Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 22 dezembro 2008

Uma safra razoável no sub-20 da dupla Gre-Nal

22 de dezembro de 2008 32

Montagem com fotos Divulgação e Marcos Nagelstein

Gremio e Inter nos deixaram mal-acostumados. Em poucos anos, já foram revelados nos estádios Olímpico e Beira-Rio craques como Ronaldinho Gaúcho, Anderson, Lucas, Carlos Eduardo, Alexandre Pato, Nilmar, Rafael Sóbis, e muitos outros jovens que ainda buscam espaço – como Douglas Costa e Wálter, por exemplo.

Talvez por isto a dupla Gre-Nal não tenha me empolgado neste Brasileirão sub-20. E não estou falando sobre resultados e desempenho, que foram ótimos – afinal, o Grêmio foi campeão e o Inter chegou em 3º – mas sim sobre novos talentos, revelações, jogadores aptos a integrar com sucesso o grupo principal em 2009.

No campeão Grêmio, a análise pode ter sido prejudicada pela postura da equipe. Dentro de um 4-4-2 convencional, a estratégia de Julinho Camargo foi extremamente cautelosa, defensiva e ortodoxa. O time apresentou raras variações táticas, pouco se arriscou e não foi brilhante. O dilema é: o sistema se apresentou desta forma pela carência de virtuosos, ou foi a estratégia que bloqueou o surgimento de mais qualidade?

Independentemente da resposta, eu reconheci como pronto para integrar o grupo principal apenas um jogador do Grêmio: o volante Bruno Renan. O camisa 8 tricolor é um segundo volante de muita qualidade, bom passe, posicionamento preciso, coragem para jogar e se aproximar dos atacantes, e marcação determinada. É um bom jogador para disputar posição na vaga de Rafael Carioca, e ser testado neste Gauchão. Outros dois atletas foram muito badalados – Mithyuê e Paulinho. O meia-atacante foi eleito o melhor do Brasileirão sub-20, mas oscila demais. É decisivo – assim foi contra Inter e Sport – com gols e assistências em rompantes. Isso é excelente. Porém, durante a maior parte do jogo, ainda se equivoca em lances fáceis (domínio, passe e condução).

Mithyuê precisa de tempo para se aprimorar, e chegar aos profissionais sem ser “queimado”Já o capitão Paulinho é um volante muito afobado, que comete faltas em excesso sem a bola – às vezes com virilidade demais – e se atrapalha com a bola, errando passes e cedendo contra-ataques. Também não o considero preparado para jogar nos profissionais. De resto, o goleiro Fernando foi mal, os laterais se mostraram burocráticos e a dupla de zaga ainda não é de confiança plena, embora tenha sido segura com Wágner e Jean.

Os atacantes foram a maior decepção, para mim: Rafael Martins não emplacou e Rafael Paraíba se assemelha a Marcel. Gostei do reserva Wesley, que tem mais movimentação, mais qualidade no drible, e finaliza melhor – foi o artilheiro da equipe mesmo no banco. Mas Roberson, que jogou a Lupi Martins, para mim é o melhor entre todos.

No Inter, mais valores surgiram do meio para a frente, sem provocar entretanto nenhuma comoção. O principal foi o atacante Marquinhos, veloz e oportunista. Artilheiro da competição, Marquinhos pode começar a reivindicar as mesmas oportunidades que Wálter e Guto receberam. O Gauchão é uma competição oportuna para isto.

Éber não foi tão badalado, mas também me agradou. Não consegui definir exatamente se ele é um segundo atacante ou um meia ofensivo – ou alguma outra alternativa que me fugiu à percepção. Mas ele aparece na área com freqüência, conclui bem e participa da articulação ofensiva. Outro atleta com alguma condição de começar a ser testado.

O volante Paulinho, que já está integrado ao grupo principal, tem boa capacidade técnica e vigor na marcação. Não me impressionei a ponto de pensar que ele vai ultrapassar Sandro na hierarquia. Acredito que o volante revelado neste ano seja o substituto de Edinho – caso o capitão da Sul-Americana deixe o clube – e Paulinho aguarde, e enquanto isso, aprimore-se.

Do lateral-direito Daniel, outro atleta esperado no grupo principal, não sei o que falar. Vi um bom jogo contra o Flamengo, e partidas apenas comuns contra Grêmio e Náutico. Não sei em qual atuação de Daniel eu confio – na primeira, ou nas duas últimas. Precisa apoiar mais, como fez contra o Flamengo.

Dediquei quatro parágrafos para cada equipe. Agora, deixo o espaço dos comentários para que os leitores do blog tragam também suas observações sobre os jogadores da dupla Gre-Nal na sub-20. Sintam-se à vontade para trazer pontos de vista diferentes, destacar atletas que ignorei ou análises que faltaram…

Postado por Eduardo Cecconi