Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "transportes"

O primeiro dia do resto de nossas vidas

06 de julho de 2011 0

Há dois posts atrás eu contei pra vocês sobre meu casamento. Foi um casamento normal, apesar de algumas adaptações como o fato de irmos embora em carros separados, por exemplo, mas diferente mesmo foi o dia seguinte.

Eu e a patroa passamos a primeira noite de casados num Hotel (no mesmo que a família dela estava hospedada, inclusive no mesmo andar – coisa de Camila), acordamos e, ao contrário de um casal normal que sai do hotel junto e provavelmente vai viajar, eu fui embora e a Ca ficou. Talvez pensem “nossa, mas que homem insensível”, mas não teve jeito. Nós dois estávamos com visitas, cada um na sua casa, com programas diferentes e eu ainda preciso de ajuda pra muita coisa, então, foi a melhor maneira que encontramos pra passar nosso primeiro dia de casados tranquilos.

A Ca tinha combinado um passeio de barco com a família dela pra mostrar a Orla de Porto Alegre e eu e minha família fizemos um almoço em casa. Claro que seria muito divertido juntar todo mundo mas eu tenho um pouco de medo dessa história de barco e ainda achei que o famoso Cisne Branco, que faz passeios pelo Rio Guaíba aqui em Porto Alegre, não tivesse acesso pra mim. Quebrei a cara! Entrei em contato com o Cisne Branco através do site (clique aqui) e a informação que me passaram é que sim, tem acesso para cadeirantes! Claro que nem tudo são flores e não tenho como ir ao banheiro, por exemplo, mas se em vários barzinhos e restaurantes não tem banheiros adaptados, eu não poderia realmente imaginar que num barco tivesse. Só de saber que um dia, se eu tiver coragem, posso dar um passeio pela orla de Porto Alegre, já fico feliz!

Isso sim realmente é importante, afinal, logo logo sediaremos uma Copa do Mundo e num evento desse porte espera-se acessibilidade universal… certo?? Sinceramente tenho dúvidas se isso vai funcionar não só aqui em Porto Alegre como nas outras cidades também, mas pelo menos por aqui o passeio de barco está garantido.  (Em outro post também vou falar sobre acessibilidade dos aeroportos)

Outra coisa que andei pesquisando, até pela experiência que passei lá do outro lado do mundo, foi o Ônibus Turístico aqui de Porto Alegre e sim, ele também é acessível!! Fiquei muuuito feliz porque, acreditem, em Paris, a cidade mais visitada do mundo, o Ônibus Turístico não é acessível (mais um post garantido, que vocês vão ficar horrorizados!).

Aqui nós temos duas linhas: Linha Turismo Centro Histórico e a Linha Turismo Zona Sul. Se você ficou interessado pelos passeios, clique aqui para maiores informações.

Agora, claro… eu posso passear no Ônibus Turístico e no Cisne Branco mas não consigo me imaginar fazendo turismo pelas ruas do centro de Porto Alegre. Lá sim esqueceram que existem pessoas que não podem pular os buracos das calçadas e precisam de auxílio pra atravessar a rua porque rampa não existe e, quando tem, algum bonitinho faz o favor de estacionar o carro bem na frente, como se já não bastasse roubar minha vaga especial…

Realmente, apesar do ótimo exemplo em alguns aspectos, Porto Alegre ainda deixa muito a desejar quando o assunto é acessibilidade universal. Já melhorou muito, confesso, mas ainda tem muito que fazer.  Bem, ainda temos 3 anos!! Vamos nos mexer!

Essa vaga não é sua... nem por um minuto!

14 de junho de 2011 0

Há algum tempo eu descobri uma campanha de trânsito a respeito das vagas destinadas para PPNE… Não vi essa campanha veiculada na TV, uma pena, porque nela, os sábios publicitários inverteram os papéis: colocaram as PPNE nas vagas das pessoas “normais”, só por um minutinho! Eu achei incrível!

Talvez a maioria das pessoas nem se dê conta, mas é muito normal ver uma pessoa parar na MINHA vaga na maior cara de pau. E não digo só na minha, digo na de idosos, gestantes… vagas especiais. Essa semana mesmo eu fui ao shopping, parei na minha vaga e vi o momento que uma pessoa ficou “paquerando” a vaga do lado. Era uma vaga pra Idosos e tenho certeza que a pessoa só não parou porque estávamos ali, olhando pra ele. Que triste! A pessoa tem que ter vergonha dela mesma, não de mim!!

Voltando a Campanha… nela, aparecem cadeiras de rodas vazias, “estacionadas” em vagas comuns, com um bilhetinho com algo do tipo “é só por um minutinho, volto logo”. É, é bem isso que escutamos mesmo: “é rapidinho”.

Eu gostaria muito que as pessoas pensassem um pouco na vida delas… poxa, você anda direito, enxerga bem, ouve… você é perfeito, como eu ou qualquer outra pessoa na mesma situação que a minha gostaria de ser… e mesmo assim insiste em parar numa vaga especial?? Ok, você é especial, afinal, é perfeito, mas será que dá pra entender que a vaga especial é pra quem PRECISA dela?? Pra quem realmente não pode parar o carro do outro lado da rua, descer do carro na boa e caminhar até o Super, o Shopping, ou onde quer que seja??

Eu não desejo mal a ninguém, graças a Deus sou uma pessoa com um problema físico, mas sou muito bem resolvido e não tenho mágoas, rancor, e muito menos raiva da vida por ser assim, mas quando eu vi a Campanha citada eu entendi: na  verdade, enquanto um determinado assunto não mexe diretamente contigo, você não enxerga que tem algo errado… sendo assim, eu entendo porque a minha esposa fica tão brava quando alguém para na minha vaga e ela diz que vai quebrar as pernas da pessoa porque aí sim, ela vai ter alguma dificuldade e vai poder usar a minha tão cobiçada vaga. Ninguém merece ser deficiente físico… não é legal. Mas quase todo mundo MERECE SIM ser deficiente físico por um dia. Aí, quem sabe, comecem a nos respeitar!

Pra que ficou curioso pra ver a campanha, clique AQUI. Vale a pena! Campanhas inteligentes sempre são bem vindas.

Cadeira de rodas futurista

21 de junho de 2010 0

Pessoal, mais um lançamento futurista pra nós cadeirantes.

A empresa norte-americana de engenharia biomédica, a Exmovere Holdings que desenvolve produtos com alta tecnologia para saúde, segurança e mobilidade reduzida, sempre inovando, acaba de apresentar a Chariot um novo tipo de locomoção para nós portadores de necessidades especiais.

Diferente das cadeiras de rodas que conhecemos, o maior diferencial é que o usuário é mantido em pé para conseguir visualizar olhos nos olhos as demais pessoas. A ‘’cadeira futurista’’ envolve as pernas e quadril da pessoa e se move com sensores de movimento e inclinação para manter as mãos livres.

Outras características, a Chariot é movida a energia elétrica e possui sistemas de monitoração de batimentos cardíacos, temperatura corporal, aquecimento e resfriamento, GPS e um exclusivo sistema de sonar e radar para os deficientes visuais.

Quando eu penso que já vi tudo, sempre me surpreendo com uma novidade. Enquanto aguardamos a chegada da Chariot aqui no Brasil, quem quiser ver um vídeo que mostra o funcionamento dessa maravilha, basta clicar AQUI.

E aí, alguém já fez um ‘’test-drive’’?

Chariot

Chariot

Chariot

Carro Style para cadeirante

01 de junho de 2010 5

Com certeza, quem é “cadeirante” e possui condições de dirigir já se imaginou chegando na balada com um carrão todo no style, sem precisar de toda aquela função de transfer… pra quem não sabe o que é: -(transferir-se da cadeira de rodas pro banco do carro e vice-versa)- mas isso hoje em dia aqui no Brasil só é possível em alguns modelos de carros adaptados, mas somente como passageiro, ao contrário vai ter que fazer essa chatice do transfer. Já se imaginou estar todo na beca e ajeitado em sua cadeira, e daí ter que entrar no carro? É todo um ritual, primeiro tem que grudar a cadeira no carro, ou seja, cedo ou tarde vai deixar alguns arranhões, depois se você consegue transferir- se sozinho é um tal de puxa perna, levanta braço, um pouquinho pra lá, um pouquinho pra cá e tchunummm feito, e agora o como fazer pra guardar a cadeira? Te vira magrão, ninguém mandou ficar ”mal-acabado” hehe… É uma ginástica! Já aqueles que precisam contar com ajuda pra fazer o transfer, podem recorrer à patroa, amigos etc. ou então, contratar um “motorista”, chique não?! hahaha. Não concordam que é uma chatice? O pior é quando precisamos fazer toda essa função pra percorrer 5 km. ninguém merece!

Bom, parece que surgiu uma luz no fim do túnel para alguns de nós, a empresa húngara Rehab, Rt. acabou de lançar o Kanguru o primeiro automóvel criado inteiramente para cadeirantes, o único defeito é que é só para um passageiro, talvez com um pouco de sorte, você vai conseguir levar o seu cachorro, caso possua um.
Ah mas de pequeno porte, ok.

Vídeo da semana

07 de maio de 2010 2

Queridos leitores,

Encerro a semana com esse vídeo maravilhoso, que foi enviado pelo amigo Silvio Sibemberg.

Imaginem se essa “onda” pega hehe…

Certamente, todos vocês vão gostar do vídeo!

Para assistir o vídeo, CLIQUE AQUI!

Desejo um ótimo final de semana!

Abraços e até mais.

Ônibus novos

16 de abril de 2010 1

Aeee meu povo; vamos encerrar a semana com uma boa notícia, que com certeza vai ajudar muita gente.

Os moradores de Alvorada que utilizam transporte coletivo terão uma novidade a partir do domingo, dia 18. A VAL, empresa que realiza o transporte no município, entrega aos mais de 20 mil usuários uma frota nova, com veículos zero quilômetros totalmente adaptados para usuários portadores de necessidades especiais. É a primeira empresa no Brasil a renovar toda a frota de uma única vez com ônibus dentro dos padrões de acessibilidade universal.

A nova frota possui elevador que dá acesso com mais facilidade aos cadeirantes, área reservada no interior do ônibus, com cinto de segurança e trava para a cadeira de rodas, área reservada para o portador de deficiência visual acompanhado de seu cão guia, dispositivo tátil para o portador de deficiência visual identificar o assento preferencial, interruptores de campainha dos bancos preferenciais com identificação em braile, assentos preferenciais identificados, corrimãos, balaústres e anteparos da área de circulação na cor amarela para favorecer as pessoas com baixa acuidade visual, sinal sonoro diferenciado para a solicitação de desembarque da área reservada aos portadores de necessidades especiais, iluminação dos degraus das portas  superior a 30 lux, e dispositivo que possibilita a partida do ônibus após o completo fechamento das portas.

Quem quiser conhecer todos esses benefícios dos ônibus poderá visitar o veículo que ficará em exposição na Praça João Goulart. Além disso, no sábado, 17, haverá uma carreata para apresentar a nova frota aos usuários de Alvorada e no domingo acontece o Show da Acessibilidade, marcando o início da circulação dos ônibus no município.

Tomara que mais empresas de viação, sigam esse exemplo também.

ônibus 01ônibus 02ônibus 03

Rio de Janeiro: Vou de ônibus

26 de março de 2010 2

Aproveitei a deixa de uma das cenas da novela Viver a Vida – em que a personagem Luciana resolve testar os ônibus adaptados – pra começar o meu Post de hoje. Vou contar como foi A MINHA experiência no Rio de Janeiro.

Tudo começou com uma idéia da patroa, como estávamos a passeio pela cidade maravilhosa ela sugeriu andarmos de ônibus para ver as dificuldades enfrentadas pelos cadeirantes. De cara topei a idéia e lá fomos nós.

Saímos do hotel, que ficava em Copacabana, e fomos atrás de uma parada; nosso destino era Ipanema. Achamos rápido e, passados cinco minutinhos, veio o nosso ônibus! Começava minha aventura…meu deu um frio na barriga, pois eu nunca havia andado.

Abre-se a porta e desce o cobrador para operar o elevador. Logo percebi que ele não tinha muita intimidade com a máquina, ou foi mal treinado mesmo. Depois de alguns minutos, finalmente ele consegue fazer o “treco” descer e posiciona a plataforma ao nível do cordão da calçada. Então, com a ajuda da patroa, parei sob a plataforma e o elevador começou subir, nesse momento comecei a suar frio, pois essa plataforma é exatamente do tamanho das maiorias das cadeiras de rodas, basta um vacilo e “tchum”… Vou beijar o asfalto, hehe. Pelo menos essa foi a minha sensação…Enquanto isso, os demais passageiros – comuns- ficaram com a mesma cara mostrada na telinha da Globo; de ‘’ai que saco’’, pois a maioria está com pressa e não tem paciência de esperar.

Dentro do ônibus possuímos um espaço especial; um cinto de segurança prende as rodas traseiras da cadeira e outro é preso ao nosso corpo. Graças a Deus. Se não fossem estes cintos, não sei o que seria de mim, pois o motorista não estava nem um pouco preocupado com o fato de estar transportando um cadeirante, corria que nem um maluco e deixava para frear em cima da hora, e as curvas?? Cada vez que tinha uma parecia que iria voar…me senti a própria pipoca de microondas, hahaha. Aliás, para quem gosta de adrenalina é um ótimo programa.

Quando chegamos ao nosso destino, foi uma sensação de alívio. Coitado de quem precisa fazer isso todo santo dia. O problema é que eu tinha recém chegado…depois do nosso passeio, teríamos que usar novamente o transporte público pra retornar ao hotel! O que, pro meu desgosto, foi pior ainda…

Ficamos mais de uma hora esperando um ônibus adaptado e os que circulavam passavam direto, se faziam de cegos…talvez por ser a hora do “rush”, sei lá! E nós? Tivemos que seguir o “conselho” de um dos passageiros da novela: pegar um taxi.

E aí, quem de vocês já passou ou passa por isso? E pra quem não é cadeirante, juro que empresto a minha cadeira para fazer esse test-drive. Alguém se habilita?

 

Vou de TAXI

01 de outubro de 2009 2

Ontem à noite eu tinha um aniversário para ir, mas como não dirijo – pelo fato de ser “malacabado” (como diria meu amigo Jairo)-, só havia duas alternativas: ir de carona ou pedir para a patroa fazer a função de motorista; levar e buscar.

Comecei a procurar na agenda do celular algum amigo que também fosse à festa e o único que poderia ir estava doente. Liguei para a patroa mas, para o meu azar, ela tinha reunião com um cliente e só poderia me buscar.

Foi aí que tive a brilhante idéia (nem tão brilhante assim) de ir de táxi, porém esbarrei em outro problema: será que a capital dos pampas possui frota adaptada?! Tem que ser um taxi no qual eu possa entrar com a cadeira de rodas, sem a necessidade de ter que me transferir da cadeira pro carro e vice-versa, pois nem todo cadeirante consegue se transferir sozinho, depende da sua limitação… e vocês devem estar se questionando por que não peço ao motorista para me ajudar no “transfer ”, não é? Simples: eles não possuem treinamento específico e daí fica complicado, e perigoso, pois somente a boa vontade, nesse caso, não ajuda.

Então fui procurar na internet. Achei várias empresas de táxi e liguei. A resposta que mais escutava era: “senhor, infelizmente não possuímos veículo adaptado”… e, quando já estava decido a desistir, uma senhora de uma dessas empresas me disse pra anotar um número, “eles possuem veículo adaptado”. Eu parecia ter ganho o Oscar de tanta emoção.

Ok, problema resolvido! Liguei pra ver se realmente eles possuíam esse serviço e a resposta foi que sim, porém, a tarifa é 50% mais cara do que os taxis comuns e para minha maior decepção, precisa-se agendar a “corrida” com o mínimo de 24hs de antecedência, ou seja, além de ter que pagar a mais, não se pode contar com este tipo de serviço em Porto Alegre e… azar de alguém que queria apenas sair pra se divertir…

Só para constar: Em São Paulo os taxis “comuns” já possuem uma frota grande de carros adaptados e o preço é o mesmo (Já testei e aprovei).

Então, aí vai um alerta pra cidade que vai ser uma das sedes da Copa de 2014, afinal, virão para Porto Alegre pessoas de todo o mundo e de todas as “formas físicas”.

A palavra da vez é: Acessibilidade. O direito constitucional de ir e vir é para todos.

E nas demais cidades, será que já existem taxis adaptados?