de 2013 1

Jogando no Heriberto Hülse o Tigre empatou em 2 a 2 com o Vasco em 2008 na Copa do Brasil. Foto: Ulisses Job, BD, 23/04/2008

A vitória no último sábado por 2 a 1 em cima do Grêmio tirou uma grande pressão dos ombros dos atletas, e principalmente, do técnico do Criciúma. Depois de deixar a zona de rebaixamento o Tigre tem um novo desafio: pontuar fora de casa.

A próxima partida será contra o Vasco, em São Januário, no próximo sábado às 18h30min. O time carioca também estava pressionado e a vitória no clássico em cima do Fluminense, no novo Maracanã, tranquilizou o time comandado por Juninho Pernambucano.

O Criciúma tem reencontrado vários times nesta edição da Série A, por ter ficado oito anos longe da primeira divisão. Ao todo foram 16 jogos entre Vasco e Tigre na história com seis vitórias, oito derrotas e dois empates. No Brasileirão o confronto é equilibrado. Foram 10 encontros com cinco vitórias para cada lado.

O último jogo entre os dois time foi em 2008 na Copa do Brasil. Em casa o Tigre empatou em 2 a 2, já no Rio de Janeiro o Vasco venceu por 1 a 0 e passou de fase.

Pedi para o ex-jogador Itá, capitão do título da Copa do Brasil em 1991, analisar a situação do Criciúma e o próximo jogo. Confira:

Foto: Maurício Vieira

“O Criciúma ainda está em formação, mas o grande problema do time são as lesões que atrapalham o trabalho do Vadão. Um exemplo é o Daniel Carvalho que está no clube já há uns cinco meses e só agora começou a jogar, ter uma sequência e mesmo assim são 30 minutos só de jogo. E com ele em campo é todo mundo percebe que ele é o camisa 10 que o time precisa. Ele cadencia o jogo, tem toque de bola e sabe colocar os atacantes na frente do goleiro.

O Serginho, que para mim é o melhor jogador do Criciúma, também está machucado e tudo isso atrapalha. Ter que reformular o time é outro ponto que prejudica o time. Jogar a Série A com o mesmo time do Estadual é suicídio. Então, o Tigre contratou. Você vê que a Portuguesa e o Náutico mantiveram a base dos estaduais e estão sofrendo e são sérios candidatos ao rebaixamento.

Se perder no Rio de Janeiro será um resultado normal. Até porque com o Dorival Júnior o Vasco ficou mais organizado e com Juninho Pernambucano ficou mais perigoso. Ele é aquele tipo de jogador que já tem uma certa idade, mas consegue manter a forma física por se cuidar muito fora de campo e ele desequilibra.

O bom do Criciúma é que já tem uma espinha dorsal com o goleiro Bruno, com os zagueiros (principalmente o Fábio Ferreira que joga com uma perna só), com o Serginho e com o Wellington Paulista no ataque. Precisa é melhorar as laterais. O Marlon, que é lateral-esquerdo como eu fui, cruza todas as bolas da intermediária, se o Daniel Carvalho não tivesse entrada para dar toque de bola a zaga do Grêmio ia sair de cabeça inchada do Heriberto Hülse.

A vitória em cima do Grêmio veio em boa hora, principalmente para o Vadão. Não era a hora de demitir ele, não é para ele sair. Mas no futebol é assim se o time não vence que sempre paga o pato é o treinador.

O jogo será difícil, mas o Criciúma tem condições de trazer pontos de lá.“