Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Marcação individual do Grêmio não funciona

30 de outubro de 2008 20

Meias e atacantes do Cruzeiro arrastam a marcação individual do Grêmio e abrem espaços na área tricolor; alas gremistas ficam sem cobertura.

Em jogos importantes, já percebi que Celso Roth adota no Grêmio a marcação individual. Ontem, contra o Cruzeiro, ficou provado que esta estratégia não dá certo. Principalmente, no 3-5-2 – ou no 3-6-1, como o tricolor entrou em campo no Mineirão.

Aqui no blog Preleção nós fizemos às vésperas da partida uma análise tática do Cruzeiro, apontando como principal virtude dos mineiros a movimentação dos atacantes para as laterais, associada à infiltração dos meias. É simples: Guilherme e Thiago Ribeiro saem da área para os lados, levando os zagueiros consigo; e neste espaço, infiltram-se os meias Wágner e Ramires, e os volantes (Fernandinho fez este papel ontem).

Para sucesso desta movimentação, um adversário com sistema de marcação individual é exatamente o que se precisa. Celso Roth definiu que Léo marcaria Guilherme; William Magrão ficaria em Ramires; Rafael Carioca em Wágner; Réver em Thiago Ribeiro; e Tcheco em Fernandinho. E a resposta de Adilson Batista foi a mais correta: ele abriu os atacantes e os meias, arrastando os zagueiros e os volantes do Grêmio para os lados, e desprotegendo a área tricolor.

Não por acaso o volante Fernandinho foi o principal articulador do Cruzeiro no jogo. Com Tcheco marcando ele individualmente, Fernandinho prendia o principal jogador do Grêmio, e se infiltrava pelo meio porque Magrão e Carioca estavam perseguindo Wágner e Ramires. Quando a marcação é individual, os defensores não podem acompanhar a bola, porque qualquer desatenção custa o deslocamento do adversário, livre e sem cobertura.

Foi assim que o Cruzeiro venceu o Grêmio: utilizando-se da marcação individual para aplicar sua principal virtude – movimentação para os lados e abertura de espaços no meio. Com os volantes presos à marcação individual e ao acompanhamento de Wágner e Ramires, o Grêmio ainda perdeu a cobertura aos alas/laterais – reparem no segundo e no terceiro gols do Cruzeiro: avanços às costas de Paulo Sérgio, sem cobertura dos volantes gremistas, que perseguiam individualmente os meias cruzeirenses.

Para encerrar a análise, uma curiosidade: o primeiro gol do Cruzeiro parece uma jogada de Futebol Americano. Adilson Batista, sabendo que esta saída de bola ensaiada do Grêmio sempre se repete, promoveu uma blitz sobre o gremista que receberia a bola – na associação ao Futebol Americano, o Quarter-Back Willian Magrão. Marcado o Quarter-Back tricolor,a bola foi interceptada, e o Cruzeiro marcou o touchdown em uma seqüência da jogada prevista pelo blog Preleção: Guilherme foi para o lado, arrastou Léo, e Wágner infiltrou livre pelo meio.

Com apenas três jogadores no meio-campo, marcação individual é um convite às infiltrações dos adversários. Seria mais prudente ao Grêmio, em jogos decisivos ou não, adotar sempre a marcação por zona, evitando o deslocamento dos volantes para os lados.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (20)

  • Silvestre diz: 30 de outubro de 2008

    É verdade! E mais, simplesmente o Grêmio não achou os jogadores do Cruzeiro em campo!!! Será impressão minha, ou os jogadores do Grêmio estão lentos demais?? O que será que está acontecendo?? O único que mostrou que pode correr é o Makelele, que entrou para ganhar o jogo e deveria ser o titular desde o início do campeonato!

  • Fabio diz: 30 de outubro de 2008

    Novamente, resumindo: Roth é um desastre.

  • RAFAEL diz: 30 de outubro de 2008

    bla-bla-bla de oportunista, vai treinar o GREMIO e ensina isso aos tecnicos o “Tele Santana”.

  • Filipe Feijó diz: 30 de outubro de 2008

    Pra que mudar o time, se com o time do jeito que estava, o time vinha ganhando?? É muita falta de convicção! Se pessoas alheias ao futebol, não remuneradas para tanto pelo clubes, conseguem um detalhamento de informações desse tamanho, COMO QUE O CELSO E SEUS ASPONES NÃO CONSEGUEM, SE VIVEM DISSO E EXCLUSIVAMENTE DISSO???

  • edgard diz: 30 de outubro de 2008

    somente corroborando tua análise, o triste de ver foi q tomamos 3 gols bobos… 3 desatenções… nada de tirar os méritos do adilson, mas perder a bola na saída de jogo no 1º,bola alçada nas costas de 2 jogadores na lateral no 2º e ñ marcar o jogador só pq está caído? é muita ingenuidade de profissionais.

  • Marcelo Brum Moreira diz: 30 de outubro de 2008

    O Grêmio de ontem apenas repetiu o que vêm sendo neste segundo turno: foi um pastelão. Souza omisso na ala esquerda; Douglas Costa escondido atrás da defesa do Cruzeiro; Tcheco não estava bem, assim como William Magrão e Rafael Carioca; e o Pereira, hein? Mais uma vez entrou em campo sem condições? E ainda se fala em título na Azenha… Que piada de mau gosto com o pobre torcedor gremista!

  • anderson diz: 30 de outubro de 2008

    Alguem tem o email ou telefone do roth ai?Por que so ele nao sabe disso.

  • vilmar diz: 30 de outubro de 2008

    Acredito que o Celso, não é treinador de chegada, porém alguns jogadores estão abaixo da média, não temos lateral esquerdo, não temos atacante confiavel…e o meio-campo caiu muito de produção, Roth, tambem é o culpado, pois não preparou ninguem, para essas ocasiões, sempre ter uma carta na manga deveria ser a coisa certa, pois nestas horas percebemos se um time é bem treinado ou não.

  • Robinson diz: 30 de outubro de 2008

    A culpa não é do time, pois, esse mesmo time fez o melhor primeiro turno da história com 72% de aproveitamento. A culpa é do Roth, que após a derrota do Grenal deveria ter sido dispensado. Lembram no início do ano quando toda torcida protestou pela sua contratação, dizendo que ele era cavalo paraguaio, a torcida tinha razão! A única maneira de ainda termos alguma chance de pelo menos ficar na Libertadores é contratar um técnico capaz de motivar a equipe nesses 6 jogos que restam!!!

  • jose diz: 31 de outubro de 2008

    o erro aconteceu na saida . qdo o juiz apitou o jog. do cruz. foi em cima do w. magrão sem q o gremio tivesse rolado a bola e quem deu a saida estava de cabeça baixa.(falta de atenção) qdo o w magrão recebeu o jog. do cruz. já estava em cima e o guilherme tb. ele adiantou a bola que o guilherme pegou e deu o inicio a jogada do gol. Só que ninguem ofereceu resistencia talvez por não acreditar. depois fica muito dificil , pois o cruzeiro apesar de ser irregular é qdo sai vencendo fica dificil.

  • Minuzzi diz: 30 de outubro de 2008

    Grande Cecconi! Perfeito o teu comentário tático da partida. Tudo que nós vimos durante o jogo e apenas o Roth não viu. Parece que ele é um ingênuo nas mãos de técnicos como Tite e Adílson. Tenho para mim que Roth é apenas um treinador, enquanto os outros é que são técnicos. PS: A tua análise do primeiro gol como jogada de futebol americana foi demais. Cara teus comentários são diferenciados. O Roth tinha que ler a tua coluna.

  • Paulo Roberto Dornelles diz: 30 de outubro de 2008

    Pô! Mas porque tu não avisou isso ao Roth??? Manda a tua coluna pra ele por e-mail, antes que seja tarde.

  • alexandre diz: 30 de outubro de 2008

    Perfeita analise…infelizmente o nosso idolatrado treinador não sabia disso, acho que ele não conhece uma marcação por zona, eta técnico incompetente..espero que no ano que vem tirem ele e o krieger, que não acertou nenhuma contratação.

  • Filipe Feijó diz: 30 de outubro de 2008

    O mais interessante disso tudo é que jornalistas e torcedores podem chegar a essas conclusões com algumas horas de análise dos times.

    Já os profissionais do GrÊmio, que só trabalham com isso, são pagos pra isso, não conseguem ver o óbvio. Ainda dá tempo de corrigir. Basta fazer isso contra o Palmeiras.

  • maurício diz: 30 de outubro de 2008

    Muito bem explicado e boa comparação com o futebol americano…

  • Lucas diz: 30 de outubro de 2008

    Pô. Essa tu acertou em cheio Cecconi. Não dá para marcar um time bom como o Cruzeiro mano-a-mano. Sobretudo, porque os jogadores mineiros são muito rápidos, digo, extremamente rápidos. Só eu vi as duas falhas do Paulo Sérgio nos dois últimos gols do Cruzeiro. Reparem que no primeiro ele nem está no quadro da tv, sem marcar o jogador designado pelo seu trinador. No segundo, ao invés de ficar no dele, vai dar o bote como se fosse várzea, em um jogador que já estava bem marcado… Adeus ao título

  • Otávio diz: 30 de outubro de 2008

    Isso foi dito apenas 974739 vezes.. só o Roth não sabia disso? O Grêmio deveria ter contido o Jadílson, ponde alguém nas costas dele. A manutenção da saída do Pereira era necessária, era preciso alguém na sobra..

  • Eduardo Cecconi diz: 30 de outubro de 2008

    Olá Rafael, tudo bem? Te agradeço pela mensagem. A proposta deste blog é fazer análises táticas, independentemente dos times, treinadores e resultados. Nem eu nem os leitores que participam querem treinar qualquer dos times avaliados, mas sim debater sobre o assunto. Não acredito que essas análises se configurem em oportunismo, até porque a análise sobre o sistema tático do Cruzeiro foi feita antes da partida. Conto contigo nas próximas participações para contribuir com o debate. Grande abraço!

  • Samuel Sérgio Ritter diz: 31 de outubro de 2008

    Muito bom o seu blog. Você apontou alguns erros que custaram a derrota ao grêmio, mas não foi só isso que deu errado. Ofensivamente o Grêmio foi mal e está faltando mais do que entrosamento, falta estratégia, objetividade e jogadas criativas. Isso sobrou ao Cruzeiro. Adilson deu um banho no Roth.

  • Camilo diz: 31 de outubro de 2008

    Olá Eduardo. Agora, como colorado, só bastou ver o jogo do grêmio morrendo de INVEJA pelo tremendo volume de jogo e variações do Cruzeiro. Deu pra ver como que o Inter tem só uma jogadinha feijão com arroz pelo meio, o que é uma pena!

Envie seu Comentário