Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Autuori: do 4-4-2 ao 3-5-2

22 de abril de 2009 35

Autuori utilizou o 4-4-2 no Botafogo e no Cruzeiro, e o 3-5-2 no São Paulo.

Primeiro nome na lista de especulações do Grêmio – ora dando-se a certeza do acerto, ora desmentindo-se a informação – Paulo Autuori apresenta em sua carreira uma migração interessante de convicção tática. Quando ele se tornou vitorioso por Botafogo e Cruzeiro, tinha o 4-4-2 como predileto. E depois, tanto no Inter como no São Paulo, acabou seduzido pelo 3-5-2.

Campeão Brasileiro pelo Botafogo em 1995, Paulo Autuori se utilizou do mais legítimo 4-4-2 à brasileira: meio-campo em quadrado, com um primeiro volante marcador, um segundo volante com boa saída de jogo, dois meias articuladores – um pela direita, outro pela esquerda, um atacante de referência e outro de movimentação, e laterais revezando-se no apoio. O time-base tinha Wágner; Wilson Goiano, Wilson Gottardo, Gonçalves e André Silva; Jamir, Leandro, Beto e Sérgio Manoel; Donizete Pantera e Túlio.

Autuori repetiu o 4-4-2 à brasileira no Cruzeiro campeão da Libertadores de 1997. Novamente, meio-campo em quadrado, com primeiro volante marcador, segundo volante com saída, dois meias – um de cada lado – um atacante de movimentação, outro de referência, e laterais bons no ataque. A equipe formava costumeiramente com Dida; Vitor, Gélson Baresi, Wilson Gottardo e Nonato; Fabinho, Ricardinho, Donizeti e Palhinha; Marcelo Ramos e Elivélton. Taticamente, nenhuma mudança em dois anos. Convicção mantida.

A transição foi deflagrada no Inter em 1999. Com problemas, Autuori iniciou no 4-4-2 com três volantes (Dunga, Anderson e Claiton) – um princípio de mudança, mas acabou encaixando a equipe no 3-5-2, com Régis, Lúcio e Gonçalves na defesa; Enciso e Elivélton nas alas; e Lúcio Flávio de articulador. Ainda pelo Inter, Autuori também transitou pelo 4-5-1, a partir da saída de Christian, lançando o então jovem Diogo Rincón como o meia de chegada.

Pelo São Paulo, em 2005, Paulo Autuori definiu o 3-5-2. Vejam que interessante esta declaração que encontrei fazendo buscas em sites da época. Reproduzo abaixo um trecho da reportagem, com a explicação do próprio Autuori sobre o confronto com o Atlético-PR, pela decisão da Libertadores:

“Autuori não esconde que a sua preferência é o 4-4-2, mas reconhece que o São Paulo rende melhor atuando com três zagueiros.

- Uma coisa é o que eu gosto, a outra é a necessidade da equipe. Vamos jogar da forma como estamos acostumados. O modelo tático se encaixa bem com aquilo que faz o Atlético-PR - disse o treinador são-paulino, em entrevista à Rádio Globo”.

Ou seja: Autuori declarava sua predileção pelo 4-4-2, mas admitia que no São Paulo o sistema tático que funcionava era o 3-5-2. E ele foi campeão Mundial com Rogério Ceni; Fabão, Lugano e Edcarlos; Cicinho, Josué, Mineiro, Danilo e Júnior; Amoroso e Aloísio. Ainda assim, tendo algumas figuras que lhe acompanhavam no 4-4-2: primeiro volante marcador, segundo volante com saída de jogo, atacante de movimentação, e centroavante de referência.

Confesso que fiz uma exaustiva pesquisa para descobrir qual sistema tático ele utiliza no Al-Rayyan. Não encontrei nenhuma referência precisa em sites de lá ou daqui. Sabe-se que ele tem de novo o centroavante de referência (Aloísio), o pensador no meio-campo (Ricardinho) e um segundo atacante de movimentação – um jogador que me escapa o nome agora.

Como será no Grêmio, caso seja confirmado Autuori? Afinal, o time e ele passarão por um dilema muito significativo. O treinador chegaria com duas competições em andamento – Brasileirão e Libertadores. Isso lhe tira tempo de treinamento para encontrar soluções e encaixar os jogadores na sua filosofia tática.

No Grêmio, Autuori teria duas alternativas: ou ele mantém o 3-5-2 de Roth e Rospide a contra-gosto mesmo que não o considere ideal, para não prejudicar o entrosamento durante as competições; ou ele altera o sistema tático e a escalação, sob risco de fazer a equipe perder ritmo e mecânica. Há ainda uma terceira hipótese: ele constatar que o grupo do Grêmio rende mais com o 3-5-2, encaixando convicção tática com o “embalo” da equipe, sem mexer em nada e satisfeito com isso.

Pelo histórico, Autuori prefere o 4-4-2 (ele mesmo admitiu isso há quatro anos, conforme a declaração reproduzida aqui) mas não se constrange em adotar outro sistema tático conforme as características do grupo. As questões principais que se colocariam para ele são: o 3-5-2 é mesmo o ideal para o Grêmio? Há no grupo alternativas para troca de sistema? É conveniente modificar a estrutura de uma equipe durante duas competições importantes? Pelo visto, as respostas tardarão a chegar.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (35)

  • cesar diz: 22 de abril de 2009

    Time ideal para o gremio:
    Victor
    Leo, LUGANO, Rever e ATHIRSON
    Adilson,Souza,Tcheco e Alex Mineiro
    Jonas ( ou Herrera ) e Maxi Lopes
    temos que contratar dosi jogadores e jogar no 4x4x2, puxar o Alex Mineiro para Articulador ( ou contratar mais um para articular jogadas ) Com ESSE TIME PODE SER O ROSPIDE MESMO, COM ESSE TIME PODEREMOS SER CAMPEÃO.

  • Roberto diz: 22 de abril de 2009

    O João aí, do primeiro comentário, resumiu muito bem: o 4-4-2 equilibraria o time. Eu ainda gostaria de ver um jogador habilidoso e mais jovem no lugar do Tcheco, liberando o Souza para chegar mais perto do ataque. E, quando fosse necessário arriscar mais, jogar no 4-3-3, com Souza (Douglas Costa) pela direita, Máxi Lopes centralizado e Alex Mineiro ou Herrera pela esquerda. Os dois “pontas” atacariam em diagonal, como joga o Barcelona, por exemplo.

  • Richard diz: 23 de abril de 2009

    cecconi…..td bem? entao… estava olhando o sao paulo….
    sera q nao daria certo em um 442 britanico….
    estao perfeitos as caracteristicas…
    dagoberto jogando aberto pela direita…
    hernanes jean centralizados e jorge pela esquerda….
    acho q seria uma boa alternativa….
    abrço

  • thiago diz: 24 de abril de 2009

    Cecconi, sou leigo neste assunto de tática, qual é a diferença entre ala e lateral? Vi uma reportagem da globo, em que o Ney modificou o Juan e o Léo Moura de laterais para alas, sendo que ficaram altamente ofensivos, pode me explicar isso?

    Resposta do Cecconi: é exatamente isto, Thiago. O ala é mais ofensivo, posiciona-se mais à frente do que o lateral. E de acordo com a estratégia dentro do sistema tático, podem ser jogadores que entram pelo meio em diagonal, como fazia o Jorge Wágner no São Paulo. Abraço!

  • Luis Otavio diz: 22 de abril de 2009

    time ideal Grêmio 2009:
    VITOR
    RUY
    LÉO
    REVER
    JADILSON
    RAFAEL CARIOCA
    ADILSON
    TCHECO OU RENATO
    SOUZA
    ALEX MINEIRO
    MAXI LOPEZ

  • Tales diz: 22 de abril de 2009

    Ótimo assunto, como sempre.
    Acho que ele vai optar por permanecer no 3-5-2 e treinar o 4-4-2 para o futuro, pois o falta ao gremio um volante para jogar com o adilson e fazer o 4-4-2 funcionar (até a volta de William M)
    a única certeza é que a dupla de ataque PRECISA ser Alex Mineiro e Maxi Lopes. O alex tem jogado muito bem, porém saindo mais da área, e o Maxi já mostrou que é artilheiro.
    Abraço

  • Carlos Eduardo Lemos diz: 22 de abril de 2009

    O cara assumiu o São Paulo nas oitavas de finais e foi campeão!!! Vai dar cert denovo!!!!!!

  • Cláudio diz: 22 de abril de 2009

    Excelente blog Cecconi, excelente assunto esse! Eu questionava exatamente isso. Pelo visto, se vier mesmo para o Gremio ele nao mudará a forma de jogar, pelo menos na libertadores. Acho que o Gremio está acostumado a jogar no 3-5-2 e os jogadores também preferem essa formatação. Se ele é um cara realmente aberto a opiniões e debates, creio que a maioria dos jogadores falará de sua preferência pelo 3-5-2.

  • Felipe R. dos Santos diz: 22 de abril de 2009

    Bela análise, Cecconi.

    Autuori trata-se de um treinador inteligente, e saberá ver que o melhor esquema para o momento do gremio realmente é o 3-5-2.

    Não há motivos para modificar a forma de jogar da equipe. Os zagueiros estão acostumados a jogar em trio, os alas são ofensivos, os meias marcam e jogam, os atacantes estão habituados à tática; consequentemente o esquema está afinado ao grupo.

    Qualquer mudança teria que ser no médio-prazo. Alterar agora seria prejudicial deveras!

  • FELIPE CORONA diz: 22 de abril de 2009

    MELHOR AINDA É COM R. CARIOCA E RENATO FAZER UM MEIO CAMPO COM R. CARIOCA, TCHECO, SOUZA E RENATO. EXPLICO: O TCHECO SABE MARCAR, TEM SAÍDA DE BOLA EXCELENTE, MAS NÃO TEM CHEGADA FORTE NA FRENTE( NÃO AGRIDE). POR ISSO NÃO ENTENDO ESSA DE QUERER QUE O TCHECO SEJA UM MEIA QUE ATAQUE. PERGUNTE A ELE SE NÃO PREFERE JOGAR MAIS RECUADO. QUANTO AO ADILSON TEM POTENCIAL MAS NÃO TEM “CANCHA”, TEM QUE APRENDER A JOGAR FUTEBOL, BOLA ELE SABE JOGAR.

  • Alan Sean diz: 22 de abril de 2009

    Caro Cecconi! Tenho a convicção que, caso seja o treinador, o Autuori mude o esquema para o 4-4-2. Motivos: mesmo com o Léo em uma má fase, o Réver e ele formam um ótima dupla de saga. Ele prefirirá conter mais os nossos “alas” e liberar mais os meias (aí veremos o Adilson jogar), com uma resalva: a primeira exigência dele será a contratação de um volante de contenção.
    É possível que no 4-4-2 o Douglas Costa renda mais e estou apostando, no meu conterâneo, Mithyuê na meia-esquerda.

  • Carlos Pizzatto – Blog do Carlão diz: 22 de abril de 2009

    Para mim o esquema para o Grêmio é um 3-5-2 idêntico ao do início da temporada do Palmeiras.

    Léo pela direita, Rafa Marques pela esquerda e Réver de LÍBERO; Adílson de primeiro volante, Tcheco de segundo, e Souza como último homem do meio-campo, eventualmente se tornando terceiro atacante; nas alas, Ruy e Jadílson (ou Fábio Santos); e na frente Alex Mineiro mais um.

  • Ricardo diz: 22 de abril de 2009

    se o Grêmio chegar a contratar o emerson o 4-4-2 com quadrado no meio fica muito interessante, Emerson, Adilson, Souza pela direita, Douglas Costa pela esquerda, o Grêmio tem um lateral que sobe pouco que é o fabio santos e outro que apoia mais que é o Ruy, esse esquema cairia muito bem no Grêmio.

  • marcelo diz: 22 de abril de 2009

    Está na cara que Tcheco e Sousa estão muito recuados com múltiplas funções que não conseguem exercer. O único ala no grupo é o Ruy. Não há zagueiro com qualidade de sair jogando como líbero. Não entendo porque foi constatado o 3-5-2 como sistema ideal do Grêmio. Quando a qualidade não é lá essas coisas, o melhor é não inventar e seguir o velho 4-4-2 que confunde menos a cabeça do jogador. Até mesmo o 4-5-1, com variação para 0 4-3-3 com Sousa na direita e Douglas na esquerda sria uma boa altern.

  • isaias diz: 22 de abril de 2009

    Eduardo, Eu não sou tecnico, nem acompanho treinos do gremio para opinar sobre esquemas e jogadores. Mas pelo que diz tua brilhante e interessante pesquisa e afirmações neste post, tenho a certeza de que é o técnico ideal pro grêmio, já que tem a experiência e saberá lidar e avaliar o Grêmio sb os 2 aspectos; o 3-5-2 e o 4-4-2. Autuori, estamos te esperando. Nação tricolor!

  • Pedro diz: 22 de abril de 2009

    Ótima matéria. Queria saber mesmo o perfil do tão falado Autuori. No meu ver ele vai manter o 3-5-2, e terá MUITO POUCO tempo para treinar a equipe, pois com as 2 competições em endamento e 2 jogos por semana, mal e porcamente se treina. Creio eu que por esse fator, não seria vantajoso espera-lo. Mas que é um grande profissional, isto é inegável.

  • Ana Cláudia Machado Paim diz: 22 de abril de 2009

    Olá Eduardo, tudo bem?
    Embora torça pela contratação de Paulo Autuori, hoje escrevo para sanar uma dúvida que me surgiu recentemente.
    Eu gostaria de saber quais as consequências de um time jogar no 3-5-2 SEM alas, mas com dois a mais no meio campo. Imagina este time, com os especulados: Victor, Léo, R.Marques, Rever; Rafael Carioca, Adílson, Souza, Tcheco, Renato; Alex Mineiro e Máxi Lopez.
    Não te parece que a saída dos alas seria suprida pela chegada dos meias?
    Um abraço e até mais!

  • Jair diz: 22 de abril de 2009

    A utilização de um determinado esquema tático depende dos jogadores disponíveis. Quando o time tem 3 zagueiros médios, eles não deveriam ser utilizados, pois comprometem a mecânica de jogo. Igualmente os alas, quando não sabem jogar no sistema não adianta insistir. Os dois casos correspondem a atual situação do Grêmio. Hoje precisamos de dois jogadores para o meio para ganhar a Libertadores e um técnico urgentemente. O melhor sistema é o 4-4-2.

  • Cássio Brustolin diz: 22 de abril de 2009

    Pessoal, acredito que o 3-5-2 seria no momento o mais viavel, pois temos três bons zagueiros, mas o lateral direito não apoia, alias, nem sabe fazer. Acredito por tanto que seria melhor fazer um 4-4-2, colocando mais um no meio para ajudar o Adilson (o Maquelele não por favor), tira o peso das costas dos armadores, eles não teriam mais que marcar. Mas precisamos achar logo o treinador, trás o Renato de uma vez.

  • luiz diz: 22 de abril de 2009

    cade o primeiro volante para o 4.4.2

  • Marcelo Cipriani diz: 22 de abril de 2009

    OLha! Me desculpem! O Grêmio não tem nada definido qto ao técnico e já estão falando da tática do Autuori! A direção do Grêmio é muito fraca!!! Não tem força p nada..nao define nada…vamos iniciar o mata-mata da Libertadores sem técnico…que desprezo….! Vergonha!

  • Otávio diz: 22 de abril de 2009

    ESPERO que com a vinda do Autuori, ele faça uma espécia de reestréia para o Douglas Costa. O guri tem futuro, é diferenciado. Teria lugar no time, com certeza..É esperar pra ver se vai dar certo com o novo treinador, espero que sim.. Belo post, Cecconi!

  • Vini diz: 22 de abril de 2009

    Belo post… também estou muito curioso para ver como funcionará o grêmio na mão do novo técnico…

    Parabéns pelo trabalho…

  • Pedro Souto diz: 22 de abril de 2009

    O atacante de movimentação do Al-Rayyan não é o marfinense Diane, ex PSG?

  • Iuri diz: 22 de abril de 2009

    É bom destacar que nos dois exemplos de 3-5-2 apresentados aqui a figura dos alas era diferente do Grêmio do Roth: no caso do Inter, dois meio-campistas de origem (Enciso e Elivélton) e no do São Paulo, dois laterais essencialmente ofensivos (Cicinho e Júnior). Em 2008 o Grêmio não tinha jogadores que desempenhassem satisfatoriamente a função individual do ala. Neste ano a coisa melhorou um pouco (com Ruy, sobretudo), mas este sempre foi um ponto problemático no esquema do Roth.

  • Mauricio diz: 22 de abril de 2009

    o melhor para o Gremio, 4-3-3,a volta dos antigos pontas e contratação de um verdadeiro lider dentro de campo, o EMERSON esse sim é gremista.

  • Alexandro diz: 22 de abril de 2009

    Podes verificar em que momento da competição(libertadores) o autuori entrou no são paulo, pois se não me falha a memoria ele entrou tambem no meio do caminho. o que se realmente aconteceu, 1 ponto a mais para ele. Aguardo sua puplicação.

  • RICARDO PEROTONI diz: 22 de abril de 2009

    Isso só comprova que ele pega o time e vai “tocando” como achou. Se der deu. Porque não analizam os esquemas que ele adotou quando NÃO deu certo? Colorado, Cruzeiro… E esse tempo todo fora do país? Isso tá paracendo DVD de jogador produzido pelo empresário, só mostra os gols feitos, os perdidos nunca. Por que a imprenssa tá fazendo este loby todo hein? Por que tanto amor por esse Autori?

  • Joao diz: 22 de abril de 2009

    O melhor para o Gremio é 0 4-4-2, nossos laterais não são alas. Um volente de contenção ao lado do Adilson liberaria o Tcheco e o Souza para chegarem junto do Maxi Lopez e de seu companheiro de ataque, bem como daria maior proteção à defesa.

  • giovani duarte diz: 22 de abril de 2009

    QUEM FICOU 1 ANO COM O CELSO ROTH, DÁ PRA ESPERAR O PAULO AUTUORI TRANQUILO.

  • julio santos diz: 23 de abril de 2009

    tchê, tu recebe pra tá escrevendo isso\\\ ta locoo, quanta coisa inútil, nunca piso num gramado e qué da aula.

    Resposta do Cecconi: Olá Júlio, tudo bem? Seguindo-se a tua premissa, está acabada a imprensa no país. Afinal, para escrever sobre política os jornalistas teriam que ter sido governadores, para escrever sobre economia teriam de ter sido ministros da Fazenda, e para escrever sobre futebol, teriam de ter sido jogadores. Abraço!

  • Ortiz diz: 23 de abril de 2009

    Caro Eduardo Cecconi, parabéns pelo Blog. Para os amantes do futebol ele é excelente. Deixo-lhe minha sugestão para fazer uma série para os sistemas táticos das equipes que jogam a serie A do brasileiro, já que estamos próximo de seu início. Um Abraço!

    Resposta do Cecconi: valeu pela Dica, Ortiz. Aos poucos estamos analisando alguns que se destacaram nos Estaduais – Santos, Palmeiras, Cruzeiro… – mas tomara que consigamos expandir essa análise e tentar cobrir o máximo de equipes do Brasileirão. Abraço!

  • rafael diz: 23 de abril de 2009

    Não tá errado o time do cruzeiro? Não seria elivélton na meia esquerda e donizete no ataque? Que eu saiba, o elivélton nunca jogou de atacante, apenas de meia e ala.

    Resposta do Cecconi: oi Rafael, tudo bem? Este não é o Donizeti “Pantera”. É aquele Donizeti que jogou no Grêmio. O Donizeti Pantera jogou só o Mundial pelo Cruzeiro. Por isso a confusão. Na Libertadores o Autuori adiantou o Elivélton. Abraço!

  • Cecon diz: 22 de abril de 2009

    Pra jogar no 3 5 2 , é de fundamental importancia 1 verdadeiro libero(quem? Rever) e 2 excelentes alas ( só se colocarem o Souza na ala direita, caso contrário não existe alas no Gremio, só temos feridas,c/ R.Cabeção e F.Santos não ganharemos porcaria nenhuma são ruins de doer e tem torcedor que acha que jogam bola, francamente.

  • Leandro diz: 24 de abril de 2009

    Assunto bem interessante Eduardo. Já que tu sucistaste to tema, poderia dizer como tu achas que o Grêmio deveria jogar daqui pra frente, contando com a contratação do Rafael Carioca, que já está quase contratado. Abraços.

Envie seu Comentário