Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "Top 5"

Top 5: gols de falta de Marcos Assunção, nova contratação do Figueirense

15 de janeiro de 2014 0

Marcos Assunção é a principal contratação do Figueirense até agora na temporada. O experiente atleta é conhecido pela qualidade na bola parada. Seja em lançamentos ou em cobranças diretas.

Por isso eu preparei um top 5 de gols de falta de Assunção. Há muito tempo o torcedor alvinegro não tem um jogador como Marcos Assunção, aquele que quando pega a bola para cobrar uma falta o torcedor já fica em pé para comemorar o gol. Vamos ver se no Furacão ele consegue repetir o bom futebol da época do Palmeiras.

1Marcos Assunção fez poucos jogos pela Seleção Brasileira, porém deixou sua marca. No amistoso contra a Rússia, em 18 de novembro de 1998, o volante marcou um gol de falta na goleada por 5 a 1 da Seleção, contou com a ajuda do goleiro Novossadov mesmo assim é um tento com a amarelinha.

2No Real Betis, da Espanha, foram 143 jogos e 29 gols, muitos deles de falta. Iker Casillas, goleiro do Real Madrid e capitão da Espanha temia encontrar Assunção:

– Tenho que ter sorte diante de Assunção – declarou em 2003 ao Canal +.

Abaixo um gol do novo jogador alvinegro pelo Betis.

3No Flamengo no dia 10 de outubro de 1998 Assunção abriu o placar em partida no Maracanã contra o Corinthians. O jogo foi um dos melhores do Brasileirão de 1998. O Mengo goleou o Timão por 4 a 1. Além do gol de Marcos Assunção, Beto, Jorginho e Iralnido também marcaram. Marcelinho Carioca foi o autor do gol paulista, aliás Para Assunção o ídolo corintiano foi um dos melhores cobradores de falta da história do futebol brasileiro.

4A última passagem de Assunção pelo Santos não foi o que ele esperava. As lesões atrapalharam o jogador, no entanto essa não foi a primeira vez que o atleta defendeu o time de Pelé. Na primeira passagem, contratado do Rio Branco, foram apenas três gols. Porém na segunda vez que jogou pelo Peixe marcou 21 gols, muitos de falta.

5Foi no Palmeiras que Assunção marcou seu maior número de gols defendendo um time. Ao total foram 35 tentos. Marcos Assunção chegou ao Porco sobre muita desconfiança, afinal estava no Grêmio Prudente (hoje Barueri). Em pouco tempo de clube conquistou a torcida do Verdão. Assim o último vídeo é um copilado de todos os gols do atleta pela equipe palmeiras.

Top 5: erros bizarros de goleiros

03 de junho de 2013 0

Ter Stegen correr para evitar seu erro contra os Estados Unidos. Foto: Nicholas Kamm/AFP

Motivado pelo erro do goleiro Camilo do Icasa na derrota de seu time para o Avaí na última sexta-feira decidi fazer um top 5 com erros de goleiros. Eles são solitários, geralmente chegam mais cedo nos treinos e são os últimos a sair. Além disso podem passar a partida inteira fazendo grandes defesas, mas um erro pode estragar tudo.

• Esse foi o erro que motivou o post.

Marcos foi um grande goleiro. Decisivo na Copa do Mundo de 2002 no titulo do Brasil e muitas vezes salvou o Palmeiras. Porém o São Marcos tem algumas páginas tristes. Marcão falhou mais de uma vez com a camisa do Palmeiras. Mas um jogo que resume todos esses lances é Palmeiras 2 x 7 Vitória, em 2003, nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Rodolfo Rodrigues ficou conhecido no Brasil por fazer grandes defesas pelo Santos. No entanto em 1993 ele deu mole e o jovem Ronaldo, com 17 anos, foi mais rápido. O goleiro do Bahia fez uma defesa rápida, quando quase deixou passar a bola por baixo das pernas, aliviado ele descansou e deixou a bola parada do seu lado. Ronaldo foi mais rápido e fez o gol.

Júlio Cesar já foi considerado o melhor goleiro do mundo. Principalmente em 2010, após o título da Inter de Milão na Liga dos Campões. Mas antes dessa fase gloriosa ele falhou feio. Isso foi em 2003 no Brasileirão. O Flamengo venceu o Bahia por 2 a 1, mas o gol baiano foi marcado por Fabinho, meio-campo do Fla contra. O detalhe é que quem errou foi Júlio Cesar. O goleiro foi sair jogando rápido e acabou chutando a bola na cabeça de Fabinho, ela explodiu no jogador e entrou no gol.

Na Copa do Mundo de 2010 a Inglaterra empatou com os Estados Unidos em 1 a 1. E o gol americano foi de Dempsey, o meio-campo arriscou de longe e o goleiro Green aceitou. Um frango clássico. O jogo foi pela estreia da Copa e depois os dois times conseguiram se classificar para as quartas de final.

Para fechar a lista um erro fresquinho. A Alemanha enfrentou o Estados Unidos em amistoso no último fim de semana. Sem poder contar com Neuer que foi liberado para jogar a final da Copa da Alemanha pelo Bayern de Munique. Assim, Ter Stegen, do Borussia Mönchengladbach, foi o titular. E protagonizou uma lance muito parecido com o do goleiro do Icasa contra o Avaí.

Top 5: promessas que não vingaram no futebol brasileiro

16 de maio de 2013 0

Lenny era uma das promessas do futebol brasileiro. Foto: Diego Redel, BD, 03/04/2011

A Chapecoense contratou na quarta-feira, e deve apresentar nesta quinta, o atacante Tiago Luís. Esse mesmo jogador em 2008 foi uma das grandes apostas da base do Santos. O problema de Tiago foi ser comparado pelo jornal Marca, da Espanha, como o Messi brasileiro. Torcida e dirigentes tinham enorme expectativa com Tiago Luís, que não se concretizou. Por isso o Top 5 de hoje é para lembrar promessas do futebol brasileiro que não vingaram.

Tiago Luís: Há cinco anos o atacante do Santos era uma das grandes promessas da base do futebol brasileiro. Inclusive o time santista renovou seu contrato por cinco temporadas, que terminou no início de 2013. Porém, depois de ser apelidado de Messi brasileiro pelo jornal Marca, da Espanha, a carreira do atacante não decolou. Ele não jogou mais pelo Santos e foi emprestado para o time português União de Leiria, Ponte Preta, Bragantino e Mirassol.

- Todo mundo fala do Messi, mas a comparação não foi culpa minha. O jornal colocou porque quis e porque viu alguma qualidade em mim. Mas, pegou o rótulo e acabou prejudicando – disse Tiago Luís ao jornal Lance em janeiro.

Celsinho: Em 2005 a grande joia da Portuguesa era Celsinho. O jovem jogador de 17 anos foi o destaque da equipe que quase conseguiu o acesso para a Série A. Com longos cabelos, o meio-campo foi comparado a Ronaldinho Gaúcho. Vendido para o Lokomotiv, da Rússia, não conseguiu repetir as boas atuações e foi negociado com o Sporting Lisboa. Ainda com contrato com o time português foi emprestado para o Estrela Amadora, também de Portugal, voltou para a portuguesa e passou peloTârgu Mures, da Romênia. Desde 2012 está no Londrina, longe dos holofotes.

Keirrison: O atacante foi avassalador nos primeiros anos da carreira profissional. Pelo Coritiba foi o artilheiro do Brasileirão em 2008 com 21 gols, ao lado de Washington e Kléber Pereira. Foi negociado com o Palmeiras e manteve a média de gols e chamou a atenção do Barcelona que o contratou por 15 milhões de euros.

Keirrison nem teve a oportunidade de jogar pelo Barça e foi emprestado para o Benfica, sem muitas chances na temporada seguinte foi emprestado para a Fiorentina, da Itália. Com a camisa roxa jogou 12 partidas e marcou dois gols. Em 2010, foi emprestado para o Santos onde teve mais chances de atuar, mas o faro de artilheiro não era mais o mesmo e em 2012 o jogador foi emprestado para o Cruzeiro. No time mineiro marcou apenas um gol em oito jogos. No dia 22 de março o clube mineiro liberou o atacante para voltar ao Coritiba. De volta para casa, Keirrison tinha tudo para brilhar, mas uma lesão no joelho direito o afastou dos gramados.

Lenny: O rápido atacante apareceu no futebol brasileiro em 2006 pelo Fluminense. Em minutos foi alçado como a nova promessa brasileira. Do Tricolor Carioca foi para o Braga, de Portugal, onde não conseguiu repetir as boas atuações. De volta ao Brasil defendeu o Palmeiras onde demorou muitas partidas para finalmente marcar o primeiro gol. Em 2011, chegou no Figueirense.

No time catarinense teve uma sequência de lesões e muitas polêmicas. Jogou apenas poucos minutos e foi liberado pelo time. Depois do Alvinegro, acertou com o Desportivo Brasil e foi emprestado para o Boa Vista, do Rio de Janeiro. No início do ano acertou com o Ventforet Kofu, do Japão, mas nem chegou a jogar. Com um mês de contrato foi mandado embora.

Kerlon: O jogador do drible da foca. Kerlon ficou conhecido por colocar a bola na cabeça e passar pelo marcador fazendo embaixadinhas com a cabeça. Foi assim pela Seleção sub-20 e pelo Cruzeiro. Negociado com o Chievo, da Itália, ficou pouco tempo no time de Verona e foi vendido para a Inter de Milão, que o emprestou para o Ajax, da Holanda, para ganhar experiência. No entanto, sofreu uma grave lesão e ficou muito tempo parado. Em 2011, foi emprestado para o Paraná, onde não teve muitas chances. Na sequência jogou no Nacional-MG e em 2012 foi negociado com o Fujieda, do Japão, onde está até agora.

Top 5: casos de fidelidade a um clube de futebol

06 de maio de 2013 4

Totti nunca defendeu outro equipe sem ser a Roma. Foto: GABRIEL BOUYS/AFP

Existem alguns jogadores que são confundidos com os times que defendem. Eles são ídolos, fiéis às camisas que vestem. Por isso, resolvi fazer um top cinco de casos de fidelidade a um clube. A lista não segue nenhum ordem, procurei na memória exemplos de jogadores que ficam bastante tempo em um único clube.

Paolo Maldini: Filho do ídolo Cesare Maldini, cresceu no Milan e tornou-se mais admirado do que o próprio pai. Criado na base milanesa o lateral/zagueiro começou a defender o time profissional em 1984. Se aposentou em 2009 com 902 jogos pelo Milan, 33 gols, sete scudettos e cinco Champions.

Francesco Totti: O capitão da Roma só vestiu uma outra camisa como profissional, a da Squadra Azzurra. Titular absoluto e maestro do meio-campo romanista desde 1995, jogou mais de 500 partidas pelo time. Com a equipe venceu um Campeonato Italiano e duas Copa da Itália.

Paul Scholes e Ryan Giggs: Conquistaram juntos 10 títulos da Premier League e duas Liga dos Campões. Ambos atuam em alto nível até hoje e só não são titulares absolutos porque a idade já pesa. Scholes chegou a se aposentar em 2011, porém não conseguiu ficar longe do United e voltou a calçar as chuteiras.

Marcos: No Palmeiras desde 1992, só virou titular em 1999, na campanha da Libertadores. Foi em 2002 porém que deu a maior prova de amor ao time: recusou proposta do Arsenal para jogar a Série B. Se aposentou no ano passado com 532 jogos.

Rogério Ceni: Assumiu a número um do São Paulo em 1997 e fez muito mais do que substituir Zetti à altura: tornou-se o jogador que mais atuou pelo Tricolor, voltou a vencer o Mundial e sagrou-se um dos maiores ídolos da história do time paulista. Claro, além de marcar gols importantes de falta e pênalti.