Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

A vitória tática de Tite em La Plata

27 de novembro de 2008 29

O 4-4-2 britânico do Inter (4-4-1, pela ausência de um jogador) levou Alex e D`Alessandro para as funções de Wingers, e liberou Nilmar na frente

Uma das virtudes pela qual se reconhece um grande treinador – entre tantas virtudes – é a capacidade de alterar o sistema tático durante o jogo sem recorrer ao banco de reservas. Tite fez isso ontem à noite em La Plata, e deixou a Argentina sendo ovacionado por jogadores e dirigentes como o principal responsável pela vitória colorada sobre o Estudiantes – e eu concordo plenamente com esta constatação.

O Inter começou a partida no seu 4-5-1 bastante debatido aqui no Preleçãodefesa em linha, Edinho centralizado de volante, Magrão na direita e Guiñazu na esquerda como meias defensivos, D`Alessandro centralizado na articulação e Alex adiantado como meia-atacante, próximo a Nilmar. O colorado controlava completamente o jogo, tinha maior posse de bola e fazer o primeiro gol era questão de tempo. Mas antes dos 25min Guiñazu foi expulso.

Tite não se abalou, não colocou volantes para aquecer, nem sinalizou com as substituições de qualquer um do trio Nilmar-Alex-D`Alessandro para recompor o meio-campo. Ele foi muito inteligente. Formou uma dupla centralizada com Edinho e Magrão (Edinho mais à esquerda e Magrão mais à direita), e recuou Alex-D`Alessandro, alinhando o meio-campo.

Com esta estratégia, Tite posicionou o Inter no consagrado 4-4-2 britânico, o Four-Four-Two famoso pelas “duas linhas de quatro jogadores” (se levarem ao pé da letra, 4-4-1 porque o Inter estava sem Guiñazu). Alex na esquerda e D`Alessandro na direita foram os  legítimos Wingers – recuando para marcar pelos lados até a área, e partindo em diagonal (aproximando-se um do outro) ou pelas laterais (com a companhia de Bolivar ou Marcão) nos contra-ataques. Na frente, Nilmar não se ressentiu do abandono porque sua velocidade superou a baixa capacidade técnica da defesa do Estudiantes, e assim ele quase sempre levou vantagem.

Bloqueando sua área nas duas linhas de quatro, o Inter obrigou o Estudiantes a apenas rodar a bola na intermediária, sem encontrar espaços. Dali, impacientes, os argentinos ou tentavam o pivô com os grandalhões por baixo, ou o chuveirinho para a área. Mas pelo alto, o quarteto defensivo (principalmente Alvaro) e o goleiro Lauro com saídas precisas controlaram as jogadas. E por baixo, eles mesmos se atrapalhavam, assediados pelos zagueiros colorados que roubavam e entregavam a bola para os “Wingers” da noite.

Sem um jogador por mais de uma hora, o Inter não sofreu sequer uma chance clara de gol. O Estudiantes não criou nada, jogando no 4-4-2 com o meio em losango e jogadores tecnicamente muito fracos. Eu sempre me declarei um dos maiores admiradores do 4-4-2 britânico pela sua eficiência defensiva e pela sua velocidade e objetividade com a bola. Nunca vi este sistema se difundir no Brasil porque aqui nossa cultura tática exige a presença de um camisa 10 carimbador, protegido por volantões para “brilhar”. Mas ontem o Inter contou com dois “camisa 10″ jogando de Wingers pelos lados, sem prejuízo à técnica deles.

Tite foi brilhante. Também sempre me declarei um admirador do trabalho dele, que não é um treinador imediatista. No Inter, levou tempo até receber um grupo completo, em um período de transição, prejudicado pelas disparidades físicas. Trabalhou, tentando encontrar o melhor sistema. Definiu o bom 4-5-1 colorado, e agora apresenta uma variação tática que pode surgir em outros jogos. Tudo amparado por uma dedicação extrema dos atletas.

Os jogadores do Inter foram taticamente obedientes, abnegados no cumprimento das funções defensivas e determinados nas saídas com a bola. Nunca tinha visto D`Alessandro dando combate a lateral adversário dentro da área de seu time. Ainda mais pela direita. Por este esforço, somado ao controle de bola impecável e às chances criadas, considero D`Alessandro o melhor em campo em La Plata. Alex fez o mesmo pela esquerda. Os quatro zagueiros, os dois volantes, Lauro e Nilmar também suaram litros pelo título do Inter. Foi uma belíssima atuação, sob comando de Tite.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (29)

  • Alexandre diz: 27 de novembro de 2008

    Engraçado, toda vez que o inter vai encarar uma pedreira todos dizem que vai ser um jogo dificil. O Inter vai lá, ganha, BEM ganhado, com méritos, e daí começam a falar que o time adversário não jogou nada, que é ruim.

    Se não jogou nada foi por mérito do inter e não incapacidade do adversário.
    Vide BOCA, CHIVAS, ESTUDIANTES.

    que pensamento mais mesquinho…

    DA-LHE INTERRRR!!! O Gigante me espera para começar a FESTA!!!

  • Ari Dias Rodrigues diz: 27 de novembro de 2008

    Tá pintando mais um título invicto no Beira-Rio.

  • Ricardo diz: 27 de novembro de 2008

    INTER-2006:Libertadore e Mundial, 2007:Recopa – 2008:Sulamericana. O que mais falta para este Time? Nem a mãe Diná previu!!! Enquanto isso, eles nadam, nadam e nada!!!!

  • Lucas diz: 27 de novembro de 2008

    PARABÉNS INTER GRANDE DO SUL, CAMPEÃO DE TUDO!

  • Cristiano diz: 27 de novembro de 2008

    Essa é a segunda vez que eu acho que o Tite merece elogios como treinador do Inter, e a primeira foi no gre-NAL dos 4×1. Acho que se ele repetir a dose na segunda partida da final eu perdôo ele pelo jogo em Ipatinga.

  • Luis Carlos Silveira Tavares diz: 27 de novembro de 2008

    Nós colorados seremos campeões desta copa se não subir pra cabeça dos jogadores esta vitória.É imperdoável a irregularidade do inter no brasileirão.Se jogamos tudo isso contra os hermanos,o que explica algumas atuações rídiculas contra times inespressivos.O brasileirão foi salvo com a goleada de 4×1 no grenal.Como colorado torço sempre para levantarmos qualquer caneco,deixa que digam que a sul americana não leva a nada.é dor de cotovelo deles.que em 2009 façamos um melhor brasileirão.coloradoo

  • DANIEL R SANTOS diz: 27 de novembro de 2008

    CECCONI, CONCORDO COM VOCE, MAS HÁ UM PEQUENO PROBLEMA QUE AJUDA A NÃO DIFUSÃO DO 442. ULTIMAMENTE FALTA AOS TIMES BRASILEIROS MEIO-CAMPISTAS BONS QUE SUPRAM A FALTA DE SUBIDA DOS LATERAIS. E NA CULTURA BRASILEIRA LATERAIS SÃO PONTAS QUE SABEM DEFENDER. NÃO A TOA QUE SE OUVE: `JOÃO É RUIM LATERAL, POIS NÃO SOBE PRO ATAQUE”. NO CASO DO INTER, É DIFERENTE: DALESSANDRO E ALEX JOGAM QUASE COMO PONTEIROS. E NILMAR NO CENTRO, ALEM DE CORRER MUITO. MAS NEM TODOS TEM UM MEIO CAMPO COM A QUALIDADE DOS 2

  • Marcus diz: 27 de novembro de 2008

    Ótima a vitória, mas atenção, NÃO GANHAMOS NADA AINDA. Sò acaba quando termina, ainda não somos campeões. VAMOS LUTAR OELO NOSSO TÍTULO NA NOSSA CASA, VAMOS GRITAR E INCENTIVAR DO COMEÇO AO FIM DO JOGO, nada de torcidinha parada na social, VAMOS LEVAR O INTER A VITÓRIA. Atenção, sem salto alto, humildade e trabalho e VAMÔ VAMÔ INTER.

  • Marcelo diz: 27 de novembro de 2008

    A verdade é que faltou qualidade ao time argentino. Os cruzamentos laterais com duas linhas de 4 devem ser feitas no fundo do campo e não da intermediária, isso consagra a defesa e o goleiro. O meio da area podia ser explorado com facilidade atraves de chutes a media distancia. No segundo tempo o Inter chegou somente duas vezes ao ataque pelos erros argentinos. No mais, a segurança de Lauro foi essencial para tranquilizar a defesa. Veron joga muito, ao contrario dupla de ataque. Retranca feia…

  • Kleber diz: 27 de novembro de 2008

    Realmente, o Inter se impôs taticamente no jogo de ontem. Apesar de contar com um jogador a menos, não deu espaço na marcação e manteve a vantagem. Tite acertou em manter o time, resistindo a tentação de trocar um armador/atacante por um voltante e, principalmente, parabéns aos jogadores pela entrega tática, coisa rara no futebol nacional.

  • Silva diz: 27 de novembro de 2008

    O inter jogou bem e fez sua parte, mas falemos a verdade, o estudiantes é ruim demais e não conseguia atacar o inter nem com um a mais em campo! Que timeco argentino, tá mais pra gatinho enjaulado do que leao, conforme publicou o Olé! Digo mais, o mediocre estudiantes vai ser goleado no beira lago!

  • Lucas Graeff diz: 27 de novembro de 2008

    Morando temporariamente em Paris, tenho acompanhado o campeonato Frances e alguns jogos do Brasil quando possivel. Ontem, assisti ao jogo do Inter e um comentarista frances (o primeiro que ouvi fazer uma analise tatica de uma partida) ousou dizer que o futebol na America Latina e na Africa nao sao taticos como o europeu e que os jogadores se preocupam apenas em “jogar futebol alegremente”. Essa miopia é facilmente contraposta pelas analises de E. Cecconi. Parabens pelo trabalho!

    Resposta do Cecconi: Valeu Lucas pela mensagem. Fico muito feliz. Grande abraço.

  • MARCELO VIEIRA diz: 27 de novembro de 2008

    PARABÉNS, PERFEITO SEU COMENTÁRIO! FICO MUITO FELIZ PELO TITE TER A LEITURA CORRETA DO JOGO COM A EXPULSÃO DO GUINAZU. NORMALMENTE UM OUTRO TÉCNICO IRIA TIRAR UM ATACANTE OU UM ALA E COLOCAR OUTRO VOLANTE DE CONTENSÃO. AS DUAS LINHAS DE QUATRO FUNCIONARAM BEM PORQUE ALEX E D`ALESSANDRO ALÉM DE TÉCNICOS SABEM MARCAR E CUMPRIRAM MUITO BEM AS FUNÇÕES DADAS PELO TITE. OS DOIS SAIRAM EXAUSTOS NO FINAL DA PARTIDA. VAMO, VAMO INTER!!!!!ABRAÇO

  • José Antonio Mangoni diz: 27 de novembro de 2008

    Curtir uma vitória do timão a quase 5.000 Km de distância é maravilhoso. Como diz o paraense: ETA TIME PAI D´ÉGUA! Vamo, vamo Inter

  • Pablo diz: 27 de novembro de 2008

    Sou gremista e apostei um refrigerante com meu colega de serviço Veio Barriga, no resultado do jogo do Inter, vou tomar depois, rsrsrsrsr… pior que é verdade.

  • Carlos Eduardo Pizzatto diz: 27 de novembro de 2008

    Mesmo quando escalado com o losango e dois atacantes, em função do cacoete de meia do Alex, o Inter acaba tendo no meio-campo um cabeça-de-área (Edinho), dois volantes (Magrão e Guiñazu) e dois meias ofensivos (D`Alessandor e Alex).

  • LUCIANO diz: 27 de novembro de 2008

    olha, o inter é INTERNACIONAL, pra bom decodificador basta. brasileiro é bom mas já temos o suficiente 03 que muitos dos times ditos grandes não tem, somos os unicos campeões invictos do brasileiro e agora únicos da sulamericana nos estamos muito felizes com o que temos. Pois o Inter é GIGANTE.

  • Cleber Camaquã (DESABAFO) diz: 27 de novembro de 2008

    Fico muito feliz por essa matéria, dá gosto ter o privilégio de ler um comentário com uma verdadeira análise de esquema tático, diferente do que ocorre qnd ligamos a tv e ouvimos os comentários de um ex 10(do coringão) que só sabe falar mal de jogadares, e sequer consegue explicar um esquema tático, se perguntar ele se perde, não sei o que é pior se é ele a favor ou contra, só fala M…parabéns a imprensa gaúcha em geral Osterman(s), Vianei(s), Guerrinha(s), Nando(s)(s),Ribeiros(s)Menegueti(s).

  • Roger diz: 27 de novembro de 2008

    Único blog de futebol com cérebro do país.

    Resposta do Cecconi: Valeu pelo prestígio Roger. Siga conosco participando dos debates. Grande abraço!

  • Rafael Prado diz: 27 de novembro de 2008

    ANÁLISE PERFEITA, MEUS PARABÉNS, CONSISTÊNCIA E FUNDAMENTO NA TEORIA DO FUTEBOL, PERFEITO!!!

    Resposta do Cecconi: Valeu Rafael, é com esse objetivo que surgiu o blog Preleção – análise amparada na teoria. Continua participando que no debate os leitores sempre trazem mais argumentos e idéias interessantes. Abração!

  • Fabio Henrique diz: 27 de novembro de 2008

    Imagine um 4-4-2 inglês em clubes como o S Paulo, Mengo, Palmeiras e Cruzeiro. o problemas é que os ditos técnicos desse país pensam em defender e depois, se der, atacar um pouquinho. Deviam tomar o exemplo da Espanha, Holanda e até mesmo da Alemanha, que colocam até três meias ofensivos num jogo. Na final da euro/08, a Espanha jogou num 4-1-4-1, com Marcos Senna sendo o volante e 4 meias mais ofensivos.

  • pedro diz: 27 de novembro de 2008

    Achar um melhor em campo neste jogo é ser demosiadamente egoista, o melhor em campo neste jogo foi o espirito de grupo, de superação, de respeito mútuo que este grupo tem. Parabéns Inter, faltam 90 minutos para mais uma taça e com esta postura será muitissimo dificil deixá-la escapar.

  • Walmir diz: 27 de novembro de 2008

    Sou gremista e fiquei encantado com a atuação do inter ontem. Deixei a rivalidade de lado é torci pelo colorado. foi uma partida impecável. O time mostrou raça, vontade, empenho. A tática do inter foi perfeita, mesmo em desvantagem numérica anulou o time argentino. ninguém tira o título do inter e eles merecem muito!!! parabéns ao time e ao tite, deram um show!!!!

  • Zé Bonito diz: 27 de novembro de 2008

    O Tite é inegavelmente um bom treinador, mesmo que não ganhe o título, o que não deixa de ser uma possibilidade remota, esmo quando atuava no rival, o que ele precisa é tempo para trabalhar, aí valeu o empenho do Vice de Futebol e do Assessor de Futebol do Inter, sem deixar de louvar os atletas, e dentre eles o mais contestado pela imprensa e parte dos torcedores o multicampeão “EDINHO”, hoje capitão colorado, merece levantar a Taça.

  • ricardo fixman diz: 29 de novembro de 2008

    Quase impecável o comentário,Cecconi! Prá ficar impecável faltou um grande mérito neste jogo e em todo crescimento do time para a preparação física.O Maseradjan(ou coisa muito parecida)é muito bom.Mas se continuar em 2009 acabará a saudade do Paixão!Sobre tática,será que esta que o Inter adota vai funcionar contra times que jogam tamal bém com 2linhas de 4?Eu trocaria o Edinho,ou um lateral por um fixo na frente ou mesmo o Taison p/correr c/o Nilmar.Qual seria a tua formação p/tal situação?Bravo

    Resposta do Cecconi: Oi Ricardo, obrigado pela mensagem. Nas duas linhas de quatro poucos times atuam com centroavante fixo. Geralmente, o ataque tem dupla de velocistas, porque eles puxam o contra-ataque enquanto a segunda linha se aproxima. Em boa forma, Daniel Carvalho seria ideal para esse modelo, mas agora teria de ser o Taison mesmo ao lado do Nilmar. Mas reitero que foi uma alternativa emergencial, porque o 4-5-1 está bem treinado, bem escalado e dando resultado, portanto não acredito que o Tite mudaria, e também não vejo motivo para isso. Esse 4-4-2 entra como uma possibilidade conforme cada partida. Abração!

  • Luiz Carlos Knopp diz: 28 de novembro de 2008

    Cecconi, com esta explicação bastante didática, fazes com que nós torcedores, pensemos futebol de forma muito mais racional do que emocional e enxerguemos situações de jogo que antes não eram vistas/observadas.

  • Alvair diz: 28 de novembro de 2008

    Todos elogiaram muito a postura tática do Inter no jogo. Agora eu pergunto sua opinião: será que não daria certo manter esse esquema, só que com 11 jogadores? Ou seja, tirar um dos volantes (certamente Edinho) e escalar outro atacante (talvez Taison) ao lado de Nilmar? Formar a 2ª linha de 4 com D´Ale, Magrão, Guina e Alex. O que vc acha? Eu acho que poderia dar muito certo. Um abraço

    Resposta do Cecconi: Olá Alvair, tudo bem? Eu gostaria muito, mas acredito que foi apenas um sistema tático de exceção pela emergência. Os atletas sul-americanos que jogam no Brasil principalmente talvez não consigam manter essa obediência tática de jogar entre as duas áreas com intensidade, como é exigido dos jogadores da segunda linha. Mas acho que esse sucesso do Inter em La Plata já serviu para levantar o debate, e quem sabe alguém tenta aplicar na prática o 4-4-2 britânico em uma sequencia de jogos no futuro? Valeu pela mensagem, abração.

  • ricardo fixman diz: 29 de novembro de 2008

    Não querendo ser chato, mas qual sua opiniçao sobre os clubes terem uma comissão técnica permanente, com contratos longos para preparador físico, como p.e. já acontece com treinador de goleiros?Nesta comissão teria um coordenador de defesa p/treinar posição em escanteios,linha de impedimento,cobertura etc.Um coordenador de ataque.Os treinadores aceitariam trabalhar com tal comissão?Imagine ter Figueroa,Falcão e Fernandão como coordenadores por exemplo!A comissão seria permanente o técnico, não.

    Resposta do Cecconi: Olá Ricardo, tudo bem? Esta fórmula existe em muitos clubes europeus, e acredito que já foi testada no Brasil. É uma boa maneira de intensificar as táticas individual e de grupo, e aprimorar a parte técnica. Ao treinador caberia organizar, orientar e supervisionar todos os grupos, para depois montar as peças do quebra cabeça nos coletivos e nas partidas. Pode dar certo. Abraços.

  • Wagner diz: 28 de novembro de 2008

    Cecconi..deves ter lembrado do meu comentário, justificando Dunga e a dificuldade ctra a Bolívia..falei q as pessoas ñ conseguem entender, q ctra 2 Linhas de 4 bem feitas, não passa nem alfinete…Noto que teu pensamento é parecido com o meu, sempre estas em sintonia com o q escrevo..quero à muito q o Colorado jogue como os europeus, tu também é fã destes esquemas..defendo Tite, pois ele me proporcionou isto, tu também…o mínimo q posso dizer, é q tens bom gosto..já q ninguém gava, Zeca gava..

    Resposta do Cecconi: Oi Wagner, tudo bem? Realmente sou um admirador e um estudioso do 4-4-2 britânico, assim como tenho acompanhado essa tendência de predomínio do 4-5-1 nos grandes europeus do momentos. Mas o bom – e essa tua constatação é pertinente – é que o Tite está atento e colocando em prática essas duas possibilidades. Valeu por mais uma mensagem bacana. Abração.

Envie seu Comentário