Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Liverpool, o time dos grandes meio-campistas

28 de dezembro de 2008 10

Gerrard, mais adiantado, marcou dois gols/Site do Liverpool

Se há um clube cuja cultura tática está arraigada em sua história, o Liverpool é o exemplo perfeito. Assim como o Manchester United, o FourFourTwo parece uma obrigatoriedade, como se estivesse descrito como único sistema tático aceito pelo estatuto do clube.

A obediência é tão explícita que até mesmo um treinador estrangeiro se adaptou ao 4-4-2 britânico do Liverpool. O espanhol Rafa Benítez, desde sua chegada, tem repetido com fidelidade e respeito à tradição dos Reds a sistematização tática das duas linhas de quatro jogadores – com dois atacantes, e a marcação por zona e pressão na saída de bola do adversário a partir da intermediária de ataque.

Mas hoje o líder do Campeonato Inglês simplesmente patrolou o forte Newcastle, vencendo por 5 a 1, com um sistema diferente. Nada revolucionário, que agredisse a cultura tática do Liverpool. Mas Benítez soube adaptar as duas linhas de maneira inteligente, com uma variação que se mostrou bastante efetiva.

Sem os atacantes Fernando Torres e Robbie Keane, o Liverpool jogou em uma espécie de 4-5-1. Benítez escalou os Reds com as duas linhas, mas retirou o cerebral Gerrard do meio-campo, deixando o capitão da equipe entre a segunda linha e o atacante Kuyt. Gerrard contou na ligação, como um ponta de lança, com o apoio do winger Babel. E no lugar dele, jogou o ex-gremista Lucas – tendo boa atuação.

Gerrard fez dois gols nesta função. Com Lucas e Babel, atuaram ainda Mascherano e Benayoun na linha de meio campo. Atrás, formaram a defesa Insua, Hyppia, Carragher e Agger, com Reina no gol. Xabi Alonso entrou no segundo tempo, e fez o dele de pênalti.

Esta escalação, e a variação tática de Benítez, evidenciam uma realidade incontestável no Liverpool: que times hoje no Mundo podem se regozijar com um grupo tão farto de bons meio-campistas? Talvez Chelsea, Manchester United, Inter de Milão…e a concorrência já começa a rarear. O elenco é tão qualificado neste setor que o Liverpool se deu ao luxo de ceder o excelente Sissoko para a Juventus.

É fato que o Liverpool contratou somente meio-campistas adequados a este seu histórico e cultural FourFourTwo. Não tem nenhum que seja apenas cerebral, que jogue somente com a bola; e também não há um gladiador obtuso que seja primoroso na marcação, sem acertar um passe. Gerrard, Alonso, Lucas, Mascherano, Babel, Benayoun e outros menos utilizados são jogadores que aliam características defensivas e ofensivas; meias capazes de exercer pressão nos adversários que ingressam em suas zonas de ação, mas inteligentes e habilidosos para passar da linha da bola na hora de atacar. E ainda versáteis para ser escalados em qualquer uma das quatro posições desta linha.

Dessa forma metódica e organizada, extremamente britânico mesmo que seu técnico seja espanhol, o Liverpool encerra o ano como líder do campeonato nacional mais qualificado e concorrido do momento.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (10)

  • L.Bach diz: 28 de dezembro de 2008

    Fernando Alonso? Achei que o blog de Fórmula-1 era o outro… hehehehehehehe abraço, Cecconni

    Resposta do Cecconi: Rateada, bruxo. Já arrumei…hehehehehe…deve ser o feriadão, muito sol na cabeça ;) Valeu pelo aviso, Abração.

  • pedro metz diz: 28 de dezembro de 2008

    belo texto. gerrard, na minha opinião, é o melhor meio campista da atualidade. muito inteligente, focado e com excelente técnica.

  • Alexandre Perin diz: 28 de dezembro de 2008

    Newcastle forte? Só se for na média de público, este time aí nem cheira perto dos times de Dalglish, Robson e Shearer…

  • Alexandre Guimarães diz: 28 de dezembro de 2008

    Caro Eduardo Cecconi, não conhecia o “Preleção”. Descobri o seu Blog, por causa do destaque na página de Esportes. Até que enfim um analista brasileiro sem antipatia (ou rancor-pós-o-”Milagre de Instambul”) pelo time que eu torço no exterior! A sua análise é correta. Estes meias são habilidosos, versáteis e taticamente obedientes. Concordo com a sua análise e só gostaria de acrescentar outras observações sobre outros aspectos envolvendo os jogadores de meio-de-campo dos Reds.

  • Rafael diz: 29 de dezembro de 2008

    OoOoOO… we´ve got the best midfield in the world! we´ve got xabi alonso, momo sissoko, gerrard and mascheranOoOoO

  • Alexandre Guimarães diz: 28 de dezembro de 2008

    Só mais duas observações: o Sissoko foi cedido, porque, inseguro, estava errando muitos, muitos passes destoando do padrão do meio-de-campo ao qual você se referiu. Na defesa, você lista os jogadores da esquerda para a direita: “Insua, Hyppia, Carragher e Agger, com Reina no gol.” Na partida deste domingo, o Carragher jogou improvisado na lateral-direita (como já fez algumas vezes na seleção inglêsa). Um forte abraço.

  • PAULO TRICOLOR diz: 28 de dezembro de 2008

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
    ROTH SAI DO GRÊMIO E VAI TREINAR O LIVERPOOL.
    JÁ MANDOU CONTRATAREM AMARAL,PAULO SÉRGIO, RAMON, E OS EXECELENTES MARCEL, PEREA.
    ROTH SOLICITOU A VENDA URGENTE DE TODO MEIO DE CAMPO TITULAR E RESERVA DO LIVERPOOL, POR TER MEDO DE ENTREGAR TAMBÉM O CAMPEONATO INGLÊS.
    O JORNAL tHE SUN INFORMA TAMBÉM QUE ROTH SOLICITOU URGENTISSÍMA A CONTRATAÇÃO DE NUNES, PARA SER O PRIMEIRO DO MEIO DE CAMPO.
    MAIS UM VICE CAMPEONATO PARA O QUASE CAMPEÃO DE TUDO!

  • Andre diz: 29 de dezembro de 2008

    Tchê! O teu Blog é o do Clicrbs! Esta postagem só faltou a o desenho da formação tática que já virou tradição no teu blog!
    Grande abraço e feliz 2009!

  • Alexandre Guimarães diz: 28 de dezembro de 2008

    Eu não gostava do Benayoun, mas ele parece ter acertado o seu posicionamento em campo. Antes, o israelense recuava muito e embolava pelo meio, pelo comando de ataque e até pela esquerda de vez em quando. Agora, caindo pela direita, ele arranca dentro da área e está se revelando habilidoso para ir à linha de fundo ou fechar pelo meio já dentro da grande área. Acho o Ryan Babel mais útil do que o Albert Riera e odeio o atacante Dirk Kuyt, mas isso é para um próximo comentário.Gostei muito do Blog.

  • rogerio diz: 29 de dezembro de 2008

    me descupe, mas o kuyt n jogou de “atacante”, pois ele fez exatamente a mesma função do babel só q pelo outro lado…

    o liverpool jogou num 4-4-2 hj..nada de 4-5-1
    mascherano, lucas, benayoun e gerrard; kuyt e babel abertos..sem ter marcação a sua frente (zagueros do newcastle estavam abertos acompanhando os wingers), sobrou muito espaço pro gerrard chegar a frente, ele e o lucas jogaram muito, mas o newcastle tambem .. so joga os decadente …

Envie seu Comentário