Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2012

San Antonio Spurs cresce na hora certa e começa a pensar em mais um título na NBA

29 de março de 2012 3

A remodelação do elenco do San Antonio Spurs tem sido essencial para a evolução da equipe na temporada regular. Ao vencer nove dos últimos dez jogos, a equipe praticamente se estabilizou como a segunda melhor equipe do Oeste na NBA e já vê uma clara possibilidade de brigar pelo título deste ano.

Os veteraníssimos Tim Duncan (36 anos e 14ª temporada) e Manu Ginobilli (35 anos e nona temporada) têm novos companheiros para lutar por mais um título na NBA. O San Antonio Spurs é a equipe que mais venceu na NBA na era pós Chicago Bulls de Michael Jordan. Não em títulos, que foram 4 (1999, 2003, 2005 and 2007) contra 5 do Lakers, mas em aproveitamento, cerca de 80% de vitórias… o que beira a perfeição.

Ano passado a equipe tinha o melhor aproveitamento na fase regular e acabou perdendo a melhor de sete partidas para o Memphis Grizzlies por 4 a 2.  Isso fez com que seus dirigentes juntamente com seu treinador, Gregg Popovich, que está há 16 temporadas à frente do Spurs, buscassem uma reestruturação do elenco.

A primeira medida foi o retorno de outro veterano e campeão com o Spurs, Stephen Jackson. Ótimo jogador. Experiente e ótimo nas bolas longas, foi trocado por Richard Jefferson (um dos maiores enganadores da Liga). A troca foi excelente para o San Antonio. Juntamente com Jackson, vieram por contratação o ala-pivô Boris Diawe e o armador Patrick Mills.

O Spurs tem um dos melhores elencos da NBA, com um banco de reservas invejável. “Essa é a equipe mais completa que eu já tive aqui”, comentou Tim Duncan após vitória sobre o Sacramento. “Estamos usando todo mundo e isso tem sido ótimo, especialmente nesta temporada reduzida”, concluiu. Neste jogo contra os Kings, os reservas do Spurs fizeram 55 pontos.

Temporada é temporada, playoff é playoff… mas o Spurs sabe como chegar ao título.

Thunder mostra seu potencial para o título e vence o Miami Heat em uma "prévia" da final na NBA

26 de março de 2012 0

Em jogo sensacional, o Oklahoma City Thunder atropelou o Miami Heat no que poderia ser uma espécie de “final antecipada” da NBA. Mais uma vez, Kevin Durant comandou as ações pelo Thunder com 28 pontos, 9 rebotes e 8 assistências (quase um triple-double).

O Miami foi completamente dominado dentro do garrafão mais uma vez, mas mais que isso, cometeu muitos erros durante a partida. Foram 28 pontos do Thunder resultantes dos 21 desperdícios de bola do Miami no jogo. O Oklahoma City jogou com muita intensidade e, com seu jogo rápido e envolvente, fez mais pontos em contra-ataques e pegou o dobro de rebotes ofensivos do que o Miami.

O Heat cometeu 15 erros somente no terceiro quarto e a culpa disso pode estar no banco de reservas.  Além de não poder contar com muitos pontos de jogadores vindos do banco, o Miami se recente de comando técnico, pois é incompreensível como um jogador como Dwyane Wade não arremessa uma bola sequer no último quarto da partida. Não pode ser apenas pela marcação agressiva do Thunder, mas algo na orientado de seu treinador, Erik Spoelstra (foto ao lado).

“Eles nos atropelaram. Nos pressionaram o tempo todo e foram mais fortes física e mentalmente. Vamos aprender com isso e seguir em frente”, comentou o treinador do Miami, Spoelstra, após o jogo.

O técnico do Thunder, Scott Brooks, viu o mesmo jogo. “Jogamos físicamente como podemos jogar, nossos grandões atuaram muito bem e foram decisivos no ataque e na defesa”.

O Thunder mostra sua força em um momento de definições na NBA. Faltam cerca de 15 jogos para cada equipe antes dos playoffs e os candidatos ao título tem que chegar voando na fase decisiva. Time que vem subindo de produção como o LA Lakers, San Antonio Spurs, Boston Celtics e New York Knicks, podem beliscar alguma coisa.

Ainda aposto que o título fica com um destes três times: OK Thunder, Chicago Bulls ou Miami Heat, mas este último precisa urgente fazer alguma coisa para melhorar seu jogo, ou estaria se guardando para os playoffs?

O Chicago Bulls tem condições de bater Miami Heat nos playoffs deste ano?

21 de março de 2012 2

A pergunta é a mais recorrente nas últimas semanas, seja em blogs, sites especializados, twitter etc…

O problema é que a questão vai muito além do que cada um dos times pode produzir em quadra. As variáveis são inúmeras. Apesar do Miami ter vencido o Chicago ano passado, até com certa facilidade na final do Leste, as coisas mudaram um pouco nesta temporada.

Vejo o Bulls bem melhor do que em 2011, mais determinado e focado nas partidas. Já o Heat segue no mesmo nível. As contratações desta temporada não deram muito resultado, precisa urgentemente achar uma maneira de pegar mais rebotes e evitar os frequentes apagões durante os jogos. Na última semana, por exemplo, vencia o Philadelphia 76ers por 30 pontos e quase perdeu a partida no final, vencendo por apenas seis pontos.

Antes de apontar um favorito, o que seria uma loucura, prefiro colocar algumas cartas na mesa e apontar algumas das armas dos dois times para que cada um tire suas próprias conclusões:

Os pontos-chave para Chicago Bulls sair vitorioso:

- Derrick Rose estar 100% fisicamente;
- A defesa de Chicago continuar com a mesma pegada (é a segunda melhor da NBA);
- Pode contar muito com seu banco de reservas;
- Ter de volta Richard Hamilton saudável (contratação de peso que pode ser uma segunda opção a Rose em momentos decisivos);
- Carlos Boozer precisa ser mais eficiente contra o Miami, ao contrário de outros adversários, tem jogado mal quando enfrenta o Heat;
- Concentração. Essa tem sido a tônica do Bulls na temporada. Sempre focado no jogo.

Do que precisa o Miami Heat:
- O trio Lebron James, Dwyane Wade e Chris Bosh tem que fazer o que estão fazendo. Pontuando muito e decidindo partidas;
-  Maior ajuda do banco de reservas. A contusão de Mike Miller fez com que o banco de Miami quase não pontue nos jogos;
- Seu treinador, Erik Spoelstra, precisa comandar melhor seu time. Acho que lhe falta experiência, muito por ser jovem, e também um esquema tático ofensivo mais eficiente. Não que o time não seja ofensivo o suficiente, mas que tenham jogadas mais elaboradas para que seus excelente jogadores tenham cestas mais fáceis;
- Colocar Lebron ou Wade marcando Derrick Rose. A vantagem na maior estatura em relação a Rose já ajudou no ano passado;
- Evitar que Chicago pegue tantos rebotes, especialmente os ofensivos, que geram uma segunda chance para pontuar.

Façam suas apostas !!!

Chris Mullin terá número "aposentado" pelo Golden State Warriors

19 de março de 2012 0

Mais um uniforme será pendurado nesta noite na NBA. Chris Mullin, ex-jogador do Golden State, e integrante do primeiro e único Dream Team, terá seu número 17 pendurado no teto do ginásio dos Warriors.

Quem viu Chris Mullin jogar, entende por que ele estava presente na medalha de ouro olímpica de 1992, em Barcelona com os EUA, e merecia uma vaga naquele time. Mesmo sendo um jogador baixo e lento para os padrões da época, e que sofria muito com lesões, Mullin era genial no seu jogo. Sabia passar e arremessar bolas de três como ninguém.

Campeão olímpico também em 1984, Mullin já está no Hall of Fame (Salão da Fama) do basquete americano e já merecia essa “aposentadoria” de seu número. Apesar de nunca ter conquistado nenhum título com o modesto Golden State, Mullin tinha uma média invejável de mais de 20 pontos por jogo em sua carreira pelos Warriors.

Foram 12 temporadas consecutivas jogando pelo Golden State, três anos pelo Indiana Pacers, e retornou para sua derradeira temporada nos Warriros em 2001.  Mullin é figura frequente no jogo das celebridades no final de semana das estrelas da NBA, sempre muito carismático e participativo em momentos importantes do basquete americano.

Parabéns pra ele.

Número de trocas de jogadores abaixo do esperado não mexe com times de ponta na NBA

16 de março de 2012 1

A quinta-feira foi agitada na NBA, mas não tanto quanto se especulva. Como citado aqui no blog na semana passada, os grandes jogadores ficaram onde estavam. O principal nome nos bastidores, Dwight Howard (foto), decidiu ficar em Orlando, acho que muito influenciado pelas vitórias seguidas do Magic sobre o Miami Heat e o Chicago Bulls, dando um bom ânimo à equipe que pode incomodar no Leste.

O que mais chamou a atenção dos brasileiros, foram as trocas de Leandrinho e Nenê. Leandrinho que deixou o fraco Toronto Raptors e foi para a capital do basquete americano, Indiana, deve ter mais destaque e também já chega com uma vaga nos playoffs quase assegurada. Já Nenê não se deu muito bem, saiu da forte equipe do Denver Nuggets para o terceiro pior time da NBA nesta temporada, o Washington Wizards. Ele deve saber o que o espera e torce para ser apenas a primeira peça para erguer um time sem expressão na NBA.

A troca mais sentida pelos americanos foi a de Derek Fisher. Depois de 5 títulos e uma vida inteira dedicada ao Lakers, ele deixa Los Angeles para se integrar ao Houston Rockets. O tom de despedida foi bem forte nos bastidores do Lakers.

Dentre as trocas com menor importância, a aquisição do armador Ramon Sessions pelo Lakers e a troca de Gerald Wallace do Portland, por Memet Okur e Shawne Williams dos Nets, foi o que houve de mais impactante na Liga. Os Nets estão investindo pesado para montar um bom time para o ano que vem. Deron Williams, um dos melhores armadores da NBA já está tendo uma melhor companhia em quadra para que a equipe que se mudou para Nova Iorque há pouco tempo. Com mais uma ou duas peças pode ter condições de brigar por algo maior em 2012/2013.

New York Knicks demite treinador Mike D'Antoni após série de derrotas

14 de março de 2012 0

Elsa, AFPNão é só no futebol que treinadores são demitidos. Na NBA não é diferente, apesar de acontecer com menor frequência. O treinador Mike D’Antoni, do New York Knicks, foi destituído do cargo nesta quarta-feira.
A equipe até se refoçou bem no início da temporada mas não conseguiu ter uma regularidade. Iniciou mal, se recuperou com atuações incríveis de Jeremy Lin, mas voltou a perder. Os Knicks já somam seis derrotas consecutivas e optaram por mudar o comando técnico da equipe.
D’Antony, que tem fama de ser um treinador ofensivista, não conseguiu unir as qualidades dos seus três maiores astros: Carmelo Anthony, Tyson Chandler e Amare Stoudamire. Com alguns problemas de contusões, como a do armador Baron Davis, também contribuíram para a queda de Mike.
O Knicks é mais ou menos como o Flamengo (no futebol) nos últimos anos (mas sem título algum). É a equipe mais “popular” da NBA, mas não consegue formar um time base, troca demasiadamente o plantel a cada temporada e não permite uma sequência. Contrata astros que não dão certo, como Carmelo Anthony. Esse ano parecia começar a mudar isso, mas já há rumores de que Carmelo não estaria feliz no clube e gostaria de sair, apesar dele negar os boatos.
Apesar da temporada conturbada, os Knicks devem chegar aos playoffs na última vaga, em oitavo lugar. Podendo enfrentar o Chicago Bulls ou o Miami Heat já na primeira rodada.
O assistente técnico, Mike Woodson, deve comandar o time até o fim da temporada.

NBA pode permitir patrocínio nos uniformes

12 de março de 2012 0

Já imaginaram os clássicos uniformes do Lakers e do Celtics cheios de patrocínios? Pois é. Uma reunião entre donos de franquias e dirigentes de equipe no próximo mês, deve permitir que as equipes da NBA levem anúncios em seus uniformes. A decisão seria histórica para o esporte americano, já que apenas a WNBA, versão feminina da NBA, permite tal prática.

A recente greve dos donos das franquias da NBA, no ano passado, que resultou numa redução do número de jogos e também a decorrência da crise americana, fizeram com que isso fosse repensado. Já existem inúmeros interessados em patrocinar as equipes, o que não surpreende, já que o basquete é o terceiro esporte mais rentável dos Estados Unidos, só atrás do Beisebol (MLB) e do Futebol Americano (NFL).

Há três anos o presidente da NBA, David Stern, falou em alto e bom som: “Não estamos à venda”, mas parece que as coisas estão mudando.

Só espero que a NBA não vire o que se vê na liga italiana, por exemplo, onde tem patrocínio até no piso das quadras, onde mal se consegue enxergar a cor das tábuas de madeira. Além de estragar a estética linda dos uniformes. Mas, como sempre, TUDO em nome do dinheiro.

Rajon Rondo pode ser moeda de troca no Boston Celtics

10 de março de 2012 6

Mesmo com três dos seus principais jogadores em final de contrato, o Boston não deve movimentar as trocas nessa semana final de abertura na janela de transferências.
Kevin Garnett, Ray Allen, e Jermaine O’Neal serão free-agents (passe-livre) no final da temporada, mas nem por isso o Boston vai colocá-los em algum negócio.
Acho que isso não é bom para o Celtics, que tem um time “idoso” que já não tem o mesmo gás que o levou ao título em 2008.
A principal figura da equipe, o armador Rajon Rondo, vem sendo especulada como principal moeda de troca para o Boston renovar seu elenco. Segundo Doc Rivers, treinador da equipe, não devem mexer no elenco para esta temporada.
Rondo deve ser um dos armadores da seleção americana nas Olimpíadas, ele vem jogando demais nesta temporada. Perdeu o medo de arremessar, aumentando sua média de pontos por partida, fazendo com que seu adversários se preocupem mais com ele, deixando outros jogadores do Boston mais livres para arremessar. O Boston é o time com o sétimo melhor aproveitamento em arremessos de quadra e segundo em assistências, muito devido às excelentes atuações de Rondo.

Jogo das Estrelas da NBB agita o final de semana

08 de março de 2012 3

É neste final de semana o jogo das Estrelas da NBB (Novo Basquete Brasil). O jogo será realizado nos dias 9 e 10 de março, no Ginásio Pedrocão, em Franca e  imita em quase tudo o jogo omônimo da NBA. Nesta sexta à noite, teremos o campeonato de habilidades e o torneio de enterradas (que espero ser melhor que o da NBA, que foi um fiasco). O SporTV2 transmite ao vivo a partir das 19h15.
Já o jogo principal, que terá transmissão da Rede Globo e do SporTV, começa as 10h da manhã de sábado. O jogo será entre as estrelas brasileiras contra a estrangeiras que atuam na Liga Nacional.


Os times titulares serão estes: Guilherme Giovannoni, Marquinhos, Fúlvio, Alex e Murilo formam o quinteto do NBB Brasil (da esquerda para a direita na foto acima). Enquanto Jeff Agba, Kevin Sowell, Larry Taylor, Shamell e Kammerichs formam o quinteto do NBB Mundo.

PS> Sempre vou comentar e falar mais da NBA do que do basquete brasileiro. Não é preconceito, até assisto quando posso, mas realmente acho que falta muita coisa ao basquete nacional para atrair mais adeptos e fãs. A começar pelos horários das partidas, que acontecem sempre que estou trabalhando, o que dificulta acompanhar.
Mas sou um fã do nosso basquete, acho que passamos pelo melhor momento desde Oscar Schmidt e mesmo assim, estamos muito abaixo do nível de outros países, como Argentina, Grécia, Espanha e claro, os Estados Unidos.

Janela de transferências fecha na semana que vem

07 de março de 2012 5

Os próximos dias devem ser cruciais para definir os reais favoritos ao título da NBA.
Termina no próximo dia 15 de março a “janela” de transferências da Liga. Times que estão no limbo podem voltar a brigar por título e outros que não têm mais chances e possuem algum jogador de destaque no elenco, já começam a pensar em trocas para a próxima temporada.

O principal nome em todos os noticiários tem sido o de Dwight Howard do Orlando Magic. Disparado o melhor pivô da liga, domina o garrafão como ninguém, mas seu time  não está no mesmo ritmo de Howard. O camisa 12 do Magic se ressente de companheiros que façam a franquia brigar pelo título… nessa hora o que fazer? Insistir com o jogador no elenco mesmo com remotas chances de título ou trocá-lo por bons jogadores a fim de mexer no grupo? Esta semana chegou a se especular até o empréstimo do jogador a alguma equipe que brigasse mais diretamente pelo título, o que não deve passar de boato.
Esperar tem sido a tônica dos times em 2012. Com a temporada reduzida pela greve do ano passado os times estão muito cautelosos. Não creio em muitas trocas entre os principais times, mas alguns, se não se mexerem, começarão a pensar na próxima temporada bem antes da hora.

O Lakers é o principal exemplo de time que precisa de apenas uma peça para ter chances reais de título. Um bom point-guard (armador) poderia ser o que falta para o time de Kobe Bryant. Um negócio que não envolva seus principais jogadores, Pau Gasol e Andrew Bynum, poderia trazer o Laker para a briga.

Outros fortes boatos de troca no mercado, das quais eu comentarei em futuros posts, são: Rajon Rondo (Boston Celtics) e Steve Nash (Phoenix Suns).