Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Chelsea e Roma travam duelo "espelhado"

22 de outubro de 2008 11

As duas equipes jogaram no 4-5-1 bastante flexível, com muitas variações táticas

Desde a criação do blog Prancheta, muito falamos sobre o 4-4-2 britânico. Mas há um clube inglês, principalmente a partir do início da era Abrahmovic, que não adota este sistema tático culturalmente arraigado ao futebol da Inglaterra: o Chelsea. Primeiro com Mourinho, e agora com Felipão, o Chelsea atua em um 4-5-1 aberto a muitas variações táticas.

Hoje, do meio para frente, Felipão escalou contra a Roma o Chelsea com Mikel, Lampard, Kalou, Deco, Malouda e Anelka. Na teoria, Mikel e Lampard formaram uma dupla de volantes, com uma linha de meias ofensivos à frente – Deco centralizado, Kalou pela direita e Malouda pela esquerda.

Mas na prática, como esta linha de meio-campo joga de frente para o adversário, Lampard e Mikel se tornaram articuladores, junto com Deco. Segurando mais os laterais, com a posse de bola o 4-5-1 do Chelsea se transformava em um 4-3-3, com Malouda e Kalou freqüentemente entrando na área, enquanto Deco, Lampard e Mikel avançavam nas diagonais posicionados na intermediária ofensiva, buscando os atacantes com passes curtos e tabelas.

Do outro lado, entretanto, Felipão encontrou um time taticamente semelhante. A Roma de Spalletti mantém o mesmo sistema 4-5-1 criado por seus antecessores desde que Totti se transformou na grande referência da equipe. Hoje, a Roma enfrentou o Chelsea do meio para frente com De Rossi e Brighi na dupla de volantes; Taddei pela direita, Aquilani centralizado e Vucinic na esquerda, no trio de meias ofensivos; e Totti no ataque.

Da mesma forma, com a bola muitas vezes a Roma chegou ao 4-3-3, ou então ao 4-4-2 - com Vucinic na área, e os laterais apoiando mais que os ingleses. O que configurou um duelo tático “espelhado” - duas equipes com características semelhantes, posicionadas de maneira quase idêntica, e com movimentação ofensiva muito parecida. Levando ambos a bloquear com sucesso as virtudes dos rivais.

Felipão se mostrou mais flexível, trocando de esquema no 2º tempo. Ele retirou Malouda para a entrada de Belleti, adotando um quase 4-4-2 britânico. A idéia original – forçar a dupla Belleti e Deco pela direita para liberar as subidas do lateral Bosingwa – deu certo, e o Chelsea pressionou a Roma com ainda mais força. Mas o time italiano se defendeu bem, geralmente formando uma linha de cinco defensores sem a bola (Brighi recuava), com um paredão de outros quatro à sua frente e Totti marcando a saída de bola.

Um legítimo jogo de xadrez. O duelo tático foi tão intenso, e com tantas alternativas, que restou ao Chelsea superar a Roma na bola parada. Depois de muita insistência, mantendo a característica da marcação semi-pressão no campo do adversário, o Chelsea venceu por 1 a 0 com um gol de Terry, completando cobrança ensaiada de escanteio na primeira trave, aos 32min do 2º tempo – leia aqui como foi. Um gol com a cara do Felipão. Os ingleses lideram o Grupo A da Liga dos Campeões. Foi um grande jogo, tanto no duelo tático, como no desempenho de jogadores tão qualificados.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (11)

  • Luiz Eduardo de Souza Mouta diz: 23 de outubro de 2008

    Muito bom seu blog, xará. Já até adicionei aos favoritos, hehehe.

    Só discordei quanto ao sistema tático de Chelsea e Roma. A meu ver, ambas as equipes jogaram em uma plataforma 4-1-4-1, e não em um 4-2-3-1.

    Pelo lado inglês, Mikel era o pivô defensivo à frente da zaga, enquanto Lampard jogava mais à esquerda e Deco à destra, mas ambos centralizados à frente de Mikel, apesar de o posicionamento destes dois últimos estar passivo de inversões.

  • Luiz Eduardo de Souza Mouta diz: 23 de outubro de 2008

    Na equipe romanista, De Rossi qualificava e dava solidez à frente da defesa, enquanto Brighi perfazia o centro da linha de quatro atrás de Totti ligeiramente à esquerda, enquanto Aquilani jogava centralizado mais à direita.

    Porém, concordo plenamente com a idéia dos sistemas táticos espelhados. Sem contar que as linhas compactadas e recuadas da Roma também dificultaram demais a vida do Chelsea, que não conseguia espaços para chutar de média distância e nem para avançar pelos flancos.

  • Wagner diz: 23 de outubro de 2008

    ..o Abel fez com Edinho o mesmo que o Luxa anda fazendo com Martinez…não adianta!…é a mesma porcaria, pois quando o time é atacado, ao invés de ter um cara à mais estancando o meio-campo, É AÍ QUE SE BLOQUEIA O ADVERSÁRIO, o sujeito está lá atrás dos zagueiros, é ruim também…

  • Luiz Eduardo de Souza Mouta diz: 23 de outubro de 2008

    Acho que o Chelsea poderia ter apresentado mais paciência no toque de bola, fazendo a bola rolar de um lado a outro do campo, até achar um espaço para lançar Anelka ou um dos wingers nas costas dos laterais romanistas.

    Um grande abraço, e parabéns mais uma vez pelo blog.

  • Wagner diz: 23 de outubro de 2008

    …passei todo 2006 elogiando o Mano, por usar esquemas europeus…imagina! em pleno 2006, Inter já campeão da Libertadores e eu, dizendo que o bom era o Mano, os colorados passavam me xingando, mas em 2007 eles perceberam, Mano com um time limitado na final e o Inter, todos sabem…ah!…por falar nisto, a grande causa do Inter ter saído da Lib foi o ESQUEMA TÁTICO, disseram q foi pré-temporada e outras baboseiras, é que o pessoal da mídia ñ dá importância ao principal, até pq ñ entendem…

  • Wagner diz: 23 de outubro de 2008

    Qto ao nosso impasse, ñ m referi só à ti, vários falam assim, mas é o q acho, esquema é um só, q, claro, pode ser alterado durante o jogo, mas com a movimentação, existem N POSICIONAMENTOS, então, ficar dizendo, q c bola é 1 esquema e sem é outro, agora estamos no tal tal tal, é errado…se por acaso, estão 6 na defesa, 4 no m-campo e nenhum no ataque..”olha! agora estamos no 4-6-0″…as movimentações devem ser explicadas sem vincular à números…mas fique à vontade…abrç

  • Wagner diz: 22 de outubro de 2008

    Sou obrigado à me intrometer de novo…tu escreves, outros postaram e muito ouço na mídia…” o time tal joga em tal esquema, mas com a posse de bola se transforma num x-y-z”…errado!!!…os jogadores durante o jogo, não são os botões que se usa para explicar esquemas, eles se movem e é óbvio que quando o time recupera a bola e parte para o ataque tudo muda…p ex, um time joga no 4-5-1, então ele ataca com 1 só?…claro que não…

  • Wagner diz: 22 de outubro de 2008

    …um time ataca com 3, 4 , 5 jogadores, isto não significa, que o esquema mudou para 433, 424 ou 415…O QUE DEFINE O ESQUEMA TÁTICO é como o time se posiciona sem a bola, como na foto ilustrativa do post -A importância da tática no futebol-, a foto ilustra bem o esquema do Mano, notem que, quem esta com a bola é o jogador do Inter, o Grêmio está postado para defender…

  • Wagner diz: 22 de outubro de 2008

    …quando o Grêmio recuperou a bola, e partiu para o ataque, se fosse batido uma foto na seqüência, teríamos um posicionamento completamente diferente, mas isto não importa, fosse assim, sempre teríamos mais de um esquema, sempre e para todos os times, com a bola e sem a bola…o que define o esquema é como o time se posta sem a bola…daí se vê claramente se é 451, 442, 352..IRQUI!…433..etc..

  • Eduardo Cecconi diz: 22 de outubro de 2008

    Olá Wágner, tudo bem? Te agradeço pelos recados, e apesar de pensarmos um pouco diferente sobre o assunto, acredito que não haja um certo e um errado. Ali no mesmo post da foto do Mano Menezes que tu aponta, há um “resumão” com diversos conceitos, onde o “sistema tático” é desdobrado em três tipos de táticas menores: as individuais, as de grupo e a coletiva. Por isso eu falo nas variações táticas com e sem a bola, porque mesmo sem a posse de bola eu percebi – e escrevi no post – variações táticas. Na Roma, por exemplo, o Brighi recuava formando uma linha de cinco – e nem por isso o esquema da Roma é o 5-4-1.

    Eu acredito que o conceito mais apropriado à tua idéia seja “esquema original”, ou seja, o time parte daquele, mas apresenta variações com a bola e sem a bola também, conforme as táticas individuais (movimentação, principalmente) de cada jogador, e as táticas de grupo de cada setor.

    Sigamos no debate!

    Grande abraço.

  • Wagner diz: 23 de outubro de 2008

    E aí Cecconi!…lembrava de ti do Blog do Nando, mas só agora fiquei sabendo que és da RBS, achei que eras apenas um internauta como eu…me chamou a atenção alguém falar de esquemas ingleses no Nando, coisa que sempre fiz desde o antigo blog dele, onde tinha espaço para escrever, postava textos que eram verdadeiros manuais, explicando porque 352 era falho, que à muito tinha sido banido da Europa…

Envie seu Comentário