Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Feliz Ano Novo!

09 de janeiro de 2011 1

Aos queridos internautas: HAPPY NEW YEAR!

Estive em recesso por algum tempo pois andei viajando “Por aí na Europa”. :)

Acompanhe o blog nas próximas publicações e saiba um pouquinho mais sobre a França e Holanda!

Por enquanto deixo por aqui duas belíssimas imagens da capital francesa Paris neste final de ano!

Um belíssimo pôr-do-sol da Torre Eiffel e a vibrante avenida Champs-Élysées com o Arco do Triunfo ao fundo!

Um colírio para os olhos, concordam?

UM 2011 REPLETO DE BOAS REALIZAÇÕES! CHEERS! :)

E neva em Londres!

30 de novembro de 2010 1

Hoje foi o primeiro dia que a neve deu as caras por aqui! Já estávamos ansiosos na espera, pois a previsão acusava que a chegada seria na semana passada…

Foi muito diferente olhar pela janela e pela primeira vez na minha vida ver uma paisagem gélida… Floquinhos de neve caindo suavemente e pintando de branco os carros e a rua.

Eu e minhas roommates despertamos num pulo para admirar a cena. Ficamos durante uns 20 nos encorajando a o frio que nos esperava na ida para aula!

Abaixo você pode conferir um pouquinho deste momento marcante. E confira  quem foi a primeira a sentir a neve de verdade! :) Participação especial Paula Amantea e Debora Marques!

Dia de clássico!

18 de novembro de 2010 3

Na última quarta feira, fui ao Wembley Stadium o maior estádio da Inglaterra – para conferir o “friendly match” entre a Inglaterra e França – chama-se de friendly um jogo que o resultado não vale para nenhum campeonato específico.

Muito frio e chuva, mas o churrasquinho que fizemos na casa onde moro antes do jogo animou nossa ida ao estádio. Pagamos 20 pounds o ingresso, comprando com antecedência.

O Wembley stadium é simplesmente magnífico. Tem capacidade para 90 mil pessoas sentadas e, qualquer lugar que você sente, tem a visão completa do campo.

O estádio localiza-se na zona 4 de Londres e, para quem estiver por aqui e se animar a conhecer toda esta magnitude de pertinho, entre no link www.wembleystadium.com/wembleystadiumtour para comprar os ingressos.

Abaixo você pode conferir “en passant” minha passagem por lá. Resultado França 2×1 Inglaterra.  Aliás, após ver o vídeo, tenho certeza que vais marcar um turismo pelo estádio!

Obs.: Acredito que o probleminha na qualidade seja decorrência da pouca luz… Sorry!

Litros e mais litros de pura alegria!

12 de outubro de 2010 6

Munique. A cidade mais popular da Alemanha, depois de Berlim, tem charme e carisma suficiente para ser palco da maior Oktoberfest do mundo. Se mexer na caixinha da história, vê-se o passado tenso da cidade – ela foi um dos principais centros do nazismo. E foi justamente nesta época que a comemoração foi abortada por 23 anos. Porém, desde 1945, ela acontece ininterrupta e colorida, e no mesmo local da sua origem – o parque Theresienwiese.  A festa, que nasceu para comemorar o casamento do Rei Luis I do estado da Bavaria com a Princesa Tereza da Saxônia em 1810, hoje é a mais esperada na Alemanha, e conta com a participação de cerca de 6 milhões de pessoas!
Outubro só mesmo no nome, pois, por aqui, ela começa em setembro e acaba na primeira semana de outubro. O motivo me foi explicado por legítimo alemão: o mês de outubro é mais frio, então é tempo da festa acabar. Faz sentido… Afinal de contas, de fria, a festa não tem é nada!!

Um dia na maior de todas!

Este ano, a festa aconteceu do dia 18 de setembro ao dia 03 de outubro. Como eu já estava em viagem por outros países da Europa, reservei pelo menos um dia para conhecer a mais famosa festa da cerveja!

Basicamente, a Oktober funciona da seguinte maneira – existem 14 tendas, ou cervejarias, localizados no parque chamado Theresenwiese. Fora delas, o participante encontra um parque de diversões, comida e lojinhas (caríssimas) de suvenires. A “manha” é chegar cedinho para conseguir uma mesa numa cervejaria, pois muitas delas já estão reservadas.
Então foi exatamente o que fizemos. Da estação central de Munique, chegamos em cerca de 10 minutos no parque.  Assim que saímos do metro, já demos de cara com a encantadora Oktobefest!

Tínhamos em mãos a indicação de três nomes de cervejarias como sendo as melhores: Augustiner Bräu, Schinken Festzelt e Schottenhamel. Sem perder tempo já achamos a primeira delas: Augustiner Bräu. Não paga-se para entrar, apenas o que você consumir. As portas abriram-se às 9h, e às 09:30 eu já estava sentadinha na companhia de centenas de alemães tomando o café da manhã mais exótico da minha vida: um litro de cerveja e uma fantástica Pretzel alemã! Cada cerveja custa ao bolso do visitante cerca de 9 euros.

Mesmo neste horário não foi fácil conseguir uma mesa, o salão da cervejaria já estava lotado. Acabamos sentando numa que tinha reserva, mas, como era só para às 17h, pudemos tomar conta.

Alegria é a palavra que descreve o local. Milhares – sim, cada tenda comporta cerca de 5 mil pessoas – de mulheres e homens de rostos perfeitos e alegres trajados a rigor coloriam o ambiente. Casais apaixonados, amigos de longa data, simplesmente estar na Oktober – tudo era motivo de brinde e de festa, uma energia contagiante!

Em meio ao respingo dos litros e mais litros de cervejas, carregados pelos fortes braços das garçonetes alemãs, se misturava o delicioso aroma de tradicionais comidas alemãs, que passaram a circular nas mesas pelas 13h – nesta hora já estávamos rindo a toa como melhores amigas das 4 mesas que nos rodeavam!

Aliás, as mesas tem também outra utilidade por lá. Palco. Isso mesmo. Depois das 17 horas, todos estão em pé nos bancos e nas mesas, dançando ao som da animada banda bavariense! E aquele que subisse nela e virasse o litro de chope, era saudado com aplausos e gritos.

Assim que a reserva chegou, saímos em busca de uma outra mesa. A receptividade dos alemães é tanta, que não faltou espaço para nos juntarmos e aprendermos os refrões das marchinhas alemãs!

Às 20 horas, já era impossível circular, as garçonetes andavam com ajudantes abrindo caminho. Pensamos em sair para conhecer outras tendas, mas fomos informadas que todas elas estavam cheias e que não permitiam a entrada de mais ninguém – então, optamos por curtir a festa até o final por ali mesmo!

A festa acabou para nós as 23h30min, depois de… Não sei ao certo quantos litros de cerveja e dores musculares de tanto rir! Saímos a tempo de pegar o último trem para o centro da cidade…

O dia que eu haviamos reservado ficou pequeno, pouco… Queríamos mais e mais! A verdade é que deixou um gostinho todo especial, e a certeza de que vale, e muito, a pena fazer parte da maior festa mundial da cerveja – a Oktoberfest!

Dicas:

Alimente-se – Já dizia minha avó que “saco vazio não para em pé”, o ditado para Oktober é “saco vazio passa mal” – todo mundo se alimenta por lá, ou as 14h está bêbado, sonolento e voltando para a casa. Aprenda com os alemães, não vimos nenhum deles passando mal – beba, sem pressa, e alimente-se, pois a graça está em ficar até o final!

Suvenires da festa você pode encontrar em vários locais da cidade. Evite deixar para comprar tudo lá, ou apenas uma lembrancinha pode custar o preço de dois litros de cerveja.

Não vá de mochilha – os seguranças não deixam você entrar na cervejaria com ela. Muitas pessoas tentam “levar” de lembrança os canecos da festa.

Mesmo que esteja frio na Alemanha, considere colocar por baixo de um bom casaco uma roupa leve, pois dentro das cervejarias o clima só esquenta! Se quiser sentir o real espírito bavariense, vista-se a rigor – pesquise preços no centro da cidade.

Cada uma de nós levou 50 euros – mas gastamos apenas 30, comemos um sanduíche, compramos água e cerveja.

Confira no vídeo os melhores momentos da maior festa mundial da cerveja! Minha amiga Paola fez jus a nossa presença lá e representou fazendo a mesa de palco também… Assite aí que esta parte é surpresa!!

Esta matéria é capa do Caderno Viagem do dia 12 de outubro! Confira já na sua Zero de hoje!!

Off...

29 de setembro de 2010 1

Queridos internautas, estou em uma fantástica viagem pela Alemanha e República Checa! Ainda não estou atualizando o blog porque preciso explorar ao máááximo para contar para vocês depois todos os detalhes! Aguardem pelas novidades, vocês com certeza vão se encantar..!!

Première inglesa!

24 de setembro de 2010 3

Elegante e morena, foi assim que vi, com meus próprios olhinhos, Julia Robert, em carne e osso (e brilho).

Este encontro nada casual aconteceu esta semana na famosa esquina de Leicester Square, em frente ao Empire Theatre, em Londres – o local é famoso por ser cenário de premières. Para os leigos, première tem origem francesa e é o feminino da palavra premier, que significa primeiro – o termo é usado comumente para designar “uma primeira exibição” para filmes e peças de teatro. É feita toda uma super produção para recepcionar convidados e famosos, onde o filme é divulgado e exibido para os Vips.

Desde que cheguei estava curiosa para ir numa première, e ver como tudo funcionava. Quando soube da première do filme Eat, Pray and Love – que conta a história real de Elisabeth Gilbert, uma norte americana que abandonou uma estável vida de casada para se aventurar em novas descobertas pelo mundo – não perdi a oportunidade!! Bom, o negócio é chegar cedo.

As filas começam a se formar ao redor do cordão de grade tipo 3 horas antes, dependendo do filme. Chegando por lá, não arrede o pezinho do seu lugar ,- de uma hora para outra, lota – ou pode perder sua visão privilegiada!

Ficamos bem em frente, praticamente na grade, e muito próximas do palco. Porém, quando os atores chegam, eles acabam dando mais atenção para o pessoal mais distante do palco, que está nas grades próximas de onde eles descem do carro. Bom, pelo menos foi assim nesta première.

Entre ilustres presenças, estavam a atriz inglesa Ali Bastian; a ex mulher do Sylvester Stallone, Brighite Nielsen; a escitora do livro que inspirou o filme, Elisabeth Gilbert; o diretor do filme Ryan Murphy, e a estrela Julia Roberts. Soubemos na metade do evento que o charmoso Javier Bardem – par romântico de Julia Roberts no filme e casado na vida real com Penélope Cruz, não poderia comparecer.

Confira no vídeo como foi esta inesquecível experiência de poder ver de pertinho a eterna queridinha de Notting Hill, e programe-se para também vivenciá-la por aqui!

E por falar em transporte...

21 de setembro de 2010 1

Uma questão que sempre dá uma dorzinha extra de cabeça na organização de uma viagem é saber como vamos chegar ao nosso destino final, quanto vai custar o táxi para chegar, é longe ou perto, etc.

Quando eu decidi pagar um transfer do aeroporto para a casa que eu ia ficar também sabia da opção de simplesmente pegar o metrô. Mas imaginei que, após cerca de 14 horas de viagem, estaria super cansada, e que a melhor opção seria mesmo alguém já me esperando. Além do mais, eu trouxe 2 malas, e, obviamente, minha mãe não me deixou pensar duas vezes em relação aos meios de transporte – praticamente me obrigou a optar pelo transfer!! Coisa de mãe, mas totalmente compreensível – eu chegaria num país estranho, sozinha e com dois “pesos pesados”!!

O fato é que eu paguei 60 libras pelo transfer do Heathrow para Manor House – zona 2, enquanto que eu poderia ter gastado apenas 4,5 libras. Bom, não me arrependo porque minhas malas estavam mesmo muito pesadas, mas se eu tivesse algum amigo morando por aqui que pudesse me ajudar, ou uma mala a menos, pegar o metro seria tranqüilo.

Por aqui existem 5 aeroportos na área conhecida como Grande Londres. A maioria dos vôos que vem do Brasil chegam pelo Aeroporto Internacional Heathrow – o mais movimentado da Europa.

Minha idéia neste post é “clarear” seus pensamentos e te livrar desta dorzinha extra. Você vai poder conferir a chegada da minha amiga Paola em Londres, e quais os passos, literalmente, que deve dar para comprar seu ticket e pegar o metrô. Ela veio pela companhia aérea Tam, e todos os vôos que chegam pela Tam vem pelo terminal 1.De qualquer maneira, confirme sempre qual será seu terminal.

Para chegar até lá, para você que já mora em Londres, é só pegar a Piccadilly Line. Mas cuide antes de entrar no trem para onde ele vai, porque ele pode não parar em algum terminal – isto está escrito no letreiro eletrônico na própria plataforma. Se você já pagou o Oyster semanal normalmente, apenas peça uma “extensão” para a zona 6 para um dia – onde fica o Heathrown  – e você deve pagar apenas umas 3 libras para ir e voltar.

Você que chega, siga o caminho que fizemos para comprar seu ticket. Você pode comprar na máquina e pagar 4,5 libras, mas, se não se sentir muito seguro, vá até as cabines e solicite ao atendente o ticket. Se a estação que você vai descer fica em Piccadilly Line, beleza. Se não, você pode ali mesmo solicitar o Oyster card – aquele que citei no post “De metro… Para o trabalho!”, e já carregá-lo para andar na cidade a vontade.

Aliás…

Paola é cidadã européia. É tranqüilo viajar pela Europa para quem tem o famoso passaporte vermelho, mas, obviamente, sempre rola uma insegurança – como será na imigração? No vídeo que segue, você vai poder conferir também como foi a chegada dela por aqui …


Maravilha de primeiro mundo!

17 de setembro de 2010 1

Londres é famosa pela facilidade de transporte e pelas suas dinâmicas linhas metrô. É realmente fantástico poder atravessar a cidade em uma hora e alguns minutinhos. Mas obviamente que este sistema precisa de manutenção e reparos, portanto, não são raras as vezes que seu funcionamento é paralisado – e haja paciência!

Mas o que quero contar neste post é que estou positivamente impressionada com a agilidade e eficiência de comunicação do transporte por aqui. Tenho recebido por email, aliás delicadamente direcionado a mim – “Dear miss Severo” – ( muito chique bem! ) – informações transmitidas pelo Transport for London sobre as paralisações das linhas do metrô. No exemplo abaixo, a visita do Papa é citada como um aviso à possibilidade de trânsito congestionado, além de manutenção em algumas linhas. Porém, já tenho em mãos mapas e sugestões de descolamento para próximo final de semana, tudo agilizado pelo TFL.

Transport for London  é  órgão do governo responsável pela maioria de opções de transporte por aqui. Aliás, para também receber estas informações, basta se cadastrar no site www.tfl.gov.uk . Este site é simplesmente “ma-ra” para quando você precisar de qualquer informação por aqui, do tipo: que rota faz um ônibus, que estação de ônibus deve descer – sim, porque aqui todas as estações de ônibus tem um nome! – como vais de um lugar para outro, quanto tempo demora, linhas em funcionamento, etc. Terás acesso a todas as informações mastigadinhas!

Coisa mesmo de primeiro mundo, neh..?

Para o estudante que sai...

31 de agosto de 2010 0

Primeiro de tudo: você quer vir para Londres estudar? Prepare-se para uma série de burocracias, a não ser que faça um curso rápido de inglês por até três meses – tempo permitido para a permanência de turistas – mas aí você não terá visto de trabalho.

Bom, eu vim para ficar mais de seis meses, e para entrar na Inglaterra tive que provar que meu inglês era de nível upper intermediate Nível B2 do Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas – através de uma prova aplicada pela escola – aquelas licenciadas pelo governo – que pode ser realizada no Brasil. Depois disso, a escola envia uma carta “assinando embaixo” que seu inglês tem o nível exigido. O governo britânico não quer que você venha para aprender – por isso a exigência do nível upper – e sim para aperfeiçoar a língua.

Você pode consultar agências de viagem para os trâmites ou fazer direto com despachantes – alguns vendem cursos também.

Toda a burocracia vai levar em torno de dois meses, pois você precisa ir ao Rio de Janeiro pessoalmente entregar seus documentos. Outra exigência do governo  é que você prove que tem o valor relativo a 5.600 libras em conta, montante estimado para o seu sustento no período que ficar aqui – este valor é para por exemplo 7 meses de curso – 800 libras por mês. O extrato da sua conta deve mostrar o dinheiro está em conta por pelo menos 28 dias. Mais informações pelo www.ukvisas.gov.uk

Para o estudante que chega…

A dica é: chegue na Inglaterra pelo menos uma semana antes do seu curso começar. Algumas buroracias também aguardam você aqui. Fora isso, será muito bom para você um tempo de adaptação a cidade.

Preste atenção – você deve ter recebido um carimbo no seu visto na imigração alertando que você tem o prazo de 7 dias para ir até a polícia e fazer seu registro. É bem fácil – procure ir pela manhã – porque sempre tem filas por lá. Você vai parar na estação de metro Borough – Northern Line – e procurar pela Police Station. Leve com você seu passaporte, comprovante de endereço (pode ser uma carta de quem está alugando a casa para você), comprovante de matricula e 34 libras. Você sai com o registro na hora e, no caso de mudança de endereço, deve voltar no prazo de 7 dias para modificá-lo.

Se você vem neste esquema de mais de 6 meses, vai ganhar a permissão de trabalho para 10 horas semanais. Assim que chegar, ligue para o número 0845 – 6000 – 643  para solicitar seu National Insurance Number. Por telefone, você vai passar algumas informações sobre seu visto. Você deve receber em casa um formulário e também a solicitação da cópia do seu passaporte e visto. Depois vai reenviá-lo para o office e aguardar seu Insurance Number, que chega também pelo correio.

Este número serve como uma espécie de “CPF” seu por aqui. Toda vez que seu empregador lhe pagar, ele vai declarar que paga para este número, e, desta forma, você ganha descontos nas TAX – impostos – cobrados pelo governo. Para o tempo atual de permissão de trabalho – 10 horas semanais – o governo não desconta impostos.

Solicite seu Student Oyster Card – cartão de passe para metro e ônibus. Com ele, você vai ter desconto de 30%  para se locomover pela cidade. Assim que chegar, fale com a sua escola sobre isto. Você deve solicitá-lo no site www.tfl.gov.uk, pagando 5 libras on line. Enquanto ele não chegar, você terá que pagar o valor normal para locomoção, que vai pesar no seu bolso!

Agilize-se! Estas burocracias são necessárias, portanto não perca tempo e corra para deixar tudo pronto e começar uma semana de aula tranqüila!

E por falar em noite...

17 de agosto de 2010 1

Dá uma conferida na eliminatória do campeonato de World Flair que rolou na boate underground RoadHouse, em Coven Garden, no útimo domingo, dia 15 de agosto. O lugar tem destaque mundial por promover este tipo de competição, onde os bartenders brincam com as garrafas ao fazer drinks, misturando malabarismo com um toque de magia!

Por aqui os melhores colocados ganham prêmios em dinheiros e boas oportunidades de empregos na área. As competições atraem profissionais do mundo todo, e acontecem mensalmente no bar.

Durante 11 meses do ano acontecem etapas eliminatórias, e cada mês um competidor é classificado para a grande final mundial, marcada para o mês de novembro. A final do mês de agosto será no próximo domingo, e vai definir o representante da Inglaterra no mundial. O primeiro colocado do próximo domingo já sai com 1.250 libras, o segundo com 350 e o terceiro com 150. Nada mal, não?

Apenas dois competidores no último dia 15, e o classificado para a final do próximo domingo foi o segundo do vídeo…