Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Mano repete marcação em duas linhas no Timão

27 de abril de 2009 11

Ontem assisti à repetição de um sistema interessante de marcação no Corinthians de Mano Menezes. Se com a bola a equipe atua no convencional 4-4-2 com meio-campo em quadrado, na marcação o Timão fecha em duas linhas, no ainda mais tradiciona 4-4-2 britânico – movimento que já havia sido analisado aqui no Preleção ano passado, durante a Série B.

Com a posse, o Corinthians tinha Cristian como primeiro volante, mais à esquerda; Elias de segundo volante, pouco à direita; Morais na meia-esquerda; e Douglas centralizado na articulação. No ataque, Jorge Henrique aberto na direita, e Ronaldo também centralizado.

Sem a bola, o movimento é sincronizado os dois lados. Morais recuava, alinhando-se a Cristian; e na direita, quem descia era Jorge Henrique, completando a linha de meio-campo ao lado de Elias. Com isso, Mano Menezes permitia aos laterais entrar em combate direto com Madson e Neymar, deixando um zagueiro com Kléber Pereira, e outro sobrando.

Morais e Jorge Henrique entravam em combate direto com os laterais Luizinho e Triguinho, enquanto Cristian e Elias fechavam a frente da área, tirando os espaços das diagonais de Madson e Neymar, e também acabando com a movimentação de Paulo Henrique.

Só não participavam dessa formação defensiva Douglas e Ronaldo. Douglas para receber e organizar o contra-ataque, e Ronaldo para finalizar, como aconteceu nos dois gols que ele marcou.

No 2º tempo, Mano Menezes trocou Jorge Henrique por Fabinho, mas manteve a formação defensiva em duas linhas de quatro jogadores. Ele passou Elias para o lado direito, onde estava Jorge Henrique, colocando Fabinho ao lado de Cristian. O Santos, com os lados bloqueados, perdeu a infiltração em diagonal. E se viu forçado pelo Corinthians a apelar para o chuveirinho sem critério, não obtendo vantagem na bola aérea.

Esta estratégia deu certo, acredito, muito em função das características dos jogadores. Morais e Jorge Henrique aliam velocidade e capacidade física para movimentar-se nas duas táticas de grupo (marcação e saída de jogo), mantendo o fôlego e o comprometimento com muita disciplina tática. Tanto que Mano Menezes não exigiu o mesmo de Douglas, um jogador mais lento, preferindo Morais pelo lado esquerdo, e deixando o camisa 10 na organização dos contra-ataques.

Postado por Eduardo Cecconi

Comentários (11)

  • Lucas Ritzel diz: 28 de abril de 2009

    Faz algo muitissimo parecido com o que fazia no Grêmio em 2006. A diferença é que Hugo e Léo Lima marcavam menos que Jorge Henrique e Morais(Dentinho). Até por isso, como o Léo Lima ficou muito tempo machucadom ele optou pelo Alessandro nessa função, reforçando a marcação sem a bola.

  • Wagner diz: 28 de abril de 2009

    Sério mesmo, se o técnico mostra que tem bons conceitos, e o Tite mostrou, prefiro ficar sempre com o mesmo, o importante é ele ter capacidade de ver onde está errando e corrigir…para mim quase todos os técnicos brasileiros são burros, se temos um que não é, temos de manter…foi grande a turma do FORA TITE, agora diminuiu, ficaram poucos alucinados xingando o Tite…mas é claro, basta o time dar uma patinada que os corneteiros sem critério aparecem…

  • Marcelo Costa diz: 28 de abril de 2009

    Gostaria de elogiar seu blog que é bem escrito, claro e com ótimos gráficos. A análise tática que faço é a seguinte. O Corinthians teve dois zagueiros natos, mas o time jogou com três zagueiros (às vezes Alessandro, às vezes Cristian) e, durante o jogo, pôde ser vista uma linha de cinco defensores (com André Santos e Jorge Henrique pelas laterais). O Santos, dessa vez, jogou no 4-3-3 e no 3-4-3, com três atacantes enfiados, e não no 4-2-3-1. http://www.esquemastaticos.blogspot.com/

  • Claudio Ferreira Jr diz: 28 de abril de 2009

    Na verdade, o titular é realmente o Dentinho no lugar do Morais. Aí temos realmente duas linhas de quatro na defesa e, no ataque, o time joga em um 4-3-3, com dois pontas (Dentinho e Jorge Henrique), um centroavante (Ronaldo) e mais três no meio-de-campo. O mesmo sitema foi utilizado pela França na Copa de 2006, com Zidane na função do Douglas e Malouda e Ribery nos lugares de Dentinho e Jorge Henrique…

  • Wagner diz: 28 de abril de 2009

    Sou fã do Mano, mas vamos combinar, teve mta sorte..Mancini dominou e criou mtas chances, poderia ter sido até um 4×3 para o Santos e sobrava gol perdido..o Gorducho salvou o sortudo Meneses…Tite deu chocolate no Burricy, Luxa e Roth..ahh! Roth ñ conta?…se Tite for bem contra o pioneiro em sistemas adotados na Europa, o Mano, passará a ser meu preferido…vou aguardar, terá no mínimo 2 jogos c o Curintiah, Tite indo bem, vou sugerir q seja nosso Ferguson, ñ trocamos mais técnico…

  • Alexandre Ph diz: 28 de abril de 2009

    Dessa vez eu consegui perceber essas duas linhas de marcação fácil..
    Mesmo pela TV.

    Desde que começei a ler o preleção fiquei muito mais ligado nas táticas e formações.
    Inclusive no sagrado futebolzinho 7 começei a achar os furos dos outros times e me posicionar melhor!!

  • Wagner diz: 28 de abril de 2009

    Sabendo que Mano estava jogando com 3 atacantes já imaginei que estava na cola dos grandes europeus, como sempre…4141 ou 4411….agora, esta de se transformar em quadrado atacando…para que simplificar se dá para complicar…

  • sandro diz: 29 de abril de 2009

    Cecconi, mais uma vez, sua análise está correta, mas, acho que caberia uma análise também do Santos, nesse jogo, pois fica uma pergunta: o esquema deu certo, ou foi beneficiado pela incapacidade (nesse jogo) dos atacantes do Santos, que perderam um caminhão de gols, especialmente no segundo tempo? Acho que, se aproveitassem metade das chances perdidas, poderiam ter arrancado, ao menos, um empate. O que você acha?

    Resposta do Cecconi: olá Sandro, tudo bem? Como eu disse no post, sem espaços pelos lados o Santos começou a resumir as jogadas, e abusou do chuveirinho, tendo apenas o Kléber Pereira para cabecear. Faltou inspiração, concordo que o Neymar e o Madson, mesmo que bem marcados, estiveram um pouco abaixo. Afinal, o Ronaldo recebeu só duas bolas. E fez dois gols. Abraço.

  • Lázaro diz: 1 de maio de 2009

    Boa tarde a todos, boa tarde pessoal do blog. Felizmente descobri esse blog há alguns dias quando procurava o esquema tático da seleção (pq usso o msm qnd jogo PES 2009) e estou adorando.

  • Lázaro diz: 1 de maio de 2009

    Felicitações créditos pela observação brilhante na função do Rooney no M.United. Agora, como sou corinthiano, não pude deixar de observar a formação de 2008 e essa atual. Concordo mais uma vez, e ficou perceptivel ao encaixar essa com o esquema do Santos(tb postado neste blog). E pra quem viu os jogos essa form

  • Marcelo Alexandre Becker diz: 28 de abril de 2009

    tudo perfeito, só q Dentinho é o titular no lugar de Morais. assim, qndo o time tem a bola é um 4-3-3!

Envie seu Comentário