Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "França"

Árbitro relata em súmula agressão do volante França em filho do presidente da FCF

03 de maio de 2015 0
Foto: Cristiano Estrela, Agência RBS

Foto: Cristiano Estrela, Agência RBS

Mesmo depois de algumas horas do apito final da decisão do Campeonato Catarinense, o empate por 0 a 0 entre Joinville e Figueirense continua dando o que falar. Na saída do campo, o técnico alvinegro, Argel Fucks, e o filho do presidente da Federação Catarinense de Futebol (FCF), Delfim Pádua Peixoto Filho, se desentenderam e começaram um tumulto.

::: JEC empata, fica com a taça e espera tribunal para confirmar título​
::: Filho do presidente da FCF e técnico do Figueirense se desentendem
::: Presidente do Figueirense garante luta jurídica pelo título do Catarinense

Jogadores do Furacão se envolveram na confusão e segundo o árbitro Sandro Meira Ricci o volante França acertou um chute em Delfinzinho, filho do presidente da FCF.

— Houve um tumulto presenciado pelo quinto árbitro, Sr. Jefferson Schmidt, quem me relatou que o atleta n° 91, do Figueirense, Sr. Wellington Wildhy Muniz dos Santos (França), desferiu um chute no supervisor de protocolo/imprensa, Sr. Delfim Mário Pádua Peixoto Neto, atingindo-o na região da lombar — escreveu Ricci na súmula da partida.

O árbitro ainda acrescentou que a confusão entre Argel e Delfinzinho começou por causa do treinador alvinegro:

— Ao término do jogo, o técnico do Figueirense, Sr. Argelico Fucks com o dedo em riste, foi em direção ao presidente da Federação, Dr. Delfim Pádua Peixoto Filho, que se encontrava, juntamente com outros dirigentes da federação, na área reservada ao delegado da partida, entre as áreas técnicas de ambas as equipes. Em razão da distância, esse árbitro pode observar essa atitude, porém, não pode, obviamente, ouvir o que foi dito.

O motorista de ônibus francês que virou jogador profissional com 26 anos

11 de junho de 2013 0

Desmarets no Deportivo La Coruña

Pouco mais de 20 quilômetros separam o centro de Paris do aeroporto da cidade, são aproximadamente 30 minutos de ônibus. Esse trajeto era feito todos os dias por Yves Desmarets, até ele conhecer o técnico de futebol Luis Norton de Matos.

Demarets era motorista de ônibus e sua vida mudou completamente em 2006. Com 26 anos ele era atacante do Red Star Football Club 93, time da quarta divisão do futebol francês. A jornada dupla era pesada. O atacante treinava três vezes na semana, das 18h às 20h e nos fins de semana entrava em campo. Já de segundo a sexta ele vestia seu uniforma e à 1h da manhã saí dirigindo seu ônibus. Tempos complicados, que ficaram no passado.

“Eu pensei que era uma piada”, declarou Demarets sobre a proposta de Luís Norton de Matos. O técnico português assistiu a uma partida do atacante pelo pequeno time da capita francesa e fez uma oferta irrecusável, pelo menos para quem sonha em jogar profissionalmente. Luís Norton queria o forte atacante no Vitória de Guimarães.

A proposta mexeu com Demarets, mas antes de tomar sua decisão ele conversou com sua esposa e mãe. O contrato era apenas de seis meses e se não desse certo teria jogado tudo para o alto, ele não tinha garantias de que daria certo. No entanto o francês tinha mais do que sorte, ele tinha qualidade e determinação.

- A minha mãe e a minha esposa ficaram muito contentes, mas disseram para eu ir a Portugal com calma ver se o clube era bom, se iria dar certo. Não conhecia bem Portugal e quando cheguei vi que não era o país velho que mostravam e falavam em França me tranquilizei. É um país que tem muitos jovens e é muito bonito – disse Demarets em entrevista ao jornal Record, de Portugal, em 2007.

Yves Desmarets pelo Red Star

Os seis meses de Demarets no Vitória de Guimarães viraram quatro anos. Com contrato assinado ele realizava um sonho de infância e mudava a história de sua vida. Ele não precisava seguir a trilha do anonimato que seu pai percorreu como taxista em Nova Jersey, nos Estados Unidos.

- Quando cheguei no Vitória de Guimarães e vi o complexo esportivo… Na França, poucas equipes têm instalações como o Vitória. Então quando cheguei ao estádio, uau. Estava habituado a jogar para 200, 300 pessoas e aqui concretizei um sonho. Espero que o sonho não pare de crescer – projetou o atacante em 2007.

E esse sonho não parou. A carreira de jogador não é fácil de seguir. Depois de sair do Vitória de Guimarães o jogador não teve muita sorte no Deportivo La Coruña, com lesões, e também no Kerkyra, da Grécia. Mas, sua temporada do Belenense na última temporada em Portugal foi razoável. Agora, Demarets procura um novo clube, quem sabe no Catar. Mesmo assim com quase 34 anos o jogador de 178cm realizou um sonho há poucos dias.

Em 8 de junho Yves Hadley Desmarets entrou em campo pela primeira vez com a camisa do Haiti. Apesar de ter nascido na França, seu pai é haitiano e ele quis defender o país que sua vó materna ainda mora. E não tinha estreia melhor do que enfrentar a atual campeã do mundo, a Espanha. A vitória foi da Fúria por apenas 2 a 1, com certeza mais uma vitória para Desmarets.

- Desfruto do futebol mais que meus companheiros porque meu caminho foi diferente – garante Desmarets, que não fechou portas para vida e continuou perseguindo seu sonho.

• Confira um golaço de Deamarets com a camisa do Vitória de Guimarães:

*Essa história escutei do Paulo Calçade no Linha de Passe, da ESPN Brasil, de ontem.

Equilíbrio no confronto entre Brasil e França; confira todos os jogos

06 de junho de 2013 0

O jogo vai acontecer na Arena do Grêmio em Porto Alegre. Foto: Omar Freitas

O Brasil enfrenta a França na Arena do Grêmio no próximo domingo. Esse será o décimo quinto jogo entre as duas seleções. O duelo é equilibrado são cinco vitórias para cada país e quatro empates. A França leva vantagem em jogos pela Copa do Mundo.

Nos mundiais os Blues conseguiram passar pelo Brasil três vezes, com aquela péssima lembrança de 1998 quando Zidane destruiu a partida e deu o título para a França dentro de casa.

O primeiro jogo entre Brasil e França aconteceu em 1930 logo depois da primeira Copa do Mundo, disputada no Uruguai. Os franceses eram obrigados a passar pelo porto do Rio de Janeiro para continuar sua viagem de navio de volta para a Europa.

O jogo aconteceu no estádio do Fluminense, nas Laranjeiras, e a seleção canarinho venceu os franceses por 3 a 2 com um gol do primeiro craque brasileiro Friedenreich.

Confira abaixo os números, os jogos e as ficha técnicas de todos os jogos entre Brasil e França

14 jogos
5 vitórias do Brasil
4 empates
5 vitórias da França
21 gols do Brasil
19 gols da França

1 – Brasil 3×2 França – Amistoso – 01/08/1930

Brasil

Veloso; Grané, Del Debbio, Pepe, Fausto, Serafini, Ministrinho, Heitor Domingues, Friedenreich, Nilo e Teóphilo

Técnico: Píndaro de Carvalho

França

Thepot, Mattler, Capelle – Chantrel, Delmer, Villaplane – Liberati, Laurent (Maschinet), Pinel, Delfour, Langillet

Técnicos: Gaston Barreau, Jean Rigal e Maurice Caudron

Gols: Delfour (2), Heitor Domingues (2) e Friedenreich
Local: Estádio das Laranjeiras, no Rio de Janeiro
Árbitro: Arthur Antunes Moraes de Castro (Brasil)

2 -Brasil 5×2 França – Copa do Mundo -24/06/1958

Brasil
Gilmar; De Sordi, Bellini, Orlando Peçanha, Nílton Santos; Zito, Didi; Garrincha, Vavá, Pelé e Zagallo

Técnico: Vicente Feola

França

Abbes; Kaelbel, Joncquet; Lerond, Panverne, Marcel; Wisnieski, Kopa, Fontaine, Piantoni, Vincent

Técnico: Albert Batteux

Gols: Vavá, Fontaine, Didi, Pelé (3), Piantoni
Local: Estádio Rasunda, em Stockholm na Suécia
Árbitro: Benjamin Mervyn Griffiths (País de Gales)

3 – Brasil 3×2 França – Amistoso – 28/04/1963

Brasil

Gilmar; Djalma Santos, Eduardo, Roberto Dias, Altair; Zito, Gérson; Marcos, Ney, Pelé e Pepe

Técnico: Aymoré Moreira

França

Carmus; Rodzik, Lerond (Chillan), Herban; Maryan, Chorda; Wisnieski, Bouet, Douis, Di Nallo e Cosson

Técnico: George Verriest

Gols: Pelé (3), Wisnieski e Di Nallo
Local: Estádio Colombes, em Paris na França
Árbitro: C. Lo Bello (Itália)

4 – Brasil 2 x 2 França – Amistoso – 30/06/1977

Brasil

Leão; Zé Maria (Orlando “Lelé”), Luís Pereira, Edinho, Rodrigues Neto; Toninho Cerezo, Paulo Isidoro, Rivellino; Gil, Roberto Dinamite e Paulo César Caju

Técnico: Cláudio Coutinho

França

Rey; Janvion, Rio, Trésor, Bossis; Sahnoun, Bathenay, Platini; Zimako (Rouyer), Lacombe e Six

Técnico: Michel Hidalgo

Gols: Edinho, Roberto Dinamite, Six e Tresor
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro
Árbitro: Romualdo Arppi Filho (Brasil)

5 – Brasil 0 x 1 França – Amistoso – 01/04/1978

Brasil

Leão; Toninho, Oscar, Amaral, Edinho; Toninho Cerezo, Rivellino, Tarciso (Gil), Zico; Reinaldo (Nunes) e Dirceu

Técnico: Cláudio Coutinho

França

Bertrand; Demanes, Battiston (Bracci), Lopez, Rio; Bossis, Guillou, Michel (Petit), Platini; Baronchelli, Berdoll e Amisse (Six)

Técnico: Michel Hidalgo

Gol: Platini
Local: Estádio Parc des Princes, em Paris na França
Árbitro: Patrick Partridge (Inglaterra)

6 – Brasil 3 x 1 França – Amistoso – 15/05/1981

Brasil

Paulo Sérgio; Edevaldo, Oscar (Edinho), Luizinho, Júnior; Toninho Cerezo, Sócrates (Vítor), Zico; Paulo Isidoro, Reinaldo (César) e Éder (Zé Sérgio)

Técnico: Telê Santana

França

Dropsy (Castaneda); Janvion, Lopez, Trésor (Specht), Bossis; Tigana, Moizan, Genghini ; Rouyer (Lecornu), Anziani (Delamontagne) e Six

Técnico: Michel Hidalgo

Gols: Zico, Reinaldo, Sócrates e Six
Local: Estádio Parc des Princes, em Paris na França
Árbitro: G. Menegalli (Itália)
Cartões Vermelhos: Six

7 – Brasil 1 x 1 França – Copa do Mundo – 21/06/1986

Brasil

Carlos; Josimar, Júlio César, Edinho, Branco; Elzo, Alemão, Júnior (Silas), Sócrates; Müller (Zico) e Careca

Técnico: Telê Santana

França

Bats; Amoros, Battiston, Bossis, Tusseau; Tigana, Fernandez, Giresse (Ferreri), Platini; Rocheteau (Bellone) e Stopyra

Técnico: Henri Michel

Gols: Careca e Platini
Cobranças de pênaltis: Sócrates 0-0; Stopyra 0-1, Alemão 1-1; Amoros 1-2, Zico 2-2; Bellone 2-3, Branco 3-3; Platini 3-3, Júlio César 3-3; Fernandez 3-4
Local: Estádio Jalisco, em Guadalajara no México
Árbitro: Ioan Igna (Romênia)

8 – Brasil 2 x 0 França – Amistoso – 26/08/1992

Brasil

Taffarel; Jorginho, Ricardo Rocha, Ricardo Gomes, Branco; Mauro Silva, Valdo (Zinho), Luís Henrique (Júnior), Raí; Careca e Romário (Bebeto)

Técnico: Carlos Alberto Parreira

França

Martini; Boli, Roche, Prunier, Petit (Fournier); Blanc (Sauzée), Deschamps, Durand; Cocard (Vahirua), Papin e Ginola

Técnico: Michel Platini

Gols: Luís Henrique e Raí
Local: Estádio Parc des Princes, em Paris na França
Árbitro: Van der Wijngaert (Bélgica)

9 – Brasil 1 x 1 França – Torneio da França – 03/06/1997

Brasil

Taffarel; Cafu, Célio Silva, Aldair (Gonçalves), Roberto Carlos; Dunga, Mauro Silva, Leonardo, Giovanni (Djalminha); Romário (Paulo Nunes) e Ronaldo

Técnico: Zagallo

França

Barthez; Candela, Blanc, Desailly (Thuram), Lizarazu; Karembeu (Vieira), Deschamps, Ba, Zidane, Pires (Keller); Maurice

Técnico: Aimé Jacquet

Gols: Roberto Carlos e Keller

Cartões amarelos: Dunga, Mauro Silva, Cafu, Lizarazu, Deschamps
Local: Estádio Stade de Gerland, em Lyon na França
Árbitro: Kim Milton Nielsen (Dinamarca)

10 -Brasil 0 x 3 França – Copa do Mundo – 12/07/1998

Brasil

Taffarel; Cafu, Júnior Baiano, Aldair, Roberto Carlos; César Sampaio (Edmundo), Dunga, Rivaldo, Leonardo (Denílson); Ronaldo e Bebeto

Técnico: Zagallo

França:

Barthez; Thuram, Lebouef, Desailly, Lizarazu; Karembeu (Alain Boghossian), Deschamps, Petit, Zidane, Djorkaeff (Patrick Vieira); Guivarc’h (Christophe Dugarry)

Técnico: Aimé Jacquet

Gols: Zidane (2) e Petit
Cartões amarelos: Júnior Baiano, Didier Deschamps, Marcel Desailly, Christian Karembeu
Cartão vermelho: Marcel Desailly
Local: Stade de France, em Saint-Denis na França
Árbitro: Said Belgola (Marrocos)

11 – Brasil 1 x 2 França – Copa das Confederações – 07/06/2001

Brasil

Dida; Zé Maria, Lúcio, Edmílson, Léo; Leomar, Fábio Rochemback, Ramón, Carlos Miguel (Robert); Washington e Leandro Câmara (Vampeta)

Técnico: Emerson Leão

França

Ramé; Sagnol, Desailly, Djorkaeff (Carriére), Lizarazu; Vieira, Pires, Leboeuf, Karembeu; Wiltord (Robert) e Anelka.

Técnico: Roger Lemerre

Gols: Pires, Ramón e Desailly
Cartões amarelos: Léo, Karembeu, Sagnol, Djorkaeff, Leomar, Carriére
Local: Suwon World Cup Stadium, em Suwon na Coreia do Sul
Árbitro: Gamal Ghandour (Egito)

12 – Brasil 0 x 0 França – Amistoso – 20/05/2004Brasil

Dida; Cafu, Luisão, Cris, Roberto Carlos; Edmílson, Juninho Pernambucano (Júlio Baptista), Kaká (Alex), Zé Roberto (Edu); Ronaldinho Gaúcho e Ronaldo

Técnico: Carlos Alberto Parreira

França
Coupet; Thuram, Gallas, Desailly (Bernard Mendy), Jean-Alain Boumsong; Vieira, Makelele, Pires (Wiltord), Zidane (Olivier Kapo); Henry e Trezeguet

Técnico: Jacques Santini
Local: Stade de France, em Saint-Denis na França
Árbitro: Mejutu González (Espanha)

13 – Brasil 0 x 1 França – Copa do Mundo – 01/07/2006

Brasil

Dida; Cafu (Cicinho), Lúcio, Juan, Roberto Carlos; Gilberto Silva, Zé Roberto, Juninho Pernambucano (Adriano), Kaká (Robinho); Ronaldinho Gaúcho e Ronaldo

Técnico: Carlos Alberto Parreira

França:

Barthez; Sagnol, Thuram, Gallas, Abidal; Makelele, Vieira, Malouda (Wiltord), Zidane, Ribery (Sidney Govu); Henry (Louis Saha)

Técnico: Raymond Domenech

Gols: Henry
Cartões amarelos: Cafu, Juan, Ronaldo, Lúcio, Willy Sagnol, Louis Saha, Liliam Thuram
Local: FIFA World Cup Stadium, em Frankfut na Alemanha
Árbitro: Luis Medina Cantalejo (Espanha)

14 – Brasil 0 x 1 França – Amistoso – 09/02/2011

Brasil

Júlio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz, André Santos; Lucas Leiva, Elias (André), Renato Augusto (Jádson), Hernanes; Robinho (Sandro) e Alexandre Pato (Hulk)
Técnico: Mano Menezes

França

Lloris, Sagna, Rami, Mexès, Abidal; Diarra, M’Vila (Abou Diaby), Gourcuff (Yohan Cabaye), Menez (Loïc Rémy); Karim Benzema (Kevin Gameiro) e Florent Malouda

Técnico: Laurent Blanc

Gols: Karim Benzema
Cartões amarelos: Robinho e Jérémy Menez
Cartão vermelho: Hernanes
Local: Stade de France, em Saint-Denis na França
Árbitro: Wolfgang Stark (Alemanha)

Novo rico europeu, Monaco investe forte na volta para a primeira divisão da França

29 de maio de 2013 0

Monaco vai remontando seu time para a primeira divisão da França. Foto: VALERY HACHE/AFP

O Monaco já foi finalista da Liga dos Campeões. Em 2004 o time que tinha o Giuly e Fernando Morientes perdeu a final para o Porto do técnico José Mourinho. A final da Liga parecia ser um ingresso do clube para as grandes decisões, mas não foi o que aconteceu. Os melhores jogadores foram negociados e em dezembro de 2011 o time vermelho e branco era o lanterna da Ligue 2, a segunda divisão francesa. Foi então que apareceu o milionário russo Dmitry Rybolovlev que adquiriu o clube. Segundo a revista Forbes Rybolovlev tem a 119ª maior fortuna do mundo avaliada em 9,1 bilhões de dólares e parte dessa fortuna foi investida no clube.

Na época o Príncipe Alberto II classificou o negócio como “inevitável”, já que o clube caminhava para a terceira divisão.

— Uma nova página na história da equipa de futebol tão apreciada no principado começa a ser escrita. Espero possa recuperar progressivamente o status do passado, uma das joias da vida desportiva do Monaco – disse o príncipe.

E aos poucos o time foi sendo reconstruído. Na temporada 2011/2012 conseguiu escapar do rebaixamento e na temporada seguinte conseguiu a vaga para a primeira divisão. Por isso o clube está no mercado mirando para todos os lados e fazendo muitas contratações. O PSG não estará sozinho no próximo Campeonato Francês.

Nos últimos dias foram contratados João Montinho e James Rodriguez, do Porto, por R$ 185 milhões, além disso o clube ainda acertou com o zagueiro Ricardo Carvalho, ex-Real Madrid e Chelsea. O meia James Rodríguez também confirmou o acerto do clube com o compatriota Falcao García, do Atlético de Madrid. Colegas na seleção colombiana, os dois jogarão juntos no time francês.

- Já havia jogado com ele, e, agora, que vamos estar juntos, é um sonho também. Me sinto muito orgulhoso por estar com um amigo. Tomara que a gente consiga coisas grandes – projetou Rodríguez em entrevista ao jornal colombiano “El Tiempo”.

Por enquanto nenhum brasileiro foi relacionado a lista de comprar do Monaco. Agora é esperar para ver se o time comandado com Claudio Ranieri terá cacife para fazer frente ao PSG.

Cannes e sua maior obra de arte: Zinedine Zidane

28 de maio de 2013 1

Zidane no Cannes, ainda com muitos cabelos

No último domingo terminou em Cannes, na França, o famoso festival de Cannes de cinema. Porém, a cidade não é só movida pela a paixão a sétima arte. A cidade no sul da França é a sede da Association Sportive de Cannes Footbal. E a maior obra de arte do pequeno time francês é Zinedine Zidane. Sim, o craque Zidane foi revelado pelo pequeno Cannes.

Hoje, o time frequenta a terceira divisão do futebol francês, mas em outro tempo jogava a primeira divisão e foi lá em 1988 Zidane se tornou profissional. Foram quatro anos da pequena equipe até se transferir o Bordeaux.

Zidane não foi o único jogador revelado pelo Cannes, o volante Patrick Vieira também deu seus primeiro chutes por lá, antes de ser negociado para o Milan. Você pode conferir abaixo um vídeo com imagens de Zizou com a camisa do Cannes.